Que Brasil queremos?

O pensamento é antigo, mas a realidade é presente.
Um professor de economia na universidade Texas Tech  disse que ele nunca reprovou um só aluno antes, mas tinha, uma vez,  reprovado uma classe inteira. Esta classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico,  tudo seria igualitário e ‘justo’.
O professor então disse, “Ok, vamos fazer um  experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas  notas nas provas.” Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam ‘justas.
Depois que a média das primeiras provas foram tiradas,  todos receberam “B”.
Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos.
Eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um resultado, a segunda média das provas foi “D”. Ninguém gostou.
Depois da terceira prova, a média geral foi um “F”. As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala.
Portanto, todos os alunos repetiram o ano… Para sua total surpresa.
O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque ele fora baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes.
Preguiça e mágoas foi seu resultado. Sempre haveria fracasso na situação à partir da qual o experimento tinha começado.
“Quando a recompensa é grande”, ele disse, “o esforço pelo sucesso é grande”, pelo menos para alguns de nós.
“Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros sem seu consentimento para dar a outros que não batalharam por elas, então o fracasso é inevitável.”
É  impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber.
O governo não pode dar para alguém aquilo que tira de outro alguém.
Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais à pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
“É impossível multiplicar riqueza dividindo-a.”
Adrian Rogers, 1931

18 Responses Subscribe to comments


  1. Eliana Sá

    Leia agora, vale a pena.
    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 14:54


  2. Alexandra Camargo

    RT @elianasacn: Leia agora, vale a pena.
    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 14:54


  3. Ricardo Sá

    RT @elianasacn: Leia agora, vale a pena.
    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 15:17


  4. PatriciaCapital

    RT @TopsyRT: Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 15:22


  5. patricia

    Excelente texto, leiam vale a pena!!! RT @elianasacn Leia agora, vale a pena. Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 15:31


  6. Rodrigo Stankevicz

    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 15:38


  7. Tiago Pérola

    RT @ricardosacn Leia agora, vale a pena.Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 15:57


  8. Fernando Ambrosio

    RT @elianasacn: Leia agora, vale a pena.
    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 03, 2010 @ 16:13


  9. Alexandre Santos

    Olá, Eliana, boa tarde. Alegria e paz!

    Admiro muito você e o Ricardo. Estou lendo o livro de vocês: “Quem tem que mudar sou eu”.

    Quanto ao texto, concordo apenas em parte.

    Acho que, embora interessante, a metáfora da turma de estudantes é um pouco simplória para a complexidade do tema.

    Não sou socialista, mas entendo que um governo precisa realizar políticas públicas socais para atender as classes mais pobres da população. O país precisa distribuir renda, a desigualdade social é muito grande. Isso é questão de sobrevivência para o país, pois repercute na economia, segurança, saúde, etc.

    Não sou a favor de invasões de terra nem de confisco de propriedades, mas entendo que o Brasil precisa de uma reforma agrária justa, dentro da lei. Sob pena de sofrer cada vez mais com o inchamento das cidades e o esvaziamento da zona rural. E isso tambem reflete na economia, segurança, saúde, etc.

    Também não vejo essas políticas sociais com essa visão de que “os ricos sustetam os pobres, que se acomodam, por não terem que trabalhar”. Deve haver pessoas acomodadas em todas as esferas da sociedade, mas é complicado afirmar que todas as pessoas que são beneficiadas por essas políticas são acomodadas ou vagabundas. É um julgamento errado.

    Da mesma maneira, nem todo mundo que é rico o é porque batalhou para isso. Muitos sim, conseguiram o que têm com muito suor. Mas tantos outros conseguiram à custa do suor dos outros ou de manobras ilícitas, tirando o pão da boca do outro. Para isso a misericórdia e justiça divinas saberão dar a recompensa. Porém, é nossa missão de cristão também lutar pela justiça já aqui no exílio terrestre…rs

    É importante distinguir políticas sociais de socialismo. São coisas correlatas, porém distintas.

    Por fim, a última afirmação é da qual mais discordo: “É impossível multiplicar riqueza dividindo-a.”

    O fato do autor do texto ser contra o socialismo não faz dele um cristão. E essa afirmação vai de encontro ao valor evangélico da partilha.

    Nessa luta de buscar viver o Evangelho, temos visto o quato a partilha multiplica e produz riquezas muito maiores do que dinheiro e bens.

    Infelizmente ainda não sabemos partilhar, nem amar como Jesus nos ensinou. Se soubéssemos, realmente não precisaríamos de leis para coisas tão óbvias quando o respeito e o cuidado pelo outro, por exemplo.

    Um grande abraço. Deus lhe abençoe!

    set 03, 2010 @ 21:53


  10. Leandro Cajado da Silva

    Eu conhecia esse texto.
    O Fato é que os 4 candidatos a presidencia, aliasdos a senadores e deputados estão seguindo a mesma linha.
    Só não podemos cair na ideia de que seja aquela forma antiga do socialismo.
    Esse usa a ferramenta do capital, usa o empresário, o rico e o pobre.
    O que eles querem é poder e controle nas mãos do partido.
    Uma sugestão de leitura são os dois livros do George Orwell, “1984” e a “Revolução dos bichos”, lá você consegue entender claramente o que se está tramando.

    set 03, 2010 @ 22:00


  11. Djalma Borges Neto

    O socialismo marxista não é justo, porque, segundo a Bíblia “quem não trabalha, não deve comer”, mas o capitalismo selvagem que vivemos hoje em dia também não é justo, porque, também segundo a Bíblia, os primeiros cristãos “tinham tudo em comum e não havia necessitados entre eles”.

    Entre os dois extremos, me parece que a Igreja simpatiza mais com o socialismo, desde que não seja o marxista, tanto é que temos no documento DSI (Doutrina Social da Igreja), várias propostas que parecem absurdas aos capitalistas roxos, como reforma agrária, perdão de dívidas externas entre países, e etc…

    Com certeza, a proposta do PT não é a solução para o Brasil, mas precisamos tomar cuidado para esta aversão ao PT não significar, uma adesão automática ao capitalismo selvagem e injusto que vivemos hoje.

    Na comparação do professor temos que quem estudava mais, tirava as melhores notas, mas na nossa realidade brasileira, temos que os que mais trabalham têm os piores salários, e as piores condições de vida, e quem trabalha menos, tem rendas exorbitantes, resultantes de aplicações financeiras, e etc…

    Não que estes últimos não mereçam o que ganham, mas a questão é que nem todos têm a mesma oportunidade, para começarem esta “competição” do mesmo ponto de partida, em educação, até mesmo alimentação, dinheiro para as melhores escolas, faculdades e etc… e é uma obrigação moral do governo, amparar estas classes, historicamente prejudicadas pelo capitalismo selvagem, para que tenham melhores oportunidades.

    Não que se deva confiscar os bens dos ricos para dar aos pobres, mas um coeficiente de impostos mais coerente, certamente ajudaria muito…

    set 03, 2010 @ 22:06


  12. Deval

    Vibe life…vamos votar conscientes pessoal o nosso futuro pertence a nós votemos em quem quer o bem e não o mal…

    set 03, 2010 @ 22:30


  13. cecefreire

    RT @elianasacn: Leia agora, vale a pena.
    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 04, 2010 @ 20:51


  14. DOMINIQUE Corinne H

    RT @elianasacn: Leia agora, vale a pena.
    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    set 04, 2010 @ 23:01


  15. SANGILA

    ELIANA não sei se vou conseguir postar pois já tentei várias vezes e não consegui.Em todo caso se dessa vez,te agradeço por suas orações e te peço que me coloque em sua orações,também essa pessoa JOANA,toda perseguição que a mesma sofre.Rogo muito por sua conversão que a mesma encontre o caminho do bem e seja feliz!

    Muito obrigada QUERIDA ELIANA,REZO MUITO POR VC E SUA FAMÍLIA,PARA QUE SEMPRE FIQUEM UNIDOS.

    AMÉM!

    set 11, 2010 @ 08:03


  16. Rondinelli Fortalesa

    RT @TopsyRT: Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    out 21, 2010 @ 10:19


  17. Jordana Bonilha

    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    out 21, 2010 @ 11:19


  18. Odi Pricila

    Que Brasil queremos? http://bit.ly/bAqbUx

    out 21, 2010 @ 12:47