Já consideramos o chamado “Evangelho de Maria” em PR 529 pp. 290ss. Voltamos ao assunto a propósito do livro assim intitulado, que traz o texto de tal apócrifo com os comentários de Jean-Yves Leloup1.
Jean-Yves Leloup não distingue entre apócrifos de origem cristã e apócrifos de origem gnóstica. Por isto equipara uns e outros entre si como fontes fidedignas para reconstituir o surto do Cristianismo. Daí a afirmação: “Trata-se do Evangelho de Maria, atribuído a Miriam de Magdala, primeira testemunha da ressurreição e, por causa disto, considerada pelo apóstolo João como sendo, bem antes de Paulo e de sua visão a caminho de Damasco, a fundadora do cristianismo” (p. 8).O apócrifo Evangelho de Maria é de origem gnóstica e foi encontrado em nag Hammadi. Propõe em termos vivazes o relacionamento de Maria Madalena com Jesus como o de uma companheira privilegiada em convívio com o seu Amado.
Tal conclusão é gratuita; resulta de uma interpretação do texto apócrifo tendenciosa ou preconceituosa.
Madalena é quem transmite aos Apóstolos a doutrina que Jesus  lhe comunica: “Jesus confia-lhe palavras que os outros discípulos ignoram; ela ocupa o lugar deixado vago por Jesus; ela comunica os segredos recebidos e os explica” (p. 11).
Esse papel eminente decorre da intimidade com Jesus de que Madalena gozava: “Este papel de intermediária entre Jesus e os discípulos repousava sobre a crença na posição de Maria Madalena como companheira de Jesus durante sua vida e primeira testemunha da ressurreição” (p. 11).
Jean-Yves Leloup julga necessário atribuir a Jesus Cristo tal familiaridade com Madalena a fim de dissipar o conceito de que a sexualidade humana é pecaminosa. Se Jesus a vivenciou, como diz Leloup, não há por que a estigmatizar como algo de mau, embora este gesto liberal custe algum esforço ao cristão dado ao apreço da castidade e da vida uma e indivisa.
Pergunta-se: Que dizer?
Repita-se aqui o que foi dito neste fascículo à guisa do comentário do Evangelho de Felipe. Sejam enfatizados, porém, os três seguintes pontos:
1) Os Evangelhos gnósticos não procedem de fonte cristã, não representam o pensamento das primeiras gerações cristãs, datam do século II e provêm de escolas dualistas como foram as de Valentim, Basílides, Marcião. Por conseguinte não podem ser justapostos aos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, que no século I procedem da genuína fonte “Apóstolos-Jesus”. Em consequência dir-se-á: Não podemos procurar reconstituir as origens do Cristianismo consultando os apócrifos gnósticos.
2) As teses que tais escritos propõem não tem respaldo nem em textos anteriores nem na literatura cristã posterior. Com efeito; nenhum escritor da história do Cristianismo conhece o pretenso conúbio de Jesus nem o primado atribuído a Madalena. Não se diga que a Igreja ocultou essas proposições em favor do machismo eclesiástico. A mentira que a Igreja teria assim favorecido, teria pernas curtas, como toda mentira, segundo a sabedoria popular.
3) Distingamos entre sexualidade e genitalidade. Todo ser humano é sexuado (e Jesus o foi certamente), mas não é necessariamente genitor ou genitora. Jesus não se casou porque veio trazer ao mundo o início do Reino de Deus, no qual não há casamento, pois “todos serão como os anjos de Deus” (Mt 22, 23-33).
_____________
1 Ed. Vozes, Petrópolis 2006, 188pp.
Dom Estevão Bettencourt, osb

14 Comentários

  1. Excelente iniciatva de colocar aqui os ensinamentos sempre tão precisos de D. Estêvão.

    Existe um site em que podemos encontrar as Pergunte e Responderemos, desde 1959 até 2003:

    http://www.veritatis.com.br/pr/index.htm

  2. Alex A. Borges

    Penso que hoje uma das maiores necessidades da Igreja é uma formação adequada e ortodoxa dos seminaristas diocesanos e religiosos, a fim de que tenhamos sacerdotes fiéis a Cristo, à Igreja, ao Magistério da Igreja, ao Papa.
    “Se alguém ensinar uma outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com a doutrina conforme a piedade, é porque é soberbo, nada entende, é um doente à procura de controvérsias e discussões de palavras. Daí nascem inveja, brigas, blasfêmias, más suposições, altercações intermináveis entre homens de espírito corrupto e desprovidos de verdade,(…).” 1Tm 6,3-5.
    “Ora, o Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios,(…).” 1Tm 4,1-2.
    Bendito seja Deus pelo exemplo de ortodoxia e santidade deixado a nós por Dom Estevão Bettencourt!

  3. Edem de Almeida

    É uma pena que, por causa da equivocada identificação com a mulher pecadora que lava os pés de Jesus (Lc 7, 37), Maria Madalena tenha acabado alimentando infinitas lendas antigas e modernas e tenha entrado no culto e na arte quase somente em qualidade de «penitente», mais que como primeira testemunha da ressurreição, «apóstola dos apóstolos», como a define Santo Tomás de Aquino em seu Commento al vangelo di Giovanni.

    Essa confusão é que atraiu a malícia não só dos gnósticos, como também dos interessados em faturar em cima de temas religiosos.

  4. Dificilmente alguém conseguiria levar ao bom sucesso os cuidados com as coisas de Deus na Terra (Igreja) sendo casado, ou, se casado, ter outras ocupações e preocupações (filhos p.ex.), visto que a Igreja é algo que merece cuidado exclusivo, como ocorre na rede federal de ensino superior (dedicação exclusiva dos professores). É sabido que muitos que se dedicam à Igreja pela RCC, são casados e, por isso, possa haver um fortalecimento entre conjuges visando o serviço a Deus, pois ambos tem os mesmos ideais e buscam o Reino de Deus em detrimento de suas vidas pessoais. Ou seja, usam o casamento para Deus e não para si mesmos. Precisamos de um confidente. Se for sua esposa(o) melhor ainda, pois são aliados pelo sacramento do matrimônio, e não só por palavra pessoal empenhada (potencialmente questionável). Ter filhos, penso eu, seria problema sim, visto que não seriam seculares. Penso que tudo é possível aquele que crê pois à Deus nada é impossível. É possível que um casal, como noutras igrejas, seja um bom servo de Deus na plenitude do ser, visto que Deus é pai, mas pelo amor se assemelha à mãe. Por meio da psicologia moderna é possível que se crie meios para isso, embora haja a necessidade de haver celibatários, como Cristo e São Paulo.

  5. Saudações, Prof.Felipe Aquino, sabe, é muito bom lermos essas coisas pq sempre me perguntei algumas coisas que agora vi respondidas nas entrelinhas e implicitas em seu texto.
    Sabe, li, Há pouco, no site da CN, o testo sobre “os santos” e o significado. Puxa, sabe, vou levar ao grupo de reflexao para q leiamos e saibamos entender melhor…fico feliz de Deus propiciar para nos um leigo, culto, estudioso q por conta de sua profissao tenha podido dedicar-se aessas leituras para nos explicar com tamanho acuidade os meandros dascoisas de Deus que a Igreja jaescreveu…acho que nao conseguiria tantas respostas como vc viabiliza paranos…Que Deus o abençoe, e vc faça por onde a graça chegar!!!!!! marcos.

  6. josé alexandre

    Eu penso que cada vez mais nos católico estamos sendo esmagado com tantos pregadores querendo ser os donos da verdade.

    Conhecerei a verdade e ela o libertara.
    Eu espero em Deus que nos de sabedoria para que separemos o joio do trigo

  7. Caro professor Felipe: maravilhosa a sua iniciativa de expor no seu blog, um assunto tão importante como este e principalmente com o aval de Dom Estevão!!!!Eu admiro profundamente seus textos! Peço ao nosso amado Deus que lhe dê muita saúde, discernimento e sabedoria do Alto para continuar a sua obra evangelizadora que tanto bem nos faz!!!Um abraço prezado Professor Felipe.

  8. É LASTIMÁVEL QUE TAIS COMENTÁRIOS VENHAM GANHANDO ESPAÇO CADA VEZ MAIS EM NOSSA SOCIEDADE. TORNAR VERDADEIRO O FATO DE JESUS TER SE CASADO É UM FORMA DA NOVA ERA GANHAR ESPAÇO DIVULGANDO QUE JESUS DE NAZARÉ FOI APENAS MAIS “UM CRISTO” E NÃO O CRITO SALVADOR E FILHO DE DEUS.
    SABEMOS QUE JESUS É A FONTE DA AGUA VIVA, O AUTOR DA VITÓRIA, FILHO DE DEUS PAI. NÃO PODE TER SE CASADO, POIS O PRÓPRIO CRISTO ALERTA QUE O CASAMENTO É UMA FORMA DE O HOMEM COMPLETAR A MULHER E VICE VERSA, CRISTO ERA DEUS ENCARNADO, SE DEUS PRECISASSE DE UMA COMPANHEIRA CERTAMENTE NÃO CRIARIA ADÃO, E MUITO MENOS COLOCARIA, POR MEIO DE SEU ESPÍRITO SEU AMADO FILHO NO VENTRE DA VIRGEM MARIA. JESUS NÃO PRECISOU DE COMPANHIA, OPOIS É O DEUS, QUE SE FAZ COMPANHIA A TODOS.
    CABE A QUE ANUNCIA A BOA NOVA TER ISSO EM MENTE, É PRECISO SUPRIMIR DE FORMA ARRASADORA OS PENSAMENTOS DA NOVA ERA,NÃO PROIBÍ-LOS, POIS ISSO SÓ GERARIA MAIS CURIOSIDADE, E SIM MOSTRA-LOS AO MUNDO DE FORMA A TORNA-LOS TOTALMENTE DESINTERESSANTES.

  9. josé carlos

    para mim jesus foi, é, sempre será jesus, se eu der ouvido a um outro jesus fora do evangelho serei mais retardado de quem o faz, estarei desacreditando de quando jesus diz a pedro “tu és pedra e sobre ti as portas do inferno não prevalecerão” se não acreditar nisso posso assumir minha fé no incardido.Infeliz daquele que da ouvidos a qualquer otario por ai, precisa rever sua profição de fé. Não comhece a doutrina da igreja.

  10. Não é de admirar nos dias de hoje a mídia manipulando a verdade e agora querem também manipular a Bíblia com outro falso Evangelho como o de Tomé e agora de Maria.A Igreja Católica está convicta do que ensina e não irá ceder à essas pessoas que manipulam a verdade.Todas essas difamações que sofre nossa Santa Igreja nos confirma que a Igreja Católica é a verdadeira Igreja deixada por Cristo na Terra e que será tão odiada.

  11. olá sempre q posso passo por aqui!!!

  12. Será que todos estão a par do projeto de lei que pretende retirar o título oficial de Padroeira do Brasil de Nossa Senhora Aparecida?
    O Projeto de Lei 2623/07 do deputado suplente e pastor evangélico Victório Galli foi apresentado há 8 meses e passou quase desapercebido até maio último, mas, descoberto, recebeu uma onda de protesto. No dia 9 de julho foi rejeitado na Comissão de Educação e Cultura, mas até o momento não foi arquivado. Há outras informações em http://www.senhoranossa.com.br
    Para aqueles que quiserem enviar uma mensagem de protesto, o e-mail da CEC é cec@camara.gov.br.
    Vamos defender Nossa Mãe contra essa investida injusta.

  13. Uma boa notícia, que nunca deveria ter acontecido.
    Finalmente, dia 22 de agosto, foi arquivado o projeto de lei infeliz que pretendia retirar o título de Padroeira do Brasil de Nossa Senhora Aparecida.
    Durante 6 meses, o PL 2623/07, apresentado pelo deputado suplente e pastor evangélico Victório Galli, percorreu silenciosamente os caminhos do Congresso Nacional e foi descoberto apenas quando já estava na Comissão de Educação e Cultura para apreciação final. Se fosse aprovado ali, nem precisaria passar pelo Plenário.
    Assim que despontou na imprensa, porém, um tzuname de mensagens, tanto por e-mail como por cartas, acordou o país para o que estava acontecendo. Estima-se que quase meio milhão delas tenha chegado à Câmara dos Deputados.
    Foi também publicado um ótimo livro em reparação a esta afronta a Nossa Mãe e Padroeira, que pode ser visto em http://www.senhoranossa.com.br. É uma história com fatos dos mais impressionantes.
    Bem, com tudo isso é claro que o projeto não iria passar num ano de eleição.
    Seria bom que todos soubessem que é possível impedir o avanço de um mal quando todos fazem a sua parte. Este, pelo menos foi enterrado graças à mobilização espontânea dos internautas.

  14. Saudações
    quero expor minha opinião.

    se Jesus se casou ou não, isso não o torna menos Deus.
    Ele é Deus casado ou solteiro.
    Deus não liga para essa bobagens. Jesus é Deus e também é homem, um homem pode se casar se quiser.
    O casamento é sagrado, Jesus abençoou o casamento fazendo seu primeiro milagre numa festa de casamento.
    Ninguém tem como provar uma coisa nem outra é tudo uma questão de fé.
    Mas é pena que Jesus foi crucificado tão jovem e dessa forma Ele não deveria deixar filhos orfãos. Os profetas se casaram, os apóstolos se casaram. Se Jesus tivesse ficado até 80 anos Ele poderia ter se casado sim, e não haveria nada de mal nisso.
    O importante é o amor ao próximo, cultivar a paz, o perdão, cultivar a fé veradeira. Você acha que um São Francisco de Assis se importaria com uma questão dessas? ou um São Bento que é um verdadeiro grande santo? Vc acha que isso atrapalharia sua fé? de forma nenhuma…

    obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>