Ano da Fé

No Evangelho 20121023-092207.jpgde São Luca 4, 19, Jesus começando seu ministério, vai a Sinagoga come era do seu costume, em dia de sábado, e proclama que veio para cumprir a profecia dada por Isaias, dizendo que proclama um ano de graça. Na linguagem bíblica, isso significa um Kairós, um ano da graça de Deus.
A força do anuncio cristão se baseia, não somente na dimensão do perdão dos pecados da pessoa, mas na salvação de todo o homem. Isso nos dá uma dimensão que o cristianismo, não para simplesmente numa mudança de comportamento moral, mas num projeto de vida, que parte de um encontro pessoal com Jesus Cristo.

Aqui entramos no centro do Ano da Fé, desejado por Bento XVI. Favorecer um constante encontro pessoal com Jesus Cristo, e este encontro que cria em nós a fé. Mas para que serve o Ano da fé? Como podemos viver este Ano da Fé? E o que será este Ano da Fé? Continue lendo…

Do Catecismo de São João Maria Vianney, presbítero
(Catéchisme sur la prière: A.Monnin, Esprit du Curé d’Ars, Paris1 899, pp.87-89)

(Séc.XIX)

20120804-083955.jpgA mais bela profissão do homem é rezar e amar

Prestai atenção, meus filhinhos: o tesouro do cristão não está na terra, mas nos céus. Por isso, o nosso pensamento deve estar voltado para onde está o nosso tesouro. Esta é a mais bela profissão do homem: rezar e amar. Se rezais e amais, eis aí a felicidade do homem sobre a terra.

A oração nada mais é do que a união com Deus. Quando alguém tem o coração puro e unido a Deus, sente em si mesmo uma suavidade e doçura que inebria, e uma luz maravilhosa que o envolve. Nesta íntima união, Deus e a alma são como dois pedaços de cera, fundidos num só, de tal modo que ninguém pode mais separar. Como é bela esta união de Deus com sua pequenina criatura! É uma felicidade impossível de se compreender. Nós nos havíamos tornado indignos de rezar. Deus, porém, na sua bondade, permitiu-nos falar com ele. Nossa oração é o incenso que mais lhe agrada. Contineu lendo…

MENSAGEM DO SANTO PADRE
PARA O 49º DIA MUNDIAL
DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES

(29 DE ABRIL DE 2012 – IV DOMINGO DE PÁSCOA)

PAPA BENTO XVI

20120804-082359.jpgTema: As vocações, dom do amor de Deus

Amados irmãos e irmãs!

O XLIX Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que será celebrado no IV domingo de Páscoa – 29 de Abril de 2012 –, convida-nos a reflectir sobre o tema «As vocações, dom do amor de Deus».

A fonte de todo o dom perfeito é Deus, e Deus é Amor – Deus caritas est –; «quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele» (1 Jo 4, 16). A Sagrada Escritura narra a história deste vínculo primordial de Deus com a humanidade, que antecede a própria criação. Ao escrever aos cristãos da cidade de Éfeso, São Paulo eleva um hino de gratidão e louvor ao Pai pela infinita benevolência com que predispõe, ao longo dos séculos, o cumprimento do seu desígnio universal de salvação, que é um desígnio de amor. No Filho Jesus, Ele «escolheu-nos – afirma o Apóstolo – antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em caridade na sua presença» (Ef 1, 4). Fomos amados por Deus, ainda «antes» de começarmos a existir! Movido exclusivamente pelo seu amor incondicional, «criou-nos do nada» (cf. 2 Mac 7, 28) para nos conduzir à plena comunhão consigo. Continue lendo…

20120702-154715.jpg Para onde você está indo? Onde quer chegar? O que você já fez da sua vida? O que pretende ainda realizar? Onde está a tua descendência? Estas e tantas outras perguntas o ser humano faz constantemente ao longo da sua vida!

Poderíamos dizer que somente um adulto pergunta sobre a própria vida. Mas isso é um engano, pois ate mesmo a mais simples pergunta de uma criança, representa a sua dúvida sobre a vida. Porém cabe a cada um de nós não pararmos nas perguntas, mas buscar constantemente uma resposta. Por que digo constantemente? Pelo simples fato que a cada pergunta respondida, outras surgirão! Podemos chegar a um estado de desespero, ou de depressão, ou de profunda angustia. Isso é muito provável para aqueles que somente buscam respostas para suas perguntas, sem avaliar a fonte, o lugar de onde estão saindo estas respostas. Demos um passo adiante nesta nossa reflexão. Continue lendo…

Dos Sermões de São Lourenço Justiniano, bispo

(Sermo 8, in festo Purificationis B.M.V.:

Opera 2, Venetis1751,38-39)

20120616-135235.jpg

Maria conservava tudo em seu coração

Maria refletia consigo mesma em tudo quanto tinha conhecido, através do que lia, escutava e via; assim, progredia de modo admirável na fé, na sabedoria e em méritos, e sua alma se inflamava cada vez mais com o fogo da caridade! O conhecimento sempre mais profundo dos mistérios celestes a enchia de alegria,fazia-lhe sentir a fecundidade do Espírito, a atraía para Deus e a confirmava na sua humildade. Tais são os efeitos da graça divina: eleva do mais humilde ao mais excelso e vai transformando a alma de claridade em claridade.

Feliz o coração da Virgem que, pela luz do Espírito que nela habitava, sempre e em tudo obedecia à vontade do Verbo de Deus. Não se deixava guiar pelo seu próprio sentimento ou inclinação, mas realizava, na sua atitude exterior, as insinuações internas da sabedoria inspiradas na fé. De fato, convinha que a Sabedoria de Deus, ao edificar a Igreja para ser o templo de sua morada, apresentasse Maria Santíssima como modelo de cumprimento da lei, de purificação da alma, de verdadeira humildade e de sacrifício espiritual. Continue lendo…