Conheça um belíssimo poema de Santa Teresinha do Menino Jesus, que expressa todo seu amor a Virgem Maria.

Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face compôs um lindíssimo poema dedicado a Santíssima Virgem Maria, que expressa todo o seu amor por aquela que chama de “minha querida Mãe”.

Marie-Françoise-Thérèse Martin nasceu no dia 2 de janeiro de 1873, em Alençon, na França. Teresinha entrou com apenas 15 anos no Carmelo de Lisieux, no dia 9 de abril de 1888 e faleceu apenas nove anos depois, em 30 de setembro de 1897. Santa Teresa foi enterrada em 4 de outubro, no espaço das carmelitas no cemitério municipal de Lisieux, junto com seus pais Zélie e Louis Martin. No dia 26 de Março de 1923, o corpo de Teresinha foi exumado, e foi levado de volta ao Carmelo de Lisieux, onde permanece até nossos dias.

Conheça um belíssimo poema de Santa Teresinha do Menino Jesus, que expressa todo seu amor a Virgem Maria.

Santa Teresinha, o Menino Jesus e a Virgem Maria

Conhecida também como Santa das Rosas, Teresinha tinha um talento, um dom, extraordinário para compor poemas. Em seus poucos anos de vida, em meios aos afazeres, às orações, à vida austera, próprios das monjas Carmelitas Descalças, Santa Teresa do Menino Jesus compôs e deixou-nos lindas obras, que refletem a profundidade e, ao mesmo tempo, a simplicidade de sua vida espiritual. Dentre essas obras, apresentamos um poema que expressa o amor e a intimidade de Santa Teresinha para com a Santíssima Virgem.

Receba o conteúdo deste blog gratuitamente em seu e-mail.

Poesia de Santa Teresinha do Menino Jesus: “Porque eu te amo, Maria”

Quisera cantar, Maria, porque te amo,

Porque, ao teu nome, exulta meu coração

E porque, ao pensar em tua glória suprema,

Minh’alma não sente temor algum.

Se eu viesse a contemplar o teu fulgor sublime

Que supera de muito o dos anjos e santos,

Não poderia crer que sou tua filha

E, então, diante de ti, baixaria meus olhos.

Para que um filho possa amar sua mãe,

Que ela chore com ele e partilhe suas dores…

Pois tu, querida Mãe, nestas plagas de exílio,

Quanto pranto verteste a fim de conquistar-me!…

Ao meditar tua vida escrita no Evangelho,

Ouso te contemplar e me acercar de ti;

Nada me custa crer que sou um de teus filhos,

Pois te vejo mortal e, como eu, sofredora.

Quando o anjo te anunciou que serias a Mãe

Do Deus que reinará por toda a eternidade,

Eu te vi preferir, Maria – que mistério! -,

O inefável, luzente ouro da Virgindade.

Compreendo que tua alma, Imaculada Virgem,

Seja mais cara a Deus que o próprio céu divino;

Compreendo que tua alma, Humilde e doce Vale,

Possa conter Jesus, o grande Mar do Amor!…

Como te amo, Maria, ao declarar-te serva

Do Deus que conquistaste por tua humildade,

Tornou-te onipotente essa virtude oculta.

Ela ao teu coração trouxe a Trindade santa

e o Espírito de Amor, cobrindo-te em sua sombra,

O Filho, igual ao Pai, encarnou-se em teu seio…

Inúmeros serão seus irmãos pecadores,

Uma vez que Jesus é o teu primeiro filho!…

Ó Mãe muito querida, embora pequenina,

Trago em mim, como tu, o Todo-Poderoso

e nunca tremo ao ver em mim tanta fraqueza.

O tesouro da Mãe é possessão do Filho,

e sou tua filha, ó Mãe estremecida.

Tua virtude e amor não são, de fato, meus?

E quando ao coração me vem a Hóstia santa,

Teu Cordeiro, Jesus, crê que repousa em Ti!…

Tu me fazes sentir que não é impossível

Os teus passos seguir, Rainha dos eleitos,

Pois o trilho do céu nos tornaste visível,

Vivendo cada dia as mais simples virtudes.

Quero ficar pequena ao teu lado, Maria,

Por ver como são vãs as grandezas do mundo.

Ao ver-te visitar a casa de Isabel,

Aprendo a praticar a caridade ardente.

Aí escuto absorta, ó Rainha dos anjos,

O canto celestial que jorrou de teu peito;

Ensinas-me a cantar os divinos louvores

E a só me gloriar em Jesus Salvador.

Tuas frases de amor caíram como rosas

Que iriam perfumar os séculos futuros.

O Todo-Poderoso em ti fez maravilhas,

Cujas bênçãos, na prece, quero usufruir.

Quando o bom São José ignorava o milagre

Que intentavas velar com tua humildade,

Tu o deixaste chorar aos pés do Tabernáculo

Que esconde o Salvador e sua eterna Beleza!…

Maria, amo esse teu eloqüente silêncio,

Que soa para mim como um doce concerto,

Melodia cantando a grandeza e o poder

De um coração que espera ajuda só dos céus…

E, mais tarde, em Belém, ó José e Maria,

Rejeitados os vi por todas as pessoas.

Não os recebeu ninguém em sua hospedaria,

Que só os grandes acolhe e não pobres migrantes…

Para os grandes o hotel, portanto é num estábulo

Que a Rainha do céu dá à luz o Filho-Deus.

Minha querida Mãe que acho tão amável,

Como te vejo grande em lugar tão pequeno!…

Quando vejo o Eterno envolvido em paninhos

E ouço o fraco vagir desse Verbo divino,

Ó Mãe querida, não invejo mais os anjos,

Porquanto o Onipotente é meu amado Irmão!…

Como te amo, Maria, a ti que, em nossas terras,

Fazes desabrochar essa divina Flor!…

Como te amo escutando os pastores e os magos

Guardando, com amor, tudo no coração!…

Amo ao ver-te também, entre as outras mulheres,

Os passos dirigindo ao Templo do Senhor.

Amo-te apresentando o nosso Salvador

Àquele santo ancião que O tomou em seus braços.

Em princípio, sorrindo, escuto o canto dele,

Logo, porém, seu tom me faz cair em pranto,

Pois, sondando o porvir com olhar de profeta,

Simeão te apresentou uma espada de dores.

Rainha do martírio, até a noite da vida

Essa espada de dor traspassará teu peito.

Cedo tens de deixar o teu país natal,

Fugindo do furor de um rei cheio de inveja.

Jesus cochila em paz nas dobras de teu véu;

José te vem pedir para partir depressa

E logo se revela tua obediência,

Partindo sem atraso ou considerações.

Lá na terra do Egito, ó Maria, parece

Que manténs, na pobreza, o coração feliz.

Uma vez que Jesus é a mais bela das pátrias,

Com Ele tendo o céu, pouco te importa o exílio…

Mas, em Jerusalém, uma amarga tristeza,

Como um imenso mar, vem inundar teu peito:

Por três dias Jesus se esconde de teu amor;

Agora é exílio, sim, em todo o seu rigor.

Tu O descobres enfim, e alegria te inunda

Vendo teu belo filho encantando os doutores

E lhe dizes: “Por que, meu filho, agiste assim?

Eis que eu mais o teu pai chorando te buscávamos!”

Então o Filho de Deus responde (oh! que mistério!)

À sua terna Mãe que os braços lhe estendia:

“Por que me procurais?… Não sabeis, talvez,

Que das obras do Pai devo me ocupar?”

O Evangelho nos diz que, crescendo em saber,

A Maria e José, Jesus obedecia.

E o coração me diz com que infinda ternura

O Menino a seus pais assim se submetia.

Só agora compreendo o mistério do templo:

Palavras de meu Rei envoltas em mistério.

Teu doce Filho, Mãe, quer que sejas exemplo

De quem O busca em meio à escuridão da fé.

Já que o supremo Rei do Céu quis que sua mãe

Se afundasse na noite e em angústias interiores,

Então, Maria, é um bem sofrer assim na terra?

Sim, sofrer com amor é o mais puro prazer.

Tudo quanto me deu Jesus pode tomar;

Dize-lhe que comigo nunca se preocupe…

Que se esconda, se quer; consinto em esperar

Até o dia sem poente em que se apaga a fé.

Sei que, em Nazaré, ó Mãe, cheia de graça,

Longe das ambições, viveste pobremente,

Sem arrebatamento ou êxtase e milagre

Que te adornasse a vida, ó Rainha do Céu.

Na terra é muito grande o bando dos pequenos

Que, sem temor, a ti elevam seu olhar.

É o caminho comum que te apraz caminhar,

Incomparável Mãe, para guiá-los ao céu!

Enquanto espero o céu, ó minha Mãe querida,

Contigo hei de viver, seguir-te cada dia.

Contemplando-te, Mãe, sinto-me extasiada

Ao descobrir em ti abismos só de amor.

Teu olhar maternal expulsa meus temores,

Ensina-me a chorar e também a sorrir.

Em vez de desprezar gozos puros e santos,

Tu os queres partilhar, digna-te a abençoá-los.

Em Caná, ao notar a angústia do casal

Que não sabe ocultar a falta de vinho,

Preocupada contas tudo a teu Jesus,

Esperando de Seu poder a solução.

Parece que Jesus recusa teu pedido

Dizendo: “Isto que importa a mim e a ti, Mulher?”

Mas, lá em seu coração, Ele te chama Mãe

E por ti Ele opera o primeiro milagre…

Pecadores, um dia, ouviam a palavra

Daquele que no céu deseja recebê-los.

Junto deles te vejo, ó Mãe, sobre a colina,

E alguém diz a Jesus que tu pretendes vê-Lo.

Então o Filho de Deus, diante da turba inteira,

Mostrou a imensidão de Seu amor por nós

Dizendo: “O meu irmão e minha Mãe quem é?

Não é outro senão quem faz minha vontade”.

Virgem Imaculada, a mais terna das mães,

Ao escutar Jesus tu não ficaste triste

Mas te alegraste, pois Ele nos fez saber

Que nossa alma, aqui embaixo, é Sua família.

Tu te alegras por ver que Ele nos dá Sua vida,

E os tesouros sem fim de Sua divindade!…

Como, pois, não te amar, ó Mãe terna e querida,

Ao ver tamanho amor e tão grande humildade?

Tu nos amas, ó Mãe, como Jesus nos ama

E consentes, por nós, em afastar-se dele.

Amar é tudo dar; depois, dar-se a si mesmo.

Isto provaste ao te tornares nosso apoio.

Conhecia Jesus tua imensa ternura

E os segredos de teu coração maternal.

Ele nos deixa a ti, do pecador Refúgio,

Quando abandona a cruz para esperar-nos no céu.

Tu me apareces, Mãe, no cimo do Calvário,

De pé, junto da cruz, qual padre ao pé do altar,

E ofertas, para aplacar a justiça do Pai,

Teu querido Jesus, esse doce Emanuel…

Um profeta já disse, ó Mãe tão desolada:

“Não há dor neste mundo igual à tua dor”!

Ficando aqui no exílio, ó Rainha dos mártires,

Todo o sangue que tens no coração nos dás.

O teu único asilo é a casa de São João;

Filho de Zebedeu deve substituir Jesus!…

É o detalhe final que vem nos evangelhos

E não se fala mais da Rainha dos céus.

Mas, Mãe querida, teu silêncio tão profundo

Não revela tão bem a nós que o Verbo eterno

Quer cantar Ele próprio o louvor de tua vida

Para poder encantar teus filhos lá no céu?

Logo, logo ouvirei essa doce harmonia;

Cedo irei para o céu a fim de lá te ver.

Tu que, no amanhecer da vida, me sorriste,

Vem me sorrir de novo, ó Mãe! Já se faz noite!…

Não tenho mais temor do brilho de tua glória;

Contigo já sofri, o que desejo agora

É cantar, em teu colo, ó Mãe, porque é que te amo

E mil vezes dizer-te que sou tua filha!…[1]

Referência:


[1]  BASÍLICA SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS. Escritos.


Natalino Ueda é brasileiro, católico, formado em Filosofia e Teologia. Na consagração a Virgem Maria, segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort, explicado no seu livro “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”, descobriu o caminho fácil, rápido, perfeito e seguro para chegar a Jesus Cristo. Desde então, ensina e escreve sobre esta devoção, o caminho “a Jesus por Maria”, que é hoje o seu maior apostolado.

1 Comentário

  1. MArília Carvalho

    Que poemaa maravilhoso! Estou com o coração inflamado de amor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com