Cinco vantagens de uma caminhada diária

 

 

  1. Neutraliza os efeitos de genes responsáveis pelo aumento de  peso.

 

Pesquisadores de Harvard estudaram  32 genes que promovem a obesidade em mais de 12.000 pessoas para determinar o quanto esses genes realmente contribuiriam  para o peso corporal. Descobriram que, entre os participantes do estudo que caminharam rapidamente por cerca de uma hora por dia, os efeitos desses genes foram reduzidos  pela metade.

 

  1. Reduz ansiedade por docês e chocolates

 

Estudos da Universidade de Exeter descobriram que, uma caminhada de 15 minutos por dia, pode eliminar os desejos de chocolate e até mesmo reduzir a quantidade de chocolate que você come em situações estressantes. Além disso, estudos recentes confirmaram  que a caminhada pode reduzir a ansiedade de ingestão de uma variedade de lanches açucarados.

 

  1. 3. Reduz o risco de desenvolver câncer da mama.

 

Já é de conhecimento científico que  qualquer tipo de atividade física atenua o risco de câncer de mama. Um estudo recente, da  American Cancer Society, revelou  que as mulheres que caminharam sete ou mais horas por semana tiveram um risco 14% menor de câncer de mama do que aquelas  que caminharam três horas ou menos por semana.

 

 

 

  1. Protege as articulações

 

Vários estudos descobriram que a caminhada reduz a dor relacionada com a artrite, e que a caminhada de 8 a 10 quilômetros  por semana pode até mesmo prevenir a artrite. A caminhada protege as articulações – especialmente os joelhos e quadris, que são mais suscetíveis a osteoartrite – por lubrificação das mesmas e fortalecimento dos músculos que as suportam.

 

 

  1. 5.  Protege contra gripes e resfriados

 

Andar a pé pode ajudar a protegê-lo durante a temporada de gripes e resfriados. Um estudo de mais de 1.000 homens e mulheres descobriu que aqueles que caminharam pelo menos 20 minutos por dia, pelo menos 5 dias por semana, tinham 43% menos dias de doença do que aqueles que se exercitavam uma vez por semana ou menos. No caso de ficarem doentes, a duração da gripe foi menor nas pessoas que caminhavam regularmente.

 

Desvendando a cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica é um procedimento cirúrgico para perda de peso. Ela reduz o tamanho do estômago e também pode alterar o caminho que a comida faz através do intestino levando a menor absorção de calorias e nutrientes.

Quem pode fazer a cirurgia para perda de peso?

Usamos uma medida chamada de “índice de massa corporal”, ou IMC, para decidir quem pode ter a cirurgia para perda de peso. Seu IMC irá dizer-lhe se o seu peso é normal para sua altura. (IMC = peso/altura ao quadrado)

As indicações para a cirurgia bariátrica são para os pacientes com:

● IMC acima de 40 e que não responderam à dieta, exercício ou medicamentos de perda de peso; ou
● IMC acima de 35 onde coexista um problema médico relacionado à obesidade, como diabetes, doenças cardíacas, ou pressão arterial elevada; ou
● IMC acima de 30, em algumas situações médicas especiais.

Tipos de cirurgias bariátricas:

● banda gástrica – Para esta cirurgia, o médico envolve uma banda de plástico ajustável ao redor do topo do seu estômago, fazendo uma pequena bolsa. O médico pode adicionar ou remover o líquido através de um botão sob a pele que está ligado à banda com um tubo. Dessa forma, o médico pode ajustar a forma como a banda está apertada. Quanto mais apertada for a banda, envolve o estômago, a comida passa mais lenta a partir da bolsa para o resto do estômago.
● bypass gástrico – é a abreviação de “Roux-en-Y bypass gástrico”, e às vezes é chamado de “RYGB.” Para esta cirurgia o médico fecha parte do estômago, deixando apenas uma pequena bolsa para o alimento. Em seguida, liga a bolsa do estômago na parte do meio do intestino delgado. Isso permite que os alimentos sejam desviados para o intestino delgado , reduzindo a sua absorção.
● gastrectomia vertical”, é uma cirurgia que vira o estômago em algo que se parece com uma luva. Em outras palavras, o médico remove uma grande porção do estômago e deixa um tubo estreito.

Como é feito a cirurgia?

Todos os diferentes tipos de cirurgia para perda de peso pode ser feito como a cirurgia “aberta” ou como a cirurgia “laparoscópica”. Na cirurgia aberta, o cirurgião abre o abdome do paciente e trabalha diretamente sobre os órgãos. Na cirurgia laparoscópica, o cirurgião insere no abdome do paciente um instrumento estreito que tem uma pequena câmera na ponta . Esta ferramenta é chamada de “laparoscópio.” Ele permite que o cirurgião veja dentro da barriga sem abri-la. Em seguida, o cirurgião pode fazer a cirurgia utilizando outras ferramentas que se encaixam através de pequenas aberturas na barriga e que podem ser controlados a partir do exterior.

Quais são os benefícios da cirurgia?

Além de ajudar você a perder peso, a cirurgia pode ajudar a melhorar ou até mesmo se livrar de certos problemas de saúde, incluindo:

● Diabetes
● A pressão arterial elevada
● O colesterol alto
● A apneia do sono, uma doença que faz com que você parar de respirar por curtos períodos de tempo enquanto você dorme
● Doença do refluxo gastroesofágico, uma condição que provoca azia

Quais são os riscos da cirurgia?

● O sangramento
● A infeção dentro da barriga ou nas feridas da cirurgia
● Vazamentos das incisões no estômago ou intestino
● Bloqueio ou rasgo no intestino
● Problemas com o coração ou os pulmões
● Os cálculos biliares
● Os problemas nutricionais
● Diarreia grave
● A necessidade de mais cirurgia

A caminhada diária nos faz bem poque:

1. Neutraliza os efeitos de genes responsáveis pelo aumento de  peso. Pesquisadores de Harvard estudaram  32 genes que promovem a obesidade em mais de 12.000 pessoas para determinar o quanto esses genes realmente contribuiriam  para o peso corporal. Descobriram que, entre os participantes do estudo que caminharam rapidamente por cerca de uma hora por dia, os efeitos desses genes foram reduzidos  pela metade.

2. Estudos da Universidade de Exeter descobriram que, uma caminhada de 15 minutos por dia, pode eliminar os desejos de chocolate e até mesmo reduzir a quantidade de chocolate que você come em situações estressantes. Além disso, estudos recentes confirmaram  que a caminhada pode reduzir a ansiedade de ingestão de uma variedade de lanches açucarados.

3. Reduz o risco de desenvolver câncer da mama. Já é de conhecimento científico que  qualquer tipo de atividade física atenua o risco de câncer de mama. Um estudo recente, da  American Cancer Society, revelou  que as mulheres que caminharam sete ou mais horas por semana tiveram um risco 14% menor de câncer de mama do que aquelas  que caminharam três horas ou menos por semana.

4. Vários estudos descobriram que a caminhada reduz a dor relacionada com a artrite, e que a caminhada de 8 a 10 quilômetros  por semana pode até mesmo prevenir a artrite. A caminhada protege as articulações – especialmente os joelhos e quadris, que são mais suscetíveis a osteoartrite – por lubrificação das mesmas e fortalecimento dos músculos que as suportam.

5.  Andar a pé pode ajudar a protegê-lo durante a temporada de gripes e resfriados. Um estudo de mais de 1.000 homens e mulheres descobriu que aqueles que caminharam pelo menos 20 minutos por dia, pelo menos 5 dias por semana, tinham 43% menos dias de doença do que aqueles que se exercitavam uma vez por semana ou menos. No caso de ficarem doentes, a duração da gripe foi menor nas pessoas que caminhavam regularmente.

Os meios de comunicação atuais dão uma série de conselhos para que todos tenham uma vida saudável, ou seja, existe uma enormidade de informações para que todos adotem um estilo de vida saudável para o coração, isto é: comer de forma inteligente, ter uma atividade física regular, manter o peso, a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangue, e cessar o tabagismo. Recentemente tem-se descrito com muita frequencia que o sono de boa qualidade e controle do estresse também oferecem benefícios reais para o seu coração.

Melhorar a qualidade do sono

Quando você acorda de manhã, está descansado e pronto para ir ao trabalho , ou está grogue e mal-humorado? Para muitas pessoas, o segundo cenário é muito comum.Dois problemas relacionados com o sono que afligem muitas pessoas – a privação do sono e apnéia do sono – têm sido associados a um maior risco de doença cardíaca.

  • A privação do sono.Ao longo do tempo, a qualidade do sono inadequada ou pobre pode aumentar o risco de um certo número de problemas crônicos de saúde, incluindo a doença de coração. Estudos têm relacionado a privação de sono a curto prazo com vários fatores de risco conhecidos para doenças cardíacas, incluindo colesterol alto, triglicérides elevados, e pressão arterial elevada.
  • Apneia do sono.É causa comum de ronco alto, faz as pessoas pararem temporariamente a respiração muitas vezes durante a noite. Até 83% das pessoas com doença cardíaca também tem apnéia do sono, de acordo com algumas estimativas.
    Na forma mais comum, apneia obstrutiva do sono, o tecido mole na parte superior da boca ou de trás da garganta bloqueia completamente a via aérea. Os níveis de oxigênio caem e isso faz com que o cérebro envia um sinal urgente para o organismo : “Respire agora!” Esse sinal acorda brevemente o dorminhoco e faz com que ele ou ela suspirem para aumentar os níveis de oxigênio no sangue.
  • Esse sinal também abala as mesmas vias de hormônio do estresse e vias nervosas que são estimuladas quando você está com raiva ou medo. Como resultado, o coração bate mais rápido e pressão arterial sobe, juntamente com outras coisas que podem ameaçar a saúde do coração, tais como a inflamação e um aumento na capacidade de coagulação do sangue. Se você ronca, muitas vezes e em tom alto, para de respirar durante a noite e se durante o dia sente-se cansado e  com sono fale com seu médico sobre avaliação de apnéia do sono.

Controlar e gerir o estresse

Um crescente corpo de evidências sugere que os fatores psicológicos podem contribuir para o risco cardíaco. Estresse de todos os tipos de situações e eventos desafiadores desempenham um papel significativo no risco de ataque cardíaco. O mesmo é verdadeiro para a depressão, ansiedade, raiva, hostilidade e isolamento social. Atuando isoladamente, cada um desses fatores aumentam as chances de desenvolver problemas cardíacos..

Conseguir reduzir o estresse, ou mudar a forma como se responde a ele, na verdade, reduzem  as chances de desenvolver uma doença cardíaca ou ter um ataque cardíaco? A resposta não é totalmente clara, mas muitos estudos sugerem que a resposta é “sim”. Há muito a aprender sobre exatamente como isso acontece. A pesquisa indica que o estresse constante contribui biologicamente a fatores de risco de doença cardíaca, tais como pressão arterial elevada e a formação de depósitos que entopem as artérias. Outra pesquisa conclui que o estresse crônico pode tornar mais difícil dormir bem, controlar o peso , parar de fumar ou fazer exercícios físicos.

Pode-se aprender maneiras mais saudáveis para responder ao estresse que ajudam o coração e melhoraram a qualidade de vida. Estes incluem exercícios de relaxamento ,atividade física e manter-se conectado com amigos, colegas de trabalho, membros da família.

                  benefícios do exercício físico

 

 

 

 

 

 

• Pessoas que praticam esportes  tem 23 % menor risco de morte que aqueles pouco  ativos.

• Exercício é essencial para o controle do peso. As dietas podem reduzir o peso as custas de perdas musculares , ao passo que o com o exercício físico perde-se peso as custas de diminuição da gordura corporal.

• O exercício físico aumenta o controle da glicemia em portadores de diabetes e pode prevenir ou retardar o inicio do diabetes tipo II.

• Exercícios aeróbicos diminuem a pressão arterial em pacientes com hipertensão arterial sistêmica.

• Exercícios podem melhorar os níveis das gorduras do sangue pela diminuição dos níveis de triglicérides e aumento do HDL-colesterol( bom colesterol)

•Muitas pessoas relatam redução do estresse após o exercício físico. Pesquisas mostram que a pratica de exercícios físicos esta associada a menores índices de tensão, ansiedade e depressão.

• Exercícios de impacto como caminhadas, corridas podem prevenir a osteoporose e reduzir a incidência de fraturas.

• Algumas evidências sugerem que o exercício pode proteger a ocorrência de câncer de mama e de próstata e  pode retardar ou diminuir o aparecimento de demências.

corsaudavel

 

 

 

 

 

Adquira o livro Um coração saudável clicando aqui