Coletânea da Academia de Lorena

Filed under: Leitura — at 9:07 pm on segunda-feira, abril 1, 2013

Acabo de terminar a leitura da III Coletânea de artigos da Academia de Letras de Lorena-SP. Um texto de cada integrante da instituição. Um belo trabalho que mostra o nível dos acadêmicos e da tradicional cidade do Vale do paraíba. A ACLA – Academia Cachoeirense de letras e Artes prepara produção semelhante para este ano…

Continuo lendo a  coletânea de textos de Nelson Lorena para um jornal e vou começar a ler o novo livro do professor Jurandir, presidente da ACLA, “As inteligências e a escola”.

CFM APOIA ABORTO ATÉ TRÊS MESES DE GESTAÇÃO

Filed under: Artigo — at 5:05 pm on quinta-feira, março 21, 2013

Com a notícia desta quinta-feira (21/03) da Folha de São Paulo, de que o Conselho Federal de Medicina – CFM apoia a proposta de anteprojeto da reforma do Código Penal entregue ao Senado no ano passado, de se autorizar o aborto até as 12 semanas de gestação, me lembrei de breve artigo que escrevi em 2007 para rebater uma top model que em entrevista ao mesmo jornal defendia o aborto até os quatro meses de gestação, alegando que até aí “não existe quase nada”.

Recordando alguns trechos:

  • …“com quatro meses de gestação a criança está praticamente formada. Com muito menos, um mês, já tem coração, símbolo do afeto, do carinho, do amor. Com dois meses, o feto já está com o rosto formado. Tem até linguinha! Boca e nariz também… Com três meses o neném mexe pra “caramba”, inclusive abre e fecha as mãos e os pés. Um detalhe interessante: já tem unhas, que se menina, tantas vezes serão coloridas. Aos quatro meses… ele já faz em suas ginásticas movimentação do tórax. Dá para acreditar? Braços e pernas formados e sexo definido… aos quatro meses de gravidez já existe quase tudo. E mesmo quando era um grãozinho já possuía a essência de seu ser. Se ninguém interferir vai se transformar numa pessoa bonita como você”…

É grave esta manifestação do Conselho Federal de Medicina, com o apoio de 2/3 dos conselhos regionais. É a classe médica respaldando este crime, o que lamentamos profundamente!

SANTO AGOSTINHO

Filed under: Artigo — at 4:23 pm on terça-feira, agosto 28, 2012

Santa Mônica precisou de mais de 30 anos de oração para alcançar a conversão de seu filho Agostinho, mas valeu a pena. Como um bom vinho, aquele que é apurado com o tempo, ganhando sabor com seu envelhecimento, Santo Agostinho em sua busca pela verdade se transformou num dos mais importantes pilares do pensamento de nossa fé.

Seus escritos são riquíssimos, de uma profundidade ímpar. Além disso, possui valor literário. Seu livro “Confissões” é considerado um dos clássicos da história. De uma beleza extraordinária.

De Santo Agostinho tem-se muito que dizer. Gostaria, no entanto de frisar algumas de suas frases. Já reparou como grandes homens nos ofertam pérolas de pensamentos? Guardo duas bem de cor. A primeira nos ensina muito sobre a tolerância: “Na dúvida, liberdade; Na certeza, unidade; Em tudo, caridade”. A outra foi dita ao ser escolhido para dirigir sua comunidade: “Temo o que sou para vós: bispo; consola-me o que sou convosco: irmão”. Ah se o mundo ouvisse Agostinho! Quantos conflitos poderiam ser evitados… Ah se rendesse ao sabor de seu conhecimento!

Em certos momentos pode-se ler sua alma: “Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Eis que estavas dentro e eu fora. Estavas comigo e não eu contigo. Exalaste perfume e respirei. Agora anelo por ti. Provei-te, e tenho fome e sede. Tocaste-me e ardi por tua paz. Fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração, enquanto não repousa em Ti”. Releia em voz alta. Perceba que há sonoridade, arte…

Há muitas outras frases maravilhosas de Santo Agostinho. Que merecem ser conhecidas. Fazem bem para o espírito e para o ouvido. Como:

– “O rico enche a bolsa de moedas e a alma de preocupação”;

– “Geralmente suspeitamos dos demais o que sentimos em nós”;

– “Ninguém consegue erguer outro alguém a seu próprio nível a não ser que ele próprio desça até o nível do outro”.

(Publicado originalmente aqui em agosto de 2007)

IPÊ AMARELO

Filed under: Artigo — at 3:57 pm on segunda-feira, agosto 13, 2012

Como mágica, ainda em pleno agosto – dos históricos incêndios e cachorros loucos – ipês explodem . De troncos cinzas brotam flores amarelas. Não um amarelo qualquer, mas brilhante, vigoroso.Um galho é tingido e, daqui a pouco, toda árvore se enche de vida. Parece contagiante! Ipês próximos florescem juntos, ofertando morros coloridos, ruas enfeitadas. Mas outros, numa mesma região, há poucas quadras, ainda adormecem e só vão desabrochar um pouco mais tarde, garantindo o amarelo por mais tempo.

Isso tudo ainda no inverno, onde o cinza predomina após dias e dias de frio rigoroso e tempo seco. Sem falar nas queimadas que deixam campos ainda mais sombrios.

Atente: nossas cidades vivem mais inverno que verão… O cimento, a lajota, as telhas – muitas ainda de amianto; os asfaltos ou bloquetes.

Quando o amarelo dos ipês não resistir e cair, surgirá o roxo das orquídeas e logo será setembro: nada mais impedirá a primavera; a vitória da vida, das cores, do sentimento…

Os ipês já estão florindo e o seu coração? Ainda cinza? Abra as janelas, passeie, se encante! Afinal, pra que esperar por setembro?

PADRE RUFUS

Filed under: Artigo — at 10:15 pm on quinta-feira, maio 3, 2012

A notícia da morte do padre Rufus Pereira nos deixa tristes e com um vazio, que eu chamaria de saudade antecipada.  Abaixo um texto publicado em 2007.

AS HISTÓRIAS DE PADRE RUFUS

Acho que era o saudoso padre Emiliano Tardif, missionário na América Central, que dizia preferir contar o que Jesus tinha feito semana passada, do que coisas mais antigas… Não era um desprezo ao evangelho. Pelo contrário: ajudava-nos a enxergar melhor o Jesus de 2 mil anos, Aquele que é o mesmo ontem, hoje e para sempre: maravilhoso!

Parece que padre Rufus Pereira tem a mesma metodologia. Ao relatar o que Jesus tem realizado em seu ministério, vai recordando-nos das páginas evangélicas, que ganham novo “colorido”, parecendo se renovar. Testemunha um Jesus vivo, pessoa, com quem podemos ainda hoje nos relacionar, inclusive receber Dele graças, bênçãos.

Apesar de abordar um tema polêmico, a ação demoníaca, o padre indiano o faz de forma serena, natural e até bem humorada. Assim, ajuda a quebrar mitos. Sem encenações… A autoridade não está em gestos, altura de voz, nem em “orações fortes”. A libertação vai chegando aos filhos de Deus conforme ele vai contando suas histórias… Aliás, que histórias! Padre Rufus diz ter dificuldades em encerrá-las. E nós temos dificuldades em parar de ouvi-las…

Quantas graças alcançadas nesses encontros realizados aqui na Canção Nova? Quantos filhos de Deus recuperando sua dignidade? Muitos ainda têm medo desse ministério. Preferem a distância, ou a incredulidade, como se assim estivessem mais “seguros”. Padre Rufus ajudou a superar um pouco essa contradição, revelando que é perto de Jesus que encontramos a harmonia, a paz, a segurança que precisamos para viver bem. Que seja qual for a situação pela qual passamos, não devemos nos afastar de Sua presença; nem por vergonha, nem por nos acharmos indignos de sua companhia. Que isso só nos mantém num sofrimento desnecessário, não querido por Deus.

O SANTO DO SORRISO

Filed under: Artigo — at 3:15 pm on terça-feira, janeiro 31, 2012

(Posto aqui, novamente, breve comentário sobre Dom Bosco. Hoje é seu dia!)

Dom Bosco. Cresci nos seus oratórios. Quando atraído ao sacerdócio, foi aos Salesianos que acorri, à casa do santo do sorriso. Sua imagem simpática reflete bem sua obra, aberta às crianças e jovens pobres.

“Um santo triste é um triste santo” se repetia nos corredores salesianos. A vida cristã não deve ser encarada como penosa, fatigante. Padre Hilário Micheluzzi me ajudava a “enxergar” essa santidade salesiana. Suas historinhas, seu jeito afável, transportáva-nos à generosidade do fundador.

Os mais próximos de São João Bosco foram, com o tempo, percerbendo que seu sorriso era proporcional aos problemas. Quanto mais dificuldades, mais feliz parecia. Desse comportamento nascem preciosos ensinamentos: de que nosso rosto não nos pertence, antes aos outros; de que não basta amar, mas que é preciso expressar. Quem está em nosso redor precisa perceber nosso “odor” cristão, da caridade.

Dom Bosco exalou fortemente o cristianismo. Tanto que 75 anos após sua canonização sua mensagem continua atual. Sua santidade ainda inspira, cativa, ilumina.

LEMBRANÇAS DE UM NATAL FELIZ

Filed under: Artigo — at 3:02 pm on sexta-feira, dezembro 16, 2011

Cresci gostando de Natal. Minha família se reunia em volta de uma mesa grande para a tradicional ceia. As crianças contavam as horas, depois os minutos, para a chegada do dia 25 e poderem abrir os presentes. Depois, enquanto os menores se distraiam com os brinquedos, os adultos se deliciavam à mesa. Tudo terminava com cantos animados como o “Escravo de Jó”.

Essa lembrança antiga é fundamental para os meus natais. Para mim, é impossível não viver a data com um sabor agradável. Desconheço a tristeza que alguns dizem nutrir pelo dia, achando mais alegre a virada de ano. Nem os belos e modernos fogos conseguem me obscurecer o Natal.

Minha mãe sempre falava de como seus pais preservaram, cultivaram a data. De anos difíceis que, mesmo sem dinheiro, meu avô se punha a fabricar presentes. Das dívidas contraídas para não faltar as frutas natalinas. Esse esforço influencia até hoje nossas casas. Podem ser simples, mas no Natal se enchem de alegria.

Tudo isso pode parecer ateu ou materialista. Mas não. O presépio em nossa família sempre ganhou de outros símbolos. A missa de Natal sempre fez parte da agenda da família, especialmente a das 10 da matriz Imaculada Conceição em Cruzeiro. A festa era de família, de passar por cima de intrigas e briguinhas, por causa do nascimento de Jesus.

(Texto recuperado desse mesmo blog e publicado originalmente em dezembro de 2007 com outras informações.)

FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO

Filed under: Informação — at 2:42 pm on sexta-feira, dezembro 16, 2011

Amigos: começo na segunda (19/12) um período de duas semanas de descanso. Período em que espero recompor as energias para começar bem 2012.

Aproveito para desejar, antecipadamente, um feliz natal e um ano novo cheio das bençãos de Deus. Que Jesus visite nesses dias você e sua família.

Deus conosco!

Abraço a todos.

Osvaldo Luiz

PROFETA DO AMOR

Filed under: Artigo — at 1:55 pm on quarta-feira, dezembro 7, 2011

(Texto produzido para a Revista Canção Nova de dezembro)

Era carnaval! A multidão que ia até Cruzeiro, SP, obrigou a transferência do encontro “Rebanhão” da quadra para o campo de futebol. Mas fevereiro tem muitas tempestades… Nuvens carregadas se aproximavam do estádio. Já chovia nas cidades vizinhas e mesmo em bairros do município. Percebendo a preocupação e distração das pessoas, padre Jonas convida todos a oração. Depois declara profeticamente: “não vai chover”! As nuvens escuras chegaram mais perto, cercaram o local, mas não caiu uma gota no estádio Virgílio Antunes de Oliveira.

“Vi uma oração sair da boca deste pregador
Eu vi a força de Nosso Senhor em suas mãos”.

Os versos da música Profeta do Amor, de Antonio Cardoso (ver quadro ao lado), falam dessa fé extraordinária de Monsenhor Jonas Abib. O veterano funcionário da Rádio Canção Nova, Danilo D´Ângelo, se recorda de uma cena parecida em Cuiabá, Mato grosso. Já se corria no campo de futebol para se proteger os equipamentos da chuva. Padre Jonas soltou o microfone, se ajoelhou no palco, abriu os braços e… o tempo se abriu!

MURIÇOCA

O fundador da Comunidade Canção Nova gosta de dizer: “se você reza para chover, tem de sair com guarda-chuva e capa”… Tem que acreditar de verdade!

Eugênio Jorge da Missão Mensagem Brasil conta com emoção e riqueza de detalhes – como se tivesse acontecido ontem – de um Congresso estadual da RCC em Rondonópolis, Mato Grosso. O encontro começava, sábado de manhã, ameaçado por insetos. Era tanta muriçoca que era perigoso até abrir a boca. Eugênio vai até o Padre Jonas que, de olhos fechados, rezava num cantinho: “Vamos ter que procurar outro local, aqui não dá”… “Não, vamos rezar”! O sacerdote, então, cita Romanos 8, 19: a criação espera ansiosa a manifestação dos filhos de Deus, mas diz aos mosquitos que esse não é o momento e com autoridade ordena que voltem para o seu habitate natural, as matas, e só retornem quando o retiro terminasse. Em cinco minutos não havia mais nenhum inseto no local. Mas foi só terminar a missa de domingo à tarde para eles voltarem…

EU VI A MULTIDÃO AO SEU REDOR”

“Eu era antipático”. Monsenhor Jonas Abib, que completa 75 anos no dia 21 de dezembro (ver quadro ao lado), afirma que foi só depois de seu “batismo no Espírito” que seu relacionamento com as pessoas mudou. Atesta que até seu semblante se alterou.

Difícil acreditar para quem já o conheceu como um padre carinhoso, de sorriso fácil e ternura nos olhos. As pessoas se aproximando naturalmente. Querendo um abraço, um beijo, sua atenção.

Fato é que, para alguém que iria se tornar um dos maiores pregadores deste país, evangelizando através dos meios de comunicação, era fundamental esse “magnetismo”. Uma das frases prediletas do padre Jonas pode explicar bem essa mudança: “Deus capacita os escolhidos”!

HOMEM DE DEUS”

Ouço teu silêncio meu Senhor/

Para distinguir só Tua voz”

Nesses versos de O Amor Vencerá, o segredo de Monsenhor Jonas Abib. Suas pregações e canções inspiradas têm como ponto de partida a oração, a intimidade com Deus… Palavras que saem carregadas de força, de irresistível sabedoria. Parecendo conhecer o mapa de nosso coração: angústias, medos, desejos… Na expressão de Márcio Mendes, pregador da Comunidade Canção Nova, as palavras do padre “vão entrando”, cativando, abrindo a alma da gente.

Sacerdote de oração, ensinou a rezar, rezando. Em encontros, como Experiências de Oração, ajudava, na prática, homens e mulheres a se aproximarem com intimidade de Deus,como se vai a um pai, a uma mãe. Apresentou para muitos a realidade dos dons espirituais através da efusão no Espírito. Entregou tudo, fez tudo que podia e até o que não se imaginava. Como diz seu lema sacerdotal: “feito tudo para todos”.

QUE MOSTRA O CAMINHO DE JESUS”

As palavras de Monsenhor Jonas Abib têm uma força extraordinária, capazes de irem até o fundo do coração. Com expressões simples, precedidas, muitas vezes, de um quase constrangido “desculpe a expressão”, tornou popular mesmo passagens bíblicas e conceitos difíceis.

Palavras belas, que muitas vezes o obrigaram a alertar: isso não é poesia, fantasia; é realidade!

Com coragem profética, chamou a atenção para desvios da sociedade e para a vontade do Senhor em nossas vidas. Para o pregador Márcio Mendes, há dois pilares nas suas pregações: “o ‘batismo no Espírito’ e a preparação para a segunda vinda de Jesus”. E assim gerações, regiões, por seu ministério, foram experimentando um Deus próximo, amoroso. Abriram-se à ação do Espírito, desejaram a santidade e se enchem de esperança pela libertação do Senhor que vem.

Talvez você também queira partilhar algo sobre esses 75 anos dedicados a Deus de padre Jonas Abib. Conte para gente:

“O Brasil precisa de Santos”

Filed under: Artigo — at 5:02 pm on sexta-feira, novembro 11, 2011

“O Brasil precisa de santos; o Brasil precisa de muitos santos!” As palavras de 1991 do Beato João Paulo II ainda ecoam forte, a ensinar que santidade não é algo distante, estranho a nossa realidade. O saudoso papa polonês se empenhou nesse sentido, proclamando santos e beatos mais que todos os papas juntos que o antecederam desde 1538. “Se a Igreja de Cristo não é santa, não é a Igreja de Cristo”, dizia João Paulo II. O Cardeal português José Saraiva Martins, prefeito da “Congregação para a Causa dos Santos”, afirma que a igreja não canoniza muitos santos, citando o ex papa que via nesse ato uma aplicação do Concílio Vaticano II. Há hoje 2.200 processos de beaticação e canonização no Vaticano. Desses, cerca de 70 brasileiros, segundo a irmã Célia Cadorin, considerada a maior autoridade do Brasil no assunto e postuladora das causas de nossos dois santos: Frei Galvão e Madre Paulina.

Sede Santos”

João Paulo II ao pedir santidade ao Brasil, não pensava, é claro, nos santos, digamos, oficiais. Mas numa Igreja chamada à semelhança com Deus que é santo, numa “santidade fundamental da Igreja, também na vida dos leigos”, capaz de gerar frutos de justiça e paz. No entanto, é inegável a importância para a comunidade cristã, especialmente para os mais novos, de modelos, de pessoas que viveram a nossa realidade, pisaram o nosso chão e venceram. A Igreja, então, com muito cuidado e zelo, analisa a vida de seus fiéis com fama de santidade, sendo a canonização a sentença definitiva pela qual o Papa insere no “Catálogo dos Santos” alguém já proclamado Bem-aventurado, podendo lhe ser prestada veneração.

Processo que pode demorar muitos anos. Seu início só pode acontecer cinco anos após a morte da pessoa. Prazo que foi cumprido recentemente pela Arquidiocese de Mariana para começar a causa de Dom Luciano Mendes de Almeida. Outro processo agora iniciado é de Madre Tereza Margarida do Coração de Maria, nascida em Três Pontas, MG, que é irmã de Márcia Portugal, moradora de Cruzeiro, SP, amiga da Canção Nova, e que participou ativamente dos inícios da RCC na região do Vale do Paraíba.

Santidade verde-amarela

A lista de brasileiros com fama de santidade é longa. Mas fica pequena perto do cotidiano de tantas e tantas pessoas que dedicam sua vida aos outros, a um mundo melhor, à evangelização. São irmãs, padres, advogados, jovens, mártires, deficiente-físico, analfabeta. Manuel, Albertina, Mariano, Marias, Josés. Alguns conhecidos como o jesuíta José de Anchieta. Outros nem tanto, como o coroinha Adílio. Mas em suas regiões atraem muitos em peregrinação, como Nhá Chica, no sul de Minas, Frei Damião no nordeste ou Padre Donizetti no interior de São Paulo.

De uma época já um pouco distante, como os chamados Protomártires do Brasil, martirizados no Rio Grande do Norte por holandeses e índios em 1645, ou recentes, que chegaram a conviver conosco, como o “anjo bom da Bahia”, irmã Dulce, o redentorista radialista Padre Vitor Coelho e o sacerdote mineiro Alderige Torriani.

Muitos não nasceram aqui, mas adotaram nossa terra, como o polonês padre Rodolfo Komorek; salesiano, morou em Lavrinhas, SP, no Colégio São Manuel, hoje uma casa Canção Nova de pré-discipulado (fase de iniciação da comunidade). Morando alí, padre Rodolfo deixou sinais da santidade de Deus: há relatos de bilocação (estar em dois lugares ao mesmo tempo) e até do polonês ter andado na chuva sem se molhar… Na década de 40 contraiu uma grave doença. A tuberculose o levaria a São José dos Campos, então uma estância de tratamento da doença. Analisado por um renomado médico, Nelson D’Avila, foi lhe dado apenas três meses de vida e recomendação de repouso absoluto. Viveu por nove anos na cidade fazendo atos de caridade e celebrando missas no sanatório…

Santidade nas pequenas coisas

O tema santidade também é abordado insistentemente por Mosenhor Jonas Abib, ao ponto de se cunhar a frase/lema: “Ou Santos ou nada”. O fundador da Comunidade Canção Nova dedicou seu apostolado nos meios de comunicação, junto aos jovens, para se superar o conceito de que santidade é algo distante, própria de pessoas estranhas ou de super-heróis. Ao contrário, espalhou a semente do trabalho santificado, em que cada ação se torna uma oração. Muito ao estilo de São João Bosco que ensinava aos seus meninos que a santidade consiste em fazer bem as pequenas coisas do dia a dia. São Domingos Sávio é fruto desse “modelo” de santidade. Uma santidade que veste camiseta e calça jeans e nada tem de enfadonho ou triste. Pois Dom Bosco também dizia: “um santo triste é um triste santo”…

Porfessor Felipe Aquino

Osvaldo Luiz

DONA CIDA

Filed under: Artigo — at 2:51 pm on terça-feira, setembro 6, 2011

(Posto aqui -a pedidos- meu discurso na entrega do título de cidadão cachoeirense à Dona Cida da Câmara)

A minha alma engrandece o Senhor e meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, porque ele olhou para a humildade de sua serva… derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes.” (Lc. 1, 47, 48a e 52)

Ao pensar no que falaria neste momento, o Cântico de Maria me veio naturalmente… Da. Cida, em sua simplicidade, foi, com o tempo, se tornando fundamental nessa casa. A primeira que chega, a última que sai. Cuida não só de cada ambiente como se fosse sua própria casa, como também de nós vereadores e demais funcionários como seus familiares, filhos. Quantas vezes não ouvimos seus conselhos?… Quantas vezes Da. Cida veio também interceder por algum colega que precisava de algo?…

E pensar que ela sequer é funcionária do Legislativo e , sim, cedida pela prefeitura… Poderia se esquivar, cumprir só seu horário, mas não: não há aqui alguém mais presente, que “veste mais a camisa” da Câmara Municipal. Exemplo inclusive para nós vereadores… Sua presteza, sua disponibilidade, seu empenho indicam constantemente a nossa missão: de servir Cachoeira Paulista e não se servir dela! Jesus na última ceia deixou o exemplo: mesmo sendo mestre e Senhor lavou os pés dos discípulos. Fez algo que nenhum Judeu, mesmo escravo, tolerava fazer… Para dizer aos cristãos, especialmente os que possuem cargos, que eles são serviços…

A força da Da. Cida vem também de casa. Teve que sozinha “segurar” a família. Cuidou dos filhos, agora dos netos. Em sua residência foi pedreira, eletricista, encanadora… Tanto que aqui sempre soube o que fazer quando algo não funcionava. “Suspeito” que essa nova novela, com a personagem da Lilia Cabral, o Pereirão, se inspirou na nossa Da. Cida!

Vivemos numa época de mulheres fortes. Olha a nossa presidenta Dilma. A crescente participação das mulheres na política só pode fazer bem para o nosso Brasil. Como faz bem para Cachoeira Paulista tê-la, Da. Cida, como cidadã. Obrigado por viver conosco!

Corpus Christi

Filed under: Artigo — at 3:17 pm on quarta-feira, junho 22, 2011

Jesus se faz alimento para sua comunidade. É o novo Maná, o pão descido do céu para o sustento espiritual em nossa caminhada.

Corpus Christi é uma festa antiga, que acontece sempre 60 dias depois da Páscoa, na quinta-feira após a festividade da Santíssima Trindade. Da celebração do Corpo de Cristo surgiu a tradição de se dedicar toda quinta-feira à adoração, prática significativa aqui na Canção Nova.

Característica marcante de Corpus Christi são as procissões com o Santíssimo Sacramento. Um testemunho de fé na presença real de Jesus na eucaristia. Destaque para os tapetes elaborados com serragem, areias pintadas e outros pós. Expressões que unem arte e religiosidade. Caminhadas também aqui na Chácara de Santa Cruz, considerada território eucarístico, com sua adoração perpétua ao Santíssimo Sacramento…

(O texto acima foi produzido originalmente para ser exibido no Programa “Deus Proverá” da TV Canção Nova)

deus?

Filed under: Artigo — at 2:58 pm on segunda-feira, junho 20, 2011

“O médico pensa que é deus; o jornalista tem certeza…” A frase brinca com as duas categorias profissionais que, por reterem tanto poder em suas mãos, correm o risco de se perder na auto-suficiência, na arrogância, no orgulho.

Na sexta-feira (17/06) fui procurado cedinho por uma filha preocupada com a saúde de sua mãe de 72 anos. Ela estava internada em nossa Santa Casa (Cachoeira Paulista) com um quadro cardíaco grave. A filha queria a transferência para um hospital maior, com mais recursos.

O caso foi levado ao secretário de Saúde que pôde constatar a gravidade da situação e a fragilidade da paciente. Mas o médico responsável – de plantão à distância – se recusou a ir vê-la, alegando que ela tinha sido visitada no dia por uma cardiologista e que ela sabia o que estava fazendo, que não era caso de transferência…

A cardiologista receitou, à tarde, inalação com Berotec para a senhora com graves problemas cardíacos. Medicamento que o médico particular da família, que acompanhava o caso há anos, tinha terminantemente proibido. Às 11 da noite a senhora faleceu.

Humildade! Não é se rebaixar, se humilhar. Humildade é saber seu lugar; não se situar nem acima, nem abaixo. Saber de suas virtudes e suas limitações.

Por que não se escutou a filha que acompanhava e conhecia como ninguém a luta da mãe? Por que ninguém teve o cuidado de ligar para o profissional que cuidava da senhora há tempos e tinha se colocado à disposição?

Quanto vale uma vida humana? Ah, ela já era frágil? Então, quanto vale mais um dia com sua mãe? Poder ouvir suas palavras, sentir seu calor, pedir sua benção?

Maio

Filed under: Artigo — at 6:13 pm on quarta-feira, maio 4, 2011

Maio das mães! Mulheres na sua expressão máxima. Participando da nobre criação de Deus. Gerando vida e não abandonando nunca; do nosso lado, mesmo quando já ninguém mais está…

Maio só podia ser de Maria. Sua presença materna, amorosa, “em pé”, estimula a Igreja! Lhe dá ânimo, esperança.

Maria tão presente na vida de João Paulo II. Como não foi por acaso sua beatificação no Domingo da Misericórdia, não foi coincidência acontecer em maio. Órfão muito cedo, nosso João de Deus aceitou o convite de Jesus: “Eis aí tua mãe”.

Maria que, esse ano, será ainda mais presença na Assembléia Geral dos Bispos do Brasil. A partir de agora será em Aparecida os encontros anuais. Ó mãe, que sempre zela pela unidade dos seus filhos, acolha sob seu manto, nossa igreja no Brasil!

A Canção Nova quer nesse mês renovar sua vocação, seu desejo, de ser “Casa de Maria”. Vivendo a mística de sua presença: discreta, mas real e fecunda. Aprendendo, a cada dia, a dizer sim a Jesus…

(Texto produzido originalmente para o programa Deus Proverá)

SEMANA DA COLETA SELETIVA

Filed under: Informação — at 3:14 pm on sexta-feira, abril 8, 2011

SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE COLETA SELETIVA  EM CACHOEIRA PAULISTA-SP

(11 a 15  de abril de 2011)

11/4 (Segunda-feira)

LOCAL: Auditório Municipal “Leonardo Pinto Ribeiro”

9h00 –           Cerimônia de Abertura

9h30 e 15h – Mesa redonda (Fábio Loyola do INPE, Sônia da CETESB, André da VSA e Thales Aquino)

12/4 (Terça-feira)

9h00 e 16h00 – Visita ao Aterro Sanitário de Cachoeira Paulista (saídas 30 minutos antes da Praça Prado Filho)

13/4 (Quarta-feira)

9h00 e 16h00 – Visita ao Movimento Emaús (saídas 30 minutos antes da Praça Prado Filho)

14/4 (Quinta-feira)

LOCAL: Praça Prado Filho (Centro)

9h30 e 14h30 – Dinâmicas com os personagens Zé do Paraíba e do Cantinho da Criança

-Apresentação Musical do “No Ritmo da Sucata”

-Exposição de Artesanato com reciclagem

15/4 (Sexta-feira)

LOCAL: Auditório São Paulo – Canção Nova

9h00 e 14h00 – Exibição do Vídeo da Campanha da Fraternidade 2011

10h00 e 15h00 – Palestra sobre Coleta Seletiva – Thales Aquino

10h30 e 15h30 – Grupo Pró-reciclagem

REALIZAÇÃO:

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011         FUNDAÇÃO JOÃO PAULO II

MOVIMENTO EMAÚS                    VSA – Vale Soluções Ambientais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA PAULISTA

Próxima página »