Refletindo o Evangelho desse dia 22 de agosto temos sem dúvida a oportunidade de crescer fortalecendo as nossas decisões, como também, a virtude da vigilância. Em Lucas 13, 23 nós encontramos alguém que faz uma pergunta a Jesus: “Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?” Diante da pergunta, Jesus responde com uma forte afirmação no versículo seguinte: “Fazei todo o esforço possível para entrar pela porta estreita. Por que eu vos digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão”.

A exigência do evangelho deve portanto nos questionar se a vida que levamos, verdadeiramente nos forma e prepara, para as diversas portas estreitas da vida, inclusive, para a porta estreita por excelência, que é o julgamento final. É muito significativo e profundo o fato de Jesus afirmar que muitos tentarão, e não conseguirão entrar. O que isso pode significar para nós? Será que esses levavam uma vida de completa ilusão acerca do seu preparo? Ou seja, viviam uma ilusão de seguimento de Jesus, de estar preparado, contudo, sem as condições necessárias para responder a exigência da porta estreita. Estar com Jesus, mas não ser inteiramente de Jesus, constitui a ilusão que mais frusta o homem.

A porta estreita nos revela o quanto importante é ter uma vida de intimidade com Jesus que compromete o ser, ou seja, a vida na sua totalidade. Em 1Jo. 2, 4 colhemos o critério que nos prova: “Aquele que diz: “Eu conheço”, mas não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele.” Tal dimensão nos encaminha para um exame de consciência intenso, onde percebemos, que sem a prática dos ensinamentos de Jesus, no concreto da vida, nosso preparo revela-se ilusório e fantasioso. Se a consciência, o conhecimento e a fé, não revelam-se capazes de governar a vida, a existência torna-se mentira e falsidade. E de fato tudo aquilo que não é cosntruído na verdade sempre irá cair por terra um dia, o tempo é o seu maior adversário, pois, o tempo sempre vence aquilo que não possuí raiz profunda e substância!

Agora, quem pode nos preparar para a exigência da porta estreita? Constatamos que somente um pode nos formar para tal realidade: Deus que nos criou! É por esse motivo que a carta aos hebreus afirma que não podemos desprezar a educação do Senhor que nos repreende e corrige em vista da salvação.” Contudo, sem o “fazei todo o esforço possível”, acaba-se por não viver o comprometimento e o dinamismo do ser melhor, da mudança, que nos faz vir para fora, inserindo-nos nessa realidade de purificação e preparação.

Nesse evangelho Jesus coloca ainda um outro questionamento no vensículo 25a e 26: “Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vós, do lado de fora, começareis a bater, dizendo: “Senhor, abre-nos a porta!”. Ele responderá: “Não sei de onde sois”. É sem dúvida muito triste seguir um caminho e ver as esperanças frustradas, mas isso, é justamente o resultado de uma vida feita de meias medidas, de jeitinhos aqui e lá, enfim, de meras aparências. Precisamos ser responsáveis, reconhecendo que Deus nos conhece inteiramente, e que o improviso e a imprudência não são salvíficos. Portanto, não nos enganemos, sigamos um caminho permitindo que o dono da porta nos ajuste na medida da porta estreita, pois, a medida correta está em Deus não em nós mesmos.

Mas, infelizmente vivemos em um mundo onde a busca de muitos é pela porta larga, pelo mais fácil e rápido. Que tipo de pessoas podem surgir de uma formação que busca a facilidade e a falsa proteção? Pessoas desanimadas e excessivamente sensíveis, que tendem à perca de sentido da vida, pelo simples fato, de não conseguirem enfrentar as exigências naturais da vida e da fé. Por isso, decida-se por um caminhar onde a referência é a Palavra de Deus que nos revela Jesus, como também, nos desvela a verdade de nós mesmos. O que precisamos fazer e deixar Deus fazer em nós? Que Deus te abençõe, prepare e ajuste, na medida da porta estreita, o tempo da graça, o Kairós de Deus para ser estreitado é hoje!

Pe. Eliano Luiz Gonçalves.

Vice Reitor do Seminário Diocesano Nossa Senhora Mãe dos Sacerdotes.

3 Comentários

  1. Pingback: padreeliano

  2. Pingback: Padre Eliano Luiz

  3. Padre Eliano, como sempre as suas colocações são bastante profundas, sinceras e de grande teor espiritual. Estive com o Sr. na Pereginação em 14/12/2010, foi uma benção a nossa viagem a Terra Santa, lembra-se Família Linda, Linda mesmo, parece que já nos conheciamos de velhos tempos, são as delicadezas de Deus e de Maria em nossa vida, lembro todos os dias da viagem é como um sonho que foi real mais que a gente não quer esquecer nunca mais. Peregrinar na Terra Santa, foi um marco em minha vida, o antes e depois de ter ido até lá, sinto que aumentou mais o meu ardor as coisas de Deus e principalmente na leitura da Bíblia. E sempre quando escuto qualquer passagem das nossas visitas, que alegria tive a graça de ir pessoalmente. Deus o abençõe sempre , e continue este lindo trabalho de resgate de almas. Paz em Cristo, Sandra Estevam Ribeirão Preto-SP.

  4. Infelizmente temos visto que o conceito que hoje muitos possuem da “salvação em Cristo” em nada se compara ao que era em tempos passados e daquilo que “biblicamente” nos foi ensinado nas Escrituras. Hoje é possível aceitar Jesus e não carregar a cruz, aceita-lo de boca e não de coração. A porta que nos leva a salvação em Deus vem por Jesus Cristo (Jo 10:7;9). E está acessível a todos. (Jo 3:16). Porém o caminho que leva ao céu é uma porta estreita.

  5. É meus queridos, é assim mesmo, a porta é única, e estreita, por isso ninguém entrará por ela com bagagens de preconceitos, de medo, de indecisão e muito menos com o pecado. Esta porta nos conduz a vida, uma vida eterna herdada pela ressurreição de Jesus na cruz. O preço já foi pago, a divida foi quitada, nossa comunhão restabelecida. Mas será que eu estou na medida ideal para passar pela porta estreita? Algumas coisas fazem com que eu passe da medida ideal (excesso de peso espiritual, gordura gorda) e não me permitem passar pela porta. Como a nossa vontade que é carnal e pecadora. Ela é resistente como um aço, não se dobra, não se amolda a vontade de Deus. É preciso quebrá-la até ao ponto em que Jesus chegou ao Getsêmani (Mt 26:39), com certeza este é um processo doloroso, humilhante, mas é o único caminho. Neste caminho trilhou alguns personagens: Moises(Ex 3 e 4), Davi (Sl 32 e 51), Isaias (Is6) e muitos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *