A obediência de fé da Virgem Maria nos ajuda a viver bem o Natal do Menino Jesus e a expectativa da Sua vinda gloriosa.

O Natal de Jesus e a obediência de fé de Maria

O Natal do Menino Jesus

A Santíssima Virgem Maria acolheu com humildade e obediência de fé a Encarnação do Verbo, o nascimento de Jesus Cristo, Deus feito homem. No caminho do Advento, a Virgem de Nazaré ocupa um lugar especial, como Aquela que de maneira singular esperou a realização das promessas de Deus e acolheu na fé e na carne Jesus, o Filho do Altíssimo, em plena obediência à Sua vontade1. Nossa Senhora abriu-se inteiramente à vontade de Deus, por isso nela se cumpriram as promessas de Deus para o seu Povo2. Entretanto, a Mãe de Deus viveu não somente a alegria da Anunciação, mas também momentos de incerteza e de obscuridade3. Como muitos de nós, Nossa Senhora também passou pelo “vale escuro”4, pela noite escura da fé. Por isso, a Mãe de Deus compadece-se de nós e se faz nossa companheira e guia no caminho da fé, que consiste em acolher Jesus Cristo e a Sua vontade em nossas vidas. Continue lendo…

Descubramos, com Bento XVI, qual foi o segredo de santidade do Papa João Paulo II.

O segredo de santidade do Beato João Paulo IIO Papa Bento XVI nos revela qual foi o segredo de santidade do Papa João Paulo II. O Beato João Paulo II, que será canonizado no dia 27 de abril de 2014 pelo Papa Francisco, por sua vida totalmente dedicada ao Povo de Deus tornou-se ícone de santidade para toda a Igreja. Por outras palavras, o Papa Bento XVI nos lembra da importância desta imagem do Papa João Paulo II para a Igreja: “diante dos nossos olhos brilha, na plena luz de Cristo ressuscitado, a amada e venerada figura de João Paulo II” (Papa Bento XVI, Homilia de 1° de maio de 2011). O nome do Papa João Paulo II se juntará aos dos inúmeros Santos (472) e Beatos (1.320) que ele próprio proclamou durante os seus quase 26 anos de pontificado, recordando-nos com toda força a vocação universal à santidade, à medida alta da vida cristã, à qual todos nós somos chamados (cf. Constituição Dogmática Lumem gentium, 39-42). Com Bento XVI, somos chamados a conhecer melhor a vida de João Paulo II e descobrir qual foi o seu segredo de santidade. Continue lendo…

Em nossa caminhada de fé, nos perguntemos: qual é a decisão mais importante da minha vida?

Nos perguntemos: que lugar Deus tem em minha vida?Nós cristãos devemos sempre buscar, como fez Jesus Cristo, no silêncio do deserto a resposta para a decisão mais importante das nossas vidas. O deserto, onde Jesus foi levado pelo Espírito Santo (cf. Lc 4, 1-2), é o lugar do silêncio, da pobreza, onde não temos nem mesmo o básico para viver e nos encontramos diante das necessidades fundamentais da nossa existência. No deserto, somos impelidos a ir ao essencial e, justamente por isso, nele é mais fácil encontrar Deus. Todavia, o deserto é também o lugar da morte, pois onde não há água também não há vida, e é o lugar da solidão, onde sentimos mais intensamente a tentação. Jesus vai ao deserto e sofre a tentação de deixar o caminho indicado pelo Pai para seguir outros rumos, mais fáceis e mundanos (cf. Lc 4, 1-13). Dessa forma, o “Servo Sofredor” assume as nossas tentações, traz consigo a nossa miséria, para vencer o maligno e nos abrir o caminho para Deus, que é a via da conversão, da mudança de vida. Continue lendo…

A Fé e a caridade são virtudes teologais que não se separam jamais.

Fé e caridade: duas virtudes que não se separam jamaisA Fé e a caridade são duas virtudes teologais, que nos são dadas por Deus, e que não se separam jamais, pois estão intimamente ligadas entre si. Segundo o Papa Emérito Bento XVI, “fé é conhecer a verdade e aderir a ela (cf. 1 Tm 2, 4); a caridade é ‘caminhar’ na verdade (cf. Ef 4, 15)” (Papa Bento XVI, Mensagem para a Quaresma 2013). Pela fé, entramos na amizade com Deus e pela caridade, vivemos e cultivamos esta amizade (cf. Jo 15, 14-15). A fé nos faz acolher o mandamento do nosso Mestre e Senhor Jesus Cristo e a caridade nos dá a felicidade de pôr em prática o mandamento do amor (cf. Jo 13, 13-17). Na fé, somos gerados como filhos de Deus (cf. Jo 1, 12-13) e a caridade noz faz perseverar nesta filiação divina de modo concreto, produzindo o fruto do Espírito Santo (cf. Gl 5, 22). A fé nos faz reconhecer os dons que Deus nos confia e a caridade os faz frutificar (cf. Mt 25, 14-30). À luz dessas reflexões, percebemos que existe um entrelaçamento indissolúvel entre a fé e a caridade. Continue lendo…

A Virgem Maria e a manifestação de Deus em Jesus Cristo.

A VirgemMaria e a manifestação de Deus em Jesus Cristo.Neste dias, nos quais celebramos a Solenidade da Epifania do Senhor, refletiremos sobre a Virgem Maria e a manifestação de Deus em Jesus Cristo. A Virgem de Nazaré foi aquela que mostrou aos Magos o Menino Deus, o novo Rei do mundo (cf. Mt 2, 11). Nossa Senhora, como Mãe amorosa, mostra Jesus Cristo também a nós e nos ajuda a ser indicadores da estrada que conduz a Ele. Na Epifania do Senhor, na manifestação do amor de Deus, aprendemos como somos levados ao encontro com Cristo e como, a exemplo de Maria, mostrar Jesus aos homens e mulheres de nosso tempo. Continue lendo…

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com