Depois o Imperador Trajano Entre 98 a 117 dC., considerou os cristãos ateus. Decretou que os cristãos não deveriam ser perseguidos, ou procurados, mas se fossem denunciados seriam culpados e condenados à prisão ou à morte: um mártir muito conhecido desta época foi Inácio, Bispo da Antioquia.

A legislação de Trajano não foi agravada pelos imperadores que o seguiram até o ano 180 d.C., quando Marcos Aurélio foi o imperador. More »

Depois do Imperador Nero instalou-se outra perseguição quando Domiciano era imperador. Ele condenava os cristãos de serem ateus por não participarem dos cultos imperiais e não adorarem os deuses romanos. Imaginem: acusados de ateísmo! Neste tempo, os cristãos eram espoliados (tirado a pele) e executados. More »

No início da Perseguição a Igreja , um aspecto muito delicado  era a acusação dos cristãos  serem Canibais.

Isto mesmo acusados de canibalismo. !

Explico isto:

Na Eucaristia, nós cristãos “Comemos a carne e bebemos o sangue de Jesus”. Mas na cabeça de um politeísta que faz oferenda aos deuses isto parece lógico por um lado, mas por outro muito estranho, principalmente, porque não existia imagem do Deus dos Cristãos.

Uma outra questão a ter em conta é que os romanos não podiam entrar nos “Cultos”, isto é, na Santa Eucaristia e esta proibição faziam com que eles imaginassem o que acontecia lá dentro, no caso pensavam que eram oferecidos sacrifícios e que se comia a carne de uma pessoa e bebiam o seu sangue.

É importante saber que no início da Igreja, só os cristãos fiéis podiam frequentar a Eucaristia. Até mesmo os Catecúmenos só participavam da primeira parte da Missa, isto é, da Liturgia da Palavra que contem as Leituras e a Homilia até o ofertório.

O cristão só podia participar de toda a missa e fazer parte da mesa eucarística, depois de batizado e catequizado, isto é, quando tinha conhecimentos profundos do mistério da Eucaristia. More »

Um fator que favoreceu a expansão do Cristianismo foi as perseguições. As primeiras perseguições aos cristãos atingiram sobretudo os helenistas (judeus de Cultura Grega) logo depois do martírio de Estevão, o primeiro mártir cristão que deu testemunho da sua fé.

Paramos aqui para conhecer melhor Estevão, o primeiro mártir da Igreja:

Segundo os Atos dos Apóstolos, Estevão foi um dos sete primeiros diáconos da igreja nascente. Segundo a tradição, Estevão pertencia a um grupo de cristãos que pregavam uma mensagem mais radical, um grupo que ficou conhecido como os helenistas. Estevão foi detido pelas autoridades judaicas, levado diante do Sinédrio (a suprema assembleia de Jerusalém), onde foi condenado por blasfémia, sendo sentenciado a ser apedrejado (At. 8). Entre os presentes na execução, estaria Paulo de Tarso, o futuro São Paulo, ainda durante os seus dias de perseguidor de cristãos.

Apesar das perseguições, a partir do século II, os cristãos espalharam-se por todo o Império romano e pelo mundo até então conhecido. A Igreja enfrentou duras provas que tentavam acabar com a sua existência.

Os cristãos, desde o início, deparavam-se dentro de uma cultura, a Romana, que lhes era imposta. Contudo, eles diferenciavam-se dos demais membros do Império devido à sua forma de viver. More »