Estrutura da Missa: Liturgia da Palavra

O Rito da Palavra é a segunda parte da missa, e também a segunda mais importante, ficando atrás, somente do Rito Sacramental, que é o auge de toda celebração.

Iniciamos esta parte sentados, numa posição cômoda que facilita a instrução. Normalmente são feitas três leituras extraídas da Bíblia: em geral um texto do Antigo Testamento, um texto epistolar do Novo Testamento e um texto do Evangelho de Jesus Cristo, respectivamente. Isto, porém, não significa que será sempre assim; às vezes a 1ª leitura cede espaço para um outro texto do Novo Testamento, como o Apocalipse, e a 2ª leitura, para um texto extraído dos Atos dos Apóstolos; é raro acontecer, mas acontece… Fixo mesmo, apenas o Evangelho, que será extraído do livro de Mateus, Marcos, Lucas ou João.

2. Liturgia da Palavra

pós os ritos iniciais, se da inicio à Liturgia da Palavra. O costume de proclamar as escrituras na celebração é herança genuína da sinagoga e da forma como os judeus se serviam da Torá e dos profetas.

A finalidade da Liturgia da Palavra é realizar, hoje, o diálogo da aliança entre Deus e seu povo. Nesse dialogo nossa atitude é de escuta atenta e amorosa para que Deus possa falar dentro da realidade bem concreta de nossa vida.

Na Liturgia da Palavra, Cristo está realmente presente e atuante na Palavra proclamada.

Primeira leitura

Quase sempre a primeira leitura é tirada do Antigo Testamento, exceto no Tempo Pascal, quando se escolhe uma do Novo Testamento, sobretudo dos Atos dos Apóstolos. Mesmo ouvido os textos do Antigo Testamento, o Concilio Vaticano II nos ensina que é o próprio Cristo que fala (cf. Sacrosanctum Contilium, n. 7).

Salmo Responsorial

Os Salmos são orações que foram compostas ao longo da história do povo de Deus. Em cada salmo está expresso o sentido mais profundo de cada criatura humana em relação com Deus, manifestando: confiança plena nEle, gratidão, alegria, felicidade, bem como suas angustias e tristezas. O salmo é Palavra de Deus cantada. Quando não há alguém para cantar, então se lê, mas pelo menos o refrão deve ser cantado. Em hipótese alguma pode-se substituir o Salmo por outro canto qualquer.

Segunda Leitura

Nas Missas dominicais há sempre três leituras. Nas missas feriais, ou seja durante a semana, só há uma leitura, o salmo e o Evangelho. A segunda leitura sempre é um texto do Novo Testamento.  Esses textos propostos para segunda leitura destacam de modo especial os pontos fundamentais da fé e da vida da Igreja em seus inicios, tendo sempre como referencia a pessoa e a obra de Jesus Cristo, morto e ressuscitado.

Aclamação ao Evangelho

Antes da leitura do Evangelho, canta-se a aclamação. É o Aleluia, seguindo da antífona referente ao Evangelho do dia. Quando não for cantado poderá ser omitido (cf. IGMR, n. 63c). No tempo quaresmal substitui-se o Aleluia por outra antífona própria da quaresma.

Evangelho

O ponto culminante da Liturgia da Palavra é a proclamação do Evangelho. Nele, Cristo comunica sua Palavra de Salvação à Igreja reunida em assembleia. A proclamação do Evangelho é precedida de um diálogo inicial com a assembleia:

  • O Senhor esteja convosco.
  • Ele está no meio de nós!
  • Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo Segundo…

Nesse momento, a assembleia e aquele que proclama o Evangelho fazem juntos uma cruz sobre a testa, a boca e o peito. Não se trata da oração “Pelo sinal da santa cruz…”, mas sim de pedir a Deus que ilumine nossa inteligência para compreender a Palavra, abençoe a boca e coração parque a Palavra esteja guardada com fidelidade e depois explicada e vivida.

Nas Missas dominicais os Evangelhos estão divididos em três anos litúrgicos: Ano A (Mateus), Ano B (Marcos) e Ano C (Lucas). O Evangelho de João é narrado nas festas e ocasiões especiais. Durante a semana as Leituras são dividida em Ano Par e Ano ímpares.

Homilia

A homilia é parte integrante da ação litúrgica (cf. IGMR, n. 29) e deve estará serviço da Palavra. Ela tem como Fonte os textos bíblicos proclamados. A homilia deve server de ligação entre a Palavra proclamada, a celebração da Eucaristia e a vida da comunidade e de cada cristão. Também tem a função de formar e educar os irmãos na fé.

Profissão de fé

Também chamado Símbolo dos apóstolos, é a profissão pública e comunitária da fé cristã. É um resumo das verdades de fé professadas pelos primeiros cristãos e que hoje nós continuamos fazendo. É um rito onde os fiéis em pé renovam o compromisso de assumir sua vida iluminada pela Palavra do Senhor.

Oração dos fiéis

A oração universal ou oração dos fiéis é o momento em que a assembleia eleva seus pedidos ao Pai. A oração deve compreender as seguintes intenções: pelas necessidades da Igreja, pelos poderes públicos, pela salvação do mundo, pelos que sofrem qualquer dificuldade e pela comunidade local (cf. IGMR, n. 70)

Veja também:

Estrutura da Missa: Ritos Iniciais

Liturgia, Sagrada Ceia do Senhor: “O Mistério da Fé”


Padre Leandro Couto

Natural de Borda da Mata MG, membro da comunidade Canção Nova desde 2007. Atualmente na Missão Canção Nova Cuiabá MT.