Como prevenir o infarto do miocárdio?

É muito  importante conhecer os fatores de risco que aumentam as chances de ter um ataque cardíaco , para podermos evitá-los. Por isso, saiba como evitar o infarto do miocárdio.Por exemplo, a pressão arterial elevada coloca estresse nas paredes dos vasos sanguíneos. A elevação do açúcar no sangue a partir do diabetes pode danificar o revestimento arterial e tornar as plaquetas mais pegajosas e mais propensas a coagular. A obesidade aumenta as chances de desenvolver vários outros fatores de risco para doenças cardíacas, incluindo pressão alta, diabetes tipo 2 e colesterol alto ou outros lipídios (gorduras) no sangue.

Fatores de risco que você não pode mudar 

Esses fatores de risco estão fora do seu controle:

• ter mais de 45 anos (para homens) ou 55 (para mulheres).

• ter um pai ou irmão que tenha desenvolvido doença cardíaca antes dos 50- 55 anos, ou uma mãe ou irmã que a tenha desenvolvido antes dos 60 aos 65 anos. Isso representa um histórico familiar de doença coronariana prematura (precoce) e pode indicar susceptibilidade genética.

• ser uma mulher pós-menopausada, seja de menopausa natural ou cirúrgica .

Fatores de risco que você pode tratar ou controlar

Você pode tomar medidas para controlar:

• pressão arterial elevada – definida como pressão arterial igual ou superior a 140/90 mm Hg. Importante o uso frequente de medicação para controlar a pressão arterial.

• artérias obstruídas pelo colesterol (aterosclerose). Isto pode ser silencioso e não apresentar sintomas, ou pode aparecer como dor no peito durante o esforço ou estresse (angina), doença arterial periférica, aneurisma da aorta abdominal, doença da artéria carótida ou doença da artéria renal.

• diabetes – níveis de glicose no sangue alterados

• triglicérides elevados (maior que 150mg/dl, colesterol LDL elevado( > de 100 mg/dl) ou ambos.

• baixo colesterol HDL (menor do que 40 mg/dl).

• síndrome metabólica – um conjunto de fatores de risco cardiovascular, que pode se sobrepor a outra condição conhecida como pré-diabetes.

• excesso de peso – definido como um índice de massa corporal (IMC) de 25 até 30 ou obesidade , onde o IMC é maior do que 30.

• fatores de estilo de vida como tabagismo, falta de atividade física, uma dieta rica em gorduras saturadas e trans e carboidratos altamente processados, estresse crônico e isolamento social, depressão ou ansiedade.

Fatores de proteção

Enquanto alguns fatores aumentam suas chances de ter um ataque cardíaco ou derrame ou desenvolver alguma outra forma de doença cardíaca, existem fatores que ajudam a diminuir suas chances. Esses protetores são : alimentação saudável e exercício físico. Eles podem estar entre suas armas mais poderosas contra problemas cardiovasculares. Eles também são a primeira linha de defesa contra a diabetes, obesidade, síndrome metabólica e outros fatores de risco.

Você pode colher benefícios significativos fazendo algumas mudanças no seu estilo de vida. Por exemplo:

• A redução do colesterol total em 10% pode diminuir seu risco de ataque cardíaco em 20% a 30%.

• Andar pelo menos duas horas por semana pode reduzir suas chances de morrer precocemente de doenças cardiovasculares em até 53%.

• Ao cessar o tabagismo, o risco da ocorrência de um ataque cardíaco cai pela metade em um ano

• Manter um peso saudável reduz o risco de doença cardíaca em 45%.

• Comer cerca de 1.200 mg a menos de sódio por dia pode reduzir a necessidade de tratamento de pressão arterial pela metade. Também pode diminuir as mortes por acidentes vasculares cerebrais em 22% e as doenças cardíacas em 16%.

 

Coma melhor e viva mais!

 

Comer uma dieta sem alimentos saudáveis ​​e / ou alta em alimentos não saudáveis ​​foi associada a mais de 400.000 mortes por doenças cardíacas e vasculares em 2015, de acordo com uma análise apresentada em uma reunião recente da Sociedade Americana de Cardiologia.

O hábito de comer mais alimentos saudáveis ​​para o coração, e menos alimentos com altas quantidades de sal e gorduras trans, pode salvar dezenas de milhares de vidas a cada ano, concluiram os pesquisadores.

A baixa ingestão de alimentos saudáveis, como nozes, vegetais, grãos integrais e frutas, combinada com uma maior ingestão de componentes dietéticos insalubres, como sal e gorduras trans, é um dos principais contribuintes para as mortes por doenças cardiovasculares.

O estudo revela que quase metade das mortes por doenças cardiovasculares nos Estados Unidos poderia ser prevenida através da melhoria da dieta.

Considerando os óbitos cardiovasculares dos Estados Unidos em 2015, os pesquisadores descobriram que as escolhas dietéticas erradas , ou seja , tanto a falta de alimentos mais saudáveis ​​quanto o excesso de alimentos menos saudáveis ​​, desempenharam um papel na morte de 222.100 homens e 193.400 mulheres.

Os pesquisadores também avaliaram o grau em que os principais fatores de risco dietético estavam ligados às mortes por doenças cardiovasculares, que foram:

Baixa ingestão de nozes e sementes (11,6%);

Baixa ingestão de vegetais (11,5%);

Baixa ingestão de grãos integrais (10,4%); e

Excesso de sal (9 por cento).

A Sociedade Americana de Cardiologia enfatiza a importância de termos um padrão alimentar saudável , ou seja, rico em frutas, legumes, nozes, feijão, grãos integrais, peixe, aves . Carnes vermelhas, processadas e gordas devem ser consumidas com limitação. Além disso, sugere-se evitar o consumo de refrigerantes açucarados, sal (sódio), gorduras saturadas e trans.

FONTE http://newsroom.heart.org/news/unhealthy-diets-linked-to-more-than-400-000-cardiovascular-deaths

 

 

 

7 DICAS PARA VOCÊ NÃO TER DORES NO PESCOÇO!

 

1-Não fique na mesma posição por muito tempo.

É difícil reverter a má postura, mas se você se levantar e mover-se com bastante freqüência , poderá evitar que seu pescoço fique em uma posição não saudável.

2-Fazer alguns ajustes ergonômicos.

Posicione o monitor do computador ao nível dos seus olhos para que você possa vê-lo facilmente.

Use a função “vivavoz” do seu telefone ou um fone de ouvido.

Ao usar um tablet, coloque-o em uma almofada para que ele fique em um ângulo de 45 graus, a fim de que você não precise mexer o pescoço para vê-lo.Nunca o deixe no seu colo!

3- Se você usa óculos, visite regularmente o seu oftalmologista.

Quando a prescrição de óculos não é atualizada, tende-se a inclinar a cabeça para trás para ver melhor, situação que pode ocasionar dores no pescoço.

4-Não use muitos travesseiros.

Dormir com vários travesseiros sob sua cabeça pode prender o pescoço evitando seu movimento durante o sono.

5-Conheça os seus limites.

Por exemplo, antes de mover um grande armário de um lado para outro considere o que isso pode fazer para o seu pescoço e costas.

Tenha uma boa noite de sono.
Problemas de sono aumentam o risco de várias condições diferentes, incluindo a dor músculo-esquelética.

Faça exercícios para os músculos do pescoço
Deite-se com a cabeça fora da cama, de modo que ela fique solta e vagarosamente movimente a sua cabeça de um lado para o outro de 10 a 20 vezes. Se sentir tonturas, pare imediatamente, mas se não faça isso diariamente. Os músculos do seu pescoço irão agradecer

Desvendando a cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica é um procedimento cirúrgico para perda de peso. Ela reduz o tamanho do estômago e também pode alterar o caminho que a comida faz através do intestino levando a menor absorção de calorias e nutrientes.

Quem pode fazer a cirurgia para perda de peso?

Usamos uma medida chamada de “índice de massa corporal”, ou IMC, para decidir quem pode ter a cirurgia para perda de peso. Seu IMC irá dizer-lhe se o seu peso é normal para sua altura. (IMC = peso/altura ao quadrado)

As indicações para a cirurgia bariátrica são para os pacientes com:

● IMC acima de 40 e que não responderam à dieta, exercício ou medicamentos de perda de peso; ou
● IMC acima de 35 onde coexista um problema médico relacionado à obesidade, como diabetes, doenças cardíacas, ou pressão arterial elevada; ou
● IMC acima de 30, em algumas situações médicas especiais.

Tipos de cirurgias bariátricas:

● banda gástrica – Para esta cirurgia, o médico envolve uma banda de plástico ajustável ao redor do topo do seu estômago, fazendo uma pequena bolsa. O médico pode adicionar ou remover o líquido através de um botão sob a pele que está ligado à banda com um tubo. Dessa forma, o médico pode ajustar a forma como a banda está apertada. Quanto mais apertada for a banda, envolve o estômago, a comida passa mais lenta a partir da bolsa para o resto do estômago.
● bypass gástrico – é a abreviação de “Roux-en-Y bypass gástrico”, e às vezes é chamado de “RYGB.” Para esta cirurgia o médico fecha parte do estômago, deixando apenas uma pequena bolsa para o alimento. Em seguida, liga a bolsa do estômago na parte do meio do intestino delgado. Isso permite que os alimentos sejam desviados para o intestino delgado , reduzindo a sua absorção.
● gastrectomia vertical”, é uma cirurgia que vira o estômago em algo que se parece com uma luva. Em outras palavras, o médico remove uma grande porção do estômago e deixa um tubo estreito.

Como é feito a cirurgia?

Todos os diferentes tipos de cirurgia para perda de peso pode ser feito como a cirurgia “aberta” ou como a cirurgia “laparoscópica”. Na cirurgia aberta, o cirurgião abre o abdome do paciente e trabalha diretamente sobre os órgãos. Na cirurgia laparoscópica, o cirurgião insere no abdome do paciente um instrumento estreito que tem uma pequena câmera na ponta . Esta ferramenta é chamada de “laparoscópio.” Ele permite que o cirurgião veja dentro da barriga sem abri-la. Em seguida, o cirurgião pode fazer a cirurgia utilizando outras ferramentas que se encaixam através de pequenas aberturas na barriga e que podem ser controlados a partir do exterior.

Quais são os benefícios da cirurgia?

Além de ajudar você a perder peso, a cirurgia pode ajudar a melhorar ou até mesmo se livrar de certos problemas de saúde, incluindo:

● Diabetes
● A pressão arterial elevada
● O colesterol alto
● A apneia do sono, uma doença que faz com que você parar de respirar por curtos períodos de tempo enquanto você dorme
● Doença do refluxo gastroesofágico, uma condição que provoca azia

Quais são os riscos da cirurgia?

● O sangramento
● A infeção dentro da barriga ou nas feridas da cirurgia
● Vazamentos das incisões no estômago ou intestino
● Bloqueio ou rasgo no intestino
● Problemas com o coração ou os pulmões
● Os cálculos biliares
● Os problemas nutricionais
● Diarreia grave
● A necessidade de mais cirurgia

A caminhada diária nos faz bem poque:

1. Neutraliza os efeitos de genes responsáveis pelo aumento de  peso. Pesquisadores de Harvard estudaram  32 genes que promovem a obesidade em mais de 12.000 pessoas para determinar o quanto esses genes realmente contribuiriam  para o peso corporal. Descobriram que, entre os participantes do estudo que caminharam rapidamente por cerca de uma hora por dia, os efeitos desses genes foram reduzidos  pela metade.

2. Estudos da Universidade de Exeter descobriram que, uma caminhada de 15 minutos por dia, pode eliminar os desejos de chocolate e até mesmo reduzir a quantidade de chocolate que você come em situações estressantes. Além disso, estudos recentes confirmaram  que a caminhada pode reduzir a ansiedade de ingestão de uma variedade de lanches açucarados.

3. Reduz o risco de desenvolver câncer da mama. Já é de conhecimento científico que  qualquer tipo de atividade física atenua o risco de câncer de mama. Um estudo recente, da  American Cancer Society, revelou  que as mulheres que caminharam sete ou mais horas por semana tiveram um risco 14% menor de câncer de mama do que aquelas  que caminharam três horas ou menos por semana.

4. Vários estudos descobriram que a caminhada reduz a dor relacionada com a artrite, e que a caminhada de 8 a 10 quilômetros  por semana pode até mesmo prevenir a artrite. A caminhada protege as articulações – especialmente os joelhos e quadris, que são mais suscetíveis a osteoartrite – por lubrificação das mesmas e fortalecimento dos músculos que as suportam.

5.  Andar a pé pode ajudar a protegê-lo durante a temporada de gripes e resfriados. Um estudo de mais de 1.000 homens e mulheres descobriu que aqueles que caminharam pelo menos 20 minutos por dia, pelo menos 5 dias por semana, tinham 43% menos dias de doença do que aqueles que se exercitavam uma vez por semana ou menos. No caso de ficarem doentes, a duração da gripe foi menor nas pessoas que caminhavam regularmente.