Chamados a amar

Para ser bom e fazer o bem não existe dia, hora ou lugar. Todo dia, toda hora e em todos os lugares, deve-se fazer o bem, e fazer o bem sem olhar a quem. Mas, se tiver de fazer escolhas, opte pelos que mais necessitam.

O cristão é uma pessoa livre da opressão dos seus limites de criatura. Eles não impedem a sua relação pessoal com Deus, porque o próprio Deus a tornou possível em Jesus Cristo. O cristão está livre de qualquer vínculo que torne pesada a convivência humana: o seu único vínculo é o amor, que promove a vida de todos e anima a todos a fazer o bem. Como testemunhar este dom de liberdade? Um modo concreto é comportar-nos no dia a dia como Jesus se comportou, tornando visíveis nos nossos ambientes os atributos de Deus, tais como a misericórdia, o perdão, a benevolência. Mas esse estilo de relação com os outros, muito frequentemente, entra em choque com o da maioria das pessoas. Será que, viver em comunhão com Deus, nos afasta dos outros? Pode acontecer, porque a proposta de um amor que se dá inteiramente incomoda, enquanto que a riqueza, o poder e o sexo se apresentam como mais atraentes. Mas, o cristão, e particularmente o religioso, não podem hesitar na atitude de amar e perdoar…

Iniciemos essa semana com o firme propósito de ser pessoas melhores. Que possamos reparar cada falta cometida e ir ao encontro daquelas pessoas a quem ainda não conseguimos perdoar e amar verdadeiramente. Que possamos também nos esforçar para praticar obras de caridade, amor e misericórdia, ajudando as pessoas que nos pedem ajuda, ou as que vemos que estão passando por alguma dificuldade. Sejamos sensíveis ao sofrimento alheio. Somente assim demonstraremos o amor que existe em nós.