É impossível ver uma rosa, e não me lembrar de minha querida Amiga, Santa Teresinha do Menino Jesus, e saber que ela  fala de mim pra Deus.

“Eu nunca aconselho nada a ninguém sem antes recomendar-me à Virgem Santíssima. Ela é que faz que as palavras que digo tenham eficácia nos que as ouvem.”

Santa Teresinha do Menino Jesus.

“O importante não é o número de ações que fazemos, mas a intensidade do amor que colocamos em toda ação.” Madre Teresa de Calcutá

"É pra você"

Como alcançar essa intensidade de amor?

“Viver o hoje como se fosse o último” (Mons. Jonas Abib

O último bom dia! o último email respondido, o último sorriso…Quantas coisas já fizemos, hoje, que poderia ter sido a “última”. E como teria sido? Como lembrariam de nós, de nossas palavras, de nossos gestos, de nossas escolhas…

Essa é a pergunta que me faço agora.

Por isso, me decido a deixar tudo que é acessório, que é supérfluo, e concentrar-me somente no essencial – o Amor. Pois cada momento nos é dado para que aprendamos a amar!  Isso é bonito! Mas,  já esqueci disso muitas vezes…e não posso voltar a trás!

Mas, agora tenho uma opção. Sou livre para escolher…e decidir.

Cada palavra, cada gesto, cada telefonema, cada decisão  e torná-la a coisa mais bela de minha vida.

E reserva à todos o meu amor, o meu sorriso; o meu carinho… a minha atenção, não perdendo nenhum segundo, mas vivendo-o com sentido, com o essencial: o AMOR!

E como não lembrar que Deus é Amor!!!

Como Maria, quero hoje viver cada momento para Deus, para que o seu amor em mim seja o melhor que tenho para oferecer aqueles que amo!

Rezemos juntos:

Ave Maria, cheia de graça…

As avós tem um importante papel na vida dos netos. Não apenas por serem consideradas “mamãe com açúcar, mas sobretudo na transmissão da fé para seus netos.

Como Santa Ana e São Joaquim, pais da Virgem Maria e por isso, avós de Jesus.

Neste dia recordamos essa presença tão querida em nossa família com o coração agradecido e rogando a Deus que os abençoe cada dia mais no cumprimento da sua missão de avós. Pois se seremos pais, ou se teremos fillhos…Isso só o tempo dirá!

Mas de uma coisa temos certeza, temos um pai e uma mãe, temos avós… isso é uma realidade.

Na Sagrada Escritura também encontramos um lindo e louvável elogio que Paulo faz a mãe e a avó de Timóteo.

“Recordo-me também da fé sincera que há em ti, e que habitou, primeiro em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice, que certamente habita também em ti.”
2 Timóteo 1,5

Eunice e Lóide, mulheres que amaram a Deus e transmitiram a seus filhos e netos esse amor.

Provavelmente o nome de Lóide signifique “encantadora”, e sabemos que o apóstolo Paulo descobriu que isso era verdade na vida dessa mulher. Por isso ele a elogiou, nas cartas escritas a Timóteo.

Lóide era judia, piedosa que recebendo os ensinamentos do Antigo Testamento os transmitiu a sua filha Eunice e a seu neto; preparando o coração de ambos para ouvir e distinguir as palavras de vida eterna em Jesus Cristo anunciadas por Paulo, quando passou pela cidade de Listra, sua terra natal.

A fé de Lóide era genuína e sem fingimento. Não era uma fé de aparencias, uma fé de conveniências. Seu legado, sua experiência com o Amor do Deus Único e verdadeiro com certeza inflamou o coração de seu neto, Timóteo. Esse jovem cristão que acompanhou o apóstolo Paulo, em suas pregações e o ajudou a organizar a Igreja na região do Mediterrâneo.

Feliz dia dos avós!

Santa Ana e São Joaquim, rogai por nós!

À Maria somente Deus confiou as chaves dos celeiros do divino amor, e o poder de entrar nas vias mais sublimes e mais secretas da perfeição, e de nesses caminhos fazer entrar os outros.

aos miseráveis filhos…

Só Maria dá aos miseráveis filhos de Eva infiel a entrada no paraíso terrestre, para aí entreterem-se agradavelmente com Deus, para aí, com segurança, se ocultarem de seus inimigos, para aí, sem mais receio da morte, se alimentarem deliciosamente do fruto das árvores da vida e da ciência do bem e do mal, e para embeber-se longamente nas águas celestes desta bela fonte que jorra com tanta abundância;

ou, melhor…

…como ela mesma é esse paraíso terrestre ou essa terra virgem e abençoada, da qual Adão e Eva, pecadores, foram expulsos, ela só dá entrada àqueles, que lhe apraz deixar entrar, e para torná-los santos.

Oh! Santa Mãe e Educadora nossa, fazei-me permanecer unida a vós, para do teu Celereiro Divino poder encontrar os suprimentos necessários para a perfeição!

Quero beber dessa fonte de Amor que jorra em abundância. Que dela eu me sacie e sacie meus irmãos!

Bento XVI, recomendou, que neste dia 16, Festa de Nossa Senhora do Carmo, que os fiéis façam uso do escapulário.

que se use este objeto de tecido, de cor marrom, que se pendura no pescoço, no final do seu encontro com os peregrinos por ocasião do Ângelus.

Não parece coincidência que o Santo Padre tenha dito estas palavras em polonês, pois João Paulo II usava o escapulário desde a sua juventude e via nele um símbolo de “defesa nos perigos, selo de paz e sinal do auxílio de Maria”.

As palavras de Bento XVI ressoavam um dia depois da celebração da memória de Nossa Senhora do Carmo, que recorda este gesto de devoção.

“O escapulário é um sinal particular da união com Jesus e Maria – disse. Para aqueles que o usam, constitui um sinal do abandono filial na proteção da Virgem Imaculada. Em nossa batalha contra o mal, que Maria, nossa Mãe, nos cubra com seu manto”, concluiu.

Como explica a Ordem dos Carmelitas Descalços no seu site, o escapulário, em sua origem, era um avental que os monges usavam sobre o hábito religioso durante o trabalho manual. Com o tempo, assumiu o significado simbólico de querer carregar a cruz de cada dia, como os verdadeiros seguidores de Jesus.

A própria Ordem esclarece que o escapulário não é “um objeto para uma proteção mágica (um amuleto)”, “em uma garantia automática de salvação”, “nem uma dispensa para não viver as exigências da vida cristã, muito pelo contrário!”.

CASTEL GANDOLFO, segunda-feira, 18 de julho de 2011
(Jesús Colina)
fonte:  ZENIT.org