A Chave do Paraiso

A Chave do Paraíso – Dom Bosco[1]

Um dia Deus disse a Moisés: Lembra-te bem de executar minhas ordens: e faze tudo de acordo com o modelo que te mostrei na montanha. A mesma coisa diz Deus aos Cristãos. O modelo que todo cristão deve copiar é Jesus Cristo. Ninguém pode gloriar-se de pertencer a Jesus Cristo se não se empenha em imitá-lo. Por isso na vida e nas ações de um Cristão devem-se encontrar a vida e as ações do próprio Jesus Cristo. O Cristão deve rezar, como rezou Jesus Cristo na montanha, com recolhimento, humildade e confiança. O Cristão deve ser acessível como era Jesus Cristo aos pobres, aos ignorantes, às crianças. Não deve ser orgulhoso, pretensioso nem arrogante. Faz-se tudo para todos a fim de ganhar a todos para Jesus Cristo.

O Cristão deve tratar o seu próximo, como Jesus Cristo tratava seus seguidores: por isso suas atitudes devem ser sempre edificantes, caridosas, cheias de gravidade, doçura e simplicidade.

O Cristão deve ser humilde, como foi Jesus Cristo, que de joelhos lavou os pés aos seus Apóstolos, e os lavou também a Judas, não obstante soubesse da perfídia de quem o havia de trair. O verdadeiro Cristão considera-se como o menor de todos, como servo de todos.

O Cristão deve obedecer, como obedeceu Jesus Cristo, que foi submisso a Maria e a São José, e obedeceu ao seu Pai celeste até à morte e morte de cruz.

O verdadeiro Cristão obedece aos seus pais, aos patrões aos superiores, porque neles reconhece a Deus, do qual fazem as vezes.

O verdadeiro Cristão ao comer e beber deve ser como Cristo nas bodas de Caná na Galiléia e de Betânia isto é, sóbrio, temperante, atento as necessidades alheias e mais preocupado com o alimento espiritual do que com a comida que lhe nutre o corpo.

O bom Cristão deve ser para seus amigos como era Jesus Cristo para S. João e S. Lázaro. Deve amá-los no Senhor e por amor de Deus; confia-lhes cordialmente os segredos do seu coração; e se pairem no mal, porá em ação todo o empenho para fazê-los voltar ao estado de graça.

O verdadeiro Cristão deve sofrer com resignação as privações e a pobreza, como as sofreu Jesus Cristo, que não tinha sequer um lugar onde apoiar a cabeça. Sabe tolerar as contradições e calúnias, como Jesus Cristo tolerou as dos Escribas e dos Fariseus, deixando a Deus o cuidado de justificá-lo. Sabe tolerar agravos e ultrajes, como fez J. C. quando lhe deram uma bofetada, lhe cuspiram o rosto e de mil maneiras o insultaram no Pretório.

O verdadeiro Cristão deve estar pronto para tolerar as penas do espírito, como Jesus Cristo quando foi atraiçoado por um dos seus discípulos, renegado por outro, e abandonado por todos.

O bom Cristão deve estar disposto a acolher com paciência qualquer perseguição, qualquer doença e também a morte, como fez Jesus Cristo, que com a cabeça coroada de pungentes espinhos, com o corpo lacerado pelas pancadas, com pés e mãos cravados de pregos, entregou em paz a sua alma nas mãos do seu Pai celeste.

De maneira que o verdadeiro Cristão deve dizer com o Apóstolo S. Paulo: (sic) Não sou eu que vivo mas é Jesus Cristo que vive em mim. Quem seguir a jesus Cristo conforme o modelo descrito, terá a certeza de ser um dia glorificado com Jesus Cristo no Céu, e de reinar com ele eternamente.                 

 

 

 

[1] Escritos Espirituais de Dom Bosco. Coordenação de Joseph Aubry. Editora Salesiana de Dom Bosco, São Paulo. p. 234-237.