07. abril 2016 · Comentários desativados em “Quando se perde alguém” novo clipe da Canção Nova · Categories: Formação

André Alves é musico da Canção Nova, cantor e compositor. Compôs a canção “Quando se perde alguém” que contou a participação da cantora Adriana Arydes.

Conheça um pouco da história de André Alves, compositor da canção

A história de André Alves com a Comunidade Canção Nova começou em sua cidade natal, Cuiabá, capital do Mato Grosso.

“Meu contato com a obra Canção Nova é muito antigo, de quando eu participava das atividades na minha paróquia. Paralelo a isso, lembro-me de que, na minha infância, eu frequentava o ‘Cantinho da Criança’, que era realizado na casa de missão em Cuiabá”, recorda André.

O envolvimento de André com a Igreja aprofundou-se, principalmente, depois que ele começou a tocar no ministério de música de sua paróquia, Nossa Senhora de Fátima.

“Comecei no ministério de música da paróquia apenas tocando; depois, pela necessidade de ter um cantor na Missa, comecei a me cobrar mais, e minha mãe também insistiu para eu tocar e cantar. Então, comecei a cantar nas Missas”, relata o cantor.

De cantor, André passou a compor. Ele conta que, em 2004, compôs sua primeira canção. “Foi muito inusitado! Eu estava escovando os dentes para dormir e a seguinte situação veio à minha mente, a de estarmos no grupo de oração. Quantas vezes escutamos coisas que sempre pensamos ser apenas para o outro, sempre para a pessoa que está ao lado, mas me vinham as palavras: ‘Eu sou Jesus, é com você mesmo que eu falo. Por isso, vou abrir teu coração, escuta o que vou te dizer….’. E eu fui escrevendo tudo aquilo. Fui o primeiro a ser tocado por aquelas palavras, e a música veio a mim com letra e melodia. Essa foi minha primeira experiência de compor”.

Hoje, já são quarenta composições, sendo a última a canção ‘Quando se perde alguém’, que foi feita em janeiro e nasceu a partir da perda de um amigo, que lutou durante dois anos contra um câncer e acabou não resistindo a ele. Como André não teve a oportunidade de estar presente em seu velório e Missa de sétimo dia, a composição foi uma maneira de abraçar a família desse amigo e homenageá-lo.

Hoje, André Alves trabalha no Portal Canção Nova, na produção de trilhas musicais.

“O convite de trabalhar na Canção Nova aconteceu um mês antes do meu casamento. Pitter, membro dessa comunidade, falou-me da proposta de eu ser um colaborador nessa obra. Ele me disse que a única garantia que me dava era eu chegar, em Cachoeira Paulista (SP), com um emprego. Pensei que era loucura, mas topei fazer a experiência. Conversei com minha esposa, na época noiva, com a família dela, que ficou muito emocionada, porque todos têm contato com a Canção Nova. Mas eles também ficaram com medo, porque se tratava de uma renúncia e mudança muito grande!”

“Hoje, vejo meu trabalho na Canção Nova como algo além de um convite para ser colaborador, mas também uma proposta de emprego, um chamado de Deus, que tem todo um propósito para mim. Vejo que é o Espírito Santo quem conduz toda minha história.”

Saiba mais sobre a música na Canção Nova, acesse: http://musica.cancaonova.com/

05. abril 2016 · Comentários desativados em Missa pelo Clube da Evangelização. · Categories: Formação

Missa-Clube-Abril

28. março 2016 · Comentários desativados em Crime vil e insensato, diz Papa sobre atentado no Paquistão · Categories: Formação

Papa condenou atentado no Paquistão e rezou por vítimas após oração do Regina Coeli nesta segunda-feira

Da Redação, com Rádio Vaticano

Após a oração mariana do Regina Coeli, nesta segunda-feira, 28, nas oitavas de Páscoa, o Papa Francisco condenou o atentado no Paquistão, de um homem-bomba, que deixou pelo menos 72 mortos e 359 feridos em Lahore, capital do país. O atentado aconteceu neste Domingo de Páscoa.

Francisco disse que a Páscoa “foi ensanguentada por um execrável atentado, que provocou uma tragédia para tantas pessoas inocentes, a maior parte famílias da minoria cristã – principalmente mulheres e crianças – reunidas em um parque público para passar com alegria a festa pascal”.

Paz

“Desejo manifestar minha proximidade a quantos foram atingidos por este crime vil e insensato, e convido a rezar ao Senhor pelas numerosas vítimas e por suas famílias”, pediu o Pontífice.

Francisco fez ainda um apelo às autoridades civis e a todos os componentes sociais do Paquistão, para que façam todo esforço possível, a fim de proporcionar segurança e serenidade à população, em particular às minorias religiosas mais vulneráveis. “Repito, mais uma vez, que a violência e o ódio homicida conduzem somente à dor e à destruição; o respeito e a fraternidade são a única estrada para se chegar à paz”, advertiu o Papa.

“Que a Páscoa do Senhor possa suscitar em nós, de maneira ainda mais forte, a oração a Deus, para que as mãos dos violentos, que semeiam terror e morte, sejam detidas, e que no mundo possam reinar o amor, a justiça e a reconciliação”, finalizou o Pontífice.

23. março 2016 · Comentários desativados em Dom Henrique Soares, fala sobre o momento político no Brasil. · Categories: Formação

Na última quarta-feira(22), Dom Henrique Soares, bispo de Palmares em Pernambuco, concedeu uma entrevista ao programa “Tarde Especial”, na Rádio Canção Nova FM de Brasília, em Rede pela Canção Nova de Rádios, apresentado por Ronaldo da Silva.

O Bispo nordestino fala sobre o momento político brasileiro destacando o que pensa sobre Impeachment, manifestações populares e o posicionamento da Igreja. Ouça na íntegra o áudio dessa entrevista.

 

Acompanhe, o programa “Tarde Especial” que vai ao ar de 16h às 18h (Brasília), nas segundas, terças, quartas e sextas-feira. Em Brasília sintonize por 89.1 FM, ou acompanhe por este blog.

16. março 2016 · Comentários desativados em Consagração total à Virgem Maria. · Categories: Formação

Consagração

“Ó Virgem fiel, tornai-me em todas as coisas um perfeito discípulo, imitador e escravo da Sabedoria encarnada, Jesus Cristo, vosso Filho.”

A comunidade Canção Nova, na Missão de Brasília, promove o Curso de preparação para a Consagração a Nossa Senhora segundo o método de São Luís Grignion de Montfort. Curso que tem por meio e finalidade levar você a se aprofundar na devoção à Virgem Maria, pois ela é um meio para chegarmos a união com Deus porque “Foi pela Santíssima Virgem que Jesus Cristo veio ao mundo e é também por Ela que deve reinar no mundo” (TVD no. 0l).

Para fazer a consagração à Maria segundo a “Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem”, de São Luís Maria Grignion de Montfort, o primeiro passo é conhecer esse precioso livro, que é um método de consagração. O Santo escreveu este livro no final de sua vida. Neste livro, ele nos dá a conhecer a reflexão e a experiência que desenvolveu em seu apostolado de propagar esta devoção, levando muitos a se consagrarem a Nossa Senhora. Portanto, se você deseja se consagrar a Virgem Maria, não perca essa oportunidade, o curso será composto por 6 formações.

14. março 2016 · Comentários desativados em Encontro para famílias. Participe! · Categories: Eventos

Encontro para famílias

A comunidade Canção Nova, missão Brasília, promove nos dias 02 e 03 de abril de 2016 o encontro para famílias, com o tema:

“Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24, 15)

Será uma oportunidade de você reunir sua família e vir participar conosco deste momento de formação e experiência com Deus. Teremos membros da comunidade Canção Nova, casais rezando e dando testemunho. As pregações deste evento serã ministrada pelo padre Crystian Shankar, pároco do Santuário Nossa Senhora Aparecida, da cidade de Divinópolis (MG), que tem um apostolado de evangelização com as famílias. Teremos, adoração, oração, pregação e missa.

Venha passar o seu final de semana com sua família e juntos experienciar o amor de Deus.

11. março 2016 · Comentários desativados em Rádio Canção Nova FM de Brasília recebe homenagem da Câmara Legislativa do DF · Categories: Notícias

12809771_1021309937942710_3650466619381740864_n

 

A Rádio Canção Nova FM de Brasília e o missionário Ronaldo da Silva, receberam na manhã desta sexta-feira (11), em cerimônia realizada na Câmara Legislativa do Distrito Federal, em Brasília, uma “moção de louvor” em reconhecimento ao seu empenho e dedicação à população do DF.

A placa com os votos foram entregues pelas mãos do Deputado Distrital Cláudio Abrantes. A ação foi também uma iniciativa do deputado, como reconhecimento do trabalho que a emissora tem realizado no Distrito Federal para o bem comum da sociedade brasilense.

Desde 2008 a Rádio Canção Nova tem levado pela frequência de 89.1 FM a Evangelização e prestação de serviço aos ouvintes do Distrito Federal, através de seus programas, com grade local e nacional com a Rede de Rádios Canção Nova. Através da internet a Rádio também consegue atingir ouvintes de outros países.

 

Homenagem

11. setembro 2015 · Comentários desativados em Clip da semana: "É preciso orar" de Padre Delton Filho · Categories: Clips Católicos

É Preciso Orar

CD: É Preciso Orar
Intérprete: Pe. Delton Filho
Letra: Rondiney Arantes

Diante das tribulações!
Diante das indecisões!
Diante a dor da angustia!
Eu preciso orar!
Pois o meu refúgio seguro é a oração!

Quem abandona a oração,
Abraça a tentação!
A oração faz fiel o coração!
Eu preciso orar!
Pois o meu refúgio seguro é a oração!

10. setembro 2015 · Comentários desativados em Como ler a Bíblia? · Categories: Formação

conselhos para pregadorO Concílio Vaticano II indica critérios para uma interpretação da Escritura conforme o Espírito que a inspirou

O documento do Concílio Vaticano II, Dei Verbum, orienta como a Bíblia deve ser lida. “Deus, na Sagrada Escritura, falou por meio de homens e de modo humano: deve o interprete da Sagrada Escritura, para bem entender o que Deus nos quis transmitir, investigar atentamente o que foi que os hagiógrafos, de fato, quiseram dar a entender e, por suas palavras, aprouve a Deus manifestar.

Para descobrir a intenção dos hagiógrafos, devem-se levar em conta, entre outras coisas, também os “gêneros literários”, pois a verdade é apresentada e expressa de maneira bem diferentes nos textos, de um modo ou outro históricos, proféticos ou poéticos, bem como em outras modalidades de expressão. Ora, é preciso que o intérprete pesquise o sentido que, em determinadas circunstâncias, o hagiógrafo, conforme a situação de seu tempo e de sua cultura, quis exprimir e exprimiu por meio de gêneros literários então em uso. Pois, para corretamente entender aquilo que o autor sacro haja intencionado afirmar por escrito, é necessário levar devidamente em conta tanto as nossas maneiras comuns e espontâneas de pensar, falar e contar, as quais já eram correntes no tempo do hagiógrafo, como a que costumavam empregar-se no intercâmbio humano daquelas eras.

Mas como a Sagrada Escritura deve ser também lida e interpretada naquele mesmo Espírito em que foi escrita, para bem captar os sentidos dos textos sagrados, deve-se atender com não menor diligência ao conteúdo e à unidade de toda a Escritura, levada em conta a Tradição viva da Igreja toda e a analogia da fé. Cabe aos exegetas trabalhar esforçadamente dentro dessas diretrizes para mais aprofundadamente entender e expor o sentido da Sagrada Escritura, a fim de que, por seu trabalho de certo modo amadureça o julgamento da Igreja. Pois tudo o que concerne à maneira de interpretar a Escritura, está sujeito, em última instância, ao juízo da Igreja, que exerce o mandato e o ministério divino de guardar e interpretar a Palavra de Deus”(n.12).

Devemos compreender que a Bíblia é a Palavra de Deus escrita para os homens e pelos homens; logo, ela apresenta duas faces: a divina e a humana. Logo, para poder interpretá-la bem é necessário o reconhecimento da sua face humana, para depois, compreender a sua mensagem divina.

Não se pode interpretar a Sagrada Escritura só em nome da “mística”, pois, muitas vezes, podemos ser levados por ideias religiosas pré-concebidas, ou mesmo podemos cair no subjetivismo. Por outro lado, não se pode querer usar apenas os critérios científicos (linguística, arqueologia, história…); é necessário, após o exame científico do texto, buscar o sentido teológico.

A Bíblia não é um livro caído do céu, ela não foi ditada mecanicamente por Deus e escrita pelo autor bíblico (=hagiógrafo), mas é um livro que passou pela mente de judeus e gregos, numa faixa de tempo que vai do séc. XIV a.C. ao século I d.C. Por causa disso, é necessário usar uma tradução feita a partir de originais e com seguros critérios científicos.

Os escritos bíblicos foram inspirados a certos homens, isto é, o Espírito Santo iluminou a mente do hagiógrafo a fim de que ele, com sua cultura religiosa e profana, pudesse transmitir uma mensagem fiel à vontade de Deus. A Bíblia é, portanto, um livro humano-divino, todo de Deus e todo do homem, ela transmite o pensamento de Deus, mas de forma humana. É como o Verbo encarnado, Deus e homem verdadeiro. É importante dizer que a inspiração bíblica é estritamente religiosa, isto é, não devemos querer buscar verdades científicas na Bíblia, mas verdades religiosas, que ultrapassam a razão humana: o plano da salvação do mundo, a sua criação, o sentido do homem, do trabalho, da vida, da morte etc.

Não há oposição entre a Bíblia e as ciências naturais; ao contrário, os exegetas (estudiosos da Bíblia) usam das línguas antigas, da história, da arqueologia e outras ciências para poder compreender melhor o que os autores sagrados quiseram nos transmitir.

Mas é preciso ficar claro que a revelação de Deus através da Bíblia não tem uma garantia científica de tudo o que nela está escrito. É inútil pedir à Bíblia uma explicação dos seis dias da criação, ou da maneira como podiam falar os animais, como no caso da jumenta de Balaão. Esses fatos não são revelações, mas tradições que o autor sagrado usou para se expressar.

A própria história contida na Bíblia não deve ser tomada como científica. O que importa é a “verdade religiosa” que Deus quis revelar, e que, às vezes, é apresentada embutida em uma parábola, ou outra figura de linguagem.

O Concilio Vaticano II indica três critérios para uma interpretação da Escritura conforme o Espírito que a inspirou:

1. Prestar muita atenção “ao conteúdo e à unidade da Escritura inteira”. Por mais diferentes que sejam os livros que a compõem, a Escritura é una em razão da unidade do projeto de Deus, do qual Cristo Jesus é o centro e o coração, aberto depois de Sua Páscoa.

2. Ler a Escritura dentro “da Tradição viva da Igreja inteira”. Como ensinaram os padres da Igreja, “a Sagrada Escritura está escrita mais no coração da Igreja do que nos instrumentos materiais”. Com efeito, a Igreja leva em sua Tradição a memória viva da Palavra de Deus, e é o Espírito Santo quem lhe dá a interpretação espiritual da Escritura.

3. Estar atento à “anagogia da fé”, isto é, à coesão das verdades da fé entre si e no projeto total da Revelação.

Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br 

09. setembro 2015 · Comentários desativados em Papa simplifica processo de nulidade matrimonial · Categories: Igreja

casamentoA intenção de Francisco não é favorecer a nulidade, mas agilizar o processo

Rádio Vaticano

Foram anunciadas na manhã de terça-feira, 8, em uma coletiva de imprensa no Vaticano, as principais mudanças decididas pelo Papa Francisco em relação aos processos de nulidade matrimonial.

O objetivo do Papa não é favorecer a nulidade dos matrimônios, mas a rapidez dos processos: simplificar, evitando que por causa de atrasos no julgamento, o coração dos fiéis que aguardam o esclarecimento sobre seu estado “não seja longamente oprimido pelas trevas da dúvida”.

As alterações constam em dois documentos Mitis Iudex Dominus Iesus (Senhor Jesus, meigo juiz) e Mitis et misericors Iesus (Jesus, meigo e misericordioso), apresentados na Sala de Imprensa da Sé.

Leia também
.: Papa pede empenho em agilizar processos de nulidade matrimonial
.: Papa orienta Tribunais eclesiásticos sobre validade matrimonial

A reforma foi elaborada com base nos seguintes critérios:

1. Uma só sentença favorável para a nulidade executiva: não será mais necessária a decisão de dois tribunais. Com a certeza moral do primeiro juiz, o matrimônio será declarado nulo.

2. Juiz único sob a responsabilidade do Bispo: no exercício pastoral da própria ‘autoridade judicial’, o Bispo deverá assegurar que não haja atenuações ou abrandamentos.

3. O próprio Bispo será o juiz: para traduzir na prática o ensinamento do Concílio Vaticano II, de que o Bispo é o juiz em sua Igreja, auspicia-se que ele mesmo ofereça um sinal de conversão nas estruturas eclesiásticas e não delegue à Cúria a função judicial no campo matrimonial. Isto deve valer especialmente nos processos mais breves, em casos de nulidade mais evidentes.

4. Processos mais rápidos: nos casos em que a nulidade do matrimônio for sustentada por argumentos particularmente evidentes.|

5. O apelo à Sé Metropolitana: este ofício da província eclesiástica é um sinal distintivo da sinodalidade na Igreja.

6. A missão própria das Conferências Episcopais: considerando o afã apostólico de alcançar os fiéis dispersos, elas devem sentir o dever de compartilhar a ‘conversão’ e respeitarem absolutamente o direito dos Bispos de organizar a autoridade judicial na própria Igreja particular. Outro ponto é a gratuidade dos processos, porque “a Igreja, mostrando-se mãe generosa, ligada estritamente à salvação das almas, manifeste o amor gratuito de Cristo, por quem fomos todos salvos”.

7. O apelo à Sé Apostólica: será mantido o apelo à Rota Romana, no respeito do antigo princípio jurídico de vínculo entre a Sé de Pedro e as Igrejas particulares.

8. Previsões para as Igrejas Orientais: considerando seu peculiar ordenamento eclesial e disciplinar, foram emanados separadamente as normas para a reforma dos processos matrimoniais no Código dos Cânones das Igrejas Orientais.

Diante dos jornalistas credenciados, o juiz decano do Tribunal da Rota Romana, Monsenhor Pio Vito Pinto explicou que os decretos (motu próprio) são resultado do trabalho da comissão especial para a reforma destes processos, nomeada pelo Papa em setembro de 2014.

Também estavam na coletiva o Cardeal Francesco Coccopalmerio, Presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, e o arcebispo jesuíta Luis Francisco Ladaria, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé.

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com