Doutor da Igreja, Boca de Ouro, Alma de Anjo e Coração de Pai : São João Crisóstomo. Nascido de família distinta, em Antioquia no ano 348.. Depois da morte do pai, sua jovem mãe tratou de providenciar os melhores professores para este amado menino.

João nasceu com alma monástica, tanto que, por duas vezes passou anos no silêncio do deserto; por causa da precária saúde voltou da vivência religiosa mais retirada e em Antioquia foi ordenado sacerdote. Famoso devido ao seu dom de comunicar a Palavra de Deus, Crisóstomo não demorou a abraçar a cruz do governo pastoral da diocese de Constantinopla, já que o imperador fez de tudo para isto.

Ao perceber a má formação do clero, entregue à ambição e à avareza, o santo começou a exigir vida de pobreza e simplicidade evangélica daqueles que precisavam ser exemplo para o rebanho.

Devido aos naturais atritos com o clero e fervorosas pregações contra o luxo e imoralidades da vida social, São João teve problemas com a imperatriz Eudóxia, que começou o movimento causador dos seus dois exílios, sendo que no último, os sofrimentos da longa viagem e os maus tratos foram mortais! Amado pelo povo e respeitado por todos, São João Crisóstomo morreu em 407 e deixou, além do belo testemunho dos dez anos de pontificado, suas últimas palavras as quais resumiram sua vida: “Glória seja dada a Deus em tudo!”.

Inácio foi bispo de Antioquia, da Síria, entre 68 e 100. Discípulo do Apóstolo João, também conheceu São Paulo e foi sucessor de São Pedro na Igreja em Antioquia, fundada pelo próprio Apóstolo. Segundo Eusébio de Cesaréia, Inácio foi o terceiro bispo de Antioquia da Síria e segundo Orígenes teria sido o segundo bispo da cidade. Santo Inácio foi detido pelas autoridades e transportado para Roma, onde foi condenado à morte no Coliseu, e foi martirizado por leões.

” Meu espírito se sacrifica por vós, não somente agora, mas também quando eu chegar a Deus. Eu ainda estou exposto ao perigo, mas o Pai é fiel, em Jesus Cristo, para atender minha oração e a vossa. Que sejais encontrados nele sem reprovação”

Ao estudarmos sobre Santo Inácio de Antioquia deparamos com a fé ardente, doação completa e amor singular ao Cristo do mártir Inácio, sucessor de São Pedro em Antioquia da Síria, que desde a infância conviveu com a primeira geração dos cristãos.

Como Bispo foi muito amado em Antioquia e no Oriente todo, pois sua santidade brilhava, tanto que o prenderam devido à sua liderança na religião cristã, durante o Império de Trajano, por volta do ano 107.

Chamado Teóforo – portador de Deus – Inácio, ao ser transportado para Roma, sabia que cristãos de influência na corte imperial poderiam impedi-lo de alcançar Cristo pelo martírio, por isso, dentre tantas cartas que enviara para as comunidades cristãs, a fim de edificar, escreveu em especial à Igreja Católica em Roma: “Eu vos suplico, não mostreis comigo uma caridade inoportuna. Permiti-me ser pasto das feras, pelas quais me será possível alcançar Deus, sou trigo de Deus e quero ser moído pelos dentes dos leões, a fim de ser apresentado como pão puro a Cristo. Escutai, antes, as feras, para que se convertam em meu sepulcro e não deixem rasto do meu corpo. Então serei verdadeiro discípulo de Cristo”.

Nesta mesma carta há uma preciosa afirmação sobre a presença de Cristo na Eucaristia: “Não encontro mais prazer no alimento corruptível nem nos gozos desta vida, o que desejo é o pão de Deus, este pão que é a carne de Cristo e, por bebida, quero seu sangue, que é o amor incorruptível”.

Santo Inácio escreveu sete cartas: Epístola a Policarpo de Esmirna, Epístola aos Efésios, Epístola aos Esmirniotas, Epístola aos Filadélfos, Epístola aos Magnésios, Epístola aos Romanos, Epístola aos Tralianos.

Santo Inácio foi, de fato, atirado às feras no Coliseu, em Roma, no ano 107, e hoje intercede para que comecemos a ter a têmpera dos mártires a fim de nos doarmos inteiramente por amor.

SAIBA MAIS :

http://santo.cancaonova.com/santo/santo-inacio-de-antioquia-portador-de-deus/

 

O conhecimento dos Padre da Igreja é de suma importância  para a compreensão da fé cristã. Eles são as testemunhas da tradição apostólica, intérpretes esclarecidos das Sagradas Escrituras, autores das grandes profissões da fé de toda a cristandade nos quatro primeiros séculos da Igreja.

A patrologia, isto é, o estudo das vidas dos Padres da Igreja, atribuiu nome de Padres da Igreja a um certo número de autores cristãos cuja autoridade baseia-se em quatro :
1)- Ortodoxia doutrinária;
2)- Santidade de vida;
3)- Reconhecimento por parte da Igreja, mesmo que indiretamente;
4)- Antigüidade More »

O termo “Padre” significa Pai e era atribuído ao bispo nos primeiros séculos da Igreja. O bispo tinha, por direito, a tarefa de ensinar: eram professores, mestres, enfim eram aqueles que transmitiam a doutrina. Se chamavam também padres aos ascetas do deserto, eremitas do Oriente, que buscavam Deus no isolamento e ofereciam conselhos a todos que os procuravam. Muitos deles ficaram conhecidos como Padres do deserto.  No século IV, o termo “padres da igreja” foi utilizado para nomear os pastores e mestres que fizeram parte do Concílio de Niceia, em 325. More »

Estes vídeos demonstram os estudos cientifico atuais para explicar alguns mistérios da Bíblia.  Achei tudo muito interessante! Vale a pena ver . Lembrando que não é um documentário religioso, mas sim científico.

A Ciência Contida na Bíblia Inventos da Antiguidade

Alguns mistérios descritos numa das mais importantes fontes históricas, a Bíblia. Tais como a tecnologia na antiguidade, como a Torre de Babel; a vitória de David sobre Golias; fogo a partir da água, descrita através do desafio do profeta Elias; a levitação da Arca da Aliança; armas biológicas, através de toxinas do néctar no mel produzido pelas abelhas.
Documentário do History Channel.

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5