Amar é realmente fundamental. O primeiro mandamento da lei de Deus manda amar acima de todas as coisas. Jesus resumiu toda a lei e os profetas no amor a Deus e aos irmãos.

Hoje em dia a palavra amor parece um tanto desgastada por tantos poemas e canções. Facilmente, diz-se “eu te amo”. Mas o significado real é simplesmente “eu gosto de você”, ou seja, “sinto paixão por você”. Amor é muito mais do que gosto ou paixão. Amar é querer o bem do outro e paixão é querer o outro para o seu próprio bem. Amor é dar de si antes de pensar em si. Paixão é sentir que o outro completa o que me falta. Amor é atitude. Paixão é sentimento. Amor é rocha firme que serve de fundamento para qualquer construção. Paixão é areia que passa. Amor é sol que permanece sempre lá, apesar das nuvens e das tempestades. Paixão é estação, é inverno, é verão. Pode mudar e surpreender. Quem não conheceu o inverno da paixão? Muitos casamentos construídos sobre o “eu gosto de você” não resistem à passagem das estações.

Quem ama também perde a paixão. Mesmo um grande amor não é o suficiente para preservar os sentimentos sempre no calor do primeiro beijo, da primeira flor, daquela carta de amor. Sempre chega o dia em que é preciso fechar as cortinas, cerrar as janelas, porque lá fora faz muito frio. Os casais entendem perfeitamente o que estou falando. Algum tempo depois do casamento, parece até que o amor acabou. Engano. Amor que é amor é eterno, porque Deus é amor e o Amor é Deus. Quem ama traz no peito o Coração de Deus. Amamos na terra com o amor do céu. Em alguns momentos a única forma de amar é dizer boa noite e dormir. Por isso, quem ama suporta e perdoa. O amor é paciente no inverno da paixão. Quem ama com inteligência sabe o que fazer nos meses do frio. É tempo de podar as roseiras, pois a força nesse tempo vai para a raiz.

Um velho liquidificador

Quem não entendeu essa maravilhosa dinâmica do amor e da paixão corre o risco de aplicar a lógica moderna do consumismo ao relacionamento familiar. É como aquele velho liquidificador recebido dos pais como presente de casamento. Marca tradicional. Pesado. Antigo. Mas funciona. Claro que tem alguns pequenos defeitos. A tinta já saiu em alguns lugares. Há uma pequena trinca aqui. O barulho é enorme. Mas quantos sucos e bolos passaram por aquelas lâminas. Vem o dia em que a promoção da semana oferece um liquidificador lindo por um preço tentador. Como é possível custar tão barato? Você nem olha onde foi feito, se tem garantia… É tão pouco dinheiro. Provavelmente o pacote de embrulho será mais caro do que o próprio liquidificador.

Você chega em casa e é só alegria. Menos para o velho liquidificador que entristecido será escondido no forro da casa, no quarto da bagunça ou levado solenemente para o lixo. Durante uma semana você fica encantado com sua nova paixão. Mas são “amores de verão”. Depois de quinze dias, começa a cair o primeiro botão. Depois ele não funciona por algum motivo. Você sente um cheiro de queimado. Pronto. Acabou. É mais um importado de araque. Você caiu no conto do vigário (nunca entendi o que o vigário tem a ver com isso!). Que burro… Seja humilde. Busque o velho liquidificador no exílio. Ele estará pronto para funcionar perfeitamente. Não despreze velhos amores no inverno. Lembre-se: a primavera sempre volta. Creia nisso!

2 Comentários

  1. Meu favorito – RT @padrejoaozinho: 29 Amor e paixão http://bit.ly/dkVNtM

  2. RT @padrejoaozinho: 29 Amor e paixão http://bit.ly/dkVNtM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.