Inauguramos com este Post uma nova categoria em nosso Blog: Liturgia. Faz algum tempo que insisto em meus cursos de liturgia que essa figura que foi entrando e tomou conta de algumas missas, conhecido pelo nome de “comentarista” é alguma coisa que simplesmente não existe, e atrapalha mais do que ajuda. Agora temos um pronunciamento oficial do setor de liturgia da CNBB que dispensa “comentários”. É só aplicar isso em nossas celebrações garantindo que sejam mais orantes.

Nota da Comissão de Liturgia sobre os Folhetos Litúrgicos

Nota da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia aos redatores dos “folhetos litúrgicos” a respeito das monições (comentários) antes da Liturgia da Palavra

A COMISSÃO Episcopal Pastoral para a Liturgia (CEPL) realizou, nos dias 02 e 03 de julho de 2007, em Aparecida, São Paulo um encontro com os responsáveis pelos “folhetos litúrgicos” do Brasil.

O assunto estudado e debatido pelos participantes, com a ajuda de nossos assessores, foram os “comentários” apresentados nos folhetos litúrgicos em diversos momentos da celebração.

Com o pleno consenso dos participantes do referido encontro, a CEPL faz um apelo a todos os responsáveis pelos folhetos litúrgicos para que se apresente apenas um comentário para introduzir a Liturgia da Palavra, com a finalidade de preparar e dispor os fiéis a ouvirem atentamente as três leituras (1a. leitura, 2a. leitura e Evangelho). Assim não mais se teria, separadamente, um comentário para cada uma das leituras.

Optamos por essa decisão, para darmos mais valor à Palavra proclamada. Esta não pode ser interrompida ou intercalada com comentários e explicações que quebram sua unidade e o ritmo da celebração. A explicação e a atualização da Palavra devem ser feitas em seu local próprio, a homilia.

A assembléia litúrgica não é apenas destinatária da ação litúrgica, mas é protagonista, povo sacerdotal,  não dependendo de “palavras de ordem” para participar.   A liturgia não é apenas “palavra” mas uma ação ritual-simbólico-sacramental. Por isso, muito mais do que um “comentário”, é a atitude do leitor, do salmista, do diácono ou do presidente da assembléia que vai ajudar para que a Palavra seja ouvida e acolhida. Neste contexto, para uma frutuosa proclamação e acolhida da Palavra, adquirem muita importância o ambão, sua localização e sua ornamentação; um bom microfone; a veste litúrgica própria dos leitores, um refrão orante.

Na celebração litúrgica, as “introduções” prestam o serviço de “iniciar”, despertar, dispor a assembléia para a escuta atenta da Palavra. Para usarmos um termo dos Meios de Comunicação Social, estas “introduções” poderiam ser comparadas às “chamadas” que anunciam e preparam a assembléia para a escuta do Senhor.

Fundamentamos nosso pedido em dois documentos litúrgicos:

a) Sacrosanctum Concilium, 35: “Procure-se também inculcar, por todos os modos, uma catequese mais diretamente litúrgica, e prevejam-se nas próprias cerimônias, quando necessário, breves esclarecimentos, feitos só nos momentos mais oportunos, pelo sacerdote ou ministro competente, com palavras prescritas ou semelhantes às prescritas”.

b) Instrução Geral ao Missal Romano, 31: “Da mesma forma cabe ao sacerdote, no desempenho da função de presidente da assembléia, proferir certas admoestações previstas no próprio rito. Quando estiver estabelecido pelas rubricas, o celebrante pode adaptá-las um pouco para que atendam à compreensão dos participantes; cuide, contudo, o sacerdote de manter sempre o sentido da exortação proposta no livro litúrgico e a expresse em poucas palavras. Pode, com brevíssimas palavras, introduzir os fiéis na missa do dia, após a saudação inicial e antes do rito penitencial, na liturgia da palavra, antes das leituras; na Oração eucarística, antes do Prefácio, nunca, porém, dentro da própria Oração; pode ainda encerrar toda a ação sagrada antes da despedida” .

Seria interessante retomar tudo o que o Missal Romano prevê para a celebração da Liturgia da Palavra, com destaque aos momentos de silêncio após cada leitura (cf. IGMR, 128-.134). Aí está claro que os “comentários” não têm a finalidade de dar informações catequéticas ou moralistas, mas devem ser mistagógicos, isto é, conduzir a assembléia à plena participação da ação litúrgica. Devem ser convites de cunho espiritual, sempre discretos, orantes, a serviço do diálogo entre Deus e seu povo reunido, portanto, sem interrupção do fluxo do rito. Vale lembrar um dos princípios na ação litúrgica: “que as nossas palavras na Liturgia não neguem a Palavra, mas a sirvam”.

Pedimos também não mais usar a palavra “comentarista” ou “comentário” em nossos folhetos, visto que não é este o espírito das monições apresentadas. Muitos usam a palavra “animador” que, mesmo não sendo a ideal, é a que mais se aproxima da função litúrgica exercida por esta pessoa.

Aproveito a ocasião para agradecer aos responsáveis pelos folhetos litúrgicos que estiveram presentes no encontro promovido por nossa Comissão, sua boa vontade e seu empenho em apresentar e ajudar nossas comunidades a bem celebrarem o Mistério Pascal, como Igreja reunida pelo Pai, no amor de Cristo, pela ação do Espírito Santo.

Convido a todos para assumirem nosso pedido neste espírito, e desde já  os convido para o próximo encontro que será nos dias 30 de junho e 1o. de julho de 2008, em Aparecida, São Paulo.

Aparecida, São Paulo.

Brasília, 6 de agosto de 2007.

Festa da Transfiguração do Senhor

Dom Joviano de Lima Júnior
Arcebispo de Ribeirão Preto
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia

33 Comentários

  1. Ótimo isso. Está na hora de acabar com essas longas falações na missa.

  2. Décio e Marcia

    Saudações em Cristo!

    Esta semana estamos com as SANTAS MISSÕES CAPUCHINHAS DE PONTA GROSSA – PR, e nas missas deles eliminaram os comentários iniciais!Já estavam nos adaptando a nova mudança. Por outro lado , uma mudança nada agradável para os comentaristas que adoram fazer sua pré- homilia!

  3. Maria Celinda

    Saudações no Senhor que vem.
    Em nossa Paróquia sempre há preparação da equipe de liturgia. Somos orientados para não nos desviar do essencial: a celebração da Eucaristia com a assembléia. Estas orientações são muito importantes para o nosso povo que está dando apoio a Liturgia como equipe.Todos nós precisamos de orientações.As Paróquias, digo, os sacerdotes devem estar atentos a esta formação de suas equipes.Gostei muito deste conteudo.Parabens. Tenham um abençoado Natal com o Senhor.

  4. Olá Pe. joãozinho
    Nossa comunidade está em crise! Diante da extinção dos comentários as equipes de liturgia já não sabem mais o que fazer quando se reunem. de-nos algumas dicas… rsrs

  5. Pe. Joãozinho, aos poucos percebemos que a Igreja vai tirando o “gesso da fratura”, pois sabemos que os folhetos e comentários surgiram quando a Missa passou do Latim para a língua vernácula,para que a assembléia pudesse melhor participar e olha que já se passaram tanto tempo… por isso que sou apaixonada pela Igreja Católica, ela não tem pressa. Sem falar que com isso, nossos Sacerdotes se preparam melhor para as celebrações, pois muitos acomodaram com estes comentários e sabemos que, em uma Paróquia quando o “Sacerdote senta os leigos deitam”.

  6. Elenice Santos

    Um adecisão iluminada! nossos comentaristas estavam virando apresentadores de show. em minha comunidade, em aparecida de Goiânia ( Parque Real) estamos caminhando para cantar um breve refrão, apropriado, antes da liturgia da Palavra e não mais fazer monições.

  7. José Henrique

    Já está na hora dos padres, bispos e diaconos a seguirem o IGMR, não só acabando com os comentários, mas determinando que todos sigam as orientações, ministros extraordinarios da comunhão, padres que cantam a toda hora na missa, alertar aos padres da Renovação carismatica quanto as suas homilias, pois não falam do evangelho do dia e sim de outra coisa qualquer como acontece nas missas transmitidas da Canção Nova. Enfim o que falta na Igreja católica é obediencia aos documentos da Igreja. Vejam a missa do Pe. Marcelo e de seu Bispo, verdadeiro show que quer pode competir com os shows da TV Globo. A CNBB não move uma palha para chamar atenção de D. Figueredo e Pe. Marcelo. Por isso que cada vez mais os católicos estão desaparecendo.

  8. A PAZ DE JESUS!

    JÁ VI MUITOS COMENTARISTAS SE TORNAREM POLITICOS E USAREM O ALTAR PARA SE PROMOVEREM. A CENTRO DA MISSA ESTA EM CRISTO E NÃO NAS PESSOAS.
    QUANTO AO COMENTARIO DO JOSÉ HENRIQUE, ACHO QUE ELE ESTA COMPARENCENDO A POUCAS MISSAS E ESTA MAIS PARA PROTESTANTE DO QUE CATOLICO.

  9. Paz e Bem a todos!

    É otimo que a CEPL tenha se manisfestado sobre essa questão de comentarios antes de cada leitura, mas tem que se levar em conta que a função do “comentarista” ou “animador” da celebração é uma otima ponte entre o que está acontecendo naquele momento e a assembleia liturgica.
    Creio que a função do comentarista numa celebração é indispensavel na questão de comunicação. Como um leigo poderia entender o que está acontecendo numa celebração, por exemplo, de uma ordenação? Claro que, quem está na organização ou quem ja trabalha na area da pastoral liturgica entenderá, mas quem esta apenas como convidado?
    Então reforço que a função do comentarista ou animador numa celebração é indispensável.

    A paz de Jesus e o amor de Maria a todos!

  10. fatima albanez

    Queria saber a respeito de membros da liturgia ou
    equipe de canto e outras pessoas após a comunhão ficam pedindo para colocar a mão no coração,fechar os olhos … e dai começa fazer várias orações,pedidos de cura etc,inclusive orações em linguas ? È certo`?

  11. estou preparando a liturgia para o dia 28/04/2008, e gostaria de ter ajuda na preparação das mensagens que antecedem aos RITOS INICIAIS ( MENSAGEM INICIAL ), 1ª LEITURA , EVANGELHO, ORAÇÃO DA COMUNIDADE E MENSAGEM FINAL. Desde já agradeço a atenção em nome de Jesus. ?Amém. Paz do Senhor para todos

  12. Olá. Pe. Sua benção.
    Moro em Juara – MT.
    Gostaria de pedir, se possivel que o sr me auxilie com caticos para missa da Stma Tridade, pois minha equipe é nova na caminhada, e nosso repertorio é limitado.
    obrigada.

  13. senhor padre joãozinho eu gosto muito de o ver na inernete eu já estive numa assembleia em fatima no paulo seito o ano já não me lembro pedia que me desse um vucadinho de alegria amor de deus

  14. A impressão que dá é que para a Igreja Católica o povo é dispensável. Enquanto pra Jesus o povo era o mais importante. Pe. Marcelo e Dom Figueiredo conseguem evangelizar milhões e milhões de brasileiros. A Canção Nova também. Juntam multidões de fiéis necessitados de consolo espiritual. E o grande segredo foi perceber que a Liturgia não precisa ser seca e triste pra agradar a Deus. Expulsar o povo ou mudar a liturgia? Já está respondido. Mantém-se a liturgia conservadora e o povo fica em casa vendo novela. Que gente pra se preocupar com detalhes inúteis. Tô nem aí se tem um comentário ou dois. Queria que Jesus voltasse logo pra acabar com tanta lenga-lenga.

  15. Eu concordo que existe exageros e acada mudando a direção da missa precisa mas quem deve dar o direcionamento é o Sacerdote.

    Eu gostaria de receber pelo email os 5 podcast sobre liturgia que eu vi na canção nova para passar para o pessoal da liturgia na minha cidade.

  16. Pe. sua benção,
    Faço parte do Grupo N.S.Rainha da Paz-RCC em Jaboatão/PE – e toda quarta-feira a liturgia é de nossa responsabilidade, e gostaria de ter ajuda na preparação das mensagens que antecedem aos RITOS INICIAIS ( MENSAGEM INICIAL ), 1ª LEITURA , EVANGELHO, ORAÇÃO DA COMUNIDADE E MENSAGEM FINAL, gostaria que me enviasse dicas de algus livros, etc… Desde já agradeço a atenção em nome de Jesus. Amém. Paz do Senhor para todos.
    Já nos correspondemos em outros tempos, meu esposo fez parte de um ministério aqui em recife chamado Kenosys, acho que não lembra, tudo bem… fico no aguardo.

  17. Hediene Zara

    Querido Padre, sua bênção!
    Achei muito interessante seu blog e estive pesquisando sobre alguns assuntos. Sou leitor na comunidade de Nossa Sra. do Perpétuo Socorro em São João da Boa Vista e estou sendo incluído como comentarista a partir deste mês. O senhor poderia me recomendar algum livro para que eu estudasse e desempenhasse bem minhas funções?
    Aguardo sua dica. Abraço.

    Hediene Zara
    hedienezara@yahoo.com.br

  18. gostaria tambem de colocar sobre os recados,seria muito bom que apenas uma pessoa desse o recado,de preferencia antes da missa,as vezes da vontade de escolher missas que não tem muito recado é muito cansativo até 20min de recado.obrigado.

  19. Ivan Candido - Araripina -PE

    Vemos que nossa Igreja continua viva e sempre atuante, procurando seguir os passos do Grande Mestre e Senhor, afim de que nossas comunidades vivam com com dignidade e divindade a Eucaristia e Palavra vivenciadas em nossas celebrações. Como Leigo espero que nossos sacerdotes possam com humildade (missionária), sem muita prepotências teológicas, se converterem e viverem mais o discípulado a serviço do Povo de Deus, que muitas vezes é rótulado de ignorante, por falta de formação de nossos pastores.
    Sabemos que tudo isso está mudando, mas é preciso ainda muita humildade e crença na ação do Espírito Santo, para que nós possamos Ser verdadeiramente a Igreja de Jesus Cristo.
    Que Deus nos abençõe!

  20. José Luiz Nogueira

    Paz e Bem a todos!

    É otimo que a CEPL tenha se manisfestado sobre essa questão de comentarios antes de cada leitura, mas tem que se levar em conta que a função do “comentarista” ou “animador” da celebração é uma otima ponte entre o que está acontecendo naquele momento e a assembleia liturgica.
    Creio que a função do comentarista numa celebração é indispensavel na questão de comunicação. Como um leigo poderia entender o que está acontecendo numa celebração, por exemplo, de uma ordenação? Claro que, quem está na organização ou quem ja trabalha na area da pastoral liturgica entenderá, mas quem esta apenas como convidado?
    Então reforço que a função do comentarista ou animador numa celebração é indispensável.

    A paz de Jesus e o amor de Maria a todos!

    ME DESCULPE POR TER COPIADO ESTE RECADO MAS A MUITO TEMPO VIVO FALANDO COM AS PESSOAS SOBRE ISTO, EXISTE IGREJAS QUE ESTÃO TÃO RENOVADAS() QUE ESTÃO RETIRANDO TUDO DA CELEBRAÇÃO SENDO QUE OS FIEIS ENTRÃO E SAIAM SEM SABER O PORQUE FORAM NA IGREJA.

    SE CONTINUARMOS COM ESTA RENOVAÇÃO () CORTANDO TUDO OU MELHOR TIRANDO COMO VAMOS FICAR DAQUI A ALGUNS ANOS.

    COM ESTA RENOVAÇÃO TEM PADRES QUE NÃO PERMITE MAIS COROAÇÃO DE NOSSA SENHORA E OU SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS.

    E MAIS NÃO TEM COROINHA
    DESTA FORMA NOSSAS CRIANÇAS NÃO VAM APROXIMAR DO ALTAR COMO SERÃO QUANDO TIREM ADULTAS.

    NOSSAS CATEQUES PARECE()NÃO ESTÃO MUITO PREPARADAS PARA ENSINAR OU PORQUE ESTA MUITO RENOVADO. NOSSOS JOVENS ESTÃO SAINDO DAS IGREJAS E NO FUTURO PROXIMO NÃO TEREMOS MUITAS PESSOAS NAS NOSSAS MISSAS.

    ESTA IDEIA DE MANTER A TRADIÇÃO É MUITO BOA É CLARO QUE PRECISA RENOVAR MAS TEMOS DE IR DEVAGAR.

    TENHO DOIS FILHOS UM DE 13 ANOS E OUTRO DE OITO ANOS TODOS OS DOIS SÃO COROINHA E TODOS OS DOMINGOS VÃO A IGREJA MESMO QUANDO NÃO ESTÃO ESCALADOS.

    EU E MINHA ESPOSA SOMOS MINISTRO DE EUCARISTIA, E VIVEMOS AS VEZES ESTA DIFICULDADE POIS ESTAS. ESTAS REUNIÕES PARA FAZER MUDANÇAS NA CELEBRAÇÃO DEVE SER CONSULTADAS COM AS COMUNIDADES E NÃO POR UMA OU DUAS PESSOAS, MESMO QUE SEJAM PESSOAS DE PESO DENTRO DE NOSSA RELIGIÃO.

    FRATERNALMENTE,

    JOSÉ LUIZ NOGUEIRA

  21. Concordo com Lenildo aí acima. Acho que trazer Jesus à vida daqueles que necessitam é muito mais importante do que ficar pensando em regras. Disciplina é uma coisa, exagero é outra.
    Não sou católica, mas dou meus parabéns à esses padre que tem dado liberdade ao Espírito Santo, e que tem levado muitas pessoas a estarem sentadas num local, como na Canção Nova, ouvindo a palavra de Deus.
    Deus os abençõe grandemente!

    Padre Joãozinho,o blog está lindo, e parabéns pelo seu novo trabalho. Continue sempre essa benção!

  22. José Francisco da Silva

    A Santa Missa tem que ser objetiva, direcionar para as pessoas, uma missão no seu dia a dia. Muitos assistem Missas, parecem que por obrigação e dizem: “Graças a Deus fui na Missa esta semana” fica paracendo que é um sacrifício. A Eucaristia é um dos mais belos Sacramentos Sinal da Presença viva de Jesus, nesta momento nós temos que ser homenas com pensamentos novos voltados para o SERVIR. Muito bom Omilias menores, mas desde que sejam bem explicadas…Eu amo a religião Católica….

  23. Maria Concebida Carvalho Holanda

    DEVERIA SER DADO MAIS ENFOQUE À MISSA COMO MEMÓRIA DE CRISTO, QUANDO ELE DISSE: “FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM” CRISTO É O CENTRO DA MISSA. ENTÃO, PORQUE TANTA PREOCUPAÇÃO COM POSIÇÃO DO COMENTARISTA? NÃO PRECISARIA COMENTARISTA E SIM APENAS OS LEITORES. QUE NOSSOS INTERESSES GIRASSEM EM TORNO DA MISSA EM SI QUE É A PERPETUAÇÃO DO SACRIFICIO DE JESUS, QUE SE FAZ ALIMENTO PARA A NOSSA VIDA ESPIRITUAL.

  24. Maria Concebida Carvalho Holanda

    Muito obrigada por esta abordagem de conteúdos tão significativos.

  25. Marcos G. F. Pires

    Paz de Jesus a todos !!!
    Este assunto é interessante,não apenas pelas mudanças na area Litúrgica mas nos dá um parecer de como a catequese precisa de uma nova Dinâmica pois lendo os comentários identifico várias contradições . Ex: Assistir a Missa ( quando o correto é participar também Celebrando juntamente com todos).
    Cada CEB tem um Pároco ele é a pessoa a ser consultada com relação as mudanças “Ele” deve orientar as equipes de Liturgia e não adiquerir livros ( deve ter livros sim mas com devido cuidado ao empregá-lo) q falam sobre o assunto e sair empregando nas celebrações como lhe convém sem a supervisão do Pároco .
    Aproveitar a ocasião para Criticar outros movimentos também não está correto pois revanchismo não combina com o verdadeiro Cristão
    que em Cristo somos NOVAS criaturas anulando o EU vaidoso para q Cristo viva em mim em atitudes,palavras e pensamentos para só assim eu poder deixar Rastros de Céu por onde eu passar !!!
    Glória Deus meus Irmãos !!!

  26. Ana Moreno

    A paz de Cristo e o amor de Maria a todos.

    Apesar de entender todos as observaçoẽs que foram feitas, em parte não posso concordar com a retirada dos comentários, por vários motivos:

    Moro nos Estados Unidos em uma cidade que se chama Fall River, e 95% da comunidade católica brasileira daqui vieram do interior do Brasil, e são pessoas muito simples e sem muita instrução, e vale salientar que além do Espirito Santo e dicernimento, temos que saber interpretar as palavras,e que não é facil, nem mesmo para muitos letrados. Nesse caso o comentarista ou animador, como queiram chamar, serve para fazer uma simplificação breve, e uma abertura de mente e coração, para os fieis. Lógico que escolhemos muito bem as pessoas que fazem esse papel, para não ter o perigo do ambão servir de palanque para ninguém.

  27. É muito interessante ler estas opiniões, mas algumas pessoas se confundiram um pouco, porque na verdade os comentários não existem no Rito, eles foram colocados aos poucos por um motivo pastoral, o problema é que ele tomou proporções bem maiores que certas partes próprias do Rito. Em algumas paróquias se tenta suprir uma Catequese deficiente na missa, por exemplo: Aqui na paróquia onde participo temos Comentário Ambiental antes de começar a missa, depois o Padre entra e faz mais um comentário, ai antes de cada leitura é feito mais um comentário incluindo o antes do evangelho, depois é feita uma homilia de 30 minutos, sabe o que acontece? a missa que tem no máximo 45 minutos como Rito acaba ficando com uma hora e quarenta. O outro problema que tenho constatado é que a maior parte das pessoas não sabem pra que serve uma missa, e então acha que tem que encher de coisas pra missa ficar participativa enquanto que a participação da missa acontece por outro fator e não por causa dos comentários, musicas, gestos etc..

  28. Fernando Mazer

    Amigo Pe. Joãozinho;

    Parabéns pela sua iniciativa de abrir um espaço sobre liturgia!
    Quero fazer algumas considerações:
    Em primeiro lugar, o termo “apelo” apresentado pela CEPL confirma os extrapolamentos que os folhetos liturgico induzem tanto o clero, como os fiéis.
    Em segundo lugar, tal “apelo” mostra o quanto o magistério e a tradição liturgica andam sendo desrespeitado. Quando eu li a IGMR tive a sensação de que esse paragráfo deve ter sido apagado dos missais de nossas paróquias. É o sacerdote que preside a celebração e é ele o reponsável pela catequese doutrinal, moral e liturgica do povo! Sendo assim, os “animadores” mais agem como concelebrantes não instituídos para essas funções.
    Em terceiro lugar, eu tenho a sensação de quem justifica a presença de um “animador” como um instrutor das partes da missa, devem suspeitar das faculdades cognitivas dos fiéis, como se quem vai a missa frequentemente não sabe o momento das leituras, evangélhos ofertório etc. Chega ser comico o termo “animador” que para quem aprendeu latim sabe que anima significa “alma”, ou seja, quem é a alma da missa?! O ministro e seus fiéis, ou o individuo que fica mandando o povo sentar, levantar, ajoelhar, qual animador de festa?
    Para finalizar, e teria muitas coisas a dizer, essa admoestação no meu parecer se resumiria em uma simples advertência aos pastores do povo: “Por favor, leiam as IGMR e orientem o seu clero a faze-lo e coloca-lo em prática”!

  29. Maria da Piedade Martins

    como FAÇO PARA COLOCAR DÉBITO ALTOMÁTICO MINHA CONTRIBUIÇAO?

  30. FICO COM A IMPRESSAO DE QUE OS LEIGOS SAO DESPREZADOS PELA IGREJA PARECE QUE NAO SAO IMPORTANTES PELO QUE ESTOU VENDO DAQUI ALGUM TEMPO NEM LEITORES TERAO MAIS NA MISSA O PADRE DEVERA FAZER TUDO ACORDA IGREJA CATOLICA

  31. Alverina Mantovani

    Eu gostaria de receber pelo email os 5 podcast sobre liturgia para passar para o pessoal da liturgia na minha cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>