Posts Tagged ‘Formacao’

Inverno, tempo de crescer as raízes!

segunda-feira, junho 17th, 2013

O inverno esta as portas e as amendoeiras de minha casa já forram o chão com as suas folhas secas e avermelhadas. Ela vai perder folha por folha até ficar totalmente vazia, seca e aparentemente morta, somente vão ficar os galhos, o tronco e a raiz. Todo dia, ou varias vezes por dia, temos que varrer as folhas secas da amendoeira. Não posso deixar de notar que ela insiste em dar alguns frutos, que também caem como que pecos. Justamente no inverno ela fica “nua”, vejo em meio ao feio e a sujeira de suas folhas a vontade de renovar-se, de jogar fora o velho, o que já passou o que não me serve mais. O desejo de libertar-se, de experimentar o novo, mesmo sofrendo o frio, mas sem medo de perder. O Inverno iniciará às 02h04 do dia 21 de junho de 2013, fonte CPTEC INPI.

É necessário, e ela não briga contra esse fenômeno natural, pois sabe que é preciso o inverno pra chegar à primavera e ao verão. Na natureza o inverno é tempo de renovar a seiva, de firmar e crescer as raízes, que não se veem, porque estão escondidas na profundidade da terra. O que ela tem de mais precioso se sujeita a estar enterrado. Inverno é tempo de espera, de podar os excessos, de matar as pragas, de alimentar-se com o que esta dentro. Tempo em que as árvores e plantas revelam o belo do feio, a coragem de perder para poder florir e dar frutos depois no seu devido tempo. A natureza exercita a paciência, tempo em que o que cresce é aquilo que não se vê: as raízes.

No inverno também as águias americanas mais velhas procuram o cume da montanha mais alta, para poder se desfazer de suas penas, de suas garras e até de seu bico. O cume da montanha a mantém livre dos predadores, justamente no tempo onde ela não tem nenhuma defesa, e sem o seu bico ela vai viver das reservas de energia que acumulou no verão. Como podemos ver a natureza não é tão cruel como se pensa, a águia precisa passar por tudo isso para sobreviver mais uns trinta anos e poder perpetuar a espécie com águias mais resistentes. Tempo em que os animais perdem a pele, como as cobras, tempo em que os ursos hibernam e dormindo vive de suas gorduras, a natureza foi feita para sofrer mudanças. Neste tempo se renovam todas as coisas, para que surja a primavera com os dias claros e coloridos pelas flores. Foi preciso passar por dias escuros e frios do inverno, para experimentar os dias claros e floridos da primavera e do verão. Não acontece exatamente assim na nossa vida?

Perder não é fácil, mudar não é da noite para o dia, é preciso coragem para encarar os dias frios e secos de nossa vida, dias de dor, de sofrimentos, de incompreensão, onde se manifestam as nossas fraquezas, dias de jogar fora o que é velho, seco e vazio, aquilo que não me serve mais e eu temo em segurar. É preciso aprender com a natureza, ela nos ensina a entender o nosso processo, a nossa mudança, o crescimento, para chegar à maturidade. Tempo de crescer as raízes, de alargar as fronteiras, de saber esperar, de respeitar o processo do outro, de varrer as folhas, de renovar por dento para florir e dar frutos no tempo certo por fora.

Em primeiro lugar é preciso aceitar o inverno, o frio, a chuva, a poda, como um processo natural de crescimento e maturidade preparando- se para ele. Quem não sabe passar por isso, não conseguirá ver a beleza das cores da primavera, pois nela estão à prova da capacidade de fazer novas todas as coisas. Na natureza só existe uma vez por ano a estação do inverno, em nossas vidas há muitos invernos por ano, mas também a capacidade de ter muitas primaveras e muitos verões. É tempo de crescer, de renovar-se, de abandonar o homem velho, de perder as folhas secas do egoísmo, dos pecados, dos medos, dos ressentimentos, da solidão e do fechamento em si mesmo. A natureza não tem medo do novo, pois ela sobrevive de mudanças.

Bela estação, tempo de se expor como a amendoeira e de elevar-se como a águia. Nós fomos feitos para crescer, para florir e para dar muitos bons frutos, mas não existe maturidade sem crescimento, sem escolhas e perdas, crescer por dentro. E o inverno que você possa estar vivendo é tempo de crescer muitas vezes sem que ninguém perceba, que por detrás da dor e do sofrimento da mudança está surgindo uma nova pessoa. Bom inverno para você!

A nossa vida se assemelha muito com as quatro estações do ano, é preciso colher o melhor de cada fase de nossa breve e intensa vida.

Qual estação você esta vivendo hoje? Comente e deixe seus pedidos de orações

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discípulado.

twitter.com/padreluizinho
http://facebooc.com/padreluizinho

Visitação de Maria chama Viva de Amor

sexta-feira, maio 31st, 2013

Apressadamente Maria partiu para a região montanhosa da Judéia, a um lugarejo chamado Ain Karim, mais ou menos dois dias de caminhada de Jerusalém para estar com sua prima Isabel, que estava grávida. O que fazia Maria também grávida se lançar numa aventura pelas montanhas desérticas a não ser o Amor, Ela é aquela que está grávida do Amor. Deixar Deus agir é a suprema humildade e grandeza de Maria: “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua vontade”. Maria representa o povo humilde e humilhado de Israel, aqueles que creem agora estão sendo carregados por Maria, na esperança da visita de Deus, para como Isabel ficar cheios do Espírito Santo e profetizar com a vida, pois Deus nos transforma a partir de dentro. És a maior de todas as rainhas, porque fostes a maior de todas as servas. Clique AQUI e leia mais sobre a Festa da Visitação de Maria a Isabel

Ao chegar à casa de Isabel sua saudação, sua voz faz a criança estremecer no ventre e fez Isabel rejubilar de alegria, “como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar?!” Alguém cheia de Amor poderia esquecer-se de si, de suas dificuldades, pois estava grávida e não poderia explicar como se deu isso, mas o Amor tem dessas coisas. Jesus com certeza aprendeu muito com sua mãe, pois na cruz demonstrou supremo amor dando a sua vida em sacrifício, e lá estava Maria a oferecer-se no Filho, pelo mesmo Amor que a tomou no dia da visita do Anjo. O canto de Maria poderia dizer que é o verdadeiro canto dos remidos, de sua boca surge o perfeito louvor a Deus, um resumo da história da salvação, cheio de significado, retalhado da Palavra e consciente do seu humilde e grande papel, quando no seu sim, Deus pode mudar a humanidade.

Só uma pessoa tomada do verdadeiro espírito de humildade poderia cantar com tanta propriedade como ela cantou. Neste canto está a minha voz, a sua voz, a voz da humanidade inteira, por isso cantemos com Maria: “A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito exulta em deus meu Salvador, porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me proclamarão bendita, porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é Santo, e sua misericórdia se estende de geração a geração, a todos o que o temem…”. A presença de Maria trouxe a Isabel, Jesus e o Espírito Santo, ela é a cheia de graça, e enche de graça aqueles que se acercam de sua companhia. Por isso, lembro-me da frase do Papa Bento XVI no discurso no terço em Aparecida no dia 13 de maio de 2007: “Entremos na escola de Maria!”.

Preciosa escola de humildade, de oração e de serviço, onde ela é a mestra de vida cristã, de santidade e de amor a Deus e aos irmãos. Na escola de Maria nunca serei reprovado, pois Jesus seu filho foi o seu primeiro aluno, do Mestre ela foi mestra. Hoje na minha oração fiz um pedido a Deus, que sua Mãe visitasse a mim, os meus familiares e todas as pessoas que se encontravam tristes, abatidas e fechadas como Isabel. Que a Virgem cheia de graça, do amor, da alegria nos enchesse do Espírito Santo, renovasse o nosso animo, curasse os nossos corações de todas as espécies de doenças, físicas e espirituais, nos inflamasse do Amor que ela traz em si. Por isso, peçamos que a Virgem da Visitação venha a nós hoje, seus filhos, e nos traga Jesus nosso Salvador, e o Espírito Santo para nos socorrer em todas as nossas necessidades.

Oração: Neste dia Maria visita a minha casa, o meu coração e me coloque em seu colo materno, faça de minha vida sua escola, sua morada e nunca mais vá embora. Maria permanece comigo, pois com a tua presença sinto-me mais seguro, mais firme e tenho a certeza de nunca errar o caminho. Primeira cristã, mestra de Jesus, exemplo sublime de serva, quero ser como tu, uma verdadeira chama de amor, para levar a todas as pessoas que eu visitar, o Espírito Santo e Jesus. No final deste texto, você já percebeu que Maria te visitou?

Louve com a Palavra junto com Maria, quando encontrou Santa Isabel:

Ave Maria cheia de graça…

Deixe em nossos comentários a sua experiência com Maria e seus pedidos de orações.

Com Maria minha benção fraterna.

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
twitter.com/padreluizinho

Maria conhece todas as nossas dores!

segunda-feira, maio 27th, 2013

Estava sua mãe junto à Cruz: Jesus viu a mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava. Então disse à mãe: “Mulher, eis aí o seu filho.” Depois disse ao discípulo: “Eis aí a sua mãe.” E dessa hora em diante, o discípulo a recebeu em sua casa. (cf. Jo 19, 25-27).

Diante da Virgem Maria aos pés da Cruz, tanta dor e tanto sofrimento, mas tanta fortaleza e fé, que neste momento Jesus Crucificado não poderia dar maior presente aos seus discípulos e a toda humanidade, representada ali por João o discípulo amado, senão a Sua santíssima Mãe. Maria conhece as dores do nosso coração, por isso, depositemos em seu coração transpassado os nossos pedidos e suplicas confiantes que tudo que pedirmos a Mãe o Filho atende. Os santos e a Tradição da Igreja nos ensinaram a amar e venerar Maria seja na alegria ou nas suas dores.

Somos convidados, hoje, a meditar os episódios mais importantes que os Evangelhos nos apresentam sobre a participação de Maria na paixão, morte e ressurreição de Jesus, todos eles descritos na Sagrada Escritura: a profecia do velho Simeão (Lucas 2,33ss.); a fuga para o Egito (Mateus 2,13ss.); a perda de Jesus aos doze anos, em Jerusalém (Lucas 2,41ss.); o caminho de Jesus para o Calvário (João 19,12ss.); a crucificação (João 19,17ss.); a deposição da cruz e o sepultamento (Lucas 23,50ss.).

Assim nasceu a Devoção das Sete Dores de Maria, por isso, ela como seu Filho Jesus conhece todas as dores da humanidade, mesmo sem ter cometido o pecado, fonte e raiz de todos os males humanos.

Vejamos o que nos diz São Bernardo, um santo profundamente Mariano.

O martírio da Virgem é mencionado tanto na profecia de Simeão quanto no relato da paixão do Senhor. Este foi posto, diz o santo ancião sobre o menino, como um sinal de contradição, e a Maria: e uma espada transpassará tua alma (cf. Lc 2,34-35).

Verdadeiramente, ó santa Mãe, uma espada transpassou tua alma. Aliás, somente transpassando-a, penetraria na carne do Filho. De fato, visto que o teu Jesus – de todos certamente, mas especialmente teu – a lança cruel, abrindo-lhe o lado sem poupar um morto, não atingiu a alma dele, mas ela transpassou a tua lama. A alma dele já ali não estava, a tua, porém, não podia ser arrancada dali. Por isso a violência da dor penetrou em tua alma e nós te proclamamos, com justiça, mais do que mártir, porque a compaixão ultrapassou a dor da paixão corporal.

E pior que a espada, transpassando a lama, não foi aquela palavra que atingiu até a divisão entre alma e o espírito: Mulher, eis aí teu filho? (Jo 19,26). Oh! Que troca incrível! João, Mãe, te é entregue em vez de Jesus, o servo em lugar do Senhor, o discípulo pelo Mestre, o filho de Zebedeu pelo Filho de Deus, o puro homem, em vez do Deus verdadeiro. Como ouvir isso deixaria de transpassar tua alma tão afetuosa, se até a sua lembrança nos corta os corações, tão de pedra, tão de ferro.

Não vos admireis, irmãos, que se diga ter Maria sido mártir na alma. Poderia espantar-se quem não se recordasse do que Paulo afirmou que entre os maiores crimes dos gentios estava o de serem sem afeição. Muito longe do coração de Maria tudo isto; esteja também longe de seus servos.

Talvez haja quem pergunte: “Mas não sabia ela de antemão que iria ele morrer?” sem dúvida alguma. “E não esperava que logo ressuscitaria?” Com toda a confiança. “E mesmo assim sofreu com o crucificado?” Com toda a veemência. Aliás, tu quem és ou donde tua sabedoria, para te admirares mais de Maria que compadecia, do que do Filho de Maria a padecer? Ele pôde morrer no corpo; não podia ela morrer juntamente no coração? É obra da caridade: ninguém a teve maior! Obra de caridade também isto: depois dela nunca houve igual.

Dos sermões de São Bernardo, abade.

O martírio que Cristo sofreu no corpo, Maria sofreu na alma. O nó que pelo não e pela desobediência de Eva foi dado entre o Homem e Deus foi desfeito pelo sim e pela obediência da Virgem das Dores. Por este “sacrifício” Ela conhece as nossas dores. Tendo diante de nós tão grande testemunho de fidelidade e grandeza de alma, eu pergunto para você: como anda a sua espiritualidade Mariana, sua devoção a Virgem Maria mãe de Jesus e nossa?

Escreva em nossos comentários, quais são as suas dores, que você deseja entregar à intercessão de Maria.

Oração de São Bernardo:

Lembrai-vos, ó piedosíssima Virgem Maria,
que jamais se ouviu dizer que algum daqueles
que têm recorrido à vossa proteção
implorado vosso socorro
E invocado vosso auxílio,
fosse por vós desamparado.
Animado, pois, com igual confiança,
a vós, ó Virgem entre todas singular,
como minha Mãe recorro; de vós me valho
e gemendo sob o peso dos meus pecados,
prostro-me as vossos pés.
Não desprezeis as minhas súplicas,
ó Mãe do Filho de Deus humanado,
mas dignai-vos de ouvi-las propícia
e de me alcançar o que vos rogo. Amém.

Rogai por nós Santa Mae de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
Diretor espiritual e formador no Pré-discípulado.
twitter.com/padreluizinho

Invoquemos todos os dias o Espírito Santo

quinta-feira, maio 16th, 2013

Chegar A Solenidade de Pentecostes é celebrar a plenitude da Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, sua vitória sobre o pecado e a morte, ao vir sobre a Igreja reunida se cumpre à promessa de Jesus: “Ao tomar a refeição com eles, deu-lhes esta ordem: “Não vos afasteis de Jerusalém, mas esperai a realização da promessa do Pai, da qual me ouvistes falar, quando eu disse: ‘João batizou com água; vós, porém, dentro de poucos dias sereis batizados com o Espírito Santo” (cf. Atos 1,4-5). Quando o Espírito Santo vem sobre a Igreja reunida com Maria e os Apóstolos, ela vive no seu nascimento na solenidade de Pentecostes a plenitude da Páscoa, que os fez testemunhas da vida Nova, e isso pode acontecer hoje comigo e com você.

“Invoquemos mais vezes, o Espírito Santo para que nos guie no caminho dos discípulos de Cristo. Invoquemos todos os dias. Faço-vos esta proposta: invoquemos todos os dias o Espírito Santo, assim Ele vai nos aproximar, cada vez mais, de Jesus Cristo” Papa Francisco Catequese 15/05/13.

Ao receber o Espírito Santo não devemos monopolizá-lo, Ele não é um Dom somente para mim, nem somente para Igreja, o Espírito Santo é um DOM para todos. O Espírito Santo que eu recebo e juntamente com Ele os Dons e Carismas, que são manifestações do Espírito, são para que imediatamente eu me coloque a serviço, a serviço da Igreja e dos irmãos. Por isso, que a experiência com o Espírito Santo aconteceu em Comunidade, nunca uma pessoa sozinha, pois Ele é o animador e santificador da Comunidade dos cristãos, da Igreja. É impossível fazer uma experiência com o Espírito de Deus fora da comunidade, esse foi o ambiente escolhido pelo Pai e por Jesus, é o ambiente adequado para que o Espírito Santo Venha e nos faça irmãos, servos e testemunhas do Evangelho.

Nós não somos monopolizadores do Espírito, somos “difusores” do Espírito Santo. Por isso, ao receber o Espírito Santo só é autentico quem se coloca a serviço, esse sim recebeu o Espírito Santo e o dá de maneira abundante como o fez Jesus, como fez Maria e os apóstolos. Não seja monopolizador do Espírito, eu não sou “a pessoa inspirada”, “o inteligente”, “o cheio de dons”, não. Vai se reconhecer se eu sou cheio do Espírito Santo quando eu me colocar a serviço dos irmãos, ai eu vou dá prova de que eu sou um homem conduzido pelo Espírito de Deus.

É hora de intensificarmos nosso pedido: Vinde Espírito Santo! Vinde sobre nós pessoalmente. Vinde sobre toda Igreja. Vinde sobre toda a cristandade. Nesta semana de Oração pela unidade dos cristãos Vinde sobre nós católicos, sobre os Ortodoxos, sobre os Evangélicos. Vinde sobre a humanidade inteira. Rezemos clamando nestes dias de preparação para a Solenidade de Pentecostes os sete dons do Espírito de Deus: SABEDORIA, INTELIGÊNCIA, CONSELHO, FORTALEZA, CIÊNCIA, PIEDADE E TEMOR DE DEUS:

DOM DA SABEDORIA: “Mal podemos compreender o que está sobre a terra, dificilmente encontramos o que temos ao alcance da mão. Quem, portanto, pode descobrir o que se passa no céu? E quem conhece vossas intenções, se vós não lhe dais a Sabedoria, e se do mais alto dos céus vós não lhe enviais vosso Espírito Santo? Assim se tornaram direitas às veredas dos que estão na terra; os homens aprenderam as coisas que vos agradam e pela sabedoria foram salvos” (Cf. Sb 9,16-18).

Vinde Espírito de sabedoria! Instruí o meu coração para que eu saiba estimar os bens celestes e antepô-los a todos os bens da terra.

Oração: Ó Deus Todo-poderoso concedei-nos o Dom da Sabedoria, a fim de que cada vez mais gostemos das coisas divinas e, abrasados no fogo do vosso amor, prefiramos com alegria as coisas do céu a tudo que é mundano e nos unamos para sempre a Jesus, sofrendo tudo neste mundo por amor. Por Jesus cristo, vosso Filho na unidade do Espírito santo.

DOM DA INTELIGÊNCIA: “Sabemos que aquele que nasceu de Deus não peca; mas o que é gerado de Deus se acautela, e o Maligno não o toca. Sabemos que somos de Deus, e que o mundo todo jaz sob o Maligno. Sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento para conhecermos o Verdadeiro. E estamos no Verdadeiro, nós que estamos em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1 Jo 5,18-20).

Vinde espírito de Inteligência! Iluminai a minha mente Para que entenda e abrace todos os mistérios da fé e mereça alcançar um pleno conhecimento Vosso, do Pai e do Filho.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom do Entendimento, para que pela luz celeste de vossa graça, bem entendamos as sublimes verdades da salvação e a doutrina da santa religião. Por Jesus Cristo, vosso Filho na unidade do Espírito Santo.

DOM DO CONSELHO: “Ouve os conselhos, aceita a instrução: tu serás sábio para o futuro. Há muitos planos no coração do homem, mas é a vontade do Senhor que se realiza”. (Pr 19,20-21).

Vinde Espírito de Conselho! Assisti-me em todos os assuntos desta vida instável, torna-me dócil às inspirações e guiai-me sempre pelo caminho dos divinos mandamentos.

Oração: Ó Deus concedei-me o Dom do Conselho, tão necessário em tantos passos melindrosos da vida, para que sempre escolhamos o que mais vos agrada, e sigamos em tudo vossa divina graça. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

DOM DA FORTALEZA: “Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte”. (2Cor 12,7-10).

Vinde Espírito de Fortaleza! Fortalecei o meu coração em todas as perturbações e adversidades e daí à minha alma o vigor necessário para resistir ao pecado e ao maligno.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom da Fortaleza, para que desprezemos todo o respeito humano, fujamos do pecado, pratiquemos as virtudes da fortaleza com santo fervor e afrontemos com paciência e mesmo com alegria de espírito os desprezos, prejuízos e perseguições. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

DOM DA CIÊNCIA: “Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso vosso nome em toda a terra! Vossa majestade se estende triunfante, por cima de todos os céus. Que é o homem, digo-me então, para pensardes nele? Que são os filhos de Adão, para que vos ocupeis com eles? Entretanto, vós o fizestes quase igual aos anjos, de glória e honra o coroastes. Destes-lhe poder sobre as obras de vossas mãos, vós lhe submetestes todo o universo. Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso vosso nome em toda a terra”! (Sl 8,2. 5-7. 10).

Vinde Espírito de Ciência! Fazei-me ver a vaidade de todos os bens caducos deste mundo, para que não use senão para Vossa glória e salvação de minha alma.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom da Ciência, para que conheçamos cada vez mais a nossa própria miséria e fraqueza, a beleza das virtudes e o valor inestimável da alma e para que sempre vejamos claramente as ciladas do demônio, da carne, do mundo, a fim de evitá-las. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

DOM DA PIEDADE: “Recomenda esta doutrina aos irmãos, e serás bom ministro de Jesus Cristo, alimentado com as palavras da fé e da sã doutrina que até agora seguiste com exatidão. Exercita-te na piedade. Se o exercício corporal traz algum pequeno proveito, a piedade, esta sim, é útil para tudo, porque tem a promessa da vida presente e da futura”. (1Tm 4,6. 8).

Vinde Espírito de Piedade! Vinde morar no meu coração e inclinai-o para a verdadeira piedade e santo amor a Deus.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom da Piedade, para que aprendamos a amar-vos como nosso Pai e a todos os homens como nossos irmãos. Pó Jesus cristo, vosso filho, na unidade do espírito Santo.

DOM DO TEMOR DE DEUS: “Meu filho, se acolheres minhas palavras e guardares com carinho meus preceitos, ouvindo com atenção a sabedoria e inclinando teu coração para o entendimento; se tu apelares à penetração, se invocares a inteligência, se tu apelares à penetração, se invocares a inteligência, então compreenderás o temor do Senhor, e descobrirás o conhecimento de Deus, porque o Senhor é quem dá a sabedoria, e de sua boca é que procedem à ciência e a prudência.” (Pr 2,1-6).

Vinde Espírito de Temor de Deus! Repassai a minha carne com o Vosso santo temor, de modo que tenha sempre Deus presente e evite tudo o que possa desagradar aos olhos de Sua divina majestade.

Oração: Ó Deus concedei-me o Dom do Santo Temor, para que sempre nos lembremos com suma reverencia e profundo respeito da vossa divina presença, e evitemos praticar tudo quanto possa vos desagradar. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Ouça o Podcast e reze na integra:

Deixe suas intenções em comentários e rezemos sem cessar: Vinde Espírito Santo!

Padre Luizinho, Com Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Vejam outros temas do Seminário de vida e de Dons do Espírito Santo

No Cenáculo com Maria O Espírito Santo Vem!

quarta-feira, maio 15th, 2013

Quero refletir hoje com vocês o acontecimento do cenáculo com Maria, essa figura singela e muito importante na vida da Igreja: “Entraram na cidade e subiram para a sala de cima onde costumavam ficar. Eram Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão Zelota e Judas, filho de Tiago. Todos eles perseveravam na oração em comum, junto com algumas mulheres — entre elas, Maria, mãe de Jesus” (Atos 1, 13-14). Clique aqui e Escreva uma Carta para Nossa Senhora.

Nossa vida no Espírito passa também por Maria. Auxiliadora, Medianeira, Maria é o colo e o apoio certo daqueles que querem viver inspirados pelo Espírito Santo. Ela é a mãe do corpo físico de Jesus, ela também é a mãe do Corpo Místico de Jesus que é a Igreja. A intercessão de Maria nos leva direto ao Cenáculo, onde aconteceram os mais lindos atos de amor, pois ela é mãe de Jesus e mãe da Igreja que nasce em Pentecostes: “Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe…”. João 19, 27

No Cenáculo Jesus lava os pés de seus discípulos, e lhes fala concretamente da caridade e lhes transmite seu novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”!

No Cenáculo, nesta mesma noite, Jesus realiza a Ceia Pascal com seus apóstolos; a sua última Ceia. Nela Ele nos dá seu maior presente: seu corpo e seu sangue para ser comido e bebido: a Eucaristia.

No Cenáculo Jesus aparece pela primeira vez aos seus apóstolos na mesma tarde do dia da ressurreição: dá-lhes o Espírito Santo com sua autoridade e poder de perdoar pecados.

“A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós. Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos”. (Jo 20,21-23).

No Cenáculo eles receberam de Jesus uma palavra de ordem:

“E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem o cumprimento da promessa de seu Pai, que ouvistes, disse ele, da minha boca; porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui a poucos dias”. (At. 1,4-5).

No Cenáculo eles se reúnem e obedecem à ordem de Jesus. Eles se sustentem na oração com Maria a expectativa de fé de que Jesus realize sua promessa.

“Voltaram eles então para Jerusalém do monte chamado das Oliveiras, que fica perto de Jerusalém, distante uma jornada de sábado. Tendo entrado no cenáculo, subiram ao quarto de cima, onde costumavam permanecer. Eram eles: Pedro e João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelador, e Judas, irmão de Tiago. Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus, e os irmãos dele”. (At. 1,12-14).

Daqui a quatro dias vamos entrar neste cenáculo. Tudo o que fizemos até agora orientados pela liturgia da Igreja nos preparou para isso. No Domingo que celebramos a Solenidade da Ascensão do Senhor e a semana seguinte que nos levará a Pentecostes, na expectativa de fé, orando com MARIA, a mãe de Jesus, para que o Senhor realize sua promessa:

“… mas vós é no Espírito Santo que sereis batizados”. (At. 1,5).

Que o Espírito Santo seja derramado nos corações dos fiéis. Que os dons aconteçam em toda Igreja, em sua casa e na sua vida. Que assim se realizem hoje as maravilhas operadas no início da pregação do Evangelho. Nossa atitude de fé nesta semana é estar com Maria no clima e no ambiente do cenáculo. Para cultivar essa atitude de fé a proposta é criar em sua casa um ambiente mariano, talvez já tenha ótimo. Já entramos no mês de maio, você pode arrumar um lugar de destaque em sua casa para que seja um lugar de devoção, seu pequeno cenáculo, que convide você e os seus para unir-se a Deus e rezar. Ponha aí uma imagem , um quadro ou uma simples estampa de Nossa Senhora. Além disso, crie um clima mariano de oração, Maria é a nossa mestra de vida interior. É no cenáculo com Maria, a mãe de Jesus que o Espírito Santo vem.

Grupo de Oração com Eliana Ribeiro: No cenáculo com a mãe de Jesus

Oração clamando o Espírito Santo com Maria: entregamos mãe à chave de nossa casa em tuas mãos. Consagramos ó Virgem de pentecostes a nossa casa, nossa família a ti, seja a dona de minha casa, dona da verdade, que a senhora mande e desmande, dê ordens, que conduza e proteja tudo e todos de minha família. Diga muitas vezes: Minha família é sua! Meus filhos são seus filhos! Meu trabalho é seu, Nossa Senhora! Comande tudo! Dirija tudo! Interceda por nós para que sejamos cheios do Espírito Santo, que a minha casa seja um verdadeiro cenáculo. Repita até mesmo em voz alta. É no cenáculo com Maria, a mãe de Jesus que o Espírito Santo vem.

Vinde Espírito Santo, vinde por meio da poderosa intercessão do Imaculado Coração Maria, vossa amadíssima esposa!

Escute na integra o Podcast:

Conte com as minhas orações e a minha benção, clique em comentário e deixe os seus pedidos de orações.

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Fonte de Pesquisa: Livro: Rumo a Pentecostes; Monsenhor Jonas Abib, ed.: Loyola – Canção Nova; Páscoa de 2000.

Vejam outros temas do Seminário de vida e de Dons do Espírito Santo

A promessa “sereis batizados no Espírito Santo daqui a poucos dias!”

terça-feira, maio 14th, 2013

Esta foto que você esta vendo é da Sala superior em Jerusalém onde aconteceu o primeiro grande Pentecostes na Igreja, eu tive a graça de estar lá quatro vezes com grupos de peregrinos e ai renovamos o nosso pentecostes: “Então os apóstolos deixaram o monte das Oliveiras e voltaram para Jerusalém, à distância que se pode andar num dia de sábado. Entraram na cidade e subiram para a sala de cima onde costumavam ficar. Eram Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão Zelota e Judas, filho de Tiago. Todos eles perseveravam na oração em comum, junto com algumas mulheres — entre elas, Maria, mãe de Jesus” (cf. Atos 1, 12-14).No batismo no Espírito o primeiro Dom a se revelar é o Dom da Oração em Línguas, mas não será o único, ele é a porta para todos os outros Dons e Carismas do Espírito santo de Deus. Você poderá ir comigo novamente no dia 16 de Junho pela Obra de Maria.

Batismo ou Efusão no Espírito Santo

É bom que fique claro que não se trata do Batismo sacramental, mas de uma experiência da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, como diz o pregador do papa, frei Raniero Cantalamessa: “A efusão do Espírito Santo é o Batismo em ação”. O que ele quer dizer com isso, que a experiência da efusão traz pra fora tudo que recebemos no Batismo Sacramental, é A Pessoa do Espírito Santo agindo em mim e em você: “Mas recebereis o poder do Espírito Santo que virá sobre vós, para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra” (At. 1,8).

O batismo no Espírito é o Pentecostes hoje: “Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído como de um vento forte, que encheu toda a casa em que se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia expressar-se” (cf. At. 2,1-4).

A promessa do Pai, Jesus é o batizador no Espírito: João Batista respondia a todos: “Eu vos batizo com água, mas virá àquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desatar a correia de as suas sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (Cf. Lc 3,16).

Ezequiel 36,25-26: “Derramarei sobre vós água pura e sereis purificados. Eu vos purificarei de todas as impurezas e de todos os ídolos. Eu vos darei um coração novo e porei em vós um espírito novo. Removerei de vosso corpo o coração de pedra e vos darei um coração de carne”.

Jesus fala a Nicodemos de uma Nova Vida: Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, te digo: se alguém não nascer do alto, não poderá ver o Reino de Deus!… se alguém não nascer da água e do Espírito, não poderá entrar no Reino de Deus” (Cf. Jo 3,3-5).

“Mas recebereis o poder do Espírito Santo que virá sobre vós, para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. (At. 1,8).

A promessa é para todos, não só para os inícios da Igreja, essa promessa é para hoje, para mim e para você, o que devemos fazer?: Pedro respondeu: “Convertei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo. Pois a promessa é para vós e vossos filhos, e para todos aqueles que estão longe, todos aqueles que o Senhor, nosso Deus, chamar”. (At. 2,38-39).

Frutos do batismo no Espírito Santo:

1° – Reconstruir a Unidade que o pecado havia quebrado, desfeito, toda relação e submissão a Deus como Pai, recebemos de volta a graça que havíamos perdido;

2° – Reconhecer Jesus como messias e Senhor ressuscitado, proclamar o senhorio de Jesus!

3° – Conversão e a Vida Nova no Espírito: Eu vos exorto: deixai-vos sempre guiar pelo Espírito, e nunca satisfaçais o que deseja uma vida carnal (Gl 5, 16-25);

4° – Assumir a filiação adotiva somos filhos de Deus e herdeiros das realidades do céu: “De fato, vós não recebestes espírito de escravos, para recairdes no medo, mas recebestes o Espírito que, por adoção, vos torna filhos, e no qual clamamos: “Abbá, Pai!”O próprio Espírito se une ao nosso espírito, atestando que somos filhos de Deus. E, se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, se, de fato, sofremos com ele, para sermos também glorificados com ele” (Cf. Rm 8,15-17);

5° – Conduz a santidade: “e revestir-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, na verdadeira justiça e santidade (Efésios 4,24).

6° – Necessidade de viver toda essa novidade em comunidade: “Todos os que abraçavam a fé viviam unidos e possuíam tudo em comum; vendiam suas propriedades e seus bens e repartiam o dinheiro entre todos, conforme a necessidade de cada um. Perseverantes e bem unidos, freqüentavam diariamente o templo, partiam o pão pelas casas e tomavam a refeição com alegria e simplicidade de coração” (At. 2,44-46).

7° – Abertura para a missão e servir na Igreja com os Dons, carismas e frutos: Anunciar o Evangelho não é glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!” (I Coríntios 9,16).

O Pe Roger Luiz reza: Um Pentecostes todos os dias:

Oração: Vem Espírito Santo, vem e encha-me, restaura-me, derramai-vos sobre mim como fostes derramado sobre os apóstolos no cenáculo com Maria. Vinde Espírito consolador e enchei os nossos corações com os vossos sete dons. Ó Deus que instruístes os corações dos vossos fieis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre das Suas consolações. Por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Ó vinde Espírito Criador, as nossas almas visitai e enchei os nossos corações com Vossos dons celestiais. Vós sois chamado o Intercessor, do Deus excelso o dom sem par, a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar. Sois doador dos sete dons, e sois poder na mão do Pai, por Ele prometido a nós, por nós Seus feitos proclamai. A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor, nossa fraqueza encorajai qual força eterna e protetor. Nosso inimigo repeli, e concedei-nos Vossa paz, se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás. Ao Pai e ao Filho Salvador, por Vós possamos conhecer que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Clique em comentários você precisa de um Pentecostes hoje? Faça o seu pedido: Vinde Espírito Santo!

Escute o PODCAST:

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Vejam outros temas do Seminário de vida e de Dons do Espírito Santo

Você tem preconceito com a Oração em Línguas?

segunda-feira, abril 29th, 2013

Muitas vezes o que nos falta é o verdadeiro conhecimento de causa e ou também por que não tivemos uma experiência positiva com essa manifestação do Dom do Espírito Santo, através de alguém ou de um grupo que sem discernimento e prudência usou mal desta graça dada por Deus a toda Igreja. Mais nem por ser um Dom do Espírito santo a toda Igreja é obrigatório a todos aceitarem e rezarem em línguas!

O Dom da oração em línguas: é um Dom dado a nós pelo Espírito Santo e o primeiro a se manifestar. Dom para edificação pessoal, para santificação, pois ele nos abre as portas do sobrenatural, da vida de oração e da intimidade com Deus. “Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído como de um vento forte, que encheu toda a casa em que se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia expressar-se” (cf. At. 2,1-4).

O primeiro dom que se manifestou foi o de línguas. Em pentecostes, os discípulos, junto com Maria, ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a orar, a louvar, a cantar numa língua nova, a língua do Espírito. Alguns interpretaram o acontecimento e disseram: ”Eles louvam a Deus, estão cantando as glórias de Deus, e nós estamos entendendo com o coração”. Outros estavam ali como curiosos, brincando, zombando, dizendo que os discípulos estavam bêbados. Pedro explicou: “Não estamos bêbados; pelo contrário, está se cumprindo à profecia de Joel”. O primeiro dom criou confusão.

O que é o dom de línguas? Quando nós somos batizados no Espírito Santo, a primeira coisa da qual nos enchemos é de oração. E por que isso? Porque o Espírito Santo é a ligação entre o Pai e o Filho. A oração é a comunicação entre o Pai e o Filho; o Filho que fala ao Pai e o Pai que fala ao Filho. A beleza da intimidade que acontece dentro da Trindade é feita pelo Espírito Santo. O Espírito Santo é oração.

Além disso, Ele é a ligação entre Deus e nós. A oração que vai e a oração que volta. Quando somos introduzidos no Espírito Santo, saímos cheios de oração, porque o Espírito Santo é oração, uma oração de fogo, infalível.

Nós damos o combustível, que é o nosso ar. Movemos nossas cordas vocais, movemos à boca, a língua, geramos sons; e o que acontece? O Espírito Santo ora, fala e canta em nós. Fornecemos a expressão palpável, mas quem dá o conteúdo, o fogo e a oração é o Espírito Santo. Você não imagina o valor dessa oração! Porque não somos nós orando simplesmente. É o Espírito Santo orando em nós!

Que acontece no dom de línguas? Quem entra em ação não é a nossa inteligência.

Movimentamos as cordas vocais, soltamos o ar, mexemos a língua, a boca, e produzimos som; mas o conteúdo vem do Espírito Santo. Da minha inteligência? Não! Da inteligência do Espírito Santo.

São Paulo explica isso na Epístola aos Romanos, 8,26: ”Do mesmo modo, também o Espírito vem em socorro da nossa fraqueza, pois não sabemos rezar como convém; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis”. Portanto é um Dom para os humildes, que exige a humildade para recebê-lo e dele usufruir de seus frutos e graças.

Essa explicação é bem simples: ”gemidos inexprimíveis”, quer dizer: gemidos que não podem ser entendidos, a não ser quando Deus dá a interpretação.

Quando ora por seu filho ou sua filha, você sabe exatamente do que eles precisam? Não. É por isso que o Espírito Santo vem em nosso auxílio: porque não sabemos o que pedir, nem sabemos orar como convém. Ele mesmo intercede por nós e em nosso favor, com gemidos inexprimíveis. Daí as maravilhas acontecem, porque é o Espírito Santo orando dentro de nós, por nós. São Paulo continua:

“E aquele que perscruta os corações sabe qual é a intenção do Espírito: com efeito, é segundo Deus que o Espírito intercede pelos santos” (Rm 8,27).

1 – Dom Alberto Taveira fala da oração em línguas: Esclarecimentos solicitados pelo CONSEP, a pedido de Dom Rafel: Clique AQUI e leia a matéria completa.

1. “Benefícios” da oração em línguas: Os carismas, sejam extraordinários ou humildes, são graças do Espírito Santo que têm, direta ou indiretamente, uma utilidade eclesial, ordenados como são à edificação da Igreja, ao bem dos homens e às necessidades do mundo. Carismas são “manifestações do Espírito para proveito comum”. São dons úteis, instrumentos de ação, para servir à comunidade.

Conceituação: a) “É um dom de oração cujo valor, enquanto ‘linguagem de louvor’, não depende do fato de que um lingüista possa ou não identificá-lo como linguagem no sentido corrente do termo”. É uma linguagem a-conceitual, que se “assemelha” às línguas conceituais. Não supõe absolutamente um estado de “transe” para praticá-la, não corresponde a um estado “extático”, e nem a uma exagerada emoção, permanecendo aquele que a pratica no total domínio de si mesmo e de suas emoções, pois o Espírito Santo jamais se apossa de alguém de modo a anular-lhe a personalidade.

b) É um dom que leva os fiéis a glorificar a Deus em uma linguagem não convencional, inspirada pelo Espírito Santo. É uma forma de louvar a Deus e uma real maneira de se falar e se entreter com Ele. Quando o homem está de tal maneira repleto do amor de Deus que a própria língua e as demais formas comuns de se expressar se revelam como que insuficientes, dá plena liberdade à inspiração do Espírito, de modo a “falar uma língua” que só Deus entende.

2. O “falar em línguas”, consignado nas Escrituras comporta três modalidades:

a) a oração em línguas, de caráter usualmente particular, pessoal, e que portanto não requer interpretação. Embora de caráter pessoal, ela pode ser exercitada também de modo coletivo, o que acontece nas assembléias onde todos exercem o “dom particular de orar em línguas”, ao mesmo tempo; obviamente, não supõe interpretação. No entanto, Deus – que ouve a oração que milhares de fiéis lhe dirigem concomitantemente de todos os cantos da Terra – por certo entende. Vale a intenção que está em nosso coração.

b) Essa oração também pode ser expressa em modalidade de canto, uma oração com uma melodia que não foi pré-estabelecida. Também essa modalidade não requer interpretação. A diferença em relação à modalidade anterior, é que aqui se trata de orar em línguas, mas num ritmo não falado, de expressão e cadência musical, de notas que se sucedem improvisadamente, numa modulação lírica com que se celebram as maravilhas de Deus. São cânticos que brotam geralmente nos momentos de louvor e adoração da assembléia, do grupo de oração, e que pouco tem em comum com os cânticos eclesiásticos tradicionais, ou também com os cantos de “composição artística”. Santo Agostinho, comentando as palavras do Salmo “Cantai ao Senhor um Cântico novo”, adverte que o cântico novo não é coisa “de homens velhos”. “Aprendem-no os homens novos, renovados da velhice por meio da graça, pertencentes ao Novo Testamento, que já é o Reino dos Céus. Por ele manifestamos todo o nosso amor e lhe cantamos um canto novo. Quando podes oferecer-lhe tamanha competência que não desagrade a ouvidos tão apurados?… Não busques palavras, como se pudesses dar forma a um canto que agrade a Deus. Canta com júbilo! Que significa cantar com júbilo? Entender sem poder explicar com palavras o que se canta com o coração. Se não podes dizer com tuas palavras, tampouco podes calar-te. Então, resta-te cantar com júbilo, se modo que te entregues a uma alegria sem palavras e a alegria se dilate no júbilo”.

c) Uma terceira modalidade do dom das línguas é aquela de uso essencialmente público, que quando é acompanhado do seu complemento, o dom da interpretação, tem como seu propósito a edificação dos fiéis e a convicção dos descrentes. Aqui o falar em línguas não assume o caráter de oração, mas de uma mensagem em línguas, dirigida à assembléia e não a Deus, como é o caso da oração, e que portanto requer o exercício do outro dom apontado por Paulo, o dom da interpretação. O Espírito dá a alguém a inspiração de “falar em línguas” em alta voz. Suas palavras contém uma mensagem espiritual para um ou mais ouvintes. A mensagem permanece incompreensível, enquanto não for interpretada. A mensagem interpretada assume, regularmente, as características de uma profecia carismática, que, segundo S. Paulo, edifica, exorta e consola a assembléia. Autores há que, em vista de maior clareza, dão outro nome a esta forma de falar em línguas. Chamam-na de “mensagem em línguas”, ou ainda de “profecia em línguas”. Em oposição ao “falar em línguas” durante a oração, este dom não está livremente à disposição da pessoa. Exige-se uma inspiração peculiar. Muitas vezes, ela está acompanhada de outra inspiração, a saber, num dos ouvintes que então “interpreta” a mensagem e a traduz em linguagem comum, para a comunidade. O dom de “falar mensagem em línguas” é um dom transitório manifestado vez ou outra nas reuniões de oração; e o Senhor pode servir-se ora deste, ora daquele, enquanto que o dom da interpretação geralmente é considerado permanente; é dom que pode ser pedido na oração.

3. Quando se deve orar em línguas? Só em atos próprios da RCC? Na TV para todos? Pode ser utilizada durante a Santa Missa, como parece ter acontecido na Oração dos fiéis nas missas de TV?

a) Sendo um dom do Espírito e um dom de oração, ele deveria ser permitido onde sempre é permitido orar. Nos atos próprios da RCC, o Documento 53, n. 25 da CNBB, já o levou em consideração.

Clique e veja neste grupo de Oração à importância desde Dom:

Vinde Espírito Santo e dai-nos o Dom da Oração!

Padre Luizinho, Com Canção Nova.
Diretor espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Acompanhe todos os temas:

Seminário de Vida no Espírito Santo

O Pecado é uma desordem que pode ser vencida!

sexta-feira, abril 26th, 2013

Depois de conhecermos em nosso Seminário de Vida online o Amor de Deus, ficam varias perguntas: Porque mesmo depois de experimentar este Amor, sinto-me impotente diante de minhas fraquezas, limitações e continuo fazendo coisas más que não quero? Se Deus criou todas as coisas e viu que tudo era muito bom, porque tanta tristeza no mundo, tanta infelicidade, desigualdade, guerras, doenças, desamor, porque a morte? Essa pergunta pode ser feita de maneira diferente: se Deus e o seu amor existem qual é a cauda de todo o mal? O pecado é o mal uso de nossa liberdade, erramos o alvo, o objetivo de nossa vida, pisamos na bola, desvirtuamos os nossos sentidos e vontades, se apresentava o Bem e eu escolho o mal.

É difícil e hoje tem muita gente que torce o nariz, neste mundo mascarado e superficial até ofende dizer isso para alguém, mas eu não posso esconder ou mascarar, a verdade, a realidade para você: “Todos pecaram e por isso, estão privados da graça de Deus” (Cf. Romanos 3,23).

Conseqüências do pecado em nossas vidas:

a harmonia estabelecida graças à justiça original, está destruída;

– o domínio das faculdades espirituais da alma sobre o corpo é rompido;

– a união entre o homem e a mulher é submetida a tensões; as suas relações serão marcadas pela cupidez e pela dominação.

– a harmonia com a criação está rompida: a criação visível tornou-se para o homem estranha e hostil. Por causa do homem, a criação está submetida ‘à servidão da corrupção’.

– Finalmente, vai realizar-se a conseqüência explicitamente anunciada para o caso de desobediência: o homem ‘voltará ao pó do qual é formado’. A morte entra na história da humanidade. (n.400)

– a partir do primeiro pecado, uma verdadeira ‘invasão’ do pecado inunda o mundo: o fratricídio cometido por Caim contra Abel; a corrupção universal em decorrência do pecado;

– A Escritura e a Tradição da Igreja não cessam de recordar a presença e a universalidade do pecado na história do homem: O que nos é manifestado pela Revelação divina concorda com a própria experiência. Pois o homem, olhando para seu coração, descobre-se também inclinado ao mal e mergulhado em múltiplos males que não podem provir de seu Criador, que é bom.

402 – Todos os homens estão implicados no pecado de Adão. O gênero humano inteiro é, em Adão, ‘como um só corpo de um só homem’ (sicut unum corpus unius hominis – São Tomás de Aquino). Em virtude desta unidade do gênero humano, todos os homens estão implicados no pecado de Adão, como todos estão implicados na justiça de Cristo. (cat. 404)

‘Pela desobediência de um só homem, todos se tornaram pecadores’(Rm 5,19). ‘Como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado, a morte, assim a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram… ‘(Rm 5,12).

‘Assim como da falta de um só resultou a condenação de todos os homens, do mesmo modo, da obra de justiça de um só (a de Cristo), resultou para todos os homens justificarão que traz a vida’(Rm 5,18).

Adão e Eva cometem um pecado pessoal, mas este pecado afeta a natureza humana, que vão transmitir em um estado decaído. (cat. 404). É um pecado que será transmitido por propagação (não imitação) à humanidade inteira; isto é, pela transmissão de uma natureza humana privada da santidade e da justiça originais. O pecado original é denominado ‘pecado’ de maneira analógica: é um pecado ‘contraído’ e não ‘cometido’, um estado e não um ato. Mas, hoje as nossas escolhas nos tornam participantes ativos no pecado, atualizamos a morte e optamos novamente contra Deus e o seu plano de Amor.

‘Morte da alma’(DS 1512)

O Batismo, ao conferir a vida da graça de Cristo, apaga o pecado original e faz o homem voltar para Deus. Porém, as conseqüências de tal pecado sobre a natureza, enfraquecida e inclinada ao mal, permanecem no homem e o incitam ao combate espiritual. 405 – Pelo pecado original a natureza humana não é totalmente corrompida: ela é lesada em suas próprias forças naturais, submetida à ignorância, ao sofrimento e ao império da morte, e inclinada ao pecado (esta propensão ao mal é chamada ‘concupiscência’).

“Não “o abandonaste ao poder da morte’ Todas as vezes que pecamos estamos mais perto da morte”.

Por que Deus não impediu o primeiro homem de pecar?

São Leão Magno reponde: ‘A graça inefável de Cristo deu-nos bens melhores do que aqueles que a inveja do demônio os havia subtraído’(Sermão 73,4: PL 54,396). São Tomás: ‘Nada obsta que a natureza humana tenha sido destinada a um fim mais elevado após o pecado. Com efeito, Deus permite que os males aconteçam para tirar deles um bem maior. Donde a palavra de São Paulo: ‘Onde abundou o pecado superabundou à graça’(Rom 5, 20). E o canto do Exultet: Ó feliz culpa que mereceu tal e tão grande Redentor’ (S. Th. III,1.3 ad 3).

Mais o PECADO não tem a ultima palavra em nossa vida, pelo contrario, tomar consciência desta verdade e assumi-la abre-nos a Porta da solução, da SALVAÇÃO: “Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram tudo o que Deus fizera por meio deles e como ele havia aberto a Porta da Fé para os pagãos” (cf. At. 14,27).

Salette Ferreira reza com a Plavra de Deus pela libertação do pecador:

Clique em comentários e diga não ao pecado e faça a sua oração de renúncia.

Oração de Renuncia: Tomando consciência do imenso Amor de Deus, de Jesus Cristo meu Salvador eu renuncio ao pecado e a todo mal. Renuncio em Nome de Jesus ao Demônio e a Satanás autor do pecado e do mal e todas as suas astúcias para perder os filhos de Deus. Renuncio a tudo aquilo que possa me conduzir ao pecado e a morte nos sentimentos e nos atos, continue a oração de renunciando a todo pecado, aqueles que te impedem de caminhar e de ter uma nova vida…

Vinde Espírito Santo e arranca-nos do pecado!!!

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discipulado.

Matérias relacionadas: Seminário de Vida no Espírito Santo
O Amor de Deus é diferente e maior que qualquer amor!
O que é o Dom do Discernimento dos espíritos?

Escute o Podcast: Porque o pecado nos destrói?