Em quem tenho fixado meu olhar?

1 Comment

Quero iniciar este artigo com o que Santa Tereza D‘ávila expressa sobre o desejo que Deus tem de que cada pessoa encontre a si mesmo a partir Em quem tenho fixado meu olhar?d’Ele:

Alma, buscar-te-ás em Mim,

E a Mim, buscar-Me-ás em ti.[1]

Quem se encontra a partir de Deus, facilmente encontrará Deus em si mesmo e nos outros, e ainda conseguirá transparecê-Lo mais facilmente. Quando eu aprender a olhar para Deus, também aprenderei a olhar para as pessoas. Olhar sem julgá-las ou condená-las, mas acolhendo cada uma da forma que Deus as vê. Olhar para Deus é aprender a olhar o outro.

Mas, diante desta realidade surgem as seguintes questões: Para quem somos condicionados a olhar? O que nossos olhos têm buscado? Em quem ou em que coisa os nossos olhos têm se fixado? Como olhar para Deus e nos deixar olhar por Ele?

A maneira mais concreta de olhar e nos deixarmos olhar por Deus se dá no momento em que nos colocamos diante d’Ele em Adoração. A adoração ao Santíssimo Sacramento da eucaristia[2], ou seja, a adoração ao Cristo que se faz presente sob as espécies de pão e de vinho, mas se deixa encontrar, de maneira especial, após a Celebração litúrgica sob a espécie eucarística do pão. Na adoração eucarística os nossos olhos olham para a hóstia branca e todo nosso ser é purificado e transformado pela presença do Deus que nos olha. Eu olho para Deus, Deus olha para mim.

Será que tenho me esforçado para, ao invés de olhar para meus próprios interesses, fixar-me nos interesses de Deus a meu respeito? Talvez seja demasiado o número de questões surgidas nesta nossa reflexão. Mas, como não tenho o objetivo de me estender muito no assunto, deixo e encerro com aquela que julgo ser a questão mais essencial: é em Deus que tenho fixado o meu olhar? Essa resposta somente eu posso dá-la a mim mesmo, mas peço a Deus que também te ajude a respondê-la para si mesmo.

Deus abençoe você.

Seguir @edisoncn

Referência


[1] Santa TEREZA DE JESUS. Obras Completas (Poesias): Buscando a Deus, VIII, Loyola, 2002.

[2] Bento XVI. Exortação apostólica pós-sinodal Sacramentum Caritatis, n. 66-68.

One Comment (+add yours?)

  1. Maria vera soares
    abr 21, 2013 @ 00:15:01

    Obrigado por este artigo pois me fez refletir, sinto=me muito disperssa.