Os Dons e o Chamado de Deus são irrevogáveis

Meu nome é Neide Fernandes Pereira, tenho 55 anos. Natural de Santana da Ponte Pensa – SP, sou Celibatária e missionária na Comunidade Canção Nova – Missão Várzea Grande-MT, desde 2006, no modo de compromisso – Segundo Elo e grau de pertença Definitivo.

A minha história vocacional começou em 1974, quando eu tinha apenas 10 anos. Segundo a minha mãe, foram umas religiosas em visita à minha cidade – Limeira D’oeste – MG, e passando em minha casa eu queria por tudo ir morar com elas. Devido à idade os meus pais não aceitaram. Mudamos para Figueirópolis D’Oeste – Mato Grosso e aos 14 anos conheci as Irmãs Beneditinas da Divina Providência. Comecei o caminho de discernimento vocacional e queria muito entrar para o convento. Aos 16 anos ingressei no convento, mas era muito apegada aos meus pais e com medo de não mais vê-los, não consegui ficar por muito tempo, foram apenas alguns dias, fiquei muito doente e voltei para casa. Não entendi o que aconteceu porque era tudo o que eu queria.  Foi um tempo forte de formação onde vivia a castidade por amor a Jesus e trazia comigo a frase de São Domingos Sávio: “Antes morrer do que pecar”.

Aos 19 anos passei num processo seletivo para trabalhar na Secretaria Estadual de Saúde e resolvi desistir dos meus sonhos de ser inteiramente de Deus. Aos 26 anos passei no vestibular para o Curso de Engenharia Sanitária e assim tive a coragem de sair de casa para estudar.  Consegui transferência do meu serviço para Cuiabá e desta forma iniciei o meu estudo. Tendo desistido de ser totalmente de Deus, comecei a namorar e até fiquei noiva, mas esse não era o projeto de Deus para a minha vida. Existia um vazio interior que não entendia o que era. Em 1997 num acampamento de oração em Várzea Grande, onde estava o Pe Jonas pregando pude ter a experiência do amor incondicional de Jesus por mim. Eu olhava pra ele e dizia quem é esse homem que sabe tudo de mim.  Fui tomada por uma grande emoção e pude ouvir a voz do Senhor que me dizia “volta, você é minha”. Ali a semente foi semeada em meu coração. Sai daquele acampamento determinada a mudar de vida. O Senhor me conduziu de volta à Igreja, mergulhei no grupo de oração, me deixei formar na RCC, nos seminários de vida no Espírito, Escola Paulo Apóstolo e nos trabalhos na minha comunidade.

Em 2003 fui visitar o meu sobrinho na Canção Nova em Cachoeira Paulista em um acampamento de carnaval e eis que novamente me deparo com aquele pregador que foi canal de benção em minha vida e mais uma vez aquele olhar. Eu tinha a certeza que ele estava me chamando, então eu desviava os olhos, tinha medo dele me chamar ali, e o que responder. Foi uma experiência única aquele acampamento. Eu me lembro que ele pediu que anotássemos em nosso caderno: “03/03/2003, hoje eu venci a tentação”. Assumi aquela palavra em minha vida. Procurei um sacerdote que me atendeu e foi muito lindo. Ali começou o meu encantamento pela Canção Nova. A alegria daqueles jovens me encantava. O deixar tudo para evangelizar, a vida de santidade, oração, os acampamentos, tudo foi me ajudando a descobrir o Carisma em mim.

Em 2004 iniciei meu caminho de discernimento vocacional. Foram dois anos preciosos onde Deus agia de forma sobrenatural à medida que eu ia me deixando formar no Carisma. Ele me formava com a sua Palavra: Jeremias 7,3: “Eis o que diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: reformai vosso procedimento e a maneira de agir, e eu vos deixarei morar neste lugar”.  Eu assumi como uma ordem que eu deveria cumprir para receber a promessa que era morar neste lugar CN. Várias passagens bíblicas foram me formando dentro do carisma Canção Nova nesse período de discernimento vocacional: Filipenses 4,8 – “Além disso, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamento”.  Agindo assim, Deus estaria sempre comigo; II Coríntios 5,17 – “Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Passou o que era velho; eis que tudo se fez Novo”; João 3,17 – Todo aquele que crer em Deus não perecerá, mas terá a vida eterna”; Jeremias 31,3 – “Amo-te com eterno amor, e por isso a ti estendi o meu favor”; Salmo 131,14 – “É aqui para sempre o lugar do meu repouso, é aqui que habitarei porque a escolhi” . Nesse tempo mergulhei na leitura de livros sobre cura interior e fazia tudo aquilo que me era pedido. Deus se serve em tudo para sermos curados, então não perdi a oportunidade de me abrir para que ele agisse e a leitura foi o meio que Ele se utilizou. Os livros que me nortearam nesse período foram: Sim, Sim! Não, Não! ; Vocação: um desafio de amor; Roteiro Bíblico de Cura interior; A Cura da nossa Afetividade e Sexualidade; Reinflama o Carisma; O Céu começa em você; O Dom de si; A volta do filho pródigo; Os Santos que abalaram o mundo, etc.

Em 2006 me ingressei na Comunidade Canção Nova e em 2011 recebi um presente maravilhoso de Deus que foi a aprovação do meu primeiro compromisso provisório ao Celibato. Via claramente os desígnios de Deus acontecendo em minha vida. No dia 02 de fevereiro de 2014 fiz o meu Compromisso Definitivo como missionária na Comunidade Canção Nova e em 15 de agosto do mesmo ano pude realizar o meu Compromisso Definitivo de Celibato pelo Reino dos Céus. Tem uma frase que me acompanha desde quando fiz o meu primeiro caminho vocacional, não sei qual é o autor, mas a trago comigo: “Vocação é mistério. Somente um espírito livre, um coração nobre, uma consciência sensível será capaz de responder ao chamado”.

Estou na CN há 13 anos e sou feliz por realizar a vontade de Deus. Na minha vocação se concretizou o versículo bíblico do meu chamado: “Pois os Dons e o Chamado de Deus são Irrevogáveis” (Rm 11,29).

Neste mês vocacional somos chamados a dar uma resposta concreta a Deus. Somos uma Companhia de Pesca e pode ser que Deus esteja te chamando a ser pescador de almas. Não tenha medo de assumir a sua vocação. Aos 10 anos o Senhor me chamou, era apenas uma criança, o tempo passou, busquei outros caminhos, mas não era feliz, faltava algo em mim.Aos 42 anos ingressei na Comunidade. Foram 32 anos de espera do Senhor. Ele não desistiu de mim e não desistirá de você. Precisamos estar atentos à voz de Deus. Somente quando reconhecemos a nossa pequenez e deixamos Deus nos curar dos nossos medos, quando experimentamos o seu amor incondicional por nós, é que somos capazes de responder ao chamado. Deus usou do Monsenhor Jonas para me trazer de volta. Foi preciso entrar na forma, ser lapidada, para voltar a ser aquilo que o Senhor pensou para mim desde o ventre materno. Deixa o Espírito Santo te conduzir, clame o batismo no Espírito Santo, se lance para águas mais profundas. Somente seremos felizes se realizarmos a nossa vocação.