A Igreja celebra hoje (16 de julho) a memória de Nossa Senhora do Carmo; uma devoção tão querida do povo católico em todo o mundo, juntamente com a devoção do sagrado Escapulário. É muito antiga e conhecida a ordem dos Carmelitas, uma das mais antigas na história da Igreja. Suas raízes vêem do profeta Elias que viveu no monte Carmelo na Terra Santa.

Segundo a tradição carmelita, foi a 16 de julho de 1251 que a Virgem Maria teria aparecido a Simão Stock em Cambridge, na Inglaterra, lhe entregando o escapulário. Simão Stock era o superior geral dos Carmelitas, de vida santa e grande atividade apostólica.

Um acontecimento particular sensibilizou os devotos: “Os irmãos suplicavam humildemente a Maria que os livrasse das insídias infernais. A um deles, Simão Stock, enquanto assim rezava, a Mãe de Deus apareceu acompanhada de uma multidão de anjos, segurando nas mãos o Escapulário da ordem e lhe disse: “Eis o privilégio que dou a ti e a todos os filhos do Carmelo: todo o que for revestido deste hábito será salvo.”

Há uma tradição antiga do chamado “privilégio sabatino” de que as almas devotas do Escapulário, e que morrerem com ele, serão livres do inferno e livres do purgatório no primeiro sábado após a morte. Alguns papas recomendaram a devoção ao Escapulário. Numa bula de 11 de fevereiro de 1950, Pio XII convida a “colocar em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o Escapulário que está ao alcance de todos”: entendido como veste mariana, esse é de fato um ótimo símbolo da proteção da Mãe celeste, enquanto sacramental extrai o seu valor das orações da Igreja e da confiança e amor daqueles que o usam.

O Escapulário foi inicialmente uma vestimenta de trabalho dos monges beneditinos e se tornou o símbolo dos frades. Com o surgimento das Ordens Terceiras, ou seja, Ordens religiosas destinadas a leigos, agregadas a uma grande ordem monástica, apareceram grandes e pequenos escapulários como sinal de união àquele grupo religioso. Através da devoção do Escapulário muitas graças têm sido obtidas: há muitos testemunhos em todo o mundo de pessoas salvas da morte, de doenças, de perigos; casas livres de incêndio e assaltos, etc. ; os benefícios espirituais, a santificação dos devotos, muitas conversões através dos tempos, mostram que Nossa Senhora se serve deste sacramental para ajudar e salvar as almas.

É importante dizer que o Escapulário não pode ser usado apenas como um objeto “mágico” ou como um “amuleto que dá sorte”, mas supõe sempre a disposição do católico em cooperar com os auxílios da graça de Deus, evitando o pecado e observando os Mandamentos.

Fonte: blog.cancaonova.com/felipeaquino

Você que nunca recebeu a imposição do escapulário pode neste dia pedir para o padre de sua paróquia abençoá-lo e assim se revestir das promessas nele contidas.

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *