Papa Francisco concede o título de Monsenhor a dois sacerdotes da Arquidiocese de São Paulo.

Durante a celebração da Missa do Crisma na Quinta-feira Santa, todos os sacerdotes da Região Sé entre eles  o Cônego José Paine e o Padre Antônio Fussari  que receberam das mãos do Dom Odilo o reconhecimento da Santa Sé pelos serviços prestados à Igreja em São Paulo.

Dom Odilo destacou em sua homília:

Lembramos em primeiro lugar que na Igreja existe um único Sacerdote, existe Jesus Cristo Sacerdote, Ele é o verdadeiro Sumo Sacerdote.

O nosso sacerdócio está relacionado a Jesus Cristo e com à Igreja, por isso, se exerce em comunhão com à Igreja e na íntima e sintonia comunhão com Jesus Cristo, Ele é o Sacerdote que dá sentido, força e vigor. Esse sacerdócio que é vivido no meio do povo de Deus, por homens que Ele escolhe, chama, consagra e unge com os Dons do Espírito Santo. Jesus Cristo quer continuar a anunciar a Palavra com liberdade, credibilidade e serviço para todos que creem e para os não creem.

Por meio dos sacerdotes Jesus Cristo quer continuar a santificar e a congregar seu povo em torno da mesa do altar, na celebração da Eucaristia que é Sacramento Dele e da Igreja, Ele quer continuar exercer a sua Verdade e a sua Misericórdia para com povo.

Que poderei retribuir ao Senhor Deus, por tão grande Graça que de nossa parte não merecemos, mas, recebemos por pura bondade e Misericórdia? Nós somos levados a retribuir a tão grande dádiva a tão grande Dom através do nosso serviço Sacerdotal, dedicado, generoso e alegre, Dom feito para toda Igreja e humanidade. Peço a todos as orações pelas vocações para que na Igreja não faltem sacerdotes que no futuro despertem boas e santas vocações.

Transcrição e adaptação: Simone Nunes (missionária Canção Nova) 

Sede os protagonistas da mudança. Usai a vossa vocação para construir um mundo melhor. É este o repto lançado este mês pelo Papa aos jovens de todo o mundo, na edição de abril de O Vídeo do Papa.

                                       Vocacional Canção Nova São Paulo 

Com imagens que fazem um paralelismo entre a atividade desportiva da moda, o cross-fit, e o contributo trazido por essa dedicação, o vídeo deste mês procura tocar os sentimentos da juventude, interpelando as novas gerações sobre o seu papel na sociedade: «Sei que vós, os jovens, não quereis viver na ilusão de uma liberdade que se deixa levar pela moda do momento… que desejais algo maior. É assim, ou estou enganado?», questiona o Sumo Pontífice.

Segundo estudos da ONU, no início de 2012, a população mundial superou os 7 mil milhões, sendo mais de metade deste número (50,5%) constituída por pessoas com menos de 30 anos. Este documento define os jovens como «fator determinante nas mudanças sociais, no desenvolvimento económico e no progresso técnico. A sua imaginação, os seus ideais, as suas perspetivas e a sua energia são imprescindíveis para o desenvolvimento das sociedades em que vivem».

A propósito da intenção deste mês, o diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa e do Movimento Eucarístico Juvenil (MEJ), P. Frédéric Fornos, sj, lembra que «na sua mensagem aos jovens para as Jornadas Mundiais da Juventude de 9 de abril de 2017 (preparando o encontro no Panamá – JMJ 2019), o Papa Francisco animou-os a “melhorar o mundo”, a “deixar um sinal que marque a história”. Agora, no seu vídeo mensal, manifesta a sua confiança nas capacidades dos jovens e na sua generosidade; anima-os a responder à sua vocação e a mobilizar-se pelas grandes causas do mundo», nota o P. Frédéric Fornos, s.j.
Fonte: Rede Mundial de Oração do Papa 

UNIVERSAL

Por todos os que vivem em provação, sobretudo os pobres, os prófugos e os marginalizados, para que encontrem acolhimento e conforto nas nossas comunidades.

ESPECIAL

Rezemos pelas crianças que estão em perigo devido à interrupção da gravidez e também pelas pessoas em fim de vida.

ORAÇÃO

Deus, nosso Pai e Pai de todos.

Ao ler o Evangelho,

chama a nossa atenção a preferência de Jesus pelos mais pequenos,

pelos pobres, os doentes,

os que são postos à margem da sociedade.

Manifestou, mesmo no meio de incompreensões,

a proximidade da tua misericórdia,

curando, perdoando,

chamando cada um a fazer de novo parte da comunidade.

Nestes tempos em que tantos pobres,

marginalizados,

pessoas em busca de uma vida melhor batem às nossas portas,

passam nas nossas ruas,

pedimos que não tenhamos um coração endurecido e indiferente

às suas necessidades.

A comunidade cristã é o primeiro lugar do acolhimento.

Dá-nos, Senhor, a graça e a coragem de acolher a todos, como Jesus.


 DESAFIOS PARA ESTE MÊS:

– Num tempo em que se vivem tantos receios e resistências ao acolhimento dos refugiados no nosso país, procurar ganhar distância da propaganda que exclui e ganhar maior consciência dos dramas humanos que estão por detrás destas migrações forçadas.

– Acolher ou colaborar com instituições que acolhem refugiados ou trabalham com os marginalizados da sociedade.

– Ao cruzar-se com algum pobre e marginalizado na rua, não o evitar nem desviar o olhar, mas ser capaz de ver nele um filho de Deus e um irmão.

Rede Mundial de Oração Papa Francisco 

” Meter à prova os espíritos, para ver se provêm verdadeiramente de Deus, mas o que é que significa meter à prova os espíritos? Não se trata de fantasmas ,trata-se de provar, ver o que é que se passa no meu coração, qual é a raiz do que sinto agora, donde vem? Isso significa meter à prova para experimentar “se o que sinto vem de Deus ou se vem de uma outra parte… do anticristo”

1214

“peçamos ao Senhor, a graça de conhecer bem o que é que se passa no nosso coração, o que é que nos agrada fazer, isto é, aquilo que mais me toca o coração, se é o espírito de Deus que me leva ao serviço dos outros ou se é o espírito do Mundo que roda à volta de mim mesmo, à volta do fechar-me em mim mesmo, dos meus egoísmos, a tantas outras coisas… Peçamos a graça de conhecer o que é que se passa no nosso coração. ‘

Homilia do Papa

Fonte: Radio Vaticana