Direcionamento 35 – Unidade de corpo e alma gera ressurreição.

Uma forma eficaz para cumprir o caminho proposto, contemplando penitência, jejum, esmola e oração, é aproximar-se da mesa eucarística. Nela o Mestre nos prova seu intenso amor e, a partir daí, só nos resta imitar o santo do terceiro milênio, Pe. Pio de Pietrelcina, e dizer: “Senhor, fica comigo”. É preciso “ruminar” esse “fica”.
Santo Irineu de Lyon ensina que “será em virtude da força do Espírito que os fiéis ressuscitarão, quando o corpo estiver de novo unido à alma”. Essa unidade equipara, harmoniza carne e alma. O “fica” suplicado por Pe. Pio é o desejo de quem sabe disso conscientemente. É o mesmo que você dizer:
Senhor, minha alma já decidiu o que quer: ela quer a ti. Meu corpo precisa de um impulso da Graça para querer o que minha alma já decidiu, por isso, fica comigo, Senhor.

Unida de corpo e alma gera Ressurreição!
O corpo místico, que é a Igreja, espera por Avivamento para uma nova relação com o Espírito.
Boas doses de oração disciplinam nossa carne. Para uma feliz participação na vida divina, você precisa conhecer suas fraquezas de forma madura. O rigor consigo mesmo é um ato indispensável na vida cristã autêntica.
Davi, por exemplo, no Salmo 21 expressa o apelo: “Senhor, não fiques longe. Força minha, vem socorrer-me depressa”.

Esse deve ser nosso exemplo: buscar socorro em quem pode pronta e verdadeiramente nos atender.
Uma alma decidida quer a companhia de um corpo decidido e que, como alma, esteja submetido às leis do Espírito Santo. Como Davi, eu e você precisamos também bradar: “Senhor, não fiqueis longe”.
Diante de Jesus no tabernáculo eucarístico, renove esse apelo.

Não tenha pressa de sair de perto Dele. E se Ele demorar a falar, provavelmente quer comente a sua presença, quer contar quantas serão as batidas do seu coração na presença Dele, quer estar frente à frente com você.
Ele quer auferir a fecundidade da sua vida interior. No fundo, Ele também vai lhe dizer: “Fica comigo, filho”.

Lectio Divina: 2Crônicas 6, 12-20

Salomão, de pé diante do altar do Senhor, na presença de toda a assembleia de Israel, estendeu as mãos. Salomão fizera um estrado de bronze de dois metros e meio de comprimento por dois e meio de largura e um e meio de largura, e o havia colocado no centro do átrio; subiu nele, ajoelhou-se diante de toda a assembleia de Israel, ergueu as mãos ao céu e disse: “Senhor Deus de Israel, nem no céu nem na terra há um Deus como tu, fiel à aliança com teus vassalos, se de todo o coração agem de acordo contigo; mantiveste tua palavra a meu pai Davi, teu servo (por tua boca o prometeste e com tua mão o cumpres hoje). Agora, pois, Senhor, Deus de Israel, mantém em favor do teu servo, meu pai Davi, a promessa que lhe fizeste: “Não faltará em minha presença um descendente teu no trono de Israel, desde que teus filhos saibam comportar-se, caminhando segundo minha Lei, como caminhaste tu”. Agora, pois, Senhor, Deus de Israel, confirma a promessa que fizeste a teu servo Davi. Mas é possível que Deus habite na terra com os homens? Se não cabes no céu e no mais alto céu, quanto menos neste templo que te construí! Volta teu rosto à oração e súplica do teu servo, Senhor meu Deus. Escuta o clamo e a oração que teu servo te dirige. Dia e noite estejam teus olhos abertos sobre este templo, sobre o lugar onde quiseste que teu Nome residisse. Escuta a oração que teu servo te dirige neste lugar”.

Direcionamento 36 – Tudo que é divino está garantido e separado para quem não negocia sua fé.

A fé, como dom de Deus, é o que o faz distinto de todos os outros seres vivos. Só ela o consagra como filho de Deus e eleito da eternidade.
Há muitas oportunidades na “Escola da Fé”!
O Senhor, autor da fé, é capaz de vir em auxílio daqueles que estão sendo provados em sua fé. Seria o seu caso?

O que vale não é concentrar-se na provação, mas sim na garantia do auxílio que vem Do Céu para Você.
A Carta aos Hebreus foi destinada ais fiéis que se acharam em perigo de rejeitar a fé em Jesus Cristo. Ela foi escrita por volta do ano 80 d.C. Averiguado o cenário social atual de nossa nação e do mundo, será que não devemos assumir esses escritos para os dias de hoje também?
Quantos batizados rejeitando a fé! Quantos foram favorecidos pelo Senhor e Sua Igreja e agora, simplesmente, assumem falas como: “Jesus? Eu não preciso de você!”.

O Avivamento é necessário para atualizar a fé nos tíbios, acender o fogo em brasas escondidas e fazer voltar a ferver os corações mais gélidos.
Nessa carta, os hebreus assumem a dificuldade em aceitar a dolorosa vida terrestre de Jesus e os sofrimentos que eram convidados a suportar por serem cristãos. Isso tem algum significado para você?
Deus apoiava o testemunho deles, mediante sinais, prodígios e milagres de todo tipo e dons do Espírito Santo, distribuídos conforme a sua própria vontade. (Hb 2, 4).

Tudo que é divino está garantido e separado a você que não negocia sua fé. Não retroceda, não esmoreça, não duvide. A fé não decepciona!
O Papa Bento XVI, como um guardião da fé, em seu pontificado nos motivou através da encíclica Porta Fidei – Porta da Fé:
Só acreditando é que a fé cresce e se revigora; não há outra possibilidade de adquirir certeza sobre a própria vida, senão abandonar-se progressivamente nas mãos de um amor maior, porque tem a sua origem em Deus.

Esse crer o movimenta. A fé que se move até você, o toma e o move.
O mundo tem fome de fé, e você precisa alimentá-lo. Mãos à obra.

É difícil formar pessoas na virtude, se não forem primeiramente formadas na fé. (Dom Thomas). Olmsted – Bispo de Phoenix, EUA)

Lectio Divina: Salmo 44, 1-9

Ó Deus, com nosso ouvidos escutamos, nosso pais nos contaram: a obra que fizeste em seus dias, outrora: Tu, tua mão.
Despojaste nações e as plantaste, trituraste nações e as fizeste prosperar.
Pois não se apoderaram da terra por sua espada, seu braço não lhe deu a vitória; mas tua direita, teu braço e a luz de teu rosto, porque os amavas.
Tu és o meu Rei e o meu Deus, que destinas as vitórias a Jacó!
Com teu auxílio agredimos o inimigo, em teu nome pisoteamos o agressor.
Pois não confio em meu arco, minha espada não me dá a vitória.
Tu nos dás vitória sobre o inimigo e derrotas nossos adversários.
Nossa glória é Deus em todo tempo, sempre damos graças ao Teu Nome.

Veja também:

Devocionário Profecia do Avivamento

Follow @avivamentocn

 

 

 

 

Share and Enjoy:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *