Dia Nacional da Juventude (DNJ), promovido pela CNBB, acontece neste ano pela 25ª. vez; além disso, 2010 foi declarado pela ONU como o Ano Internacional da Juventude. Portanto há motivos para um destaque e uma reflexão especial.

O Setor Juventude escolheu como tema – “celebrando a memória e transformando a história”. Os jovens recordam o percurso desses 25 anos de evangelização da juventude e querem assumir seu papel na transformação da história, seguindo os ensinamentos de Jesus Cristo anunciados pela Igreja. De fato, a fé cristã é uma enorme força e uma luz poderosa para iluminar e mudar a história; e cada geração de jovens é chamada a acolher e traduzir esta força renovadora, de forma criativa, na vida pessoal e social. Juventude é sempre promessa de novidade e esperança.

Também a Igreja espera isso mesmo dos jovens. A eles dizia o papa João Paulo II: “Vocês são o rosto jovem da Igreja!” A Igreja tem consciência disso e deseja voltar-se mais para os jovens, dialogar com eles e convidá-los a participarem da sua vida e missão. Sim, também os jovens cristãos são discípulos missionários de Jesus Cristo e o devem ser sobretudo, enquanto jovens, no meio dos seus companheiros de idade. Preocupa-nos o índice relativamente baixo dos jovens na vida e ação da Igreja. Temos muito a fazer!

O DNJ deste ano chama a atenção para o fato dramático da violência contra a juventude e até do extermínio de jovens. É uma triste realidade. As estatísticas mostram que é assustador o número de jovens assassinados em todo o Brasil. Muitas vezes, este fato doloroso tem relação com o envolvimento dos jovens no tráfico e no consumo de drogas. O consumo de drogas mata, mas também as redes de tráfico exterminam muitas vidas jovens, quer nas guerras de gangues, quer como “queima de arquivo”. É necessária uma séria reflexão da sociedade e das autoridades sobre este fato e sobre como ele pode ser superado. Certamente, a educação, as oportunidades de trabalho, a pertença a uma família e a um grupo de referência positivo são parte de solução e requerem investimentos e políticas públicas adequadas.

Mas não tudo se resolve por aí. Os jovens necessitam de sentido para sua vida e isso, muitas vezes, lhes é negado, ou passado de maneira equivocada. A Igreja, ao mesmo tempo que apóia e incentiva a oferta de oportunidades de educação e trabalho para os jovens, convida-os ao encontro com Jesus Cristo, caminho, verdade e vida. Ele é capaz de preencher a vida de sentido. O papa Bento XVI dizia aos jovens, logo no início de seu pontificado: Não tenham medo de deixar Jesus entrar em suas vidas: ele não lhes tira nada do que é bom, mas faz conhecer e valorizar aquilo que é grande e belo e que merece ser abraçado com entusiasmo!

Desde 1989, em média a cada 3 anos, está sendo realizada a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) com o papa; a última foi em Sidney, na Austrália, e a próxima será em Madrid, de 16 a 21 de agosto de 2011. E já estamos felizes por saber que, depois, em 2013 ou 2014, a Jornada acontecerá no Brasil! Por isso mesmo o Encontro na Espanha interessa muito à juventude e à Igreja no Brasil; muitos jovens brasileiros, de todas as dioceses, deverão estar presentes em Madrid, quer para aprender a metodologia da realização das Jornadas, quer para acolher o anúncio da Jornada seguinte, a ser feita no Brasil. E já vai acontecendo uma mobilização de organizações da juventude na Igreja em vista da participação na Espanha; de fato, é preciso pensar na viagem, na hospedagem, na definição de quem irá como representante dos grupos e organizações. Haverá uma delegação oficial do Brasil, mas também muitos outros jovens poderão ir, organizando-se espontaneamente. O mesmo também está acontecendo em outros países.

As Jornadas têm sido ocasiões muito ricas para os jovens do mundo inteiro e para o trabalho da Igreja com eles. Além da reflexão temática propriamente dita, cria-se uma interação positiva e a percepção de que há muitos jovens pelo mundo todo que estão no mesmo caminho de busca e se alegram juntos pelas respostas encontradas no encontro com Cristo e na participação na vida da Igreja. Vamos lá, juventude, é ocasião para não se perder! Os frutos serão abundantes!

Card. Odilo P. Scherer

Arcebispo de São Paulo

Artigo publicado em O SÃO PAULO, na ed. de 01.11.2010

 

Os Bispos Católicos do Regional Sul 1, da CNBB (Estado de São Paulo), no cumprimento de sua missão pastoral, oferecem as seguintes orientações aos seus fiéis para a participação consciente e responsável no processo político-eleitoral deste ano:


O poder político emana do povo.

Votar é um exercício importante de cidadania, por isso, não deixe de participar das eleições e de exercer bem este poder. Lembre-se que seu voto contribui para definir a vida política do País e do nosso Estado.

O exercício do poder é um serviço ao povo.

Verifique se os candidatos estão comprometidos com as grandes questões que requerem ações decididas dos governantes e legisladores: a superação da pobreza, a promoção de uma economia voltada para a criação de postos de trabalho e melhor distribuição da renda, educação de qualidade para todos, saúde, moradia, saneamento básico, respeito à vida e defesa do meio ambiente.

Acompanhe as outras orientaçãoes nas proximas postagens

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, profundamente consternada, comunica o assassinato do padre Gisley Azevedo Gomes, CSS, assessor nacional do Setor Juventude desta Conferência, ocorrido ontem, 15 de junho.  O crime está sendo investigado com empenho pela Polícia com o acompanhamento dos advogados da CNBB e da Congregação dos Sagrados Estigmas (Estigmatinos) à qual padre Gisley pertencia.
Ordenado em 29 de maio de 2005, padre Gisley estava na assessoria do Setor Juventude da CNBB há pouco mais de dois anos. Comprometido com a vida da juventude, organizava, juntamente com as Pastorais da Juventude do Brasil, a Campanha Nacional contra o Extermínio da Juventude que tem como lema “Juventude em marcha contra a violência”. Lamentavelmente ele foi vítima da violência que ansiava combater.
Esperamos confiantes que o crime seja apurado com eficiência e os culpados punidos com justiça. Lembrando a Campanha da Fraternidade que realizamos sobre a Segurança Pública, reafirmamos a urgência de toda a sociedade se mobilizar para por fim à violência que ceifa vidas tão precocemente.
Aos familiares e amigos do padre Gisley, à Congregação dos Estigmatinos, às Pastorais da Juventude do Brasil e aos Movimentos Juvenis a CNBB manifesta seu pesar e sua solidariedade, firmada na palavra do Evangelho que nos faz crer na Ressurreição. Cremos firmemente que, neste momento, padre Gisley, atendendo à voz do Cristo que disse: “Jovem, eu te digo, levanta-te!” (Lc 7,14), nasce para a vida eterna. Que Nossa Senhora Aparecida o acolha no Reino de seu Filho Jesus.

Brasília, 16 de junho de 2009

Dom Geraldo Lyrio Rocha                    Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Mariana                                  Arcebispo de Manaus
Presidente da CNBB                               Vice-Presidente da CNBB

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB