CINCO FORMAS DA DEVOÇÃO

A devoção à Misericórdia Divina iniciou-se com as revelações de Jesus a Santa Faustina Kowalska, religiosa polonesa, que viveu entre 1905 e 1938. Os elementos da devoção estão registrados em seu “Diário”, escrito a pedido de Jesus. Para ter acesso à tradução em língua portuguesa, consulte www.misericordia.org.br. Apresentamos, a seguir, os cinco principais elementos dessa devoção.

1. A Imagem de Jesus Misericordioso

Em 22 de fevereiro de 1931, Santa Faustina teve uma visão de Jesus, vestido de túnica branca, com a mão direita levantada para abençoar, e a esquerda sobre no peito, de onde saíam um raio vermelho e outro branco. Disse-lhe Jesus: Pinta uma Imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós Prometo (a quem a venerar) já aqui na Terra, a vitória sobre os inimigos e, especialmente, na hora da morte. Eu mesmo a defenderei como Minha própria glória. Santa Faustina perguntou o significado dos raios da Imagem. Jesus respondeu: O raio pálido significa a Água que justifica as almas; o raio vermelho significa o Sangue que é a vida das almas.

2. A Festa da Misericórdia
O Diário de Santa Faustina revela que esta festa é um desejo de Jesus: Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Neste dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha misericórdia. Jesus deu a essa Festa tamanha importância que chegou a dizer: O Meu coração se alegra com essa Festa. A Festa da Misericórdia Divina, celebrada no domingo depois da Páscoa, foi instituída pelo Papa João Paulo II no dia 30 de abril de 2000.

3. A Novena à Misericórdia
Cada dia da novena se inicia com uma intenção particular, proposta pelo próprio Senhor. Santa Faustina acata as intenções propostas e compõe uma série de pequenas orações. Jesus disse: Desejo que, durante estes nove dias, conduzas as almas à fonte da Minha misericórdia, a fim de que recebam força, alívio e todas as graças de que necessitam (…) Cada dia, conduzirás ao Meu Coração um grupo diferente de almas e as mergulharás nesse oceano da Minha misericórdia. As intenções e invocações para a novena estão no Diário, nos números 1210 a 1229.

4. O Terço da Misericórdia
Trata-se de outra forma de devoção ensinada por Jesus a Santa Faustina. O Senhor lhe disse: Essa oração serve para aplacar a Minha ira. Tu a recitarás por nove dias, por meio do Terço do Rosário, da seguinte maneira: Primeiro dirás o “Pai Nosso”, a “Ave Maria” e o “Credo”. Depois, nas contas de Pai Nosso, dirás as seguintes palavras: “Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e dos do mundo inteiro”. Nas contas de Ave Maria, rezarás as seguintes palavras: “Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.” No fim, rezarás três vezes estas palavras: “Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro”.

5. A Hora da Misericórdia
A forma de culto à Misericórdia Divina é a recordação da hora em que se deu a morte redentora na Cruz, hora em que, do coração de Cristo, jorraram Sangue e Água como fonte de misericórdia para nós. Eis as palavras de Jesus: Às três horas da tarde, implora à Minha misericórdia especialmente pelos pecadores e, ao menos por um breve tempo, reflete sobre a Minha Paixão, especialmente sobre o abandono em que Me encontrei no momento da agonia. Esta é a Hora de grande misericórdia para o Mundo inteiro. Permitirei que penetres na Minha tristeza mortal. Nessa hora nada negarei à alma que Me pedir pela Minha Paixão. Esperamos que você possa conhecer cada vez mais e se beneficiar da fonte inesgotável de graças que Jesus prometeu conceder por esses meios.