O que é Gnose ?

Gnose significa conhecer. Para os Gnósticos, Gnose é o conhecimento superior, interno, espiritual, iniciático.

Para os Gnósticos, a gnose é um conhecimento que brota do coração de forma misteriosa e intuitiva. É a busca do conhecimento, não o conhecimento inteletual, mas aquele que permite o encontro do homem com a sua Essência Eterna.

O objeto do conhecimento da gnose seria Deus, ou tudo o que deriva d’Ele. Para seus seguidores, toda a gnose parte da aceitação firme na existência de um Deus absolutamente transcendente, existência que não necessita ser demonstrada. “Conhecer” significa ser e atuar (na medida do possível ao ser humano), no âmbito do divino.

Dentro do cristianismo primitivo, a gnose pretendia realizar o sincretismo religioso ao associar elementos do cristianismo, judaísmo, helenismo e até outras religiões como as iranianas.

Eram inúmeras as seitas gnósticas que aparecerem naquele tempo, cada uma tinha características diferentes, mas todas tinham um denominador comum: o dualismo matéria-espírito.

Os gnósticos do séc. II achavam-se a elite de um movimento religioso que possuía a chave da salvação. Para entender o pensamento deles precisamos analisar:

Eles acreditavam em dois reinos. Um reino da luz, que era espiritual, governado por um ser único, transcendente e indescritível. O segundo reino era o das trevas, que era material, ignorante e aí vivia o homem. A gnose ou conhecimento era a porta e a ponte que permitia ao homem sair do reino das trevas e entrar no reino da luz, do Espírito.

A maior parte dos gnósticos recusava-se a acreditar na encarnação de Jesus no seio de Maria e na Sua morte e ressurreição. Além disto os sacramentos eram, para eles, iniciações espirituais.

Vamos falar da gnose dentro do Cristianismo.

Para eles, Jesus não era filho de Deus feito Homem, mas sim o grande revelador da gnose. Os cristãos da gnose não eram considerados fiéis, mas sim iniciados, participando estes em rituais de iniciação, que necessitavam fazer um segundo batismo. A gnose era portanto uma mistura tentadora entre o misticismo, a filosofia grega, o judaísmo e até mesmo as antigas religiões esotéricas.

O rápido crescimento destas seitas perturbaram os chefes das Igrejas, e contra elas ergueu-se o bispo de Lião, Irineu, que escreveu a Refutação da falsa gnose (Adversus Haereses). Nesta refutação, ele destaca a importância da tradição apostólica oral, o primado da igreja Romana fundada por Pedro e Paulo, a doutrina da Recapitulação da humanidade pecadora em Cristo, segundo Adão.

Vamos estudar nos Próximo posts várias seitas da gnose

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *