No último texto, contei-lhe como foi o caminho percorrido por nós, na tentativa de ter outro bebê. Foram três anos de discernimento ligados aos médicos, psicólogos e pessoas que nos acompanhavam na Canção Nova.

1600x1200-KatarzynaBialasiewiczFoto: KatarzynaBialasiewicz

Um novo milagre se fez

Novo milagre se fez: o Senhor dos deu nova gestação! Dessa vez, de uma menina! Maria Júlia é o seu nome. Pensamos em Maria por causa de Nossa Senhora, colocamo-nos debaixo de Seu manto e de sua intercessão.

Apesar de todo caminho percorrido junto às pessoas que nos ajudaram, tocamos em fragilidades que, de certa forma, eram esperadas. Era a luta interior do medo em confronto com a segurança. As preocupações versus a realidade. Iniciou-se um tempo de tensão constante, oriunda das dificuldades que enfrentamos na primeira gestação. Com o passar dos meses, essa tensão ia intensificando-se. O controle dos pensamentos era a coisa mais difícil. Por causa da sua insistência, aos poucos foi necessário admiti-los e, a partir daí, procurarmos meios de nos trazer controle. Por exemplo: compramos um daqueles aparelhinhos de aferir pressão em casa. Às vezes, era ele que nos acalmava. De vez em quando, uma simples dor de cabeça já era motivo para aferirmos a pressão da Elisa. “Só para ter a certeza de que não era nada sério”. Intensificamos o acompanhamento psicológico e oração.

Num momento como esses, alguém poderia nos dizer: “Bem feito! Já que vocês decidiram engravidar novamente, depois de tudo o que passaram, agora não têm o direito de reclamar desse estado de tensão que estão passando. Será que vocês não poderiam viver só com um filho?”. De fato, aconteceu de ouvirmos algo semelhante.

Mesmo que não tentássemos ter outro filho, essa insegurança frente ao que “pode acontecer”, já nos acompanhava, pois isso não se restringe somente a uma gestação. Um resfriado simples já nos ocupava a cabeça. Hoje, entendemos que, por mais preocupação que tenhamos, não existe meios de se ter o controle de nada, nem mesmo do minuto seguinte, mas nos esquecemos disso e, por muitas coisas agitamo-nos completamente à toa.

O melhor é interessar-se pelo hoje, pelo agora! Viver a cada segundo da vida com toda a intensidade, pois esse momento jamais voltará. Viver cada segundo ocupando-se somente com as coisas essenciais da vida, e, ao rever tudo na eternidade com Deus, você não tenha do que se envergonhar!

Leia mais.

:: Após a eclâmpsia, decidimos ter outro filho
:: Nasceu com seis meses de gestação e não ficou com sequelas
:: Foram mas de sessenta dias na UTI 
:: No momento da hemodiálise, minha esposa desistiu de viver

Deixamo-nos ser acompanhados em oração, junto aos médicos, junto a outros casais. Procuramos viver com responsabilidade todo esse tempo de nova gestação; e apesar de toda tensão, o que permanece guardado em nosso coração são os momentos mais tranquilos e felizes. A tensão não foi maior que a alegria do milagre da vida.

Por Providência Divina, a pressão da Elisa é baixa. Até atingir níveis perigosos, havia tempo para acompanharmos sua evolução.

A gestação da Maria Júlia foi até o oitavo mês. No momento em que a pressão da Elisa permanecia em 16×12 e já não baixava mais, foi para a cirurgia.

Maria Júlia nasceu bem, mas era pequenina demais para o tempo gestacional dela. Nasceu somente com 1,300Kg e foi conduzia para a UTI neonatal, para um acompanhamento mais acurado. Como vínhamos nos preparando para isso desde o primeiro momento da decisão de engravidar, procuramos nos manter serenos para enfrentar esse tempo de idas e vindas para o hospital, sempre tendo de deixá-la lá e vir para casa “sozinhos”.

Um novo susto

Ela pôde receber alguns dias de aleitamento materno, coisa que o André nunca pôde. Porém, isso foi interrompido na madrugada em que, repentinamente, recebemos a ligação do Hospital, proveniente da médica da UTI. Ela nos disse que tínhamos de ir, naquela mesma hora, para lá, para tentarmos ver nossa filha pela última vez viva, pois há horas o batimento cardíaco e a respiração dela estavam falhando; e pela experiência da médica, ela não iria sobreviver.

Até o próximo texto.


Roger de Carvalho, é membro da Canção Nova desde o ano 2000. Ingressou na comunidade aos 19 anos de idade.

 

2 Comentários

  1. Nossa, quero muito saber a continuação desse testemunho.

  2. Nilce de Andrade Freitas carvalho

    Qdo vai continuar o restante do testemunho? Toda semana fico na expectativa de ver o restante… Fique com Deus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *