Confira o novo lançamento do DAVI (Departamento de Áudio Visuais da Canção Nova) especialmente pra você:
Coletânea com 10 DVDs de pregação, sobre variados temas.
Peça o seu através do link abaixo, pelo Porta a Porta, ou, através do fone  012 31862600.
Deus o(a) abençoe!
http://loja.cancaonova.com/products/25132-kit-dvd-as-10+-de-pe-adriano-zandona

Novo lançamento do DAVI (Departamento de Áudio Visuais da Canção Nova) especialmente pra você: Coletânea com 10 DVDs de pregação, sobre variados temas.Peça através do link abaixo, pelo Porta a Porta, ou, através do fone  012 31862600.Deus o(a) abençoe! http://loja.cancaonova.com/products/25132-kit-dvd-as-10+-de-pe-adriano-zandona

No universo delas, a felicidade está em pequenas porções, em pequenos gestos e expressões.

Vivemos em um mundo de intensas dores e ansiedades. Contudo, isso não significa que devemos deixar tudo isso ditar as regras sobre nossa existência. Pelo contrário, precisamos a tudo isso reagir submetendo nossa vida a uma outra lógica, que não nos deixará ser totalmente engolidos por essa enorme onda de agitação e ansiedade.

O ser humano é, no reino da vida, o único ser dotado de pensamento (razão). Ele é o único capaz de não se permitir determinar pelo meio em que vive e pelos seus instintos. Assim, pode construir uma realidade nova e melhor, que mais eficazmente corresponda à sua autêntica realização.

O ser humano não é uma massa de manobra que será sempre escrava do tempo e de suas frágeis tendências. Não. Ele é muito mais e foi criado para ir mais longe, pois possui a “dinâmica força da vida” dentro de si.

Não será possível uma vida sem tensões e sofrimentos, sobre isso já falamos. Mas como gerir esses sofrimentos e tensões tão comuns em nossa vida?

Aqui, não me sinto autorizado a despejar sobre você receitas (ou frases) prontas. Ao contrário, desejo apenas propor caminhos que lhe possibilitem pensar e, posteriormente, encontrar ferramentas que o auxiliem neste processo.

Gosto de contemplar o jeito como as crianças percebem a vida e as dificuldades nela presentes. Para elas, as coisas são simples e descomplicadas, e quase sempre elas acabam encontrando soluções fáceis e bem humoradas para cada tensão que encontram. Elas não possuem a pretensão de querer reter, instantaneamente, a felicidade debaixo dos braços, mas a buscam experimentar em pequenas porções, e a partir de cada pequena coisa que a existência lhes proporciona.

No universo delas, a felicidade está em pequenos gestos: em uma partida de futebol com os amigos, em uma brincadeira na rua ou em uma refeição cheia de comidas gostosas etc. Enfim, elas conseguem viver bem cada momento, sendo inteiras (e felizes) em cada fragmento.

Com elas podemos aprender algo?

Acredito que aprender a viver com simplicidade sem complicar os fatos, lutando para separar cada coisa e as experienciando uma de cada vez é um concreto caminho para uma boa gerência das cotidianas tensões (um concreto caminho para a maturidade).

Percebo que uma boa e diária dose de paciência revestida de otimismo, diante de nossa vida e de seus muitos desafios, nos possibilitará bem lidarmos com dores e frustrações, ensinando-nos a não nos desesperarmos diante das momentâneas derrotas que o dia a dia nos apresentará.

(Extraído do livro “Construindo a felicidade”)

Padre Adriano Zandoná

Precisamos amar e valorizar a família que temos

Sabe qual é a maior família que existe? É a que nós possuímos, por mais frágil e complicada que ela seja.

Sabe qual é o pior inimigo do real? Pensou? O pior inimigo do real – da família real, daquela que temos – é o ideal. É aquela “ideia” que carregamos acerca de um modelo, cuja realidade toda é “obrigada” a se adequar, mas que – definitivamente – não corresponde à nossa realidade.

Nem sempre o real corresponderá aos nossos ideais, e quase perenemente precisaremos, com leveza e maturidade, nos reconciliar com o real para podermos, a partir dele, construir uma encarnada felicidade. A felicidade só será possível a partir da verdade e da realidade que, verdadeiramente, nos compõem.

Como dizia o poeta: “Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será, mas isso não impede que eu repita: é bonita, é bonita e é bonita (Gonzaguinha). E por mais que a vida nos apresente problemas e deformidades, ela sempre será um palco de belezas no qual precisaremos protagonizar nossa história.

Nossos familiares são mesmo, inúmeras vezes, imperfeitos e muito difíceis de conviver. Todavia, é no solo dessa verdade (de nossa verdade) que precisamos nos assumir e, com bravura e heroísmo, nos lançar na construção da felicidade e de suas específicas exigências.

Precisamos amar e valorizar a família que temos: o pai, a mãe, os irmãos que Deus nos deu, independentemente de como são. Sem dúvida, isso não é fácil e se revela como realidade muito desafiadora. Entretanto, ninguém poderá construir uma vida verdadeiramente feliz sem ter a consciência tranquila pelo fato de ter lutado pelos seus e de não os ter abandonado em virtude de suas fraquezas.

Percebo como muito sábio e real o ditado que diz: “Quer conhecer alguém? É só observar como ele trata seus pais”, pois uma consciente e constante atitude de desamor com relação aos próprios pais revela uma séria e profunda deficiência no caráter e na forma de se relacionar.

Nossos familiares (os pais e os demais) manifestam nossas raízes e nossa identidade, e negá-los seria negarmos a nós mesmos.

Nossa família sempre oferecerá possibilidades, seja por meio de alegrias ou de dores, para nos tornarmos pessoas melhores. Nela, poderemos viver a relação e a abertura aos demais (não sem conflitos, é claro), assim compreendendo que não somos o centro “absoluto” do mundo.

Na família aprendemos – por bem ou por mal – a repartir o que temos e o que somos, com a possibilidade de, constantemente, frequentar a escola do perdão. Assim aprenderemos a oferecer, aos outros e a nós mesmos, uma nova chance diante de cada circunstância ou erro cometido.

Pela família aprendemos a compreender a imensa fragilidade humana que envolve a todos, percebendo-nos também como seres fracos e constantemente necessitados de ajuda e atenção.

Enfim, a família é uma escola de vida e de construção da felicidade; nela, o ser tem espaço para, de fato, “ser” e acontecer.

(Trecho extraído do livro “Construindo a felicidade”)

Padre Adriano Zandoná

Olá querido(a) amigo(a) que visita este Blog, que Deus o abençoe! Seja sempre muito bem vindo!

Tenho recebido muitos convites para eventos, missões, missas, lançamentos de livro (lançar o meu livro), etc., através das redes sociais no facebook.com/padreadrianozandona e no twitter.com/peadrianozcn, o que muito tem me alegrado. Todavia, confesso que esses não são os melhores canais para tal interação e agendamento e, em virtude disso, corremos o risco de não conseguir bem atender – com eficiência necessária – todos os que nos solicitam por tais canais. Assim sendo, quero aqui disponibilizar – com muito carinho e atenção à você - todos os meios pelos quais você poderá entrar em contato com nossa equipe e buscar um agendamento para eventos e missões.

Tal consulta e posterior agendamento poderá ser realizado – preferencialmente – através do email agendapadreadriano@cancaonova.com que deverá sempre ser enviado A/C de Graça Lourenço (responsável por minha agenda e eventos). Tal procedimento poderá também ser realizado através do fone (011) 3382-9800, da mesma forma, através da Graça Lourenço (Departamento de Eventos Canção Nova – SP).

Saliento que resido atualmente na Frente de Missão da Canção Nova (Comunidade Canção Nova) em São Paulo-SP (onde atuo como Formador Geral), e por isso, minha agenda para eventos externos não está sob a tutela do Departamento de Eventos da Canção Nova em Cachoeira Paulista, mas, está vinculada a Comunidade CN de São Paulo-SP, onde meus compromissos externos são especificamente definidos e agendados.

Obrigado pela atenção!

Nunca se esqueça que Deus te ama e te criou para a felicidade!

Att;

Pe. Adriano Zandoná (Comunidade Canção Nova)