Gianna Beretta Molla, nasceu em Magenta (Milão,Itália), no dia 4 de outubro de 1922, dia de São Francisco.

Formou-se com louvor em medicina e cirurgia em 1949 pela Universidade de Pavia (Itália). Entre seus pacientes, demonstra especial cuidado  e atenção com as mães, crianças, idosos e pobres.

Pediatra pela Universidade de Milão em 1952. Também freqüentou a Clínica Obstétrica Mangiagalli, pois por seu grande amor às crianças e às mães desejava unir-se ao seu irmão, Padre Alberto, médico e missionário no Brasil que, com a ajuda do seu outro irmão Francesco, engenheiro, construíram um hospital na cidade de Grajaú, no Estado do Maranhão.

A Beata Gianna, por sua saúde frágil, foi desaconselhada pelo Bispo Dom Bernareggi em vir ao Brasil.

Uma família realmente cristã

Opta pela vocação matrimonial, que a abraça com entusiasmo, assumindo total doação “para formar uma família realmente cristã”.

Casa em 24 de setembro de 1955. A cerimônia foi presidida por seu outro irmão Padre Giuseppe.

Na quarta gravidez, aos 39 anos em setembro de 1961 no final do segundo mês de gravidez, vê-se atingida por um fibroma no útero.

Três opções lhe foram apresentadas: More »

No Tratado da Verdadeira Devoção lemos,

(…) “Maria recebeu de Deus um grande domínio sobre as almas dos eleitos; pois ela não pode estabelecer neles sua residência, como Deus Pai lhe ordenou; não pode formá-los, nutri-los, fazê-los nascer para a vida eterna, como sua mãe, possuí-los como sua herança e partilha, formá-los em Jesus Cristo e Jesus Cristo neles; não pode implantar em seus corações a raízes de suas virtudes, e ser a companheira inseparável do Espírito Santo em todos os seus trabalhos de graça; não pode, repito, fazer todas estas coisas, se não tiver direito e domínio sobre suas almas, por uma graça singular do Altíssimo. E esta graça que lhe deu autoridade sobre o Filho único e natural de Deus, lhe foi concedida também sobre seus filhos adotivos, não só quanto ao corpo, o que seria pouco, mas também quanto à alma.”

Que alegria trouxe ao meu coração essa linda realidade que Deus Pai, no seu imenso amor, quiz que Maria, a Mãe do Seu Filho, tivesse para comigo, o mesmo cuidado, o mesmo zelo e amor. Ecoa de forma nova, as palavras de Jesus na cruz, quando diz a sua mãe e a seu discípulo amado…”Eis ai tua mãe.” “Eis ai teu filho”…

Como não ter um coração agradecido e rendido a esse amor!

Sim, Mãe seja a Rainha do meu coração… Deixo me ser amada, cuidada, formada por teu amor materno que me quer levar a contemplar a face de Deus!

Eu quero Mãe, fica comigo!

Fique com aqueles que eu amo, meu esposo, meus filhos, meus amigos e familiares… Convido você a acolher esse amor tão generoso de Deus Pai para conosco! Deus nos uma Mãe! Não estamos sós!

Ela cuida de mim e de você!

Rezemos juntos,

Ave Maria, cheia de graça…

Pe. Paulo Ricardo, partilha um pouco da graça que Deus lhe concedeu da convivencia e amizade de Dom Eugênio.

“Hoje, neste tempo que é seu, o futuro esta sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura. Felicidade talvez seja isso: alegria de recolher da terra que somos, frutos que seja agradáveis aos olhos!” (Pe. Fábio de Melo)

Como Maria, quero sempre me lembrar que  esses frutos que eu vou recolher da terra que sou eu, precisam ser agradáveis, não aos meus olhos, mas aos olhos de Deus. Pois aos meus, tenho certeza de que serão regados muitas vezes com lágrimas, com o perdão, com a reconciliação… com a vontade firme de ser agradável a Deus!

Confio-me hoje aos seus cuidados, ó Mãe querida!

Rezemos juntos

Ave Maria, cheia de graça…

Dom Eugenio de Araujo Sales, o mais antigo Cardeal da Igreja Católica, era Cardeal Presbítero da Santa Igreja Romana, do Título de São Gregório VII.

Nascido em 11 de novembro de 1920 em Acari (RN). Dom Eugênio Sales foi ordenado bispo aos 33 anos, em Natal (RN), com apenas 11 anos de sacerdócio. Em 1968, tornou-se arcebispo de Salvador e, em 1971, arcebispo do Rio de Janeiro.

Rezemos por sua alma que nesta vida terrena, foi tão louvável a Deus e mais ainda o será no Céu!

“De muito boa vontade darei o que é meu, e me darei a mim mesmo pelas vossas almas, ainda que, amando-vos mais, seja menos amado por vós”. (IICor 12,15)

Saiba mais…