Esse aviso deveria ser colocado em muitos ambientes de convivência, segundo sugeriu na sexta-feira o padre Raniero Cantalamessa OFM cap, na meditação de Quaresma que dirigiu a Bento XVI e seus colaboradores da Cúria Romana.
Ao discutir a frase da Carta de São Paulo aos Romanos, que “a caridade não seja fingida”, o frade capuchinho considerou que no campo da caridade na Igreja há um aspecto que precisa de conversão: o ato de ficar julgando uns aos outros.

O fato de julgar não é em si algo mau, esclareceu, o que é verdadeiramente mau é “o veneno do nosso julgar”: “o rancor, a condenação”.
Perante o Papa, cardeais, bispos, sacerdotes e religiosos presentes na capela Redemptoris Mater do Palácio Apostólico, Cantalamessa explicou que, “em si, julgar é uma ação neutra”; “o juízo pode terminar tanto em condenação quanto em absolvição e justificação”.
“São os juízos negativos os que a palavra de Deus reprime e elimina, aqueles que condenam o pecador junto com o pecado, aqueles que olham mais para a punição do que para a correção do irmão”, disse.
“Para estimar o irmão, é preciso não estimar demais a si mesmo – prosseguiu -; é necessário ‘não ter uma visão alta demais de si próprio'”. “Quem tem uma ideia muito alta de si mesmo é como um homem que, à noite, tem diante dos olhos uma fonte de luz intensa: não consegue ver nada além dela; não consegue ver a luz dos irmãos, seus dotes e seus valores.”
“‘Minimizar’ deve se tornar o nosso verbo preferido nas relações com os outros: minimizar os nossos destaques e minimizar os defeitos alheios. Não minimizar os nossos defeitos e os destaques alheios, como somos tantas vezes levados a fazer; é diametralmente o oposto!”

A fofoca
A fofoca mudou de nome, chama-se ‘gossip’, afirmou Cantalamessa. “Parece ter virado coisa inocente, mas é uma das que mais poluem a vida em grupo”.
“Não basta não falar mal dos outros; precisamos também impedir que os outros o façam em nossa presença; fazê-los notar, mesmo que silenciosamente, que não estamos de acordo.”
“Em muitos locais públicos está escrito ‘Aqui não se fuma’. Antigamente havia até alguns avisos de ‘Aqui não se blasfema’. Não faria mal acrescentar, em alguns casos, ‘Aqui não se fofoca'”.

Na internet, terceira prédica de Quaresma: http://www.zenit.org/article-27696?l=portuguese



“Criou Deus, pois, o homem à sua imagem …” (Gn 1,27)

E Deus criou também a mulher à sua imagem.

Esta verdade precisa estar gravada em seu coração e em sua mente que a mulher é uma pessoa criativa, inteligente e racional.

A mulher é um reflexo da glória de Deus!

Este é o significado de ser criada à imagem de Deus. Refletir a imgem de Deus a outras pessoas. Todas as vezes que expressamos nosso amor, praticamos um ato de bondade, somos capazes de perdoar, demonstramos um pouco mais de paciência e cumprimos nossos deveres fielmente, as pessoas sentem a presença de Deus em nós.

Fomos criadas para viver em comunhão com Deus! A nenhuma outra criatura foi concedido o privilégio de ter comunhão com Deus senão aos seres humanos, a criatura que mais se assemelha a Ele.

Já que somos é um reflexo da glória de Deus, podemos fazer a diferença onde estamos, através de nossas escolhas, nosso modo de pensar, agir, sentir, decidir.

Deixemos então de nos preocuparmos com a imagem que fazemos de nós mesmas…Mas nos alegremos com a imagem que Deus tem de nós.

Deixemos se nos auto-criticar e nos sentirmos inferiorizada, mas alegremo-nos por termos sidos formadas de modo tão maravilhoso (Salmo 139,14)

É hora de buscarmos um relacionamento mais profundo com Deus , e de experimentarmos a alegria por Ele estar sempre tão perto de nós.

Trilhemos um caminho de fé, mesmo quando tudo nos parece impossível e difícil de se compreender. Deus esta conosco. Não caminhamos sós.

Somos filhos e filhas de Deus, por meio de seu Filho, Jesus Cristo, e ser um reflexo de sua glória e alegre-se por sermos pessoas escolhidas por Deus. Porque nossos nomes estão escritos nos céus.

Viver em comunhão com Deus por meio da oração e do estudo de sua Palavra, alegrando-nos na força que Ele nos dá diariamente e na sua esperança em cada manhã.

Somos amadas por Deus!

Cultive a alegria de ser uma mulher de Deus!

Deixe seu comentário

A tarefa fundamental da família é o serviço à vida

Segundo uma  pesquisa feita por cientistas de Glasgow, no Reino Unido O que deixa você feliz – pensar no sorriso do seu filho, passar horas brincando com ele ou vendo aquele DVD no sofá pela 10ª vez? Pois uma pesquisa realizada em na Universidade de Glasgow, no Reino Unido, acaba de comprovar: casais que têm filhos são mais felizes. E quanto maior o número de filhos, maior é a satisfação.

O coordenador da pesquisa, Luis Angeles, acredita que o resultado é simples de entender: quando responderam sobre as coisas mais importantes de suas vidas, a maioria das pessoas casadas colocou os filhos no topo da lista. E a influência das crianças na satisfação dos pais está relacionada à maneira com que a família passa as horas de lazer e a satisfação da família com a vida social. Confirma-se o ensinamento de Deus e da Igreja:

“A tarefa  fundamental da família é o serviço à vida. É realizar, através da história, a bênção originária do Criador, transmitindo a imagem divina pela geração de homem a homem.  Fecundidade é o fruto e o sinal do amor conjugal, o testemunho vivo da plena doação recíproca dos esposos” (Familiaris Consortio, 28).

Professor Felipe Aquino.
blog.cancaonova.com/felipeaquino

São João Bosco dizia:

Quereis que o Senhor vos dê muitas graças? Visitai-O muitas vezes. Quereis que Ele vos dê poucas graças? Visitai-O raramente. Quereis que o demônio vos assalte? Visitai raramente a Jesus Sacramentado. Quereis que o demônio fuja de vós? Visitai a Jesus muitas vezes. Quereis vencer o demônio? Refugiai-vos sempre aos pés de Jesus. Quereis ser vencidos? Deixai de visitar Jesus. Meus caros, a visita ao Santíssimo Sacramento é um meio muito necessário para vencer o demônio. Portanto, ide frequentemente visitar Jesus, e o demônio não terá vitória contra vós.

Quanto mais fracos nos sentimos em nossa sexualidade, em nossos pensamentos e vontade, tanto mais precisamos da Eucaristia comungada e adorada. Assim obteremos, em Jesus Sacramentado, toda força, coragem, ânimo e destemor de que precisamos.

Quando adoramos Jesus na Eucaristia, Ele nos injeta a salvação, purifica-nos e liberta-nos.

Que Jesus entre na sua casa e comece a reinar. Que o Santíssimo Sacramento se levante para abençoar o Brasil, o seu lar, seu casamento, seus filhos, sua maternidade e sua paternidade.

Deus abençoe você!

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

(Trecho do livro “Eucaristia, nosso tesouro” de monsenhor Jonas Abib)

TODOS TEMOS DIREITO A VIDA!

DEIXE SEU COMENTÁRIO… JUNTOS EM FAVOR DA VIDA!