santa_maria

Á vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus; não desprezeis as nossas súplicas nem nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos,

ó Virgem gloriosa e bendita. Amém

fatimaNo Centenário das Aparições de Nossa Senhora em Fátima, o que é essencial saber da Mensagem para com ela fazer experiência?

A fé fria e abalada pela guerra

Em plena primeira guerra mundial, enquanto grandes potências espalhavam os horrores da guerra pelo mundo, Portugal também participou unindo-se aos seus aliados enviando suas tropas para o combate. Muitas famílias sofriam a angústia e o medo de perderem seus filhos, a fé estava fria e abalada.
Nesse contexto, já em 1915 em Fátima houve uma manifestação do céu quando Lúcia com três companheiras ao começar a rezar o terço no Monte do Cabeço viu suspenso no ar, sobre o arvoredo, uma figura como se fosse uma estátua de neve que os raios de sol tornavam algo transparente, mesmo sem saber o que era continuaram a rezar com os olhos fixos na figura, e ao terminarem a reza, desapareceu.
A guerra expressa a “ausência” de Deus em muitos corações que insensibilizados pelo pecado articulam a maldade cegamente contra a humanidade. As nossas más ações não testemunham a Sua presença, e pode levar  almas para o inferno.

Onde as Aparições de Fátima podem nos levar?

É importante saber que em todas as circunstancias da nossa vida, e diante dos conflitos da guerra Deus compadecido inclina os seus ouvidos, ouve e vê a dor do seu povo: …Um clamor se ouve em Ramá, de lamento, de choro, de amargura. É Raquel que chora seus filhos… ( Jr 1, 15)”. Ele usa de meios adequados, de pessoas para se manifestar e reavivar a fé nos corações. Portuga,l um dos menores países da Europa que sofreu o  impacto brutal no campo econômico e social  de uma guerra que se tornara global, foi escolhida por Deus para trazer Sua mensagem ao mundo: o que para o mundo é fraqueza, Deus o escolheu para envergonhar o que é forte. (1 Cor 1, 27).
Os acontecimentos sobrenaturais em Fátima continuaram a ocorrer nos anos seguintes, os mais conhecidos e estudados são os de 1916, Aparições do Anjo, e 1917 as de Nossa Senhora. São os ciclos: Angélico, Mariano e Cordimariano. O Ciclo Cordimariano, embora ocorridos em Espanha de 1925 a 1929, e após as Aparições em Fátima, fazem parte da Mensagem, são as Aparições de Nossa Senhora, do Menino Jesus, que se deu em Pontevedra; e da Santíssima Trindade e Nossa Senhora em Tuy, todos revelados a Ir. Lúcia.
Olhar e coração atentos a Mensagem de Fátima, pois ela tem muito a dizer para a Igreja. O Cardeal Tarcísio Bertone, ao se dirigir a respeito da Terceira parte do segredo de Fátima diz que: “Fátima é, sem dúvida, a mais profética das aparições modernas”.

Ao findarem, as aparições foram averiguadas e aprovadas pela Igreja local em 1930, mas a devoção popular já havia chegado a milhares de corações além do território Português, e atualmente já é conhecida no mundo.
A Mensagem de Fátima nos conduz unicamente para o Evangelho, é descrita de maneira clara, direta e concreta de como vivenciá-la, faz jus as palavras do Cardeal Bertone: Tal é a mensagem de Fátima, com o seu veemente apelo à conversão e à penitência, que leva realmente ao coração do Evangelho”.
Inúmeros são os que estudam as Aparições de Fátima, e muitos são os escritos a seu respeito, diante deles percebe-se que a Mensagem contida nas Aparições é como fonte inesgotável, e a descoberta para alguns estudiosos é que tudo converge, como um prisma, para o Imaculado Coração de Maria.
A Irmã Lúcia em um dos seus escritos, a quarta Memória, ao expor de maneira completa as aparições de Nossa Senhora e da Mensagem, ela apresenta em primeiro lugar e como referência principal o Coração Imaculado. Nossa Senhora ao aparecer com o Coração na mão remete-nos ao mais simples sentimento, na qual expressa que sente profundamente tudo o que nos afeta em todas as dimensões da nossa existência.
A mensagem também nos deixa um apelo, a rever nosso modo de vida de modo a nos empenhar na conversão continua e pessoal, pois a humanidade atual não esta diferente dos anos passados, continuam as guerras, sejam elas interiores, ou em nossos lares, na sociedade, e como pecadores precisamos estar atentos e vigilantes para que nossas almas e de tantos não se percam no inferno, por não haver quem se sacrifique e orem por elas.

A mensagem de Fátima nos prepara para a segunda vinda de Jesus

A Mensagem de Fátima é atual, é para os nossos tempos, ela nos projeta para a frente, na história, e ilumina os passos a realizar. Ela também nos prepara para a Segunda vinda de Jesus. Os que procuram viver essa espiritualidade se empenham na busca de santidade. Como disse Papa Francisco, vivemos uma terceira guerra mundial em pedaços. Aqueles que vivem a Mensagem não dão “as costas” para Deus, mas buscam estar em sua presença, através de constantes orações, do oferecimento que é custoso viver.  A exemplo dos pastorinhos, estes se compadecem, ama os pecadores e olha para os irmãos com os olhos de Deus, para curar as feridas causadas pelo mal e pelo pecado, especialmente nas relações entre as pessoas e os povos.
O mais simples gesto de amor para com o próximo é um ato de reparação das ofensas a Deus. Tais atitudes nos levam a ser pessoas empenhadas em construir a paz, a fraternidade no mundo. Isso é possível e começa onde estou e com quem estou, pois buscar a conversão do coração e da mente, através da oração e da penitência, significa começar a construir a paz dentro de cada um de nós, e desse modo como uma fagulha ela se espalhará pela terra.
Na Aparição de Fátima, quando Nossa Senhora mostra o inferno aos pastorinhos, não pretendeu aterrorizá-los, mas sim mostrar a eles e a nós que para além do Céu e do Purgatório existe o inferno, que não podemos negar a sua existência, pois, infelizmente muitas almas nele se perdem. Lembrar que o inferno existe deve nos impelir a lutar todos os dias para não sermos seduzidos e conduzidos pelo pecado, que nos leva ao afastamento de Deus, e também que os pecadores são dignos da salvação e conosco contam para alcançá-la.

A devoção ao Imaculado Coração de Maria

A Mensagem de Fátima, além de ser profética, nos traz a grande promessa como meio e resposta diante dos pecados que assolam a humanidade, é a Devoção ao Imaculado Coração de Maria: «Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz […] Para a impedir, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados».
Os tempos atuais e os seus problemas exigem uma urgência a essa devoção. É urgente percorrer este caminho simples, acessível a todos: a oração diária do Rosário (ou terço); de tudo o que se fizer, das coisas mais simples do dever quotidiano, oferecer sacrifícios e orações pela conversão dos pecadores e pela Paz no mundo; e, uma vez por mês, consagrar e santificar os primeiros sábados. É o conteúdo da grande promessa, confiada à Irmã Lúcia na aparição de 10 de dezembro de 1925.
Não se pedem coisas extraordinárias que estejam para além das possibilidades humanas. Tudo é tão simples que até parece impossível que desta simplicidade dependa a paz e a salvação do mundo! Deus é simples, e as almas sensíveis, de coração unido a Ele, ouvem a Sua voz e o Seu apelo, se dispõem e contam com a Sua graça para atendê-lo.

Nilza e Gilberto Maia
Comunidade Canção Nova

(fonte: https://goo.gl/UfJCYH )

images (1)O dia 20 de fevereiro foi instituído pela Igreja como a festa em memória aos beatos Jacinta e Francisco Marto, os pastorinhos de Fátima.

Os beatos assimilaram bem a mensagem recebida do céu, por intermédio de Nossa Senhora, e se esmeraram em atender os apelos por ela apresentados.

A partir das Aparições de Nossa Senhora, deixaram-se conduzir, de modo autêntico e genuíno, pela Mensagem de Fátima, houve um entendimento de coração e de alma do interior de cada um deles. Com naturalidade, expressaram em suas atitudes virtudes tão nobres de caridade, que, além de atrair milhares de devotos a Fátima, colaborou para expandir a Mensagem pelo mundo.

As aparições trouxeram sim alguns contratempos na família, como por parte dos céticos, a prisão, os insultos, a liberdade de ir e vir. O caminho de Deus para os Pastorinhos não ofereceu glória terrena, poder ou riqueza, mas os convidou a continuar uma vida de austeridade, de simplicidade, e a trilharem a ascendência espiritual por meio de constantes orações, sacríficos pela conversão dos pecadores e reparação ao Imaculado Coração de Maria. A maior glória foi oferecida por Deus e revelado a eles por Nossa Senhora, a garantia de irem para o céu.

Por mais novos que fossem, os Pastorinhos faziam tudo com sobriedade, e a cada dia crescia o amor pela salvação das almas. O amor os movia a ponto de não medirem sacrifícios pra resgatá-las e livrá-las do inferno.

Jacinta também era inspiradora dos sacrifícios que podia oferecer a Deus juntamente com sua prima Lúcia e com seu irmão, Francisco. Ela possuía um amor imensurável pelos pecadores, e, muitas vezes ao dia, rezava: “Oh, meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno, levai as alminhas todas para o céu, principalmente as que mais precisarem” As pessoas, logo ao vê-la,  apresentavam-lhe um caso para que rezasse. Jacinta não se esquecia, e sempre ao rezar os apresentava a Deus.

Muitas foram as graças alcançadas por intermédio dela:

Encontrou-nos um dia uma pobre mulher e, chorando, ajoelhou-se diante da Jacinta a pedir-lhe que Ihe obtivesse de Nossa Senhora a cura de uma terrível doença. Jacinta, ao ver de joelhos, diante de si, uma mulher, afligiu-se e pegou-lhe nas mãos trêmulas para a levantar. Vendo que não era capaz, ajoelhou também e rezou com a mulher três Ave-Marias; depois, pediu-lhe que se levantasse, que Nossa Senhora havia de curá-la. E não deixou mais de rezar todos os dias por ela, até que, passado algum tempo, tornou a aparecer para agradecer a Nossa Senhora a sua cura.” (Memorias de Ir. Lucia, pg 56.57)

Francisco, mais silencioso e contemplativo, tinha predileção em consolar Nosso Senhor, e era de muita oração. Certa vez, sua prima Lúcia lhe perguntou:Francisco, tu, de que gostas mais: de consolar Nosso Senhor ou converter os pecadores, para que não fossem mais almas para o inferno?

Gostava mais de consolar Nosso Senhor. Não reparaste como Nossa Senhora, ainda no último mês, pôs-se tão triste quando disse que não ofendessem a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido? Eu queria consolar Nosso Senhor e depois converter os pecadores, para que não O ofendessem mais.” (Memorias de Ir. Lucia, pg 155)

Muitos são os relatos da vida dos Beatos Jacinta e Francisco Marto para contar, porém, apenas nesses simples fatos é perceptível que, já em vida, tinham fama de santidade, praticaram virtudes heroicas e foram dignos de receber a honra nos altares.

Somos convidados a trilhar o mesmo caminho de santidade percorrido por Jacinta e Francisco, com eles podemos contar para conversão de muitos dos nossos e também suplicar a eles para receber as graças de que necessitamos.

Oração aos beatos Jacinta e Francisco Marto

Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-vos profundamente e agradeço-vos as aparições da Santíssima Virgem em Fátima.

Pelos méritos infinitos do Santíssimo Coração de Jesus e por intercessão do Coração Imaculado de Maria, peço-vos que, se for para Vossa maior glória e bem das nossas almas, digneis-Vos glorificar diante de toda a Igreja os bem-aventurados Francisco e Jacinta, concedendo-nos, por sua intercessão, a graça que Vos pedimos. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Nilza e Giba Maia

lucia_n (1)A grande protagonista das Aparições de Fátima, Lúcia de Jesus, nasceu em 22 de Março de 1907, em Aljustrel, Paróquia de Fátima. Foi batizada no dia 30 de Março na Igreja paroquial de Fátima. Os seus pais eram Antônio dos Santos e Maria Rosa. Sendo a mais nova de sete irmãos, Lúcia era a favorita da família e foi sempre querida por todos durante a sua infância. Apesar da família ter passado por algumas dificuldades, a mãe de Lúcia educou todos os seus filhos num espírito cristão exemplar.
As circunstâncias familiares obrigaram a que Lúcia começasse muito cedo a tomar conta do rebanho da família. Durante as aparições, Lúcia teve um papel fundamental, porque Nossa Senhora escolheu-a como intermediária e deu-lhe uma mensagem que devia ser revelada apenas mais tarde.

Depois das aparições e obedecendo ao pedido de Nossa Senhora, Lúcia frequentou a escola primária de Fátima. Em 17 de Junho de 1921, com 14 anos, ingressou no Asilo de Vilar (Porto), dirigido pelas religiosas de Santa Doroteia, onde recebeu uma excelente formação moral e religiosa. O exemplo dos seus professores e a sua gratidão para com eles fez com que ela decidisse entrar no Instituto de Santa Doroteia em Tuy, Espanha, onde tomou o hábito, com o nome de Maria Lúcia das Dores. Fez a profissão religiosa de votos temporários em 3 de Outubro de 1928 e, em 3 de Outubro de 1934, a de votos perpétuos. No dia 25 de Março de 1948, transferiu-se para Coimbra, onde ingressou no Carmelo de Santa Teresa, tomando o nome de Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado. No dia 31 de Maio de 1949, fez a sua profissão de votos solenes.

A Irmã Lúcia foi a Fátima várias vezes: uma delas a 13 de Maio de 2000, data da Beatificação dos seus primos Francisco e Jacinta, pelo Papa João Paulo II.

A Irmã Lúcia deixou-nos as suas maravilhosas “Memórias” que já se encontram publicadas em várias línguas. Ela escreveu também mais tarde um livro intitulado: “Apelos da Mensagem de Fátima”.

A irmã Lúcia faleceu a 13 de Fevereiro de 2005, aos 97 anos no seu convento Carmelita, em Coimbra. Participaram no seu funeral milhares de pessoas.

Imagem peregrina de Nossa Senhora de FátimaChegamos, por fim, à Cova de Iria, junto da carrasqueira, e começamos a rezar o terço com o povo. Pouco depois, vimos o reflexo da luz e, em seguida, Nossa Senhora sobre a azinheira.

Continuem a rezar o terço, para alcançarem o fim da guerra. Em outubro virá também Nosso Senhor, Nossa Senhora das Dores e do Carmo, S. José com o Menino Jesus para abençoarem o mundo. Deus está contente com os vossos sacrifícios, mas não quer que durmais com a corda; trazei-a só durante o dia.

Têm-me pedido para Lhe pedir muitas coisas: a cura de alguns doentes, de um surdo-mudo.

Sim, alguns curarei; outros, não. Em outubro farei o milagre, para que todos acreditem.

E começando a elevar-se, desapareceu como de costume.”

Text Extraído do livro: Mistica de Fátima

Adquira: http://goo.gl/9ED7Z3

lugarquartaparicao1… a meu ver foi no dia 15, ao cair da tarde (18 horas). Como ainda, então, não sabia contar os dias do mês, pode ser que eu esteja enganada; mas conservo a ideia de que foi no mesmo dia em que chegamos de Vila Nova de Ourém.

Andando com as ovelhas, na companhia de Francisco e seu irmão João, num lugar chamado Valinhos1, e sentindo que alguma coisa de sobrenatural se aproximava e nos envolvia, suspeitando que Nossa Senhora nos apareceria e tendo pena que a Jacinta ficasse sem vê-la, pedimos a seu irmão João que a fosse chamá-la. Como ele não queria ir, ofereci-lhe, para isso, dois vinténs, e lá ele foi.

Entretanto, vi, com o Francisco, o reflexo da luz a que chamávamos relâmpago; e chegada a Jacinta, um instante depois, vimos Nossa Senhora sobre uma carrasqueira.

Que a Senhora quer de mim?

Quero que continueis a ir à Cova de Iria no dia 13, que continueis a rezar o terço todos os dias. No último mês, farei o milagre, para que todos acreditem.

Que é que você quer que se faça com o dinheiro que o povo deixa na Cova de Iria?

Façam dois andores: um, leva-o tu com a Jacinta e mais duas meninas vestidas de branco; o outro, que o leve o Francisco com mais três meninos. O dinheiro dos andores é para a festa de Nossa Senhora do Rosário, e o que sobrar é para ajudar na construção de uma capela que vocês hão de fazer.

Queria pedir-Lhe a cura de alguns doentes.

Sim; alguns curarei durante o ano.

E tomando um aspecto mais triste:

Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, pois muitas almas vão para o inferno por não ter quem se sacrifique e peça por elas.

E, como de costume, começou a elevar-se em direção ao nascente.

Trecho retirado do livro Mistica de Fátima

Adquira, acesse: http://goo.gl/oPuiwm

602949_590931404285754_350368730_nOs desígnios misericordiosos de Deus começam a manifestar-se nas Aparições de Junho e sobretudo de Julho de 1917, na Cova da Iria e tiveram o seu magnífico Epílogo em Espanha, nas visões de 1925 e 1926 em Pontevedra, e em 1927 e 1929 em Tuy.

Em Fátima, no dia 13 de Junho manifesta-se o Coração de Maria circundado de espinhos, pedindo reparação, enquanto a Senhora pronuncia estas palavras “Jesus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração“.

Na Aparição de Julho, os destinos do mundo e das almas aparecem dependentes do Coração Imaculado de Maria, segundo o que foi revelado na visão do Inferno : – «Vistes o Inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão a paz. A guerra vai acabar, mas, se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior.

Quando virdes uma noite alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para a impedir, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora nos primeiros sábados.

Se atenderem a meus pedidos, a Rússia converter-se-á e terão paz. Se não, espalhará os seus erros pelo mundo promovendo guerras e perseguições à igreja; os bons serão martirizados; o Santo Padre terá muito que sofrer; várias nações serão aniquiladas.

Por fim, o meu Coração Imaculado triunfará.

O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia que se converterá e será concedido ao mundo algum tempo de paz. Em Portugal se conservará sempre o Dogma da fé; etc.…”

Esse conteúdo encontra-se no Livro Mistica de Fátima

DSC00168«– Vossemecê que me quer?
– Quero que venham aqui no dia 13 do mês que vem, que continuem a rezar o Terço todos os dias, em honra de Nossa Senhora do Rosário, para obter a paz do mundo e o fim da guerra, porque só Ela lhes poderá valer.
– Queria pedir-lhe para nos dizer Quem é, para fazer um milagre com que todos acreditem que Vossemecê nos aparece.
– Continuem a vir aqui todos os meses. Em Outubro direi quem sou, o que quero, e farei um milagre que todos hão-de ver, para acreditar.
[– Tenho aqui um pedido se Vossemecê converte uma mulher do Pedrógão e uma da Fátima e se melhora um menino da Moita.
Ela disse que os convertia e melhorava entre um ano.]
– Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes e em especial quando fizerdes alguns sacrifícios: “Ó Jesus, é por Vosso amor, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria”.
Ao dizer estas últimas palavras, abriu de novo as mãos, como nos dois meses passados.
O reflexo pareceu penetrar a terra e vimos como que um grande mar de fogo. Mergulhados em esse fogo, os demónios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio, levadas pelas chamas que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das faúlhas em os grandes [incêndios], sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor (deveu ser ao deparar-me com esta vista que dei esse ai! que dizem ter-me ouvido). Os demónios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa. Assustados e como que a pedir socorro, levantámos a vista para Nossa Senhora, que nos disse com bondade e tristeza:
– Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar. Mas, se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior. Quando virdes uma noite alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre.
Para a impedir virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a Meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas. Por fim o Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz. Em Portugal conservar-se-á sempre o dogma da Fé.
{Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fogo em a mão esquerda; ao cintilar, despedia chamas que parecia iam incendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu encontro: O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte disse: “Penitência, Penitência, Penitência!” E vimos numa luz imensa que é Deus algo semelhante a como se vêem as pessoas num espelho quando lhe passam por diante um Bispo vestido de Branco; tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre. Vários outros Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fora de sobreiro com a casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trémulo, com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz, foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam vários tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas e várias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de várias classes e posições. Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, neles recolhiam o sangue dos Mártires e com ele regavam as almas que se aproximavam de Deus.}
Isto não o digais a ninguém. Ao Francisco, sim, podeis dizê-lo.
Quando rezais o Terço, dizei depois de cada mistério: “Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as alminhas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem”.
Seguiu-se um instante de silêncio e perguntei:
– Vossemecê não me quer mais nada?
– Não. Hoje não te quero mais nada.»

Memórias da Irmã Lúcia I.. 176-177 (IV Memória)

caminho ceu fatimaAs aparições de Nossa Senhora em Fátima, fará 100 anos a 13 de Maio de 1917.

Para os que de algum modo a conheceu, se viu envolvido ou tocado pela Mensagem de Fátima, é convidado a fazer uma retomada de vida diante dos Apelos que Deus nos trouxe através de Nossa Senhora.

Antes de tudo foi um Apelo de Amor, o coração misericordioso de Deus se compadeceu e compadece diante dos horrores do pecado que assola a humanidade, mas que por primeiro assola o ser humano atingindo a sua dignidade de filho de Deus.

Nesse tempo em que a comportas do céu estão escancaradas a espera  que o pecador se converta e entre por ela, pois a Igreja em sua Sabedoria institui esse ano da Misericórdia, tempo extraordinário preparado e querido por Deus para abarcar toda a humanidade.  O Pai Celeste quer que todos ocupemos o lugar que Jesus preparou para nós no Céu, para viver eternamente na sua presença.  O que Ele nos preparou é grandioso, é inexplicável e imensurável… Eis que vivemos no tempo favorável, eis que estamos no tempo da salvação (2 Cor 6,2)

Não esqueçamos que estamos na leva dos pecadores, embora caminhemos a anos com o Senhor ou a pouco tempo, sempre seremos pecadores necessitados de conversão. Apossemos do tempo de graça, não protelemos a nossa conversão, nos empenhemos na busca sincera de Deus. Não basta ir nas coisas da Igreja, é preciso estar atentos de como a vivenciamos quando participamos da Santa Eucaristia, que sentido dou a ela, como está meu coração quando busco o Sacramento da Reconciliação, se há de fato contrição e arrependimento, ao rezar o terço onde está meu pensamento e o meu coração? Sim nos dispersaremos e até perdemos o sentido do que fazemos, as vezes é rotineiro e repetitivo o que fazemos,  pois a natureza humana é frágil e limitada, mas Jesus nos pede sedes perfeitos como o vosso Pai do Céu é perfeito.(Mt 5,48)

Mas qual o motivo de Jesus nos pede a perfeição? Para que não nos relaxemos, mas tomando a consciência de que a nossa natureza humana é frágil, que podemos nos trair, embora desejosos de fazer a vontade de Deus acabamos fazemos o mau que não queremos (Rm 7, 19) Jesus quer que lutemos para alcança a perfeição, mesmo sabendo que nunca a alcançaremos, a não ser que Deus nos conceda a graça de alcança-la, mas precisamos nos esmerar, lutar para chegar no máximo que devemos ser, o máximo que podemos atingir da perfeição, pois tudo que somos e o que fazemos precisa e deve nos conduzir a chegar a meta final o céu. A nossa vida só tem sentido se caminharmos para ganhar o céu.

Quão forte é a jaculatória que Nossa Senhora ensinou aos Pastorinhos na Aparição e Fátima, e que rezamos ao findar cada mistério do Rosário, e podemos reza-la varias vezes durante o dia: Oh meu Jesus perdoai nos e livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu e socorre principalmente as que mais precisarem.

Essa oração é um clamor ao céus para as almas que estão a beira do abismo sejam resgatadas por Deus e retomem o caminho que a conduzirão para Deus, e que nenhuma se perca.

foto: Humberto Magro – Fátima/PT

 

A recompensa prometida é a Presença de Maria à hora da morte com todas as graças que cada um precisa. Isto significa a graça da boa morte, perseverança final, ou, por outras palavras, a Salvação Eterna.

À luz do Dogma do Corpo Místico e da Comunhão dos Santos, esta devoção é aplicável primeiramente a quem a faz, e pode repetir-se, oferecendo-a por outros.

A devoção dos 5 Primeiros Sábados foi aprovada pelo Bispo de Leiria a 13-9-1939, em Fátima.