Com essa frase do evangelho de São Marcos, podemos ver um traço da personalidade de Jesus. Era um homem maduro em todos os sentidos. A maturidade é sinônimo de eficiência, eficácia e simplicidade. Em suma, maturidade é sinônimo de santidade!

Afetivamente: maduro! Psicologicamente: maduro! Politicamente: maduro! Espiritualmente: maduro! Jesus Cristo era tão maduro que no derradeiro dia, prestes a entregar-se nas mãos do Pai Celeste, afirmou: “Tudo está consumado!” (Jo 19,30). Que êxito! Os seus 33 anos bem vividos. Não faltava nada! Tudo foi ‘bem’ feito. Não deixou as coisas ‘pela metade’. Não precisou de um dia a mais. Nem mesmo um minuto além do que lhe foi dado. Tudo consumado! Bem diferente de algumas pessoas que chegam ao final da vida com ‘tudo consumido’. Que incrível diferença faz uma única letra: consumado, consumido… Que alegria seria se muitos dos nossos políticos pudessem ter um fim de mandato semelhante ao de Cristo. Que honra seria saber que muitos padres, pais, médicos, professores, profissionais das mais variadas áreas, encerraram a carreira com tudo ‘consumado’ e não ‘consumido’!

A maturidade de Cristo se dá não apenas por talento pessoal ou predisposição genética. É verdade que seus pais: Maria e José, eram ‘justos’; isto é, cumpriam fielmente o que lhes era recomendado pela lei religiosa. Mas acima de tudo, Jesus aprendeu isso de seu Pai Celeste. No início da Bíblia, vemos que Deus criou o mundo e viu que ‘tudo era bom’(Gn 1,10). Ou seja, sua obra é boa! É bem feita! É perfeita!

Que necessidade temos de aprender essa qualidade de Jesus! Quantas vezes deixamos as coisas por fazer, ou fazemos as coisas ‘de qualquer jeito’. Neste mundo escravo do tempo e intoxicado por múltiplas tarefas, descobrimos homens e mulheres apressados, estressados e doentes porque não conseguem cumprir uma agenda, atender todas as solicitações e corresponder a todas as expectativas. Talvez o grande problema seja nossa extrema capacidade de complicar as coisas que são tão simples. Conseguimos tempo para tudo o que é secundário e deixamos de lado o que é essencial. A escala de valores foi perdendo sua textura natural e acabamos por colocar em primeiro lugar itens que não garantem um ‘final feliz’. A vida se torna pesada demais quando colocamos mais peso no telhado e nos esquecemos de fortalecer o alicerce da própria casa. Que o digam os engenheiros encarregados de justificar os desabamentos fatais que vimos nos noticiários nacionais ultimamente.

A estrutura humana ideal é aquela que se assemelha à do Nazareno. Vivia com simplicidade. Valorizava os relacionamentos e dava chance até mesmo àqueles que potencialmente poderiam feri-lo (Judas). Não se deixou prender pela mágoa, perdoava sempre (“Perdoai-os, eles não sabem o que fazem” – Lc 23,34). Não era preso à própria opinião, sabia submeter-se (“Que se faça a tua vontade, o Pai; e não a minha!” Lc 22,41 ). Era íntegro o bastante para não se afligir com a opinião alheia, acolhia pecadores e excluídos. A todos tinha uma palavra pacífica e orientadora (“Bem-aventurados os mansos!” Mt 5,5 ). Amadureceu sem desviar o motivo da própria existência. Aliás, tinha um sentido claro da própria vida (“Eu vim para que todos tenham vida, e vida em abundância!” Jo 10,10).

Quer fazer bem todas as tuas coisas? Imite Jesus!

Seu irmão,

Pe Delton Filho

O mês que abre as portas!

A palavra que define o primeiro mês do ano (Janeiro) vem do latim: Ianua. Ianua traduzido para o português significa ‘porta’. Atravessamos a porta do primeiro dia do ano para trilharmos mais de 50 semanas ao longo do ano que chegou. Ao longo do ano, teremos de abrir muitas outras portas, ninguém escapa disso!

Só quem já atravessou uma porta de um quarto de hospital, deperando-se com um enfermo em estado terminal, pode realmente saber agradecer o dom da vida e da saúde.

Só quem já atravessou a porta de uma cadeia, olhando nos olhos de um presidiário condenado pode realmente compreender como é maravilhoso viver a liberdade como conseqüência das próprias escolhas.

Só quem já entrou num casebre muito pobre, sem sofá ou cama, apenas colchão estendido no chão de terra pode realmente valorizar as coisas que já foi capaz de adquirir com o salário sofrido. Todos nós precisamos atravessar portas.

Quem está impedido de atravessar a porta da casa da pessoa amada, consegue – a duras penas – reconhecer que a necessidade de amar e ser amado tem exigências muito sérias.

Que foi barrado na porta de alguma oportunidade na vida compreende como é importante semear honestidade para colher chances sobre esta terra.

A mais importante porta, porém, é a do seu coração. E essa porta tem a fechadura do lado de dentro. Só você pode abri-la. Sei de muita gente que se feriu seriamente por ter deixado a porta aberta para quem não merecia entrar. As conseqüências foram desastrosas. Há seqüelas desse tipo que perduram a vida toda, anos e anos a fio.

Todavia, apesar de todas as experiências duras que tenhamos tido ao abrir a porta para a pessoa errada, não podemos ficar fechados. E se o Filho de Deus viesse bater à porta do seu coração agora? Talvez Ele não apareça vestido de branco, com barba longa e olhos azuis… Talvez Ele lhe visite na forma de alguém que lhe pede perdão… de alguém que lhe pede um prato de comida… de alguém que perdeu a moradia na enchente da vida e necessita de um lugar para descansar. Quem sabe Ele se apresente a você sob a forma daquela pessoa que te incomodou a vida toda e que agora está agonizando na UTI de um hospital, esperando uma palavra amiga. Quem sabe, Nosso Senhor Jesus Cristo, bate à porta do seu coração trazendo a oportunidade de felicidade verdadeira, através da vivência da fé e obediência à Sagrada Escritura. Não deixe a porta fechada para a pessoa que pode abrir todas as outras portas para você!

Em nossa comunidade, o Senhor nos visitou através de inúmeras pessoas. Muitas delas com muito pouco recurso econômico. Nossa porta sempre esteve aberta. Graças a essa abertura, conseguimos abrir Janeiro com uma grande graça para nós: o pagamento total da rádio que evangeliza meio milhão de pessoas no vale do S. Patrício e milhares pela internet. Somos agradecidos a todos que nos ajudaram. Somos agradecidos ao Senhor que nos visitou e pôde entrar em nossa casa.

Que Ele encontre a porta do seu coração escancarada! Ele é o caminho, a verdade e a vida! Feliz Ano Novo!

Seu irmão,

Pe Delton Filho

www.coracaofiel.com.br