ago
07

A alegria de ser Pai

 

Família Fioramonte

A cada ano que passa comemoramos o dia dos Pais no segundo Domingo de Agosto. Uma data muito importante para de fato celebrar o dom da paternidade!

Como a palavra pai vem do latim pater, designava, originalmente, toda pessoa que dava origem a outro ser. Assim temos por excelência o nosso Pai do céu, aquele que nos criou e nos formou para ser sua imagem e semelhança e o lindo de tudo isto é que Deus quis que fosse assim, sermos fecundos e procriadores e participarmos desta linda obra de criação ao gerarmos filhos para Deus.

A palavra de Deus em Gn 1, 28b diz: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a!”

Hoje como pai há nove anos, com duas filhas (Camila e Maria Julia), a Gabriela que está para vir (já com sete meses na barriga da mamãe Benedita) e mais dois bebês no céu, tenho a imensa alegria de poder tocar nesta graça que é ser Pai.

Muitas vezes, me paro contemplando a Camila e a Maria Julia. Vejo as duas crescendo e se desenvolvendo, cada uma na sua fase, uma com oito e a outra com três anos, brincando, correndo dentro de casa, pulando, dando os seus “shows” de amor, de alegria ou de “arte”, cada uma com a sua criatividade para chamar a minha atenção e perceber que elas estão ali precisando da minha atenção, por diversas vezes me emocionei ao contemplá-las e ver o quão é lindo e ao mesmo tempo desafiante ser Pai.

Familia Fioramonte

 

 

Dar a elas o mais puro e genuíno amor para que se tornem pessoas sadias no caráter, na afetividade e sexualidade não é uma missão das mais fáceis, embora temos estes desafios, a alegria é muito maior, pois, conviver com elas me realiza como um homem e um Pai.

É algo fantástico ser pai, embora no mundo de hoje vemos uma sociedade que despreza o verdadeiro sentido da pessoa do pai. Pais que não entende o seu valor na formação e educação dos seus filhos, na importância afetiva e psíquica que o filho precisa receber para o crescimento e desenvolvimento na sociedade.

Vemos pais prostrados perdidos nos seus sentimentos egoístas sendo os filhos culpados pelos problemas que enfrentam na família, seja financeiro, no relacionamento, na educação, na sexualidade e muitos acabam vivendo a sua vida com um peso imensurável por causa dos seus filhos. Quantas vezes pais chegaram até mim para se queixar do filho ou da filha, ou em uma roda de conversa perguntam: “quantos filhos você tem”, “nossa três filhas…” e acham isso um absurdo, pois a primeira coisa que pensam é o financeiro e a liberdade que o pai e a mãe vão perder, pois vão ter que viver em função do filho. Dentro dos corações o Pai acaba trazendo esse sentimento de tristeza e deixa de curtir a família.

Posso dizer aos pais o quanto vale a pena dedicar a sua vida aos filhos, como é bom nas coisas ordinárias da vida fazer parte da vida deles. Na experiência que vivo com as minhas filhas o meu coração se alegra quando vou a escola buscar cada uma e quando me veem, vem correndo em minha direção dizendo: “papai, meu super papai, já estava com saudades de você…”, ou quando chego em casa e as duas vem disputar o colo, ou brincar de cavalinho, sair com elas para andar de bicicleta, ou até mesmo em situação em que elas se machucam ou estão doentes, buscam o papai para serem consoladas, como muitas vezes acontecem em casa com a Maria JuliaJimmy e Maria Julia que ao cair ela vem chorando em prantos pra dizer: “papai, está doendo muito” e eu respondo para ela já no meu colo: “deixa o papai dar um beijo que vai sarar”, o amor do papai até mesmo cura a dor de uma queda. Poderia dar muitos outros exemplos, mas tenho a certeza que você entendeu que a graça der ser Pai nos traz uma alegria imensurável quando somos capazes de tirar os olhos de nós mesmo e ver que em nossa casa temos filhos para ser amados.

Jimmy Fioramonte

Missionário Com. Canção Nova

Resp. Famílias em Pé

“Joelhos no chão, famílias em pé”

set
18

Pare, olhe e escute!

 

Hoje o Senhor quer alguns minutos de sua atenção. Pare…olhe e escute!

Foto1155

Não sei como você se encontra, ao ler esse texto. Mas sei que foi o Senhor que te trouxe até essa página, porque simplesmente Ele quer te falar.

Nas tribulações do dia, nem sempre temos tempo para escutar o silêncio que nos é proposto pelo Senhor e oferecido pela natureza. A agitação interior é sempre muito grande e sufoca toda e qualquer oportunidade de parar, olhar e escutar.  Como a placa que sempre se encontra num cruzamento de uma estrada de ferro. Não queremos nunca estar nos carros que cruzam os trilhos. Queremos sempre ser a locomotiva que vem “desembestada”, empurrada pelo combustível da pressa.  Mas hoje o Senhor quer alguns minutos de sua atenção. Pare…olhe e escute!


” Só em Deus repousa minha alma, só Dele me vem a salvação. Só Ele é meu rochedo, minha salvação, minha fortaleza: jamais vacilarei. Até quando juntos, atacareis o próximo para derrubá-lo como a uma parede já inclinada, como a um muro que se rachou? Nosso refúgio está em Deus. Os homens não passam de um sopro, e de uma mentira os filhos dos homens. Numa só palavra de Deus compreendi duas coisas: a Deus pertence o poder, ao Senhor pertence a bondade, pois vós dais a cada um segundo suas obras.” (Salmo 61) 

Seguir com retidão a estrada que o Senhor nos propõe, requer coragem, obediência e renúncia. Mas no fim de cada trajeto, teremos pequenos oásis, com a água fresca do Espírito Santo e com o alimento sólido da Santa Eucaristia.  Que você e sua família possa fazer o exercício constante de atravessar a estrada de ferro com segurança. A segurança de quem para, olha e escuta antes de atravessar o caminho. 

Deus abençoe sua família!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
editoria@cancaonova.com
“Joelhos no chão, famílias em pé!”

 

 

 

 

set
08

Matrimônio e Comunhão

casal solOlá família! Hoje trago um trecho do documento de São João Paulo II, dedicado às famílias. A Exortação Apostólica FAMILIARIS CONSORTIO, fala diretamente à família cristã no mundo hoje. O trecho tem como subtítulo “O matrimónio e a comunhão entre Deus e os homens”.
Descrevo aqui alguns artigos importantes para nossa reflexão familiar. “A comunhão de amor entre Deus e os homens, conteúdo fundamental da Revelação e da experiência de fé de Israel, encontra uma sua significativa expressão na aliança nupcial, que se instaura entre o homem e a mulher.  É por isto que a palavra central da Revelação, «Deus ama o seu povo», é também pronunciada através das palavras vivas e concretas com que o homem e a mulher se declaram o seu amor conjugal. O seu vínculo de amor torna-se a imagem e o símbolo da Aliança que une Deus e o seu povo. E o mesmo pecado, que pode ferir o pacto conjugal, torna-se imagem da infidelidade do povo para com o seu Deus: a idolatria é prostituição, a infidelidade é adultério, a desobediência à lei é abandono do amor nupcial para com o Senhor.  Mas a infidelidade de Israel não destrói a fidelidade eterna do Senhor e, portanto, o amor sempre fiel de Deus põe-se como exemplar das relações do amor fiel que devem existir entre os esposos.”  Te convido a refletir sobre o que o mundo tem pregado sobre família, em novelas, programas humorísticos, no dia a dia nas escolas e universidades. Refletindo sobre esses aspectos, também te provoco a fazer um paralelo com o que tem nos pedido o Nosso Senhor Jesus Cristo, através dos Evangelhos, das cartas de São Paulo.  A escolha do rumo a ser tomado precisa ser feita com o auxilio de nosso Senhor.  E se você decide algo sozinho e longe de Deus, pode está colocando um ponto final em seu matrimônio, em sua relação pessoal com Deus e com sua salvação. Não se renda a idolatria, a desobediência e infidelidade. Seja forte e corajoso e vença em Cristo.

Deus abençoe sua família!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
blog.cancaonova.com/folhaseca
“Joelhos no chão, Famílias em pé!”

ago
11

CASAS RECONSTRUÍDAS

“Em cima dos alicerces antigos, vocês reconstruirão cidades que tinham sido arrasadas. Vocês serão conhecidos como o povo que levantou muralhas de novo, que construiu novamente casas que tinham caído.” (Is 58, 12)  Esta foi a Palavra que o Senhor deu para nós que estamos a serviço, em missão, no Projeto “Famílias em pé”; ao dar esta Palavra a um irmão que orava pelo projeto, o Senhor quis confirmar nossa missão que é a de rezar pela salvação das famílias e também visita-las em suas casas, que na maioria está sendo atacada pelo inimigo de Deus. Quantas famílias em ruínas, quantos casais, filhos, familiares sendo provados na sua afetividade, na sexualidade, nos relacionamentos, no trabalho…  Ao visitarmos as famílias e conhecermos um pouco da história de cada uma, percebemos as famílias fragilizadas, desistindo do projeto de Deus que é ver marido, esposa e filhos se amando, se ajudando, cuidando um do outro e cumprindo os mandamentos do Senhor.  Percebemos, na sua maioria, que o que falta na vida deles é o conhecimento da fé, uma vida de oração e de intimidade com Deus que resultam no “deixar-se conduzir por Ele”.  O mundo tem oferecido muitas coisas “aparentemente” boas, que iludem e estragam as famílias; estas “coisas” vão entrando na vida dos nossos familiares pelas brechas que cada pessoa dá ao inimigo de Deus. Um dos maiores atrativos e que leva as pessoas para o “buraco” são as novelas, infelizmente… são elas que iludem as pessoas com falsas alegrias, que as  “embriagam” a ponto de leva-las a se comportarem como os personagens das estórias apresentadas pela TV.  Quando menos se espera, o mal já entrou nas suas casas, nas suas vidas pois foram estimulados pelo conteúdo televisivo. As pessoas começam a achar legal (e até começam a torcer pelos erros ou pecados) ao ver a esposa trair o marido e vice-e-versa porque é um(a) chato(a), porque envelheceu ou, simplesmente, porque não quis fazer o que esta pessoa tinha vontade… a mãe põe o filho fora de casa porque está malcriado ou está se drogando, quando na verdade, na sua maioria, o jovem faz isso porque está carente de atenção ou amor… mães incentivam filhos e filhas a transarem em casa com os namorados porque acham melhor do que fazerem isso na rua, longe dos seus olhos, quando na verdade fazem isso porque acham mais fácil do que gastar tempo para educa-los, do que se doar para forma-los… quando menos percebemos estamos TORCENDO para que dê certo tantas coisas que vão contra a moral, a ética, os bons costumes, pior… que vão contra os preceitos de Deus.
O que precisa, na verdade, é que as pessoas se amem sem medida, ou do modo que Deus nos ama: incondicionalmente. O Senhor não desiste de nós quando erramos, quando pecamos quando fazemos aquilo que não o agrada ou que o entristece; pelo contrário, Ele nos perdoa, Ele nos levanta das quedas, Ele nos entende, Ele nos acolhe em seu coração misericordioso. ELE NOS SALVA E LIBERTA DE TODO MAL. Por isso Ele suscitou na Canção Nova o projeto “Famílias em pé”. Para que pessoas que já tiveram esse encontro pessoal com Deus possam ir até as casas de outras pessoas necessitadas de ter essa experiência com o amor de Deus e com o Espírito Santo, para então iniciarem esta vida de oração e de seguimento do Senhor e para O buscarem na igreja. Tendo esta experiência com o Senhor, estas pessoas se colocam de pé novamente, como soldados em ordem de batalha e retomam o projeto de vida que Deus sonhou para cada um.
Nós do “Famílias em pé” queremos, sim, contribuir para a reconstrução das casas, dos lares, das famílias, e isso é possível pela graça de Deus. Contem conosco.

“JOELHOS NO CHÃO, FAMÍLIAS EM PÉ”
Nice Beraldo
Membro da Comunidade Canção Nova

jul
07

Quase Prata!

Foto1122Ter alguém que te conhece é presente do céu! Alguém que sabe onde dói a sua dor! Alguém que te motiva na desmotivação do mundo! Alguém que te entende nos desentendimentos da vida! Alguém que colhe suas lágrimas nas decepções do caminho! Alguém que te aponta os buracos da estrada! Alguém que te desperta todos os dias para o recomeço. Alguém que te mostra o prateado da lua nas noites escuras. Alguém que ao pegar sua mão te revela segredos do coração. Alguém que te aperta o peito, quando também está triste! Alguém que te decifra o perfume das flores, quando não você não sente os odores do jardim. Alguém que se sente completa e te completa todos os dias. Alguém que Deus escolheu para ser na vida o que ninguém mais pode ser. Alguém que forma contigo, nesses 24 anos de união, um casal quase de prata! Alguém que acredita na longevidade do amor que temos um pelo outro e que será um dia casal de ouro.

Deus abençoe nossas famílias!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com

jun
18

TUDO PELA FAMA!

Durante todo o dia 22 de janeiro desse ano, o vídeo mais acessado no youtube foi o desse bebê, correndo sérios riscos de despencar do 9º andar do prédio onde mora. Um cinegrafista amador, ficou pelo menos 10 minutos filmando o menino andando de um lado para o outro.

bebe_janela

De imediato, quando se vê o vídeo (agora retirado pela família da criança), se pensa na irresponsabilidade dos pais. Mas depois de dois ou três minutos de cena, me veio um sentimento de grande indignação. Como alguém consegue ficar mais de 10 minutos com uma câmera ligada esperando que uma tragédia aconteça e destrua para sempre o emocional de uma família? Que sentimento é esse de conseguir filmar o vídeo mais acessado na internet. É só um retrato de como o ser humano está ficando em segundo plano, quando se trata de conquistar fama, sucesso, notoriedade.  A criança, felizmente foi puxada por alguém da casa, que dava gritos de desespero ao deparar com a cena, que acabou bem. Mas a atitude desse cinegrafista amador, revela bem como as pessoas estão.  Fui dormir com uma pergunta martelando minha cabeça. Por que essa criatura não gritou alguém da casa ou tentou chamar a atenção dos vizinhos? Acho até que tenho a resposta.  Para que ele conseguisse uma imagem inédita. A de uma criança que caiu do 9º andar. Que o Senhor nos tire desse frieza de sentimentos e nos mergulhe na nobreza de valorizar primeiro o próximo.

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com

jun
09

Ser o que Deus quer!!

mãos de fogoOnde você coloca suas prioridades? Conta a história que dois amigos meninos, eram vizinhos e  filhos de pais com realidades financeiras bem diferentes. Um era muito paparicado, cheio de vontades. Bastava uma “birrinha” para convencer o pai e a mãe a correrem atrás de suas vontades. Este era filho de pais bem sucedidos e com muita estabilidade financeira.  Com o outro a infância não era moleza e seus pequenos sonhos de consumo, levavam anos para se realizar. Este era filho de trabalhadores simples e assalariados. O primeiro era motivado a estudar bastante e ter a certeza de que precisava ganhar muito dinheiro na vida para ser feliz. O segundo era estimulado a ser criativo e ser feliz na profissão que escolhesse, mesmo se não ganhasse muito dinheiro. Os anos se passaram e os dois avançaram na vida. Estudaram, se formaram. O primeiro seguiu as orientações dos pais e passou a ganhar muito dinheiro. Alguns tostões de forma duvidosa, mas ganhava e conquistava tudo que queria materialmente e de forma muito rápida.  O segundo também foi buscar nas orientações dos pais a vitória em sua vida. Não demorou muito a descobrir a profissão que o realizava, o fazia feliz. O salário era digno e com muito empenho ia conquistando seus bens materiais. Alguns levaram até 30 anos para serem realizados.  Os dois casaram, tiveram filhos e deram orientações parecidas com as que receberam dos pais. Na pai_filhovelhice esse dois meninos amigos voltaram a se encontrar. O primeiro trazia no olhar uma insatisfação constante. Nada o satisfazia, queria sempre mais e murmurava por não ter mais saúde física para avançar em suas conquistas materiais.  O segundo sorria com os olhos. Sempre aceitou as dificuldades como riquezas e oportunidades para o crescimento como pessoa. Ensinava ao primeiro que a ordem natural da vida é impossível de ser alterada e que era preciso alterar a rota de realizações,  por causa da idade, que  já os impediam de conquistá-las.  O primeiro chorou e descobriu que passou a vida inteira tentando preencher um vazio interior. O segundo também chorou, por descobrir que passou a vida inteira sem perceber que seu amigo nunca permitiu a entrada de Deus em seu coração.  Precisamos aprender a valorizar as coisas simples e tirar delas a certeza de que se nos falta algo é porque esse algo pode não nos fazer melhores.  “De que vale ao homem ganhar o mundo inteiro se vem a perder a vida eterna?” (Mc 8, 34). Termino com as palavras do Papa Francisco, proferidas neste domingo.

Índice” O mundo nos diz: a alegria, a felicidade, a diversão, este é o belo da vida. E ignora, olha para o outro lado quando existem problemas de doença, de dor na família. O mundo não quer chorar, prefere ignorar as situações dolorosas, encobri-las. Somente a pessoa que vê as coisas como são, e chora no seu coração, é feliz e será consolada. A consolação de Jesus, não a do mundo. Bem-aventurados os mansos neste mundo que, desde o início, é um mundo de guerras, um mundo onde há desavenças em todos os lugares, onde há ódio. E Jesus diz: nada de guerras, nada de ódio. Paz e mansidão.
Se sou manso na minha vida, disse o Papa, “pensarão que sou tolo”. Podem até pensar, prosseguiu Francisco, “mas se trata de ser manso, porque com esta mansidão receberá a Terra como herança. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, bem-aventurados os que “lutam pela justiça, para que haja justiça no mundo”. “É tão fácil – advertiu – entrar nas redes da corrupção, daquela politica cotidiana de que tudo é negócio”. E “quantas injustiças, quantas pessoas que sofrem por causa disso. E Jesus diz: “São bem-aventurados os que lutam contra essas injustiças”. Bem-aventurados os misericordiosos, porque encontrarão misericórdia. Jesus, observou Francisco, não diz “bem-aventurados os que se vingam”:

Bem-aventurados os que perdoam, misericordiosos. Porque todos nós somos um exército de perdoados! Todos nós fomos perdoados. E por isso é bem-aventurado quem empreende esta estrada do perdão. Bem-aventurados os puros de coração, que têm um coração simples, puro, sem sujeira, um coração que sabe amar com aquela pureza tão bela. Bem-aventurados os que promovem a paz. Mas é tão comum aqui ser agentes de guerras ou pelo menos agentes de mal-entendidos! Quando eu ouço algo de alguém e conto a outra pessoa, também faço uma segunda edição um pouco mais longa e a refiro … O mundo das intrigas. Essas pessoas que comentam, não fazem paz, são inimigas da paz. Não são bem-aventuradas.”  Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014

Deus Abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com
“Joelhos no chão, Famílias em pé!”

 

 

maio
29

Andar Sem Pernas!!!

cadeiranteUm dia desses, fui visitar um amigo e percebi como tem sido difícil pra ele viver numa cadeira de rodas. Mas o cara não se entrega. Tem sempre um sorriso vivo e que preenche toda a falta de mobilidade que encontra em seu dia a dia.  Ele deve voltar a andar logo, mas tem enfrentado meses de grandes obstáculos. Vou enumerar alguns que esse amigo experimentou ou experimenta, mas que pode muito bem se encaixar na minha e na sua realidade. Mesmo que não estejamos em uma cadeiras de rodas.  1) Solidão;  vive a maior parte do tempo sozinho, principalmente a noite. 2) Tédio; depois de uma vida bem ativa, agora passa mais tempo na sala da casa.
3) Constrangimento;  nem sempre consegue se levantar sozinho quando cai de costas e tem sempre que apelar pra um amigo de verdade, para socorrê-lo.  4) Humilhação; devido a seu tamanho é XG,  já passou “apertos” em banheiros de hospitais, tamanho P. 5) Desânimo;  nem sempre consegue ir onde quer, na hora que precisa e com isso até as pequenas realizações, não acontecem.  Essa história, tinha tudo para ter um final triste. Mas não estou falando de um homem qualquer. Nestes meses de luta, que vejo travar todo dia, esse amigo me edifica. Está sempre superando os obstáculos, sempre dando um sorriso para cada tombo que leva, sempre inventado motivos para vencer o tédio, sempre acreditando que é sofrendo as demoras do Senhor, que alcançará a purificação ideal para testemunhar com a própria vida. Esse amigo é viúvo desde 2008, mora sozinho numa cidade pequena, tem vários amigos que considera irmãos. Mas o principal, que o faz andar sem pernas todos os dias, é sua fé e sua esperança de que Deus tem sempre o melhor pra nós.  Não sei o que você tem vivido…só sei que as dores não são para sempre… a esposa não é para sempre… o marido não é para sempre…os amigos não são para sempre…nem as pernas são para sempre.  Deus sim, Este é para sempre. Então não perca a esperança. Afinal existe alguém que te ama pra valer e foi capaz de morrer por você!

Deus Abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com
“Joelhos no chão, família em pé!”

 

mar
12

Quem faz sua história?

O que tem dividido seus sentimentos? O que tem te levado a renunciar bons relacionamentos com familiares, amigos e pessoas do seu trabalho? Será que somos capazes de reconhecer nossos erros e voltar atrás?  Resolvi começar esse “post” com questionamentos práticos que precisam sempre rondar nossa vida. Somos sempre convidados a viver dois mundos. Um com retidão e em Deus. Outro com buscas desnecessárias, que nos afastam da simplicidade, da humildade e principalmente de Deus.  É comum em nossas visitas de oração lembrarmos que uma família, pra se manter de pé, precisa dobrar os joelhos. Tanto que a frase que marca nossa missão é: “Joelhos no chão, Famílias em pé!”  Não tem outro caminho nesse mundo onde estão querendo reinventar relacionamentos afetivos, sexuais e morais.  É preciso pedir ao Senhor todos os dias, a graça de um novo batismo no Espírito Santo, afim de que seus dons nos ajudem a enxergar aquilo que o mundo não quer que enxerguemos.  Cheios do Espírito Santo somos capazes de amar, até mesmo quem não nos ama mais.  Porque ficamos cheios de discernimento, sabedoria, fé e compaixão. Não dá pra ficar se alimentando só de coisas impuras, isso gera infecção, mal estar e até morte.  Se posso experimentar e buscar só coisas saudáveis, porque permanecer naquilo que me infecciona.  Alguém infeccionado se torna inflamado, inflamado se torna insuportável, insuportável se torna solitário. E um dia, sem família, sem amigos, sem vida de oração, esse alguém terá uma grande ferida chamada carência afetiva.  E se ela não se deixar curar pelo Espírito Santo, pode padecer e nem sequer, ser encontrada no dia de sua “partida”.  Termino lembrando da história de um homem de uma cidade Capixaba. Ele era alguém que experimentou muita coisa ruim no mundo. Apesar da rebeldia, que floreceu na juventude, era um amante da cultura, mas confiava muito em pessoas que caminhavam longe de Deus e cheias de interesses próprios. Um dia um de seus projetos culturais não foi aprovado e sem verba para executá-lo, se entregou a solidão e a depressão.  Sem forças pra lutar e sem amigos, foi visitado pela morte.  Seu corpo foi encontrado alguns dias depois em estado de decomposição em um canto escuro de seu pequeno “barraco”.  Uma história de final triste e como muitas outras que ainda estão em “cartaz”! Mas é sempre bom lembrar que é o personagem principal quem decide seu final de sua história.

Deus abençoe!

flor igreja

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
editoria@cancaonova.com
“Joelhos no chão, Famílias em pé!”

mar
10

"ASCENDA" SEMPRE!

Hoje trazemos um recado importante para as famílias. Principalmente aquelas que começam a enfrentar problemas de relacionamento, afetividade e sexualidade. Casais que estão em crise e vendo o casamento ruir por pura rebeldia de uma ou ambas as partes.  O recado que trazemos é do Mons. Jonas Abib, fundador da Comunidade Canção Nova. O alerta é muito importante e pode ser que você identifique algumas situações, citadas por ele, em sua vida.  Leia atentamente e no final voltamos a nos falar.
“Irmãos, nós estamos sendo arrastados pela onda de loucura do mundo. Nós queremos fazer como os artistas fazem, como as novelas fazem, e acabamos destruindo a nossa família. Isso é loucura!  Muita gente de Igreja, de comunidade, de grupos estão caindo nessa armadilha. Eu tenho de lhes dizer, com franqueza, que isso é uma loucura, meu irmão. Cuidado com esse “vírus” que o mundo espalha em nossa vida! A nossa sociedade pegou uma “virose”, o “vírus da rebeldia”, e por causa dele as pessoas buscam a independência de Deus.

Deixe-me dar-lhe um exemplo: esse “vírus” é como uma gripe. É uma doença chata, porque perdemos o paladar, a nossa comida perde o sabor e nós a deixamos de lado. A gripe nos derruba. Mas o que causa tudo isso? Um vírus bem pequeno”.   Se o “vírus da rebeldia” pegar você, sua família se tornará chata, seu casamento não prestará mais, não terá mais sabor. Mas, na verdade, não é o seu casamento que perdeu o sabor, é você quem pegou o tal “vírus”. O seu casamento não é uma desgraça.  Crie juízo! Será preciso você pegar AIDS para entender o perigo?  Não continue participando dessa loucura, dessa sociedade que pediu a independência de Deus. Meu filho, nós precisamos romper com esse círculo vicioso custe o que custar.   “Eu e minha casa serviremos a Deus” (Js 24,15).
Vejo nesse texto uma “lanterna” potente e com bateria nova, pronta para ser usada no túnel escuro em que você se encontra. Ascenda, não só sua lanterna, mas ASCENDA literalmente para uma vida nova. Foi para crescer como pessoa, como esposo ou esposa, como filhos de Deus, que o Senhor nos colocou aqui.

Deus abençoe e lhe dê a coragem de “ascender”!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
editoria@cancaonova.com
“Joelhos no Chão, Famílias em Pé!”

Posts mais antigos «