Título: A Paixão de Cristo

Idioma original: aramaico e latim

Duração : 125 min

Lançamento: 2004

Direção: Mel Gibson

Estúdio: Icon Productions

Distribuição: Newmarket Films

Sinopse :  A PAIXÃO DE CRISTO é um filme sobre as últimas doze horas da vida de Jesus de Nazaré, antes da sua morte. O trama do filme começa no Jardim das Oliveiras (Getsêmani) onde Jesus vai orar após a Última Ceia. Traído por Judas Iscariotes, Jesus é preso e levado de volta para dentro dos muros da cidade de Jerusalém onde os líderes dos Fariseus o confrontam com falsas acusações de blasfêmia. Jesus é trazido diante de Pilatos, o Governador Romano da Palestina, que ouve as acusações feitas contra ele, pelos fariseus. Percebendo que enfrenta um conflito político e religioso, Pilatos transfere a responsabilidade da decisão para o Rei Herodes. Herodes devolve Jesus a Pilatos, que propõe que a multidão escolha entre Jesus e o criminoso Barrabás. A multidão escolhe pela liberdade de Barrabás e condenam Jesus a morte – e morte de cruz. O filme mostra como Jesus foi entregue aos soldados romanos, e cruelmente flagelado. Também mostra o sacrifício de Jesus de levar a cruz até o alto do Gólgota. Ali, Jesus é crucificado – mas antes de morrer Ele diz: “está consumado”, e entrega o seu espírito a Deus. Jesus consumou sua obra na Terra morrendo pelos nossos pecados na cruz, e quando ressuscitou dos mortos Ele nos deixou uma ordem de pregar o Evangelho. Ele terminou a Sua obra. E você, está fazendo a sua parte? Então não perca tempo: escolha uma das opções no menu “EVANGELIZE”, e use o filme A PAIXÃO DE CRISTO para apresentar Jesus a alguém que ainda não O conhece.

Crucificação é um método de execução cruel que tem sua origem na Antiguidade e muito usada pelo Império romano . Esta prática foi abolida por Constantino no século IV.

Acredita-se que sua origem vem da Pérsia, e depois foi trazida por Alexandre para o Ocidente, sendo então copiado dos cartagineses pelos itálicos. Neste ato combinavam-se os elementos de vergonha e tortura, e por isso o processo de crucificação era olhado com profundo horror. O castigo da crucificação começava com flagelação, depois do criminoso ter sido despojado de suas vestes. No azorrague os soldados fixavam os pregos, pedaços de ossos, e coisas semelhantes, podendo a tortura do açoitamento ser tão forte que às vezes o flagelado morria em consequência do açoite. O flagelo era cometido ao réu estando este preso a uma coluna.

No ato de crucificação a vítima era pendurada de braços abertos em uma cruz de madeira, amarrada ou, raramente, presa a ela por pregos perfurantes nos punhos e pés. O peso das pernas sobrecarregava a musculatura abdominal que, cansada, tornava-se incapaz de manter a respiração, levando à morte por asfixia. Para abreviar a morte os torturadores às vezes fraturavam as pernas do condenado, removendo totalmente sua capacidade de sustentação, acelerando o processo que levava à morte. Mas era mais comum a colocação de “bancos” no crucifixo, que foi erroneamente interpretado como um pedestal. Essa prática fazia com que a vítima vivesse por mais tempo. Nos momentos que precedem a morte, falar ou gritar exigia um enorme esforço. More »

Este documentário é muito interessante ! Assista  analisando a realidade vivida no tempo em que aconteceu.

Lembre-se estes documentários são elaborados por Historiadores e outros profissionais, por isto , neles encontramos uma busca de resolver, ou responder questões do ponto de vista científico e não Religioso:

Quem Matou Jesus é um documentário da Discovery. Ele demonstra a política da época, onde quebra de conceitos levaram a morte de Jesus. Interessante observar que passaram milênios, mas as cobranças, os impostos, na verdade até aumentaram. O quanto será o ser humano evoluiu como ente humano em 2 mil e poucos anos?  Tire sua conclusão!

Veja os vídeos. More »

Segue abaixo um texto da  Professora Fernanda Palma, ( Professora Catedrática de Direito Penal em Portugal ) que foi publicado no jornal  Português ,  Correio da Manhã na coluna “sentir por diteiro ” no dia 8 de Abril de 2012. neste texto, ela faz uma análise do processo de julgamento de Jesus Cristo :

O Processo de Cristo

O processo de Cristo não foi injusto só por razões intemporais – foi-o também como processo contra um homem do seu tempo, à luz do direito aplicável. As razões da acusação, conduzida por Herodes, revelam um aproveitamento da ocupação romana pelos representantes políticos dos judeus, para impedir qualquer contestação à interpretação oficial da sua lei.

Os “crimes” de Cristo têm caráter religioso. Jesus foi acusado de interpretar a lei num sentido não ritualista, associado à ética, fazer milagres ao sábado, conviver com pessoas de “maus costumes” e se assumir como rei de um reino diferente. A lei do seu povo, que o condenou, tornou-se prepotente e contraditória com o seu sentido último: a salvação. More »

Assista cada documentário analisando a sociedade, a cultura, a religião e a politica vivida no tempo em que Jesus viveu.

Lembre-se estes documentários são elaborados por Historiadores e outros profissionais, por isto , neles encontramos uma busca de resolver, ou responder questões do ponto de vista científico e não Religioso:

Jesus, a missão ( BBC)

Através de arqueólogos, esse programa feito pela BBC, tenta reconstruir como foi a infância de Jesus, os lugares onde esteve e como foi preparado em nosso mundo para sua missão e os últimos dias dividido em 4 episódios, ótimos para pessoas como eu que querem conhecer mais sobre Jesus Cristo. More »