Cada parte da oração da Ave-Maria tem um significado baseado nas Sagradas Escrituras e na Tradição

Ave, cheia de graça”

Na Anunciação, o Anjo a saudou: “Ave, cheia de graça”. Maria foi a única que achou graça diante de Deus, porque foi a única “concebida sem o pecado original”. Nas aparições a Santa Catarina Labouré, na França, em 1830, ela pediu que fosse cunhada o que ficou sendo chamada de “Medalha milagrosa”. Em letras de ouro, Catarina viu escrita a bela frase: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”.

anunciaçao

O Senhor é convosco

O Senhor é convosco”, disse-lhe o Arcanjo Gabriel. Maria tem uma intimidade profunda com Deus. Diz o nosso Catecismo que “desde toda eternidade, Deus escolheu, para ser a Mãe de Seu Filho, uma filha de Israel, uma jovem judia de Nazaré na Galileia, ‘uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria’ (Lc 1,26-27)”. Ela é Filha do Pai, é a Mãe do Filho, e é a Esposa do Espírito Santo. Está em plena unidade com a Santíssima Trindade. Numa única mulher Deus tem Mãe, Filha e Esposa.

Bendita entre todas as mulheres

Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre” (Lc 1,42). Foi assim que Santa Isabel saudou a Virgem, “em alta voz” e “cheia do Espírito Santo”. E o menino João Batista estremeceu em seu seio. Isabel deixou claro por que Maria é “bendita entre todas as mulheres”: “Donde me vem a honra de vir a mim a Mãe do meu Senhor?” (v.43). E Isabel completa: “Bem-aventurada és tu que creste…” (v.44).

O bendito fruto do seu ventre é o próprio Deus, Filho de Deus, encarnado em seu seio virginal: Jesus. Ela é a Mãe de Deus. Quando o herege Nestório, patriarca de Constantinopla, quis negar essa verdade, o povo se revoltou, e o Concílio de Niceia, em 431, confirmou a maternidade divina de Maria: (Theotókos). “Todas as gerações me chamarão bem-aventurada” (Lc 1,48), por isso a piedade da Igreja para com a Santíssima Virgem é intrínseca ao culto cristão.

Depois de saudar a Virgem Maria, Mãe de Deus, com essas palavras que desceram do céu, a oração da Ave-Maria nos leva a implorar as graças do Senhor pela intercessão daquela a quem Deus nada pode negar.

Santa Maria, Mãe de Deus

O que não consegue a Mãe do Altíssimo? O que não pode conseguir, diante do trono da graça, aquela que é Sua Mãe, Esposa e Filha? O milagre das Bodas de Caná (João 2) diz tudo, mostra o grande poder intercessor da Mãe diante do Filho. Por isso, a Igreja sempre nos ensinou: “Peça à Mãe que o Filho atende!”. O bom filho nada nega à sua mãe, por isso São Bernardo de Claraval, doutor da Igreja, a chamava de “Onipotência suplicante”. Consegue tudo, por graça, o que Deus pode por natureza.

Rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte

E nós pecadores lhe imploramos: “Rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte”. Consegue do Rei os grandes benefícios aqueles que estão perto d’Ele, aqueles que têm intimidade com Ele. Quem mais do que Maria tem intimidade com Deus? Quantas pessoas me pedem para mediar um pedido junto ao fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib, porque sabem que tenho intimidade com ele! O mesmo acontece com Deus. Esse é o poder da intercessão.

A nossa Mãe roga por nós a cada momento, mesmo que não tenhamos consciência disso; especialmente protege aqueles que lhe são consagrados fervorosamente. De modo especial, defende-nos na hora da morte. Quantas almas a Virgem Maria salva na hora da morte! Especialmente aqueles que lhe são consagrados. São Bernardo dizia que não é possível que se perca um bom filho de Maria. Por isso, pedimos insistentemente que ela rogue por nós, sobretudo na hora decisiva de nossa morte. Quando rezamos o Santo Rosário, a ela oferecemos rosas espirituais, que ela leva a Deus por nós. Ela não as retém para si, pois o rosário é a meditação de toda a vida de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Prof. Felipe Aquino

Fonte: formacao.cancaonova.com

Estamos no mês de maio especialmente dedicado a Nossa Sra. E por vezes nos deparamos com os vários títulos ou nomes referidos a Ela. Vamos conhecer a origem de tudo isso.

A devoção a Nossa Senhora se manifesta, na Igreja Católica, sob os mais diversos títulos. É praticamente incontável o número de títulos atribuídos a Santíssima Virgem Maria. Em cada país, ela é invocada das mais diversas formas, com nomes diferentes, conforme a fé e a devoção do povo. Em muitos países, houve aparições de Nossa Senhora e, a partir destas, surgiram muitos outros títulos marianos. Para completar a lista, há também os títulos que derivam de um dos dogmas relativos a Virgem Maria.

Titulos de Nossa Senhora

A grande maioria dos títulos atribuídos a Virgem Maria tem sua origem na devoção popular. Na maioria das vezes, a devoção surge a partir de uma imagem de Nossa Senhora. A veneração de ícones de Maria remonta a era apostólica. Alguns ícones da Virgem são até mesmo atribuídos a São Lucas, considerado o pintor de Nossa Senhora. Dentre eles, alguns são muito conhecidos, como “Nossa Senhora do Perpétuo Socorro”, a “Theotokos de Vladimir” e “Nossa Senhora de Czenstochowa”. Cada um desses ícones ressalta uma particularidade da Santíssima Virgem, que nos ajuda a conhecer melhor a sua presença materna na Igreja e em nossas vidas.

Para exemplificar como nasce a devoção popular, trazemos um caso mais recente: a devoção a Nossa Senhora Desatadora dos Nós. Essa devoção surgiu, em 1700, na cidade de Ausburgo, na Alemanha. Um artista desconhecido pintou uma imagem da Virgem Maria, inspirado na célebre frase de Santo Irineu de Lião: “O nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua incredulidade, desatou-o a Virgem Maria com a sua fé”. Esse quadro foi então exposto para veneração na pequena Igreja de Saint Peter am Perlach, em Ausburgo. Nessa Igreja começou a devoção a Nossa Senhora Desatadora dos Nós, que se espalhou pelo mundo todo, por causa de devoção popular.

Há muitos títulos que nasceram de aparições ou manifestações da Santíssima Virgem. Como exemplo, Nossa Senhora de Fátima e Nossa Senhora Aparecida.

E ainda há quatro títulos de Nossa Senhora, que tem sua origem nos dogmas marianos: Mãe de Deus,  Virgem Maria, Imaculada Conceição e Assunção de Maria.

Mais do que em outros tempos, precisamos invocar a Santíssima Virgem, sob seus mais diversos títulos, para que a nossa fé não desfaleça. Sobre a importância da devoção a Nossa Senhora, o então Cardeal Joseph Ratzinger já dizia: “Hoje, neste confuso período, em que todo tipo de desvio herético parece se amontoar às portas da fé católica, compreendo que não se trata de exageros de almas devotas, mas de uma verdade hoje mais forte do que nunca”.

Nossa Senhora, vencedora de todas as heresias, rogai por nós!

Natalino Ueda

Fonte: formacao.cancaonova.com

Vida de mãe com muitos filhos é sempre cheia de surpresas

Cada dia é único! Entre risadas, barulho de criança correndo pela casa, bebê chorando, um “manhê, limpa meu bumbum” ou ainda um “manhê, fulano mostrou a língua pra mim” há sempre a alegria e o coração realizado por ter filhos crescendo e aprendendo os valores que passamos a eles a todo momento.

Por sermos uma família com vários filhos, chamamos à atenção por onde passamos. Já escutei de tudo: “Nossa, são todos seus? Você é corajosa! Vai parar por aí, né?”. Bom, prefiro acreditar que somos um sinal de bênção para um mundo tão individualista. Papa Francisco, com muita ternura, enfatizou em uma audiência geral semanal: “As pessoas não deveriam ter medo de ter filhos, já que eles são a alegria dos pais e das famílias, geram harmonia entre as gerações e ajudam a alimentar a esperança”.

Mae de varios filhos

Fazer opção por ter uma família é viver uma constante espera da ação de Deus e ser surpreendido, todos os dias, por esse amor que só transborda quando, de fato, colocamos Jesus no centro. Essa é a forma mais eficaz de combatermos o consumismo, o egoísmo e a falta de amor. Esse amor que nos faz entender, no dia a dia, que o mais importante são as pessoas e não as “coisas”, e que o mundo pode estar acabando lá fora, mas dentro da nossa casa estamos firmes, porque temos uns aos outros.

Realmente, ser mãe de vários filhos é exigente; porém, tudo depende da forma como levamos a vida. Muitas pessoas nos perguntam como conseguimos criar quatro filhos. Nós mesmos ficamos surpresos, no dia a dia, com esse ritmo frenético que vivemos, essa crise financeira e de valores que nossa sociedade vive. Assim, a única constatação que podemos chegar é que só pode ser resultado de nosso esforço e, principalmente, da graça de Deus. Ao longo desses anos, fomos aprendendo com a experiência dentro de casa (errando muitas vezes) que algumas atitudes são determinantes.

Tenho a certeza de que, sem o mínimo de organização, nossa casa seria um verdadeiro caos; e quanto mais nos disciplinamos e dividimos as tarefas (inclusive com as crianças), mais vamos adquirindo harmonia e a vida fica mais fácil. É possível contar com a ajuda de todos.

Algo muito eficaz é os filhos perceberem, primeiro, o companheirismo entre os pais. Isso faz com que eles assumam a casa e queiram fazer parte desse relacionamento de amor mútuo e concreto. Eles se motivam a contribuírem também com seus esforços. Graças a Deus, tenho um marido muito presente e ativo. Acredito que os meninos têm uma linda referência e, quando tiverem suas casas, repetirão com suas esposas o que o pai faz comigo.

O Filipe, de 2 anos, ajuda-me a arrumar a mesa do café, organiza a dispensa (do jeito dele) e guarda os brinquedos. Susana e Isabela (de 7 e 6 anos) me ajudam na cozinha, na limpeza da casa e na organização de suas coisas pessoais.

Outro ponto importante são os horários. A família precisa ter horários pré-estabelecidos. Como nos ensina o ditado popular, “o combinado não sai caro”. Por exemplo, ensinamos as crianças, desde cedo, a dormirem às oito e meia da noite. Após esse horário, o papai e a mamãe administram os afazeres da casa, a oração pessoal ou ainda lazer e momento a sós.

As crianças se sentem mais seguras quando há disciplina, a começar pelos pais. Claro que não podemos fazer de nossa casa um regime militar, porém, vale a pena fazer quadrinhos, conversar, dar recompensas pelo bom comportamento.

Em nossa família o trabalho é de equipe. Quando conseguimos deixar a casa limpa, tudo organizado e com a colaboração de todos, todo mundo ganha. Temos uma regra: não sair de casa com as coisas fora do lugar. Há dias que funciona, outros não; mas temos conseguido manter a casa com a ajuda de todos. Afinal, o trabalho é de equipe. E a casa é de todos.

O Papa Francisco, em uma de suas audiências, frisou ainda que “as crianças não são um problema de biologia reprodutiva, nem um dos tantos modos de se realizar. Tão pouco uma posse dos pais. Não! Os filhos são um dom, são um presente”. Não tenha medo de ter a casa cheia. Ter filhos é uma maravilhosa aventura que nossa sociedade tem esquecido. Sejamos sinal de amor e generosidade a partir de nossas famílias e da abertura à vida. É possível! Não é fardo! É dom e alegria!

Elzirene Pereira
Jornalista e Missionária da Comunidade Canção Nova 

Fonte: formacao.cancaonova.com

Consequência da mentira

O folclórico dia da mentira tem sua origem na confusão de um calendário. O fato ocorreu por volta do século XV, quando o então rei da França Carlos IX decretou o início do ano corrente como 1º de janeiro, seguindo o calendário gregoriano.

Alguns camponeses e povoados mais distantes do rei não acreditaram no decreto e continuaram a celebrar o início do ano em 1º de abril. Isso fez com que passassem a ser ridicularizados pelo restante da população com brincadeiras de notícias mentirosas. Essas peças passaram a fazer parte da celebração do dia 1º de abril que, ao longo do tempo, tomou conta de toda a França e do mundo, ora com o nome de dia da mentira, ora como o dia dos tolos.dia da mentiraHoje, o dia da mentira é tido como uma brincadeira. Com a globalização, a data ganhou destaque em importantes meios de comunicação e, com o advento da internet, agências de notícias famosas fizeram circular notícias bizarras como forma de celebração desse dia.

Brincadeiras e folclore à parte, a verdade é que mentira pode provocar consequências desastrosas para um país, para uma família, uma empresa, uma pessoa. Como dizia Gandhi: assim como uma gota de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor que seja, estraga toda a nossa vida.

No Brasil, por exemplo, sofremos há anos as consequências da falta de transparência de nossos governantes. A mentira está a serviço da corrupção, que é a maior vilã de nossa sociedade. Os princípios que regem a mentira, o juízo falso de valores e o engano proposital são os geradores de grande parte das mazelas sociais que os brasileiros já testemunharam. A impunidade, a violência, principalmente nas cidades de porte médio, antes locais seguros, só têm crescido na última década, ao mesmo tempo em que os investimentos na saúde pública são ainda desproporcionais à demanda, e a educação não é vista como prioridade para o desenvolvimento do país.

A nossa sociedade está sofrendo também as consequências do abandono e do esquecimento da verdade e dos valores cristãos. No dia da mentira, é verdade que não temos mais tempo para nossos filhos, é verdade que não nos reunimos em família, não temos tempo para ir à Igreja, é verdade também que a dignidade e o direito mais básico, o de viver, já não faz tanto sentido. De fato, temos aqui muitos motivos para, neste 1º de abril, lamentar as consequências da mentira em nossa vida.

Mesmo que no dia 1º de abril contemos alguma mentira para não deixar passar em branco essa brincadeira, a verdade é que temos sede de sinceridade, queremos a confiança, queremos reciprocidade, queremos nos manifestar tal como somos, pois não aguentamos por muito tempo a dissimulação, a falsidade e a corrupção. Algo dentro de nós grita pelo verdadeiro e autêntico. No fundo, todo homem anseia viver em comunidade para partilhar a verdade e a justiça.

Jesus disse: E conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará (João 8, 32). Aprendamos que só a verdade nos torna pessoas livres, o bem mais precioso para o homem. É na liberdade que começa e termina todos os nossos caminhos, ela é a pérola do nosso querer.

No dia da mentira, precisamos redescobrir a nossa vocação de testemunhar e comunicar a verdade. Não suportamos mais o que o Papa Bento XVI classificou como a ditadura do relativismo, queremos mesmo é a liberdade que vem pela verdade. Vivemos tempos de desconfiança e opressão pela mentira, ora lá, ora cá, perguntamo-nos se não estamos sendo enganados, pois quem sabe nos acostumamos com o falso…

No dia da mentira só me resta dizer: Brasil, lute pela verdade!

Daniel Machado de Assis – Missionário da Comunidade Canção Nova

Fonte: formacao.cancaonova.com

Se o coração deixasse para trás o que fica para trás ele seria mais inteiro, ele caminharia leve e sem peso de acusações. Existem situações na vida da gente que acabam influenciando profundamente aquilo que somos. Tal influência, por vezes, pode exercer sobre nós o ofício de aprisionar, estacionando nosso olhar em paisagens que não mais compõem nossos dias.

De fato, o coração, –com as razões que o povoam, –vive inconstâncias que, em determinados momentos, o tornam confuso e inquieto; e se ele não for bem nutrido e direcionado, pode desenvolver certa facilidade para se acorrentar àquilo que não mais pode ser nem ter.

Deixar para trás o que fica para trás - 1600x1200A raiz de tal confusão, muitas vezes, consiste no orgulho, que o impede de se aceitar pequeno e limitado, querendo assim sempre “voltar para consertar” e explicar aquilo que em sua vida ficou ausente de perfeição.

Seria tão mais fácil reconhecer: “Errei, nessa circunstância eu não fui capaz de acertar…”. Assim o coração ficaria livre para compreender com propriedade o profundo significado da misericórdia, que se configura como acolhida sem precedentes daquilo que o ser é, e de maneira singular de suas fragilidades e incapacidades. Assim o coração será feliz por ser o que é, sentindo-se acolhido por um amor infinitamente maior que o seu, que não o acusa nem vive a exigir explicações.

Ser amado

Onde o amor é abundante cessam-se as explicações. Quem explica demais se sente acolhido de menos, pois no coração que se compreende conhecido e amado as palavras podem ser dispensadas e as explicações dão lugar à certeza de ser amado como se é.

Se o coração deixasse para trás o que fica para trás ele seria mais inteiro, caminharia leve e sem peso de acusações. Contudo, para isso é necessário deixar passar sem tentar explicar nem consertar; mas um deixar com a serena consciência de que existe um terno abraço sempre pronto a acolhê-lo em cada esquina de sua história.

As justificativas tornam a vida pesada, pois semeiam desconfiança. Quem se justifica demais diante de seus erros e fraquezas ainda não compreendeu que é amado assim como é. Quem se contempla amado não vive explicando suas limitações, mas se permite ser perdoado e acolhido apenas pela força de um simples olhar, mesmo com a ausência de palavras.

Leia mais:
.: Deus vê o coração
.: Olhar a pessoa com o coração
.: Como superar a depressão?

Confiar no amor

Deixar sem buscar justificar e explicar é um concreto sinal de que o coração aprendeu a confiar na força do amor que acolhe sem desprezar. Sem desprezar a essência –que é boa –em virtude dos fragmentos de imperfeição.

Deixar é também uma forma de ser autêntico consigo, assumindo que, em determinada circunstância, não foi possível acertar, mas que é possível aprender com o limite para construir uma posterior vitória. Diante de um Amor que é sempre ‘sim”’, o coração precisa ser educado para abandonar os seus frágeis “’nãos’” nesse imenso abismo de acolhida e compreensão. Dessa forma, a vida se tornará mais livre para tentar, sem ter que fingir ou representar para se aceitar como é. Desprender-se é deixar para trás o que fica para trás!

Padre Adriano Zandoná

Adriano Zandoná é padre e missionário da Comunidade Canção Nova. Graduado em Filosofia e Teologia, exerce atualmente a função Responsável Geral pela Canção Nova em São Paulo (SP).

Expectativa e frustração são frutos de experiências vividas, por isso é preciso aprender com elas. Lidar com a frustração é definitivamente uma tarefa difícil, mas pode trazer benefícios e crescimento emocional, dependendo da forma como a encaramos. Parar no negativo não é a melhor escolha, até porque já está provado que o que alimenta a frustração e aumenta o tamanho da dor são os pensamentos negativos, pois eles alteram o humor e até mesmo o comportamento da pessoa, podendo leva-lá a assumir uma atitude de derrota com frases como: “Nada dá certo para mim” ou “Eu sou um fracasso”. Porém, como nem tudo o que pensamos está de acordo com a realidade, principalmente nessa hora é importante questionar os pensamentos e enfrentar a frustração, por exemplo, com uma releitura do acontecimento, dando importância ao que realmente vale a pena.

No meu caso, já passei e passo por diversas experiências de expectativas frustradas e tenho aprendido a superá-las, acima de tudo, com a graça de Deus e por meio da oração. Posso partilhar, por exemplo, uma situação que até relato no meu livro – ‘Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar’ –, com relação à celebração das bodas de 50 anos de casamento de meus pais.

Como conciliar expectativa e frustração diante da realidade

Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Minha família e eu vínhamos alimentando, há algum tempo, a expectativa de fazermos uma celebração em comemoração às bodas. Porém, antes da data marcada, meu pai faleceu, e tudo o que havíamos planejado perdeu o sentido. É claro que sofri, chorei e senti-me desapontada, mas procurei discernir o que poderia aprender com aquele acontecimento. Fui percebendo, com o tempo, que era mais importante eu ter a lembrança de um bom pai conservada em minha memória do que festejar suas bodas. Esse pensamento deu um novo sentido para o fato, e, aos poucos, a gratidão foi ocupando o lugar da dor. Não se trata simplesmente de pensar de forma positiva ou fugir da realidade. É procurar ver as coisas do ponto de vista de Deus e pedir que Ele mostre como uma circunstância aparentemente negativa pode, na verdade, trazer-nos algo de bom, inclusive uma nova maneira de ver a vida.

Aprendendo a lidar com as expectativas e frustrações

É claro que cada pessoa aprende a lidar com expectativas e frustrações vivendo suas próprias experiências. E é por isso que não existe uma receita pronta, que funcione com todo mundo.

Em geral, acredito que a dificuldade ou não em lidar com a frustração seja um reflexo da maneira como lidamos com a vida. Alguém que foi criado em um ambiente onde seus desejos eram sempre atendidos, e nunca assumia as consequências de suas ações, provavelmente será um adulto que não saberá lidar com um ‘não’, muito menos com as expectativas frustradas. Essa pessoa terá forte tendência a ser intolerante e até a produzir conflitos em seus relacionamentos, exatamente pela necessidade em ser sempre aprovado, ou ainda, passar a vida inteira estressado, tentando evitar a frustração, mas não existe uma forma de evitá-la completamente. As expectativas são realidades inerentes à vida, somente quando aceitarmos conviver com elas, mesmo correndo o risco de nos depararmos com a frustração, é que conseguiremos viver plenamente.

Leia mais:
.: A frustração da espera de um grande amor
.: Como lidar com a frustração de não ter filho
.: Insatisfação , frustração ou carência
.: Como preparar seu filho para lidar com a frustração

Já ouvi, por exemplo, alguém dizer: “Não vou criar expectativas para não me frustrar”. Essa atitude é, de certa forma, uma defesa, mas aceitar a possibilidade de frustração não é, na verdade, uma expectativa? E mais: quem procura evitar frustrações limita suas experiências e oportunidades de conquistas, sentindo-se, em todo caso, frustrado no final. É o mesmo que dizer: “não vou amar para não sofrer” e passar a vida sofrendo por causa da solidão.

A meu ver, a grande questão é justamente descobrirmos qual é o verdadeiro sentido da nossa vida. Se já sabemos, por exemplo, que viemos a este mundo para fazer o bem, amar e sermos amados, a primeira providência que tomaremos diante da frustração será confiar no amor de Deus e nos abandonarmos n’Ele, mesmo em meio à dor. Até porque, ao fazermos essa experiência, vamos perceber que nosso passado está na misericórdia de Deus, nosso futuro na Divina Providência. Já o presente está em nossas mãos e podemos escolher vivê-lo com sentido, gratidão e alegria, certos de que Deus vê além e tem sempre o melhor para cada um de nós.

Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação.É colunista desde 2000. Recentemente, a missionária lançou o livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

Nós estamos chegando no Natal, um tempo muito bonito de festas onde celebramos o maior acontecimento da história, o nascimento de Jesus.

Neste vídeo do site Cleofas, Prof. Felipe Aquino conta aos seus netos o que é o presépio e outras curiosidades de Natal.

Confira:

É possível que, alguma vez na vida, você tenha se deparado com alguma situação pessoal de pecado e achado que seu valor como pessoa tenha diminuído ou mesmo acabado. Nessa hora, vem a maldita comparação: fulano é tão bom, nunca fez coisa errada! Eu, pelo contrário, pequei muitas vezes gravemente contra minha sexualidade e afetividade. Acho que não tenho o mesmo valor para Deus que meu colega.

Talvez, eu tenha acabado de narrar algo que acontece com você ou com alguém que você conhece. Vou lhe contar uma história para lhe mostrar que seu valor independe do que você fez ou deixou de fazer:

Um famoso palestrante, conhecido internacionalmente, começou a palestra segurando uma nota de cem reais na mão. Tinha aproximadamente cento e cinquenta pessoas no local da palestra. O palestrante perguntou: “Quem quer esta nota que está em minhas mãos?” Praticamente, a sala inteira levantou as mãos. Ele amassou a nota de cem reais que estava em suas mãos e perguntou novamente: “Quem ainda quer esta nota?”. Para sua surpresa, as mesmas mãos permaneceram levantadas. Amassou mais ainda e continuou a perguntar. A sala inteira não mudou de opinião, todos queria aquela nota de cem reais.

O meu pecado pode diminuir meu valor como pessoa

Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Não contente, além de amassar a nota, ele a jogou no chão e começou a pisar nela. Depois de pisar várias vezes e a nota ficar toda suja, pegou-a em suas mãos novamente, desamassou-a e falou: “Quem ainda quer esta nota de cem reais, por favor, ponha-se de pé”. Foi unanime: as cento e cinquenta pessoas que estavam na sala puseram-se de pé.

Depois desse momento, o palestrante pediu para que todos se sentassem e começou a dizer: espero que vocês tenham compreendido essa dinâmica. Por mais amassado ou mesmo pisado que o dinheiro foi, ele permaneceu possuindo o valor de cem reais. Na nossa vida, também é assim. Muitas vezes, somos amassados, pisoteados, humilhados, esquecidos, mas nada disso diminui o nosso valor, jamais perdemos nossa dignidade de pessoa humana.

Palavras de São João Paulo II

Sua santidade São João Paulo II, na Encíclica Christifideles Laici, nº 37, diz que a dignidade da pessoa é o bem mais precioso que o homem possui. Esse valor transcende todo e qualquer valor material. Jesus diz: “Que serve ao homem ganhar o mundo inteiro, se depois perde a sua alma?” (Cf Mc 8,36). Nessa pergunta, está implícita uma afirmação antropológica, de que o homem vale não por aquilo que tem, mesmo possuindo o mundo inteiro, mas por aquilo que ele é. Os bens materiais podem ser importantes, mas não são eles que contam. O que conta é o bem que é a própria pessoa.

Leia mais:
.: Deus vê o coração
.: Como reagir diante do pecado do outro?
.: O pior mal se chama pecado
.: Escravos do pecado

A dignidade humana, sendo ela contemplada do ponto de vista das verdades reveladas, tem uma estima incomparável, pois se trata, com efeito, de pessoas remidas pelo Precioso Sangue de Cristo, as quais, com a graça, tornaram-se filhas e amigas de Deus, herdeiras da glória eterna. Além disso, o homem é chamado a torna-se “filho no Filho”, sendo ele templo vivo do Espírito Santo, tendo por destino a comunhão beatífica com Deus, a vida eterna. Por esse motivo, diz São João Paulo II que toda e qualquer violação da dignidade da pessoa, do ser humano, é um clamor por vingança junto de Deus, o Criador do homem.

Somos filhos de Deus

Somos pessoas e possuímos um valor infinito, somos filhos de Deus. Como filhos, somos herdeiros do Céu. Não deixemos que nada nem ninguém roube de nós ou nos faça esquecer o valor que possuímos. Não é o pecado, a decepção, o desprezo ou qualquer outra situação que diminuirá o nosso valor como ser humano, como pessoa. Podemos até estar amassados, pisoteados, mas isso nada interfere em nossa dignidade, em nosso valor como pessoa.

O fato de nossos pecados não diminuírem nosso valor não significa que devemos permanecer no pecado, não! Pelo contrário, reconhecendo nosso valor diante de Deus, o que mais precisamos fazer é evitar o pecado e, por isso mesmo, termos em nosso horizonte uma vida de santidade.

Elenildo da Silva Pereira
Missionário da Comunidade Canção Nova e candidato às Ordens Sacras. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP)

Estamos chegando ao final do ano litúrgico, que termina com a festa de Cristo Rei do Universo, comemorado neste domingo (20/11). Após esta festa, começa o novo ano litúrgico com o Advento que nos prepara para o Natal do Senhor!

Neste vídeo retirado do site Cléofas, Prof. Felipe Aquino fala sobre esta celebração tão importante de todas as vitórias de Deus.

 

Imagine-se caminhando numa paisagem totalmente seca e, de repente, deparar-se com uma árvore coberta de lindas flores! Isso é possível na Europa, pelo menos em Fátima, Portugal, onde morei como membro da Comunidade Canção Nova. Normalmente é assim: quando o inverno chega, as folhas das árvores caem e a única coisa que aparece são os galhos secos e retorcidos. Parecem mortos, já que não há a beleza trazida pelas cores das folhas nem das flores. É claro que precisamos ver além, pois sabemos que, por dentro, a árvore continua viva. A primavera virá e revelará a vida  que persevera em seu interior.

É essencial encarar as adversidades da vidaFalo, no entanto, de algo mais, falo das amendoeiras. Essas árvores têm o dom de florir justamente em pleno inverno. Quando tudo ao redor delas parece sem vida, elas aparecem exuberantes, cobertas de flores. Contemplar esse fenômeno, no mínimo, faz-nos pensar o que essas árvores têm de diferente.

Florir em meio ao sofrimento

Não sei se você já passou pelo “inverno” em sua vida. Nesse tempo, os acontecimentos nos convidam ao silêncio, à espera. Como é rica essa experiência, mas como nos custa vivê-la! Passei por uns dias de “inverno e conheci a amendoeira com mais propriedade, e interessei-me por ela.

Aprendi que essa planta se adapta a quase todos os tipos de solos, mas apresenta um maior desenvolvimento nos solos arenosos. Crescem em terrenos pedregosos, onde as camadas de pedra são alternadas com camadas de terra, para que as raízes possam penetrar mais profundamente, o que favorece a resistência à secura. Resiste às fortes geadas do período mais frio do ano, às altas temperaturas de verão e às secas prolongadas. Como se não bastasse, costumam florir durante o inverno. Não acha interessante?

Trazendo essas características para nossa vida, que lição o exemplo dessa árvore pode nos ensinar?

Já percebi que preciso encarar as adversidades da vida como a amendoeira, vendo no “terreno pedregoso” o lugar ideal para fixar raiz e buscar na profundidade da fé o alimento necessário, para não só sobreviver, mas também “florir” em pleno “deserto”, provocado pelo inevitável “inverno”.

Para agir assim, além de contar essencialmente com a graça de Deus, preciso ter força de vontade e alimentar constantemente a esperança em meu coração com a Palavra do Senhor, que se cumpre no seu tempo, do seu jeito. “Os céus e a terra passarão, mas minhas palavras não passarão” (Mt 24, 35). Chorar quando for preciso, sim, mas sem me esquecer dos benefícios trazidos pelo “inverno” e tentar florir na intenção de torná-lo agradável para quem passa ao meu lado ou permanece comigo.

Eu já havia pensado sobre isso, mas hoje, ao participar da Santa Missa e ouvir o padre citar justamente o exemplo da amendoeira, resolvi partilhar isso com você na intenção de fazer o seu “deserto florir”. Desejo semear esperança em seu oração. Se você está passando por um tempo difícil, tenha calma, o “inverno” vai passar.

Tudo vai passar

Recordo-me que, durante minha infância, por um motivo ou outro, muitas vezes, eu caía, machucava-me e corria, em prantos, para buscar o consolo dos meus pais. Lembro-me das vezes em que me disseram: “Tenha calma, vai passar…”

Tinham toda razão. Passou mesmo! Já nem me lembro das quedas daquela época; vieram outras que também passaram. Afinal, nesta vida, tudo passa! Acredito que você também já tenha ouvido essa afirmativa. Para concordar com ela, basta fazer uma breve reflexão sobre seus últimos anos. Quantas coisas já passaram, não é verdade?

As etapas de nossa vida, por mais que queiramos nos apegar a elas, não tem jeito, elas passam. Assim como os tempos de crises e bonança passam e as notícias e as modas também.

Ora, se essa é uma verdade inquestionável, por que nos falta a esperança quando estamos na tribulação? Por que nos faltam a cautela e o zelo quando estamos no cume das alegrias momentâneas? Perguntas como essas passam quase sempre sem respostas em nossa vida.

O que permanece não é humano, pois transcende nossa existência e não se explica pela razão, somente pela fé.

A sede que temos por Deus e por Suas obras, por exemplo, permanece em nossos corações. Que ela seja nossa motivação para hoje “florirmos no deserto” que precisamos atravessar. Aprendamos com a amendoeira: suas flores, em pleno inverno europeu, são lindas, embelezam o “deserto” e nos ensinam a ir além do ordinário nesta vida.

Estamos juntos, rezo por você!

Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, reside na missão de São Paulo. Diariamente, apresenta programa na Rádio América CN. Às terças-feiras, está à frente do programa “De mãos unidas”, que apresenta às 21h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000. Recentemente, a missionária lançou o livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com