A resposta que damos a Deus hoje incide no nosso futuro

Comentários desativados em A resposta que damos a Deus hoje incide no nosso futuro

Neste dia 31 de Dezembro, como é tradição, o Papa Francisco presidiu às 17 horas, na Basílica de São Pedro, à celebração das primeiras Vésperas da celebração litúrgica do dia 1 de Janeiro concluindo com o cântico de Te Deum em ação de graças pelo ano de 2013.A resposta que damos a Deus hoje incide no nosso futuro

Na homilia, o Papa Francisco disse que o Apóstolo João define o tempo presente como “a última hora”. Disse que isto significa que, com a vinda de Deus na História, estamos já nos últimos tempos depois dos quais será a segunda e definitiva vinda de Jesus. Não haverá, contudo – disse – uma segunda revelação, mas sim a plenitude dos tempos, plenitude de significado e salvação, ou seja a manifestação plena daquilo que Jesus nos revelou; significa que “cada momento da nossa vida é definitivo e cada uma das nossas ações estão carregadas de eternidade”. Com efeito – disse ele – “a resposta que damos hoje a Deus que nos ama em Jesus Cristo, incide no nosso futuro”. Disse ainda que “Cada ano que passa nos leva para essa meta de esperança e felicidade, porque encontraremos Deus, razão da nossa esperança e fonte da nossa alegria”.

Depois das reflexões de carácter mais teológico o Papa frisou que nesta chegada de fim de ano nos perguntamos como vivemos o tempo que Deus nos deu, o usamos só para os nossos interesses ou para os irmãos, e quanto tempo dedicamos a Deus em oração, no silêncio?

E tratando-se duma cerimônia dedicada essencialmente à cidade de Roma, o Papa Francisco recordou que a qualidade de vida na cidade depende dos seus cidadãos – acrescentando:

“Roma é uma cidade de uma beleza única. O seu patrimônio espiritual e cultural é extraordinário. No entanto, também em Roma há pessoas marcadas pela miséria material e moral, pessoas pobres, infelizes, sofredoras, que interpelam a consciência não só dos responsáveis públicos, mas também de cada cidadão.”

E ainda disse:

“Roma é uma cidade cheia de turistas, mas também de refugiados. Roma está cheia de gente que trabalha, mas também de pessoas que não têm trabalho ou que desempenham trabalhos mal pagos e por vezes indignos: Mas todos têm direito a ser tratados com a mesma atitude de acolhimento e equidade, porque cada um é portador da dignidade humana”.

O Papa Francisco concluiu a sua homilia dizendo que a Roma do novo ano terá um rosto mais belo, se for mais rica em humanidade, hospitalidade, acolhimento, se todos – sublinhou – “formos mais atentos e generosos em relação às pessoas em dificuldade; se soubermos colaborar com espírito construtivo e solidário para o bem de todos. (…) Se não houver pessoas que olham tudo da varanda sem se deixar envolver nas vicissitudes da humanidade.”

E o Papa incitou a Igreja de Roma a empenhar-se em dar o próprio contributo para o melhoramento da vida na cidade, animando-a com o fermento do Evangelho, e ajudando-a a ser sinal e instrumento da misericórdia de Deus.

Por fim o Papa encorajou todos a concluir o Ano de 2013 agradecendo ao Deus, pedindo perdão e iniciando uma nova etapa da nossa peregrinação terrena com a ajuda de Nossa Senhora Mãe de Deus, cujo nome se celebra no dia 1 de Janeiro.

@edisoncn

Comments are closed.