Ser um missionário é florir no deserto, onde já não se acredita em nada, não se tem paciência, não se enfrenta as adversidades com determinação.
Ser um missionário é, muitas vezes, ser apontado como louco, visto por “amigos” e “familiares” como alguém que frustrou as expectativas depositadas em ti.
Ser um missionário é bater de frente com o “caminhão” do secularismo, da sexualidade desregrada e desrespeitadora, da inconstância e intemperança.
Ser um missionário é também colher flores e frutos de onde ninguém acredita. É ver que tudo é possível, quando não se perde o foco, que regularmente está apontado para o alto.
Ser um missionário é, muitas vezes, mudar a rota de colisão de alguém que iria se arrebentar nas drogas, prostituição, criminalidade e corrupção.
Ser um missionário, é acima de tudo, ser obediente, porque quem obedece ao Pai, esquece seus sonhos e percebe que Ele tem sonhos mais bonitos e nós fazemos parte deles do início ao fim de nosso SIM.
Parabéns a todos que disseram não para seus sonhos e SIM a vida missionária!
Deus abençoe!

Por Wallace Andrade
editoria@cancaonova.com
blog.cancaonova.com/folhaseca

Outubro é mês missionário, e somos convidados a refletir e a praticar o que a Igreja anuncia: “Somos todos missionários”, A vida cristã só tem sentido se houver disponibilidade para o anúncio do Evangelho. Hoje você vai conhecer uma história linda de um sacerdote missionário que deixou o seu país, veio para o Brasil, e aqui desenvolve um trabalho fantástico com crianças e adolescentes abandonados, que vivem em situação de risco. Acompanhe, a História de Padre Renato Chieira.