Como prevenir o infarto do miocárdio?

É muito  importante conhecer os fatores de risco que aumentam as chances de ter um ataque cardíaco , para podermos evitá-los. Por isso, saiba como evitar o infarto do miocárdio.Por exemplo, a pressão arterial elevada coloca estresse nas paredes dos vasos sanguíneos. A elevação do açúcar no sangue a partir do diabetes pode danificar o revestimento arterial e tornar as plaquetas mais pegajosas e mais propensas a coagular. A obesidade aumenta as chances de desenvolver vários outros fatores de risco para doenças cardíacas, incluindo pressão alta, diabetes tipo 2 e colesterol alto ou outros lipídios (gorduras) no sangue.

Fatores de risco que você não pode mudar 

Esses fatores de risco estão fora do seu controle:

• ter mais de 45 anos (para homens) ou 55 (para mulheres).

• ter um pai ou irmão que tenha desenvolvido doença cardíaca antes dos 50- 55 anos, ou uma mãe ou irmã que a tenha desenvolvido antes dos 60 aos 65 anos. Isso representa um histórico familiar de doença coronariana prematura (precoce) e pode indicar susceptibilidade genética.

• ser uma mulher pós-menopausada, seja de menopausa natural ou cirúrgica .

Fatores de risco que você pode tratar ou controlar

Você pode tomar medidas para controlar:

• pressão arterial elevada – definida como pressão arterial igual ou superior a 140/90 mm Hg. Importante o uso frequente de medicação para controlar a pressão arterial.

• artérias obstruídas pelo colesterol (aterosclerose). Isto pode ser silencioso e não apresentar sintomas, ou pode aparecer como dor no peito durante o esforço ou estresse (angina), doença arterial periférica, aneurisma da aorta abdominal, doença da artéria carótida ou doença da artéria renal.

• diabetes – níveis de glicose no sangue alterados

• triglicérides elevados (maior que 150mg/dl, colesterol LDL elevado( > de 100 mg/dl) ou ambos.

• baixo colesterol HDL (menor do que 40 mg/dl).

• síndrome metabólica – um conjunto de fatores de risco cardiovascular, que pode se sobrepor a outra condição conhecida como pré-diabetes.

• excesso de peso – definido como um índice de massa corporal (IMC) de 25 até 30 ou obesidade , onde o IMC é maior do que 30.

• fatores de estilo de vida como tabagismo, falta de atividade física, uma dieta rica em gorduras saturadas e trans e carboidratos altamente processados, estresse crônico e isolamento social, depressão ou ansiedade.

Fatores de proteção

Enquanto alguns fatores aumentam suas chances de ter um ataque cardíaco ou derrame ou desenvolver alguma outra forma de doença cardíaca, existem fatores que ajudam a diminuir suas chances. Esses protetores são : alimentação saudável e exercício físico. Eles podem estar entre suas armas mais poderosas contra problemas cardiovasculares. Eles também são a primeira linha de defesa contra a diabetes, obesidade, síndrome metabólica e outros fatores de risco.

Você pode colher benefícios significativos fazendo algumas mudanças no seu estilo de vida. Por exemplo:

• A redução do colesterol total em 10% pode diminuir seu risco de ataque cardíaco em 20% a 30%.

• Andar pelo menos duas horas por semana pode reduzir suas chances de morrer precocemente de doenças cardiovasculares em até 53%.

• Ao cessar o tabagismo, o risco da ocorrência de um ataque cardíaco cai pela metade em um ano

• Manter um peso saudável reduz o risco de doença cardíaca em 45%.

• Comer cerca de 1.200 mg a menos de sódio por dia pode reduzir a necessidade de tratamento de pressão arterial pela metade. Também pode diminuir as mortes por acidentes vasculares cerebrais em 22% e as doenças cardíacas em 16%.

 

Coma melhor e viva mais!

 

Comer uma dieta sem alimentos saudáveis ​​e / ou alta em alimentos não saudáveis ​​foi associada a mais de 400.000 mortes por doenças cardíacas e vasculares em 2015, de acordo com uma análise apresentada em uma reunião recente da Sociedade Americana de Cardiologia.

O hábito de comer mais alimentos saudáveis ​​para o coração, e menos alimentos com altas quantidades de sal e gorduras trans, pode salvar dezenas de milhares de vidas a cada ano, concluiram os pesquisadores.

A baixa ingestão de alimentos saudáveis, como nozes, vegetais, grãos integrais e frutas, combinada com uma maior ingestão de componentes dietéticos insalubres, como sal e gorduras trans, é um dos principais contribuintes para as mortes por doenças cardiovasculares.

O estudo revela que quase metade das mortes por doenças cardiovasculares nos Estados Unidos poderia ser prevenida através da melhoria da dieta.

Considerando os óbitos cardiovasculares dos Estados Unidos em 2015, os pesquisadores descobriram que as escolhas dietéticas erradas , ou seja , tanto a falta de alimentos mais saudáveis ​​quanto o excesso de alimentos menos saudáveis ​​, desempenharam um papel na morte de 222.100 homens e 193.400 mulheres.

Os pesquisadores também avaliaram o grau em que os principais fatores de risco dietético estavam ligados às mortes por doenças cardiovasculares, que foram:

Baixa ingestão de nozes e sementes (11,6%);

Baixa ingestão de vegetais (11,5%);

Baixa ingestão de grãos integrais (10,4%); e

Excesso de sal (9 por cento).

A Sociedade Americana de Cardiologia enfatiza a importância de termos um padrão alimentar saudável , ou seja, rico em frutas, legumes, nozes, feijão, grãos integrais, peixe, aves . Carnes vermelhas, processadas e gordas devem ser consumidas com limitação. Além disso, sugere-se evitar o consumo de refrigerantes açucarados, sal (sódio), gorduras saturadas e trans.

FONTE http://newsroom.heart.org/news/unhealthy-diets-linked-to-more-than-400-000-cardiovascular-deaths

 

 

 

Dicas do Dr. Savioli

Confira 5 passos para prevenir a doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é caracterizada por lesão progressiva das células nervosas e suas conexões. O resultado é devastador e inclui perda de memória, dificuldade de raciocínio, dificuldades de comunicação verbal, e, até mesmo mudanças de personalidade. Uma pessoa com doença de Alzheimer pode viver de dois a 20 anos após o diagnóstico; anos que podem refletir sofrimento intangível para a família , além de requisitar importante suporte econômico para a manutenção do paciente.

Uma série de fatores influenciam a probabilidade de que você irá desenvolver a doença de Alzheimer. Alguns deles você não pode controlar, tais como idade, sexo e história familiar. Mas, há coisas que você pode fazer para ajudar a diminuir o seu risco. Como se constata, os principais pilares de um estilo de vida saudável – praticar exercício, cuidar do seu peso e comer direito – podem reduzir o risco de Alzheimer.

5 passos para reduzir o risco de Alzheimer

Enquanto não há nenhuma maneira infalível para prevenir a doença de Alzheimer, seguindo os cinco passos abaixo você pode diminuir o risco para esta doença e melhorar sua saúde geral também.

1- Manter um peso saudável. Reduzindo calorias e aumentando a atividade física.

2- Verifique a circunferência da sua cintura. Para medir com precisão a sua cintura, use uma fita métrica ao redor da porção mais estreita de sua cintura (geralmente na altura do umbigo e costela). Mulheres não podem ultrapassar 89 cm de cintura e homens não mais do que 102 cm.

3-Comer de forma consciente e procurando alimentos mais naturais possíveis. Preferir sempre legumes, frutas e grãos integrais; fontes de proteína, como peixes, aves magras , feijão e outras leguminosas; além de gorduras saudáveis. Reduzir calorias desnecessárias de doces, refrigerantes, grãos refinados, como pão branco ou arroz branco, gorduras saturadas , frituras e lanches e alimentos comprados prontos . Mantenha um olhar atento sobre o tamanho das porções também.

4- Exercite-se regularmente. Este simples passo faz grandes coisas para o seu corpo. A atividade física regular ajuda a controlar peso, pressão arterial, glicemia e colesterol. Exercício moderado a vigoroso aeróbicos (caminhada, natação, ciclismo, remo) também pode ajudar a reduzir a gordura corporal total e gordura abdominal ao longo do tempo. 210 minutos de caminhada por semana são suficientes ( manter passo de chuva)

5-Fique de olho nos seus exames médicos de rotina . Além de monitorar o seu peso e cintura, pergunte ao seu médico se o seu colesterol, triglicérides, pressão arterial e de açúcar no sangue estão dentro dos limites saudáveis. Exercício, perda de peso, se necessário, e medicamentos (se necessário) podem ajudar a manter seu organismo

A verificação da pressão arterial em casa não vai curar a sua hipertensão, mas vai ajudar a controlar a causa mais comum de acidente vascular cerebral e um grande contribuinte para ataque cardíaco, insuDoctor measuring blood pressure - studio shot on white backgroundficiência cardíaca e morte prematura.

Aprenda como medir a sua pressão arterial em casa

1- Escolha a máquina certa

Existem dezenas de medidores de pressão arterial domiciliares no mercado. Para obter melhor precisão e facilidade de uso, sempre comprar um aparelho que tenha um manguito para o braço que infla automaticamente e registra a pressão também automaticamente.

Não se recomenda monitores de pulso ou de dedo. Modelos que armazenam leituras para uma ou duas semanas podem ajudar o seu médico.

2- Como fazer a medição corretamente

Para obter a leitura da pressão arterial mais precisa, apoiar o seu braço na altura do coração, enrole o punho em torno de seu braço nu, e siga as instruções da sua máquina.

Há duas coisas a fazer antes de começar. Primeiro, verifique a sua máquina, comparando as medidas com aquelas que seu médico as tomou no consultório (sempre peço a meus pacientes que levem o seus aparelhos nas consultas para verificar a exatidão dos mesmos).

Em segundo lugar, verifique se o manguito (a parte inflável) circunda pelo menos 80% do seu braço. Lembre-se que existem manguitos para obesos.

Quando verificar a sua pressão arterial em casa, faça-a no início da manhã, antes de ter tomado os comprimidos de pressão arterial, e novamente à noite, todos os dias durante uma semana. Depois disso, siga o plano que seu médico recomenda, ou verificar que um ou dois dias por mês. Não fique medindo a pressão a todo instante, isto pode lhe fazer um grande mal!

Evite bebidas com cafeína ou alcoólicas e não fumar, durante os 30 minutos antes da medida.
Sente-se calmamente durante cinco minutos com as costas apoiadas e os pés no chão.
Ao tomar a medida, apoiar o seu braço para que o cotovelo fique no nível do seu coração.
Para tomar uma segunda medida, deixe o manguito esvaziar totalmente, espere um minuto. Fazer a média de três leituras
Não se desespere se uma leitura é alta. Relaxe por alguns minutos e tente novamente..
A verificação da pressão arterial em casa não vai curar a sua hipertensão, mas vai ajudar a controlar a causa mais comum de acidente vascular cerebral e um grande contribuinte para ataque cardíaco, insuficiência cardíaca e morte prematura.

 

Adqura aqui meu livro i corsaudavelUm coração saudável para   maiores detalhes!

 

Fique longe dos alimentos que elevam o colesterol ruim e consuma alimentos que ajudam a aumentar o colesterol bom e baixar o colesterol que é prejudicial à saúde

Alguns alimentos contém uma boa dose de fibras solúveis, que ajudam a reduzir os níveis de colesterol no sangue. Essas fibras, ligam-se ao colesterol e seus precursores que chegam no sistema digestivo depois de uma alimentação e os eliminam com as fezes. Outros fornecem gorduras poliinsaturadas, que reduzem o colesterol mau (LDL) por ação direta e  ainda existem  vegetais ricos em esteróis e estanóis que atuam reduzindo a absorção de colesterol.

Confira e consuma estes 5 alimentos que combatem o colesterol elevado

colesterol

1 – Aveia: Uma maneira fácil de começar a baixar o colesterol é escolher aveia ou um cereal à base de aveia no café da manhã. Com isso você ganha 1 a 2 gramas de fibra solúvel. Ao adicionar uma banana ou alguns morangos podem dar mais meio grama de fibra solúvel.

2 – Feijão: Feijões são especialmente ricos em fibras solúveis. Além disso, como são alimentos de digestão lenta, proporcionam saciedade por algum tempo.

3 – Nozes: Vários estudos mostram que comer amêndoas, nozes, amendoim e outros frutos secos é bom para o coração. Comer 50 gramas de nozes por dia pode reduzir os níveis do LDL , na ordem de 5%.

4 -Alimentos enriquecidos com esteróis e estanóis: (Os esteróis podem ser encontrados naturalmente e em pequenas quantidades em muitas frutas, legumes, frutos secos, sementes, leguminosas, óleos vegetais, entre outros, sendo um constituinte essencial das membranas celulares. Por sua vez, os estanóis podem ser encontrados em quantidades menores ainda, em muitas das mesmas fontes, contudo, são passíveis de ser obtidos, para utilização comercial, a partir da hidrogenação dos esteróis vegetais.) Esteróis e estanóis extraídos de plantas têm a capacidade de impedir a absorção do colesterol pelo nosso organismo. Ao ingerir 2 gramas de esteróis e estanóis vegetais por dia pode-se reduzir o colesterol de LDL de cerca de 10%.

5- Os peixes gordos: Ao comer peixes duas ou três vezes por semana pode-se reduzir o LDL de duas maneiras: substituindo a carne, que tem gorduras saturadas que aumentam o LDL, e por ingerir gorduras omega-3 que abaixam os níveis de LDL. Ômega-3 reduz triglicérides na corrente sanguínea e também protegem o coração, ajudando a prevenir o aparecimento de perturbações do ritmo cardíaco.

Mas… fique longe de …

1- Gorduras saturadas. As gorduras saturadas encontradas em carnes vermelhas, leite e outros alimentos lácteos, que podem aumentar diretamente o LDL. Assim, uma maneira de diminuir o LDL é cortar a gordura saturada.

2 –Tente substituir a carne vermelha pela carne dos peixes e das aves.

3 – Gorduras trans. As gorduras trans são um subproduto da reação química que transforma óleos vegetais líquidos em margarina sólida e que impedem óleos vegetais líquidos de ficarem rançosos. As gorduras trans aumentam o LDL do mesmo modo que as gorduras saturadas. Elas também reduzem os níveis do HDL (bom colesterol), aceleram a inflamação e aumentam a tendência para a formação de coágulos sanguíneos dentro dos vasos sanguíneos.

4 – A gordura trans começou a ser usada em larga escala a partir dos anos 1950, como alternativa à gordura de origem animal, pois acreditava-se que, por ser de origem vegetal, a gordura trans ofereceria menos riscos à saúde. Estudos posteriores, no entanto, descobriram que ela é ainda pior que a gordura saturada. Em geral, as gorduras vegetais, como o azeite e os óleos, são bons para a saúde. Porém, quando passam pelo processo de hidrogenação ou são esquentadas, as moléculas são quebradas e a cadeia se rearranja. Essa nova gordura é que vai fazer todo o estrago nas artérias. Esse processo de hidrogenação serve para deixar a gordura mais sólida. E é ela que vai fazer com que os alimentos fiquem saborosos, crocantes e tenham maior durabilidade.

5 – A gordura trans não é sintetizada pelo organismo e, por isso, não deveria ser consumida nunca. Mas, como isso é quase impossível, o Ministério da Saúde determinou que é aceitável consumir até 2g da gordura por dia, o que equivale a quatro biscoitos recheados. Mesmo tendo isso em mente, um dos grandes problemas para o consumidor é conseguir perceber com clareza quanta gordura trans existe em cada alimento.

6 – A Anvisa determinou que, quando uma porção do alimento possuir até 0,2% da gordura, o rótulo pode dizer que o produto não tem gordura trans, ou seja, se a embalagem traz os valores referentes à porção de dois biscoitos e esses contiverem 0,2g de gordura trans, o fabricante pode afirmar que o produto é livre dela. Mas, na verdade, se uma pessoa comer 20 biscoitos terá consumido os 2g da gordura.

Por isso, o melhor jeito do consumidor ter certeza do que está comprando é verificar a lista de ingredientes para checar se não existe gordura vegetal hidrogenada na composição do produto. Vale lembrar que os alimentos que mais contêm gordura trans são bolachas, pipocas de microondas, chocolates, sorvetes, salgadinhos e todos os alimentos que tem margarina na composição.

** Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.