Solenidade de Corpus Christi

Nesta quinta-feira, dia 20, a Igreja Católica, em todo o mundo comemora o dia de Corpus Christi.

O Corpo e o Sangue de Cristo      presentes na Sagrada Comunhão.

O Papa Emérito Bento XVI, em Audiência Geral no dia 17 de novembro de 2010, nos apresentou Santa Juliana de Cornillon, monja agostiniana, nascida por volta de 1191 nos arredores de Liège, na Bélgica. Ele diz que “a Igreja deve um grande reconhecimento, não apenas pela sua santidade de vida, mas também porque, com o seu intenso fervor, contribuiu para a instituição de uma das solenidades litúrgicas mais importantes do ano, a do Corpus Christi”. Com apenas 16 anos ela teve uma primeira visão quando estava em adoração: “A visão apresentava a lua no seu mais completo esplendor, com uma faixa escura que a atravessava diametralmente. O Senhor levou-a a compreender o significado daquilo que lhe tinha aparecido. A lua simbolizava a vida da Igreja na terra, a linha opaca representava, ao contrário, a ausência de uma festa litúrgica, para cuja instituição se pedia a Juliana que trabalhasse de maneira eficaz: ou seja, uma festa em que os fiéis pudessem adorar a Eucaristia para aumentar a fé, prosperar na prática das virtudes e reparar as ofensas ao Santíssimo Sacramento”.  Aqui temos três motivos importantíssimos para participarmos da celebração de Corpus Christi: Aumentar a fé, prosperar nas práticas das virtudes e reparar as ofensas feitas ao Santíssimo Sacramento.

No ano de 1263, aconteceu na cidade de Bolsena, um dos milagres Eucarísticos mais importantes na história da Igreja e que motivou o Papa Urbano IV a instituir a Solenidade de Corpus Christi. Um sacerdote chamado Pedro de Praga tinha dúvidas sobre a presença de Cristo na Eucaristia. Enquanto celebrava a Santa Missa em Bolsena, sobre o túmulo de Santa Cristina, no momento da consagração começou a escorrer sangue da Hóstia consagrada, gotejando em suas mãos e descendo sobre o altar e o corporal. O Papa Urbano IV estava muito perto, em Orvieto e logo ficou sabendo do ocorrido.  Após investigação e confirmação de todos os fatos, o Papa ordenou ao bispo da diocese que trouxesse a Orvieto a Hóstia e o pano de linho contendo as manchas de sangue. Foi realizada uma procissão com grande pompa para introduzir as relíquias na catedral. O célebre corporal com os vestígios do milagre eucarístico ainda hoje está conservado e exposto na Catedral de Orvieto. A pedido do Papa, Santo Tomás de Aquino – que naquela época o acompanhava e estava em Orvieto – compôs os textos do ofício litúrgico desta grande festividade. “São textos que fazem vibrar as cordas do coração para expressar louvor e gratidão ao Santíssimo Sacramento, enquanto a inteligência, insinuando-se com admiração no mistério, reconhece na Eucaristia a presença viva e verdadeira de Jesus, do seu Sacrifício de amor que nos reconcilia com o Pai e nos confere a salvação”.

No dia 11 de agosto de 1264, o Papa Urbano IV, instituiu a Solenidade de Corpus Christi para toda a Igreja, na quinta-feira sucessiva ao Pentecostes, através da bula Transiturus de hoc mundo.

 

 Fonte: Papa Bento XVI, Audiência Geral (17 de novembro de 2010)