Compreenda o perdão que Cristo nos dá na cruz

Jesus Cristo pagou nossa dívida do pecado, com seu sangue na cruz

Nós estamos tocando na realidade fundamental do Cristianismo. O Senhor teria muitos meios para nos salvar, mas Ele quis nos salvar pela cruz.

Naquele tempo, os gregos buscavam a sabedoria, pois para eles essa virtude resolveria tudo; já os judeus buscavam a lei. Deus, ao contrário, não quis salvar o mundo, a sabedoria nem a lei, mas a “loucura” (aos olhos do mundo) da cruz.

“Em verdade, ele tomou sobre si as minhas enfermidades, e carregou os meus sofrimentos: e eu o reputava como um castigado, ferido por Deus e humilhado”.

Dessa forma, temos aqui a verdade fundamental do Cristianismo: Jesus assumiu todos os nossos pecados e os pregou na cruz. Aí está o bonito, o Senhor assumiu sobre si os nossos pecados. Depois, ao assumi-los, não sofreu somente na cruz, mas já durante a prisão.

Muitas vezes, nós olhamos somente para a crucificação. Claro que é uma coisa bárbara o que fizeram, mas não foi só isso. Veja: Cristo assumiu sobre Si os nossos pecados, levou-os para a cruz e ali os apagou. Deixe-me lhe dizer: os nossos pecados já não nos pertencem.

Os nossos pecados passados já foram assumidos pelo Senhor na cruz; mais ainda: os pecados futuros também já foram assumidos por Ele. Até mesmo o último pecado da nossa vida já foi assumido pelo Senhor! Nós estamos na verdade fundamental do Cristianismo: Jesus assumiu sobre si todos os nossos pecados, tanto os pecados passados como os presentes e até mesmo os futuros. Ele os crucificou na cruz, por isso é fácil adquirir o perdão d’Ele.

Compreenda-o-perdão-que-Cristo-nos-dá-na-cruz

No livrinho “Curados para amar”, eu apresento a seguinte explicação:

“Eu sei que você que é motorista precisa dirigir bem e realizar seu trabalho. Mas sei, também que você não é um bom motorista, por isso, com o tempo, você vai cometer erros como arranhar o carro, acidentes, receber multas, pagar consertos do seu carro. Só que, sabendo disso, amando muito você, eu vou ao banco e deposito uma quantia muito grande que será o suficiente para cobrir esses casos; então, pego-a e a ponho na sua mão. Assim, dali para frente, todos os seus acidentes de trânsito já estarão pagos. É preciso que você reconheça mais uma vez a sua culpa e veja a realidade: que agora você tem uma dívida, mas também que já tem o dinheiro para pagá-la”.

Gente, foi isso que Jesus nos fez por meio de Sua Morte: Ele pagou as nossas dívidas [pecados]! Dê uma olhadinha no estrago que você fez na vida de outros, mas graças a Deus, muito mais que um talão de cheques, Jesus Cristo pagou nossa dívida com seu Sangue na Cruz, como alguém que assume a dívida dos outros. Por isso “Se dizemos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós” (I João 1, 8).

É claro que você não quer pecar, mas peca. Adianta negar que não pecou? Não! Jesus está nos ensinando que basta ter humildade em reconhecer o nosso pecado. Na hora em que o reconhecemos, Deus aí está – fiel e justo para nos perdoar, como nos ensinam as Sagradas Escrituras.

Eu me encanto sempre com o gesto da Luzia, pois ela tem um carinho muito grande com o Cristo crucificado. Quando o crucifixo chegou aqui ela logo se pôs a beijar as chagas de Jesus. Faça o mesmo: ponha-se diante da cruz, mergulhe fundo no lado aberto de Jesus. Essa chaga está eternamente aberta; entre no coração de Cristo, não se esconda! A primeira coisa que carregamos dentro de nós é o sentimento de culpa. Imediatamente o demônio começa a nos acusar, colocando em nós o sentimento de vergonha para que não reconheçamos o perdão de Deus. Sendo assim, no lugar de arrependimento começamos a sentir remorso. Quantas pessoas ainda hoje se acusando de acidente de trânsito que sofreram! E por outras coisas… Enquanto eu estou falando o Senhor está usando “azeite” e “vinho” para o curar.

Talvez muitas coisas, neste momento, estejam borbulhando dentro de você, mas saiba que não são para que você se acuse, mas para que aconteçam a cura e a libertação.

O supremo Amor nos salvou e nos curou para que possamos amar. É isso que queremos: ser curados para amar.

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova