Nascer requer coragem

Meu nome é Israel Teixeira Bianquim, casado e pai de um filho. Sou Missionário da Comunidade Canção Nova – Cuiabá – MT, há 6 Anos.

 Quero partilhar um pouco da minha vocação, neste mês onde a igreja celebra a vocações.
Venho de uma família muito simples, onde tivemos muitas dificuldades na vida. Teve dias que não sabíamos nem o que teríamos para nos alimentar de tanta dificuldade; tivemos a nossa casa alagada três vezes onde perdemos tudo e restou somente a roupa do corpo, mas sempre vendo o meu pai lutando para que tivesse o alimento diário.
Meus avós eram muito devotos de Nossa Senhora Aparecida onde se tinha o costume de rezar o terço no final do dia e o jejum nas sextas-feiras. Minha mãe era devota de São Sebastião e meu pai de Santa Luzia.

O caminho

O meu caminho com Jesus começou em 1990, onde comecei a catequese para a primeira Eucaristia. Comecei muito cedo a busca pelo Senhor pela convivência que se tinha na minha casa. Não tínhamos muito costume com a santa missa, sempre acompanhava pelo radio.

Em 1997 tive muitas dificuldades de saúde e fui acometido de pneumonia, apendicite e varias outras complicações. No hospital o senhor me fez despertar mais o desejo de segui-lo. Quando estava no hospital ouvia sempre o padre Jonas nos programas da madrugada. Fui buscando conhecer um pouco mais sobre a comunidade Canção Nova. O Senhor me fez enxergar o amor de Deus que tanto o padre dizia. E ali comecei a ser fiel a santa Missa e ao grupo de oração que tinha aqui na catedral, onde fui conhecendo a Renovação Carismática. Comecei a fazer seminário de vida no espírito, Escola Paulo Apóstolo. Me sentia muito bem com os irmãos, tinha muitas amizades boas e estava muito bem engajado na igreja.

A queda

Em 2005 fui esfriando na fé, onde comecei a ganhar melhor no meu trabalho, ter carro e pensando que podia tudo fui me afastando dos grupos de orações. Passei a conhecer novas amizades, comecei a beber, ia a santa missa somente aos domingos, até que me afastei de vez do grupo de oração. Foi uma fase muito difícil, onde coloquei som no carro, queria estar sempre com os amigos em churrasco, me afastei de Jesus por completo, ate que um dia cheguei em casa pela manha completamente bêbado. Ali encontrei minha esposa e filho me esperando, eu sem noção de nada, não me lembrava de família quando saia e com isso quase perdi esposa e filho para a bebida e amigos. Buscava preencher o vazio com amigos e bebidas.

O reencontro

Em 2009 sentado na sala da minha casa, sozinho, assistindo a Canção Nova pela TV, o padre Bruno foi dizendo que Jesus estava resgatando um jovem e ele até disse: você estava na cova dos leões, mas Jesus está te levantando hoje. Chorei muito, me deu um grande pânico porque Jesus me chamava para que eu voltasse para Ele e deixasse tudo. Mesmo assim, ainda tinha muita resistência e dúvida. Fui para a missa e chegando lá eu olhei para o padre, ele dava Jesus para o povo como um biscoito qualquer. Ali comecei a chorar sozinho por o senhor me pedia para que eu também levasse Jesus para quem precisava, mas não de qualquer jeito, mas com amor e zelo. Mesmo vendo os sinais de Deus em minha vida, ainda tinha resistência. Quando foi no dia 16 de novembro de 2009, estava dormindo e a TV do quarto ligou sozinha e estava na Canção Nova, ali o padre Roger disse não desligue, é pra você que estou falando. Jesus te chama, nascer requer coragem. Desliguei a TV, ela ligou novamente sozinha e o padre repetiu novamente, nascer requer coragem. Ali não tive mais dúvida que o senhor me queria. Retirei o som do carro, tirei tudo e vendi até o carro e nunca mais ouvi música secular, nunca mais a bebida, cerveja; deixei todos os amigos e fui atrás de Jesus. Fui atendido pelo padre Paulo Ricardo onde me indicou a Canção Nova. Busquei conhecer mais a comunidade, os irmãos, a forma que eles viviam; me apaixonei e vi que poderia ajudar onde morava. Tive muita ajuda, e a cada encontro que eu ia, voltava com vontade de ir mais além. Posso dizer sou feliz, realizado e não tenho dúvida na escolha que fiz de dar o meu tudo pelo Tudo que é Jesus. O Senhor me chama cada dia mais a saciar-me dele e comer do pão que não passa. Há um ano perdi meu pai. É nele, no meu pai, que hoje sinto mais forca para seguir e não parar, por que se ele tivesse desistido no inicio, eu não estaria aqui hoje. Com tantas dificuldades lutas sacrifícios, ele sempre acreditou em mim. Ele foi para junto do pai dia 31 de janeiro 2018, dia de Dom Bosco e a última palavra que ouvi do meu pai foi: “lutar sempre, desistir jamais; o meu lugar e o céu, lutar sempre”.