Tenho recebido vários e-mails de jovens que me perguntam como deixar o vício de estar na frente do computador vendo sites pornográficos.

Sabemos que também há muitos filmes e revistas pornôs. Para muitos, isso já se tornou um vício, especialmente porque a Internet facilita muito esta atividade negativa. More »

Muitos jovens sofrem com o vício da masturbação, sobretudo hoje, com o aumento significativo de conteúdo pornográfico disseminado pela internet, TV, celular, entre outros meios.

Neste vídeo, o Prof. Felipe Aquino explica como vencer o vício. More »

Uma dúvida frequente, principalmente dos jovens, é se a masturbação é pecado.

Confira neste vídeo o que o Prof. Felipe Aquino tem a dizer sobre isto: More »

Os jovens e o sexoA castidade é uma das maiores disciplinas, sem a qual a mente não pode alcançar a firmeza necessária

Tenho recebido muitos e-mails de jovens que me perguntam como viver a castidade no namoro; como vencer o vício da masturbação, etc.. Certamente para o jovem cristão hoje, no meio deste mundo erotizado, viver a castidade é uma conquista heroica; pois tudo o convida a viver a vida sexual antes do casamento.  Os filmes pornôs são abundantes nas locadoras, nos canais de TV por assinatura; as músicas estão repletas de letras excitantes; os rebolados indecorosos de moças seminuas na tv , etc., lançam pólvora no sangue dos jovens.

Então, para se viver na castidade hoje, como Deus manda no sexto Mandamento (Não pecar contra a castidade), o jovem precisa ter muito amor a Deus. Só trocamos um amor por outro maior, diz o ditado. Só o amor a Jesus crucificado por nós poderá ser para o jovem de hoje um forte motivo para ser casto e aceitar o que o Papa Bento XVI tem chamado de “martírio da ridicularização”, diante dos que zombam de nossa fé. Continuar lendo…

Controle da natalidade – contracepção – método natural

Com base na Encíclica do Papa Paulo VI (1967), a Igreja ensina que: “A continência periódica, os métodos de regulação da natalidade baseados na auto-observação e nos recursos aos períodos infecundos (HV 16) estão de acordo com os critérios objetivos da moralidade. Estes métodos respeitam os corpos dos esposos, animam a ternura entre eles e favorecem a educação de uma liberdade autêntica. Em compensação, é intrinsecamente má “toda ação que, ou em previsão do ato conjugal, ou durante a sua realização, ou também durante o desenvolvimento de suas consequências naturais, se proponha, como fim ou como meio, tornar possível a procriação.” (HV, 14) Continue lendo…