O papa aprovou recentemente o documento final com as conclusões da 5ª Conferência Geral dos Bispos da América Latina e do Caribe, que aconteceu em maio, na cidade de Aparecida. É um texto que todos os católicos praticantes deveriam tem em mãos.

Não é um relatório técnico e difícil de entender. Também não se trata de uma lista de reflexões teológicas abstratas e distantes da realidade… coisa para especialista! Não. Posso garantir que estamos diante de um “Documento Conclusivo”, com jeito de povo, e com vocação pastoral. Posso imaginar as equipes de liturgia, os grupos de pastoral da saúde, catequistas, reuniões de presbíteros, vocacionados, grupos de oração, círculos bíblicos etc, todos refletindo sobre alguma página deste documento.

Nos últimos meses tive a oportunidade de participar e presidir pelo menos três missas de novenas em grandes paróquias, cursos dentro e fora do Brasil, encontros de pastoral e de universitários e todos, utilizaram de alguma maneira do documento final da “Conferência”. Quase não é possível fazer algum homilia ou dar algum curso pastoral, se se referir à questão central deste momento que é o fato de sermos “discípulos-missionários”. Percebeu o detalhe? Não se fala mais de discípulos e missionários. O “e” caiu fora, pois não são duas coisas justapostas. Se é discípulo de Jesus Cristo, naturalmente é missionário. São dois lados da mesma moeda. São dias dimensões inseparáveis do “ser cristão”. Seguimos Jesus e por ele somos enviados. O documento mesmo diz que Jesus não nos envia somente depois de nos formar.

A missão é uma etapa fundamental na escola de Jesus. Aqui começam alguns problemas. Acostumamos com a idéia de que o missionário é aquele frei com barbas longas, sotaque de estrangeiro que deixou a sua terra e veio nos evangelizar. Tudo certo. Estes são missionários mesmo. São pregadores das “santas missões”. Mas cada pai e mãe de família, precisa fazer “santas missões” em seu próprio lar.

O cristão de verdade manifesta a presença de Cristo ali onde passa. Se trabalha em uma fábrica, não precisa colocar a Bíblia aberta sobre o torno mecânico, nem levar o terço pendurado no pescoço. Seu sorriso, sua disponibilidade, sua pontualidade, sua ternura, manifestam Cristo em seu ambiente de trabalho. Ele vive segundo a verdade. E a verdade, o caminho e a vida, nós sabemos que é Jesus.Mas para ser “discípulo-missionário” é preciso, antes de tudo, fazer a experiência pessoal de encontrar Jesus. É ele que chama, salva, envia. É preciso aceitar o chamado de Jesus. A isto chamamos de Kerygma. O documento dos bispos utiliza esta palavra grega sete vezes.

O Cristão precisa receber anúncio da salvação. O missionário precisa anunciar o kerygma. É preciso dizer às pessoas que Jesus Cristo é o Senhor! Parece tão óbvio. Mas qual foi a última vez que você proclamou esta verdade fundamental para alguém? O missionário traz esta mensagem em “linguas de fogo”, ou seja, suas palavras queimam corações. A Igreja quer acender cada vez mais este fogo que Jesus veio trazer sobre a terra. O kerygma anunciado provoca a conversão dos corações. Isto leva mais e mais pessoas a assumirem com convicção sua fé e a praticarem na vida em comunidade. Ali é possível contruir verdadeiras escolas de discipulado. Nós católicos precisamos ser mais “evangélicos”; mais “crentes”; mas “assembléia de Deus”; precisamos ser mais radicais, sem ser fundamentalistas. Para isso o estudo da Palavra de Deus ajuda e muito. Um curso de teologia pode fazer toda a diferença.

O discípulo missionário não se sente jamais totalmente formado. Ele precisa conhecer mais profudamente as verdades do Reino de Deus. Jesus fez isso com seus discípulos por três anos. E o resultado foi que aquele grupo de pescadores incendiou o mundo com a fé no Filho de Deus.

Pe. Joãozinho, scj

Sacerdote da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, reside atualmente em Taubaté-SP, onde atua como professor de teologia e Diretor Geral da Faculdade Dehoniana (www.dehoniana.org.br). É doutor em Teologia Sistemática (Assunção - SP), em Educação (USP) e em Espiritualidade (Gregoriana - Roma). Evangeliza também por meio da música e de diversos livros e artigos em revistas. Atua também em pregação de retiros, cursos e programas de televisão.

11 Comentários

  1. elizangela

    TUDO O QUE FOI DITO E REVELADO É O QUE NESTE MOMENTO ESTOU SENTINDO, UMA PROFUNDA VONTADE DE IR AO ENCONTRO DE DEUS INTENSAMENTE, ENTRERGAR TODO O MEU SER,MEU CORAÇÃO E MINHA FAMILIA DIANTE DELE CONVERTENDO TODOS OS QUE AMO PRINCIPALMENTE MEU ESPOSO QUE TEM UM CORAÇÃO MUITO DURO.

  2. Fernando Pimentel

    Padre Joãozinho,
    paz e bem!

    Obrigado pela sua reflexão-testemunho sobre o documento de Aparecida.
    Depois de escutar e ler tanta bobagem cercando a autorização da publicação é bom escutar (ler) algo assim.
    Creio que, cada vez mais, precisamos ser IGREJA com a IGREJA!
    Um abraço fraterno,
    Fernando Pimentel

  3. Padre,
    isso parece texto de carismatico(porque o senhor fez muitas referencias oa Espírito)!Muito bem dar atenção a um estudo da Palavra de Deus.
    Eu estou agarrando isso com unhas e dentes.

  4. Maria de Lourdes Sa Araujo

    É MAIS UMA BÊNÇÃO DE DEUS , O DOCUMENTO DE APARECIDA.
    É UM GUIA PARA TODOS OS CRISTÃOS , NÃO SOMENTE CATEQUISTAS , MAS PARA TODOS AQUELES QUE QUEREM TER
    UMA VIDA PLENA DE AMOR A DEUS , É UMA ORIENTAÇÃO PARA
    A NOSSA VIDA , TAMBÉM PARA TRANSMITIRMOS AOS NOSSOS
    IRMÃOS, Á NOSSA FAMÍLIA.
    ESSE DOCUMENTO CONTÉM TUDO QUE NECESSITAMOS PARA TERMOS UMA VIDA COM NOSSO DEUS.
    AGRADEÇO AO PAI DO CÉU POR TUDO ISSO.AMÉM

  5. Paz e Bem!!!!! Querido padre, bela formação, c simples palavras!!!!!! Fico feliz quando leio algo e entendo. Só gostaria de lhe dizer q na parte em q fala de “católicos praticantes”, não consigo concordar, pq penso q católico é católico e pronto e penso tb q todo católico pratica sua religião c amor e adoração profunda a Nosso Senhor! Obrigada por nos formar no amor! Abraços! Deus abençõe!

  6. “Nós católicos precisamos ser mais ‘evangélicos'; mais ‘crentes'; mas “assembléia de Deus”; precisamos ser mais radicais, sem ser fundamentalistas. Para isso o estudo da Palavra de Deus ajuda e muito. Um curso de teologia pode fazer toda a diferença”.

    Foi infeliz, padre, o senhor escrever que precisamos ser na mesma maneira protestante. Com todo respeito ao protestante, mas o protestantismo é uma heresia.

    Não precisamos de entusiasmo de “fogo de palha”, como demonstra as estastisticas que a renovação não adiantou nada, como outros movimentos, pois maior demonstrou que estamos perdemos feio aos próprio protestantismo que o senhor escreve acima.

    E nada de apego a Bíblia, embora sabemos que faz parte na história católica os apostólos não passaram usa somente a tradição oral para anuciar o Evangelho. Daí veio o evangelho de S. Matheus e as epístolas de São Paulo, por exemplo.

    Deixa “seu Lutero” bem enterrado por lá mesmo. É bem melhor assim. Porque precisamos sair dessa péssima influencia protestante que a Igreja, cheia de “batismo do espírito santo”, a contrariar a recomendação da C.N.B.B. a usa efusão, que faz o movimento carismático.

    Assim viver a realidade do batizado hoje, sem ambiquidade, mas clara de uma crise e com maturidade superar isto.

  7. Maria Inês

    Pe Joãozinho,

    Lendo o artigo, os comentários…também eu preciso dar a minha contribuição.
    Como cristã católica o que tenho que fazer? ou melhor como devo ser? Como procuro ser?

    Simples: me espelhar em Maria, viver a palavra de Deus lá onde a Vontade de Deus me coloca…na simplicidade das tarefas do lar, ou quando vou a uma reunião na escola, posso levar a presença de Deus naquele ambiente, ou nas compras do supermercado, ou na Igreja posso ajudar a construir a presença de Jesus em nosso meio!

    Inês

  8. Claudinei

    O Sr. está certo padre.
    Nós Assembleianos, ficamos felizes, por saber que somos exemplo de fé para os católicos romanos.
    Afinal, somos uns dos evangelicos que mais se aproxima dos ensinamentos Biblicos, conforme o Cristo ensinou. A igreja católica no tocante a seu povo, necessita de uma conversão verdadeira a Cristo, pois NÃO somos uma religião e sim o Corpo vivo de Cristo na terra e o dia em que todos tiverem está noção então o homem sera um só no mesmo propósito , de servir a Deus sem estas pecuinhas de religiosidade.
    Que Deus te abençoe padre.
    por favor repasse meu email, para o Marco 3351, talves possamos tc sobre o assunto, com Amor.

  9. IRmãos e querido Padre,

    me alegrei intensamente com otesto e até o repassei a vários irmãos missionários, mas agora ao ler os comentários me retive em uma duvida que acho já saber a resposta…
    O irmãos que postaram : “marcos 3351″ e “claudinei” 3921, estão equivocados em suas interpretações correto?? Pois desde a primeira vez que li esse exto entendi da seguinte forma:

    Nós católicos precisamos ser mais ‘evangélicos’; mais ‘crentes’; mas “assembléia de Deus”

    ser mais evangélicos: nada ligado ao protestantismo, devemos simplesmente buscar mais a consulta ao evangelho

    ser mais crentes: devemos crer mais

    ser mas assembléia de Deus: devemos viver mais como povo de Deus….

    dessa forma peço retificação das declarações feitas pelos irmãos acima citados que deram nterpretações, ao meu ver, vantasiosas e polêmicas a um texto tão claro e simples como este.

    PAZ a todos!

  10. Marcelo Fenato

    Sua benção Pe. Joãozinho. Paz e Bem!
    Adquiri o Documento de Aparecida logo que saiu. Nosso Bispo aqui de Maringá nos ensinou até uma canção.
    Dicipulos-Missionários de Jesus Cristo, de Jesus Cristo. Para que Nele nossos povos tenham vida, tenham vida! Depois nos falou outra frase que não me saiu da cabeça: Com Aparecida na mão, a Bíblia no coração, discípulos apaixonados, Missionários entusiasmado a serviço da Missão! E realmanente quase sempre em todos os CPP que há na paróquia se comenta no DA, mas eu acho que está na hora de nós católicos parar com sotaques de Protestante. Querer a conversão deles e nossa isso sempre, um ecumenismo serio é a vontade de Deus. Mas com a volta deles para a verdadeira igreja: Una, Santa, Católica, Apostólica e Romana. Com nosso vigário de Cristo o Santo Papa agora Bento XVI. Esses movimentos que começam na igreja e vai tomando força e vira uma empougação, um sentimentalismo, uma coisa cheia de emoções, etc… mas quase sempre não estão com os pés no chão, falo isso por talvez entender o Marcos que foi contra tal frase dita pelo senhor que confesso também não me soa bem. Vejo que o documento realmente é um amadureciemnto com o passar dos tempos, mas volta lá no inicio de tudo. Discípulos-Missionários de Jesus. Hora eu me torno discípulo e saio em missão e formo outros discípulo, e assim sussecivamente. E o problema não é só os protestantes, os ateus, os católicos afastados, e sim o maior é nós católicos que não somos verdadeiros cristãos que dão testemunhos de Cristo. Precisamos agora no presente ser corajosos e como discípulos-missionários de Cristo evangelizar com ardor esse mundo secularizado. E esse secularismo os primeiros culpados são os não católicos que em todos lugares se negavam até a entrar pois se tem uma imagem no lugar, dizem é uma provocação, pois somos idolatras. Pode ser que novamente nós católicos somos os mais culpados, pois deixamos eles fazerem presão e nós, todos nós, e principalmente as autoridade da igreja deixou muito barato essa coisa de tirar o sagrado dos ambientes que no fundo foi tirando também dos corações das pessoas. Claro que junto a tudo isso vem a globalização, materialismo, hedonismo, etc…mas nosso Brasil que a primeira coisa que aconteceu quando descoberto pelos portugueses foi celebrar a Santa Missa, E agora se tornar o que vemos hoje, é muito triste. É como diz o Papa Bento. O Brasil é o país mais católico do mundo, mas mais injusto, com mais diferença social. Tem alguma coisa errada nisso. Talvez seja pelo fato de na maioria ser pessoas que fugiram de seus países por causa das guerras, outras escravas, outras sei lá piratas mesmo. Enfim já de inicio não somos um povo lutador pelos nossos direito, e isso pode ter sido enfluenciado até na igreja. Bom falei demais. Mas eu estou com a igreja sempre. Planejada por Deus Pai, edificada pelo Filho Jesus Cristo, Guiada pelo Espírito Santo, tendo por mãe Nossa Senhora, por chefe Pedro o Papa com os apostolos, por padroeiro o Castíssimo São Jose…Fiquem todos com Deus

  11. Luiz Cláudio Paiva

    A Biblia diz que benaventurada é a não cujo Deus é o Senhor e nao a SENHORA.

    O Senhor Jesus diz que ninguém subiu ao senão aquele que desceu do céu e está no céu – João 3:13. Isto nos mostra que Jesus esta vivo e por isso é digno de todo louvor, adoração, glória e honra.

    No Livro de Deuteronômio 18:10-14 – Deus proibi as pessoas de invocar aos mortos. Portanto, se invoco a mãe de Jesus eu estou cometendo um pecado contra Deus porque Ele não aceita tal pratica. Como é que a Igreja Catolica apostolica Romana pode fazer uma coisa destas, ensinar as pessoas a contrariarem uma ordem de Deus? Não tem nenhum registro na Bíblia sagrada que fala sobre a ressurreição de Maria como a Igreja catolica ensina. Maria foi um grande exemplo de mãe, uma mulher notável aos olhos de Deus, que chegou a escolher para ser a genitora do Salvador da humanidade. Se alguém fala mal de Maria, este esta sendo insensato para com Deus, mas ela não pode ser venerada como imaculada porque em Eclesiastes 7:20 diz que náo existe ninguém nesta terra que nunca pecou. Ela inclusive juntamente com seu esposo José no dia em que foram apresentar o menino Jesus no Templo perante o sacerdote Simeão, levou um casal de rolinhas como oferta pelo pecado de uma mulher quando tivesse gerado um filho (leia Levitico 12:1-8). Maria era uma pecadora como eu e o senhor padre Joaozinho. Santo é só o Senhor Jesus Cristo. Que tenha misericordia da Igreja Catolica e salve seus lideres a fim de que eles possa ensinar aos amados católicos a verdade que liberta. Deus abençoes todos os catolicos desta nação em nome de Jesus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>