QUINTA PROMESSA:

 

“Derramarei abundantes bênçãos sobre os seus empreendimentos.”

 

Esta é a quinta promessa que o Sagrado Coração de Jesus inspirou à Santa Margarida Maria. Você lembra das quatro anteriores? Perceba que em cada uma delas Jesus concede algum benefício. Na primeira ele oferece a “graça”. Na segunda promete a “paz”. A terceira oferta “consolação” e a quarta, “refúgio”. Chegamos à Quinta: agora o Coração de Jesus promete a “bênção” aos seus devotos.

Você já parou para pensar no que significa a “bênção”? É uma palavra que indica a “ação de bendizer”. Bênção é “dizer o bem”. Existem dois tipos de “bênção”. A primeira é a que desce dos céus. Deus nos “bendiz”. Está entendendo? Deus diz uma palavra favorável para você. Estamos em um mundo de tantas palavras vazias que já nem acreditamos na palavra das pessoas. E às vezes acabamos tendo pouca fé na Palavra de Deus. Lembra do tempo em que os contratos eram feitos só de palavra? Nem precisava papel com carimbo de cartório. As pessoas se orgulhavam de dizer: “sou um homem de palavra”. Hoje, até com papel passado é difícil acreditar. Existe tanta corrupção que ficamos muito desconfiados.

Mas com Deus é diferente. Ele fala e faz. Ele promete e cumpre. A Palavra de Deus é como a chuva caída na terra que não volta para o céu sem ter feito a semente germinar e crescer. Veja o que diz a Bíblia: “…assim acontece com a minha palavra que sai da minha boca; ela não volta para mim sem efeito, sem ter realizado o que eu quero e sem Ter cumprido com sucesso a missão para a qual eu a mandei” (Is 55,11). Isto é a bênção que desce do céu. Deus fala uma palavra sobre você. E esta palavra se realiza em sua história.

Para ter alguns exemplos bastaria lembrar a vida de Jesus. O apóstolo São Pedro, em um dos seus sermões deu o seguinte testemunho: “Deus enviou sua palavra aos Israelitas, e lhes anunciou a Boa Notícia da paz por meio de Jesus Cristo, que é o Senhor de todos. Vocês sabem o que aconteceu em toda a Judéia, a começar da Galiléia, depois do batismo pregado por João. Eu me refiro a Jesus de Nazaré: Deus o ungiu com o Espírito Santo e com poder. E Jesus andou por toda a parte, fazendo o bem…” (At 10,36-38). Viu que maravilha? Fala da Palavra, das Boas Notícias, do Espírito Santo, e termina de maneira fantástica dizendo: Jesus foi uma bênção! Passou por aqui fazendo o bem. É exatamente isso. Aquelas terras viram Jesus curando, perdoando, expulsando o mal, partilhando o pão. Mas o maior bem que nos deixou foi, com toda a certeza, a salvação. Esta é de fato a grande bênção. Podemos pedir tudo. Mas não podemos esquecer que o maior benefício que Deus pode nos conceder é a vida eterna. Para garantir esta bênção Jesus nos deixou o seu Espírito. Nele se cumpriram as profecias que diziam: “Derramarei sobre vocês uma agua pura. Darei para vocês um coração novo, e colocarei um espírito novo em vocês” (cf. Ez 36, 25). Na Quinta promessa do Coração de Jesus esta profecia é relembrada. A abundante bênção derramada em nossos corações é o Espírito Santo, com seus dons e carismas, que nos ajudam a progredir no caminho da salvação.

Você deve estar perguntando: mas no começo deste artigo se falava que existem dois tipos de bênção. A primeira é esta que desce do céu. E a segunda? A bênção volta para o céu quando “bendizemos o Senhor”. O louvor é esta segunda forma de bênção. Aqui está o grande significado da oração de ação de graças, de louvor: Deus nos bendiz, e nós, com toda a gratidão, bendizemos o Senhor.

QUARTA PROMESSA:

 

“Serei o seu refúgio seguro durante a vida e, sobretudo, na hora da morte.”

 

            Enquanto escrevia este artigo, lá fora chovia. Fiquei alguns momentos meditando sobre esta Quarta promessa do Coração de Jesus. Muitas coisas passaram pela minha mente e pelo meu coração. Mas aos poucos fui ficando distraído com a chuva que continuava a cair com força naquele final de tarde. Pensei nas pessoas que não têm onde morar, no pobre que vi  vagando pelas ruas, naquele trabalhador que precisa ficar na rua com chuva ou com sol, nas pessoas que podem ter sido surpreendidas pela chuva e ficaram resfriadas… Depois olhei ao meu redor e vi que meu quarto era um “refúgio seguro”. Voltei à promessa do Coração de Jesus e tudo ficou mais claro. Como é bom saber que temos um refúgio no colo de Deus.

            Imediatamente pensei naquela passagem da ovelha perdida. Jesus conta que o “Bom Pastor vai em busca dela, a encontrar e a leva para um refúgio seguro, cura suas feridas, alimenta sua fome, sacia sua sede com alguma bebida quente, a segura em seus braços e ela fica mais tranqüila.

Pode estar chovendo na sua vida. Você pode estar como aquela ovelha perdida e ferida, e ainda por cima, para piorar tudo, chove. A sensação é de total impotência. Realmente, há situações em que não seríamos capazes de retomar o caminho sozinhos. É neste momento que colocamos nossa esperança em um “refúgio seguro”. Só que tem uma diferença interessante entre o refúgio do meu quarto e o refúgio do coração de Deus. Quando chove, tenho que encontrar forças para chegar até minha casa. Caso contrário certamente chegarei encharcado. O refúgio do Coração de Jesus vem ao nosso encontro nas dificuldades. É um oásis inesperado na seca do deserto. Esta é a promessa.

            A chuva podem ser as tentações do inimigo, podem ser nossas fraquezas pessoais, nossos pecados, uma doença do corpo ou dos afetos, um medo, mágoa ou dor. Cada um tem suas chuvas pessoais. Alguns reclamam de uma simples garoa. Outros têm que enfrentar raios e trovões. De qualquer maneira você eu temos um refúgio seguro: o Coração de Jesus.

            Dentro de nós, ensina a psicologia, existem duas forças poderosíssimas: a força da vida e a força da morte. Dizem que o fator que mais desencadeia o stress, por exemplo, está relacionado com a perda de um ente querido. Ou seja, a morte provoca cansaço e medo. No entanto é a única certeza absoluta que temos: uma dia será o nosso dia. Muitos entram em síndrome do pânico pelo simples fato de imaginar que um dia irão morrer. Neste caso a morte parece algo que vai acontecer a qualquer instante. Um simples sintoma de gripe pode levar você à depressão. Onde encontrar refúgio? Já sabemos a resposta. É promessa do Coração de Jesus. Ele será nossa garantia na “hora H”.

Para quem tem fé o medo muda de cor. Já não tememos a morte. Mas tememos a morte eterna. Tememos morrer no pecado. Esta é uma garantia insistente do Sagrado Coração de Jesus aos seus devotos: não permitirei que você morra no pecado. Serei o seu refúgio agora e na hora da morte. Amém!

TERCEIRA PROMESSA:

 

“Eu os consolarei em todas as suas aflições”

 

            As promessas feitas pelo Coração de Jesus à Santa Margarida Maria não representam uma novidade total. Na verdade Jesus já tinha prometido estas coisas, com outras palavras, durante o tempo em que peregrinou entre nós aqui na terra. Está tudo registrado nos Evangelhos. Esta é a “plenitude da revelação”.  Mas às vezes uma revelação particular, como estas a Santa Margarida Maria, nos ajudam a entender as promessas de Deus, escondidas nas redobras do manto da Sagrada Escritura, escondidas por detrás das palavras.

            A terceira promessa é a que está mais clara e explícita na Palavra de Deus. Vou transcrever o texto todo aqui para que você possa meditar:

 

            Vinde a mim, todos vós que estais cansados sob o peso do fardo,

            E eu vos darei descanso.

            Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus,

            Porque eu sou manso e humilde de coração,

            E encontrareis descanso para vossas almas.

            Sim, o meu jugo é fácil de carregar e o meu fardo é leve. (Mt 11,28-30)

           

Quem de nós não tem suas aflições, seus cansaços, desilusões, doenças e problemas. Tudo isso às vezes parece pesado demais. O peso de nossos problemas muitas vezes nos assusta e chegamos a pensar em desistir. Desanimamos porque é pesado demais. Conheço pais desanimados diante do peso de educar seus filhos. Muitos dizem:  - antigamente era mais fácil; hoje temos que competir com a televisão, com os “amigos”, com a droga, com os modismos… está pesado demais.

Conheço doentes que carregam o fardo pesado de uma doença incurável como o câncer. Muitos desanimam e até perdem a vontade de viver. Chegam a pedir para morrer. Você conhece muitas outras situações. Se pudéssemos fazer uma lista, encheria esta revista inteira. Vivemos em um mundo de muitas e muitas aflições.

É para todos estes que o Coração de Jesus diz: Venha a mim. Quero ajudar você a carregar a sua cruz.  Sim! No calvário Simão Cirineu ajudou Jesus a carregar a cruz. Hoje é Jesus quem nos ajuda a tornar mais leve o peso dos problemas e aflições.

Por que será que preferimos sempre sofrer sozinhos? Diante de um grande sofrimento a gente se cala e não partilha com ninguém. Reze ao Coração de Jesus. Confie em sua promessa. Ele manifestará concretamente a sua presença de amor na sua vida.

Quero lhe contar um fato. Morei três anos em São Paulo. Nos primeiros dias resolvi sair de carro para conhecer a cidade. De repente era final de tarde e eu estava completamente perdido. Fiquei muito aflito e com com medo. Mas lá pelas tantas reconheci uma avenida e consegui voltar para casa. Passou-se algum tempo e eu estava de novo perdido num dos bairros de São Paulo, já era noite, só que agora tinha uma diferença: havia outro irmão sacerdote comigo. Ele era tão analfabeto nas ruas de São Paulo quanto eu. Só que dessa vez não tive medo. Cheguei a uma conclusão. Estar perdido sozinho é muito pior. Se você estiver perdido nas estradas da vida, tenha certeza: não está sozinho. Não fique aflito, o Coração de Jesus está com você. Logo acharão o caminho de volta.

 

SEGUNDA PROMESSA:

 

“Farei reinar a paz em suas famílias.”

 

            A segunda promessa do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Maria (1647-1690) aparece em frases como estas: “- Ele reunirá as famílias desunidas”; “- Ele prometeu reunir as famílias divididas, proteger e assistir as que se encontram em alguma necessidade e lhe pedirem com confiança.” Hoje existe uma verdadeira guerra contra a família. As novelas reservam o último capítulo para um casamento. Porém os outros 200 capítulos são propaganda explícita do divórcio. Muitos jovens já não podem crer na frase: “até que a morte os separe.” Além disso cresce o número de abortos, há cada vez mais violência dentro de casa; aumentam os conflitos entre pais e filhos; muitos jovens alimentam uma postura fria e até agressiva para com os idosos. A lista dos desafios enfrentados pela família seria interminável.

Diante de tudo isso a promessa do Coração de Jesus é como que um oásis de esperança: “Farei reinar a paz em suas famílias”. Veja que Deus escolheu nascer em uma família: Jesus, Maria e José! Seu primeiro milagre foi em uma festa de casamento: as bodas de Caná. Tinha uma família muito amiga em Bethânia: Lázaro, Marta e Maria. Gostava de entrar na casa das pessoas, como no caso de Zaqueu e tantos outros. Na Bíblia Jesus aparece muito mais em casas de família do que no templo de Jerusalém. Os primeiros cristãos entenderam esta mensagem. As primeiras missas aconteciam nas casas: lugar da partilha do pão, da Palavra, dos bens, da oração…

Hoje precisamos convidar novamente o Rei da Paz para reinar em nossos lares. Um primeiro passo é consagrar sua casa ao Coração de Jesus. Faça a entronização da imagem ou gravura do Sagrado Coração em seu lar. Reze todos os dias pedindo que sua casa seja um Santuário da Vida, uma Igreja Doméstica, uma lugar de paz.

Sim! Mas a paz não se resume na ausência de problemas ou conflitos. É preciso que sua casa seja uma Igreja onde marido e mulher são os sacerdotes que presidem a partilha do pão e a celebração da vida.

Penso que nossas famílias ainda não fizeram esta descoberta maravilhosa na prática. Vamos dar alguns exemplos. A festa de aniversário é um acontecimento tipicamente familiar. Normalmente é celebrado… ou pelo menos “lembrado”. Fazemos memória do dia do nosso nascimento. Em muitos lugares a festa de aniversário de um cristão não tem nenhuma diferença do aniversário de um pagão. Canta-se os parabéns. Apaga-se as velas do bolo. Beijo. Abraço. Fim. E a oração? E o louvo? E a ação de graça pela vida? Os sacerdotes do lar deverão ter a criatividade de provocar isto. Alguns até mandam celebrar uma missa de ação de graças. Mas estamos falando daquilo que pode acontecer dentro de casa. Missas do lar. Entendeu!? Agora pense como é que acontecem normalmente os noivados, bodas de prata, natal, bênção da casa, bênção dos filhos, velórios, enterros, etc… É tanta coisa. Pense simplesmente na oração antes das refeições. Muitos têm até vergonha de “puxar” a prece. Enquanto isso os jogadores de futebol continuam fazendo o sinal da cruz ao entrar em campo. Menos mau.

Se a Igreja deve ser uma família, e cada padre, um pai; então as famílias devem ser Igrejas, e os pais: sacerdotes do lar. E a paz reinará. É promessa do Coração de Jesus.

           

 

PRIMEIRA PROMESSA:

 

“Darei aos meus devotos as graças necessárias para cumprirem os deveres de seu estado.”

 

Esta é considerada a primeira promessa do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Maria. Quem pratica a verdadeira devoção ao Coração de Jesus pode ter a certeza de que receberá as graças necessárias para cumprir fielmente sua missão: pai de família, religiosa, coordenador de grupo de oração, ministro de música, padre, professora… são alguns exemplos de “estados de vida”. Deus nos concede uma graça especial para vivermos bem este “estado de vida”.

Você já deve ter feito esta experiência. Vamos dar um exemplo bem prático do que significa a “graça de estado”. Márcia era uma cristã como outra qualquer. Ia na missa. Começou a participar do grupo de oração. Aos poucos foi se envolvendo mais e mais nos ministérios do grupo. Passou a fazer parte da equipe diocesana. Um dia destes foi eleita coordenadora diocesana da Renovação Carismática Católica. Levou um susto. E como ficaria sua família? Seus três filhos, um menino e duas adolescentes? Ficou perturbada… como Maria, naquele dia em que o anjo lhe disse que seria a mãe do messias. A graça de estado é uma força do alto que diz: “Não temas Maria…. o Senhor está contigo”. Márcia percebeu que uma força extraordinária agindo em seu interior a partir do momento em que ela disse sim.

Posso testemunhar que a graça de estado existe. No dia da minha ordenação recebi esta graça. A partir daquele dia algo de fato mudou em minha vida. Deus ultrapassou meus limites humanos capacitando-me para a missão. Eu estava sendo ordenado para ser padre, pai do povo, pastor do rebanho do Senhor. Veja que responsabilidade. Mas eu era tão jovem! A graça de estado não me desassistiu. Passei a acreditar que de fato o Senhor nos dá uma graça especial para a tarefa que devemos realizar. É a resposta de Deus ao nosso sim.

Mas é preciso fazer um alerta. Nesta promessa, a graça de estado é garantida aos “verdadeiros devotos do Coração de Jesus”. A pergunta é: existe uma falsa devoção ao Sagrado Coração de Jesus? Infelizmente existe. A falsa devoção pode ser sentimental. É feita de fervores exteriores, mas vazia por dentro. É interesseira. Procura apenas a solução de problemas imediatos. É supersticiosa. Vive procurando medalhinhas, santinhos, correntinhas, e atribui a estes objetos um poder mágico. É mecânica. Vive de repetir fórmulas e preces sem envolver nisto seu coração. É retrógrada. Acha bonito uma devoção antiga. Mas não entende bem o que está fazendo.

E como seria a verdadeira devoção ao Sagrado Coração de Jesus? Preste atenção. Vamos elencar três características. Em primeiro lugar a verdadeira devoção é esclarecida. Procura conhecer a espiritualidade do Coração de Jesus em suas raízes mais profundas: na Bíblia e nos documentos da Igreja. Em segundo lugar a verdadeira devoção é interior. Ela é cultivada no sacrário íntimo do coração. Em terceiro lugar é ativa. Ou seja, leva o devoto a querer instaurar o reino do Coração de Jesus nas “almas” e na sociedade. Portanto é uma espiritualidade transformadora. Está sempre buscando restaurar a face de Cristo desfigurada no rosto de tantos irmãos e irmãs. A devoção ao Coração de Jesus chama isso de “reparação”.

Os verdadeiros devotos do Coração de Jesus podem ter a certeza de que receberão uma graça especial, uma força maior para bem cumprirem seus deveres de estado. É a primeira promessa do Amor.

 

 

 

O texto das promessas que utilizaremos para nossas reflexões é um resumo daquilo que escreveu Santa Margarida Maria durante toda a sua vida. Este resumo foi elaborado há mais de 100 anos por  M. Kemper, um comerciante de Dayton, Ohio, EUA (1882), que esforçou-se para divulgar esta devoção. Nosso saudoso Padre Gabriel Galache escreveu um pequeno livro chamado “Quero entrar em tua casa” onde cita as promessas e inclusive mostra que todas estão contidas na Bíblia. Confira:

 

1.      Darei às almas dedicadas a meu coração todas as graças necessárias ao seu estado.

Sem mim nada podeis fazer  (Jo 15,5).

2.      Farei reinar a paz em suas famílias.

Eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz (Jo 14, 27)

3.      Eu os consolarei em suas penas.

Vinde a mim os que padeceis e andais angustiados, e eu vos aliviarei (Mt 11,28).

4.      Serei o seu refúgio seguro durante a vida e, sobretudo, na hora da morte.

Tomar-vos-ei comigo, para que onde eu estou vós estejais também (Jo 14,3).

5.      Derramarei copiosas bênçãos.

Poderoso é também para cumprir o que prometeu (Rm 4,21)

6.      Os pecadores acharão em meu coração a fonte e o oceano infinito da misericórdia.

Quero a misericórdia e não sacrifícios; porque eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores (Mt 9,13).

7.      As almas tíbias se tornarão fervorosas.

Vim para que tenham a vida e a tenham em abundância (Jo 10,10).

8.      As almas fervorosas elevar-se-ão rapidamente a uma grande perfeição.

Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai do céu (Mt 5,48)

9.      Abençoarei as casa em que se achar  exposta e for venerada a imagem do meu coração.

Hoje entrou a salvação nesta casa  (Lc 19,9).

10.  Darei aos sacerdotes o Dom de tocar os corações mais endurecidos.

Muito lhe foi perdoado porque muito amou (Lc 7,47).

11.  As pessoas que propagarem esta devoção terão seus nomes escritos indelevelmente no meu coração.

Eu não apagarei o seu nome do Livro da Vida, e o confessarei diante de meu Pai e dos seus anjos (Ap 3,5).

12.  O amor todo-poderoso do meu coração concederá a graça da perseverança final a todos os que comungarem na 1ª Sexta-feira do mês, por nove meses seguidos.

Eu sou o pão vivo que desce do céu. Quem comer deste pão viverá para a eternidade” (Jo 5,51).

Nestes próximos dias comentaremos cada uma das 12 promessas do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque (1647-1690). Esta religiosa da Ordem da Visitação viveu um intensa experiência mística no convento onde vivia em Paray-Le-Monial, na França. Isto aconteceu entre os anos de 1673 e 1675. Nos seus momentos se oração a santa tinha visões em que Jesus lhe mostrava seu coração ferido, coroado de espinhos, porém inflamado de amor pela humanidade. Hoje quase em cada lar católico do Brasil existe uma imagem do Sagrado Coração de Jesus.

            É claro que no começo Margarida Maria sofreu a oposição e descrença de suas co-irmãs e até mesmo das autoridades religiosas. Mas sua obediência e humildade falaram mais forte. Os frutos confirmaram que aquela revelação particular serviria para a edificação de toda a Igreja. Muitos se converteram. Mudaram de vida. Surgiram congregações religiosas dedicadas ao Coração de Jesus. E o Senhor pode exultar novamente de alegria: “Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondestes estas coisas dos sábios e entendidos e as revelastes aos pequeninos” (Mt 11, 25).

            Hoje a espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus fala forte na alma do nosso povo. Eu mesmo assino meu nome com uma sigla que muitas pessoas não entendem: “scj”. Significa Sagrado Coração de Jesus. Você encontrará as mesmas letras após o nome do Pe. Zezinho, Pe. Alírio, Pe. Leo, Fábio de Melo, Dom Murilo… somos da mesma congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, fundada por Pe. João Leão Dehon, na França em 1878. É fácil concluir que Pe. Dehon foi um admirador incondicional de Santa Margarida Maria. Por isso aceitei com muita alegria o desafio de escrever este livro. Você agora entende porque a canção que mais marca minha história se chama justamente: “Conheço um Coração”.

            Mas preciso lhe fazer uma confissão. Apesar de ser padre do Coração de Jesus há mais de sete anos, sempre soube muito pouco a respeito das 12 promessas. Quando era adolescente até fiz as 9 primeiras sextas-feiras. E me fez muito bem. Mas depois fui amadurecendo, estudando, e comecei a achar que havia algo de muito automático nas promessas. Confesso que deixei esta devoção popular um pouco de lado. Apaixonei-me pelo Coração de Jesus apresentado na Bíblia. Textos como o do Profeta Ezequiel no capítulo 36 tocavam fundo em mim. Outro texto marcante é o do Evangelho de João, capítulo 19, onde o Coração de Jesus é traspassado na cruz. Saem água e sangue, que simbolizam o Batismo e a Eucaristia, os maiores presentes do Coração de Deus. Depois me encantei com a teologia do Coração de Jesus. Grandes pensadores chegaram a conclusões belíssimas: o Coração é visto como sacrário da intimidade, lugar do encontro maior, expressão da identidade total. Gostei de saber que o coração é algo mais que um símbolo para as emoções ou paixões. É expressão do Amor. E o Amor é muito mais do que a paixão. Amar é querer e fazer o bem ao outro. Paixão é querer o outro para seu próprio bem.

            Um dia destes toca o telefone e alguém faz o pedido: Você poderia escrever algo sobre as 12 promessas do Coração de Jesus? Não me pediram para escrever sobre a Bíblia ou a Teologia. O pedido foi sobre a devoção popular. Fui falar com meus mestres, os padres mais antigos. Revirei velhos livros. Encontrei um tesouro. Comecei a perceber que existe muito sentido em cada uma das 12 promessas. É claro que elas não devem ser entendidas de modo mágico, automático ou supersticioso. Também não é objeto obrigatório de fé. A Igreja ensina que os cristãos não são obrigados a acreditar ou aceitar a autenticidade das revelações privadas. Cada um pode fazer uso do sentido comum e da fé que Deus lhe deu.

            Acompanhe cada capítulo. Vamos mergulhar passo a passo no Coração de Deus. Vamos mergulhar no Amor.