Viver os dons em comunhão com a origem e fonte de todos os dons, nosso Deus e Senhor, constitui o grande desafio para os que exercem a missão da musicalidade no âmbito da vida cristã. Dons vivenciados não de forma paganizada ou mundana, mas santificada e santificante. Portanto, à luz do Concílio Vaticano II, podemos refletir hoje com profundidade acerca de alguns elementos principais dessa ação missionária que a música exerce no meio cristão. A Sacrosanctum Concilium, nos seus números 710 e 711, nos instrui da seguinte forma: “… a Música Sacra será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver ligada à ação litúrgica, quer exprimindo mais suavemente a oração, quer favorecendo a unanimidade, quer, enfim, dando maior solenidade aos ritos sagrados. Finalidade da Música Sacra: a Glória de Deus e a Santificação dos Fiéis”.

Desse ponto partimos para nossa reflexão acerca do dom da música. Primeiramente constatamos que o dom é concedido por Deus, fruto de sua bondade, benevolência e gratuidade, tendo em vista o serviço. “Há mais alegria em dar do que em receber”. (cf. At. 20,35). Partimos da beleza do dom, onde a arte, ou seja, no nosso caso, a musicalidade precisa ser santa, porque ligada ao Sumo e Eterno Sacrifício Pascal de Cristo. Onde o ser servo da liturgia não constitui uma opção, mas a regra mestra que dá sustentabilidade à este servir perseverante de comunhão com Cristo, com a Igreja e os irmãos. Pois, a finalidade da música sacra é glorificar a Deus e santificar os fiéis, ou seja, estar voltada para Deus, glorificando-o, e conduzindo o povo de Deus ao Mistério da Palavra e da Eucaristia, manifestos no Santo Sacrifício da Missa. Sendo assim, fica evidente que aquele que recebeu do próprio Deus esse dom, não constitui o centro da ação, a centralidade de vida e missão do músico cristão é sempre Deus. Já que o dom com dinamicidade de serviço, não pode tornar-se um instrumento de satisfação das vaidades e do próprio ego! A primeira ordem na vida do músico cristão é a de viver como um necessitado do mistério. Um servidor sedento, que uma vez pondo-se à serviço, não deve ele mesmo ser um mero expectador desatento, mas alguém ativo, que participa, contempla, mergulha e vive o mistério celebrado.

Outro aspecto importantíssimo que esta reflexão acerca da musicalidade nos revela é o aspecto da Unidade Eclesial. Usamos como fundamento reflexivo, o fato de que esta unidade eclesial está ancorada na unidade do Deus Trinitário, e de sua obra salvadora. Pois, a Unidade é marca fundamental da Igreja, dom inegável de Deus. E São Paulo falando à Igreja de Corinto, trata da unidade e da diversidade, mostrando que não são contraditórias. A diversidade não pode ser ocasião de separação e divisão  (Rm. 12, 1-18; ICor. 3, 1-8; Fl. 2, 1-11; Ef. 4, 1-16; Jd. 19). Esses textos bíblicos falam contra toda espécie de rivalidade e tensão, que possam ameaçar a unidade. Buscar a unidade não significa uniformidade, ou seja, todos na mesma forma, pois, todos sabemos da existência da individualidade, ou seja, da constituição única de cada indivíduo. Mas também sabemos, que a construção da harmonia, somente torna-se possível, se no Espírito Santo, acontece a decisão pela vida de Pentecostes (busca da glória de Deus – At. 1,14), e não pela vida de Babel (busca da glória do próprio nome ou de si mesmo – Gn. 11, 4). Pois, somente neste dinamismo de Pentecostes, as individualidades não se anulam, como também, não se autodestroem, mas se potencializam com criatividade na evangelização. A unidade portanto não exige superação das diferenças, mas apenas transformação do seu caráter, de modo que as diferenças deixem de ser separação e divisão, convertendo-se em expressão de comunhão e evangelização.

Tendo em vista vencer as divisões internas e consequentemente as externas, torna-se fundamental, a vivência de três dimensões que colocam nossa vida na dinâmica do Reino de Deus:

1- Comunhão com Deus:
Busca contínua do Deus que se deixa encontrar. Ou seja, vida de oração (diálogo íntimo com Deus).
Vida Sacramental (Confissão, Reconciliação, Eucaristia).

2- Comunhão Eclesial:
Serviço de Amor e Doação.
O compromisso com o Dom de Deus e com o dom do irmão. “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído (Mt. 12, 25).

3- Comunhão Fraterna: Unidade no Mesmo Espírito:
– O Testemunho da comunhão vivida nas comunidades eclesiais apostólicas primitivas é um modelo para nós. “Vede como se amam”. (cf. At. 2, 42-47)
– A Unidade comunitária é reveladora da presença Reinante do Cristo Ressuscitado. “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou eu no meio deles”. (Mt. 18,20)
– A Alma da Comunhão é a Caridade (cumprimento da Lei e dos Profetas, vínculo de Perfeição).

Chegamos a conclusão que a pessoa se realiza, como também, adquire harmonia e paz interior, na dinâmica dos dons em serviço, quando vive a relação íntima com Deus e a comunhão com os irmãos. Da comunhão com Deus surge e se sustenta, a relação e a comunhão com os irmãos (as). Somos seres de relacionamento, portanto, devemos fazer da originalidade e das diferenças, não motivos de fechamento e isolamento, mas de criatividade evangelizadora. O fechamento em si mesmo, gera asfixia, morte por falta de doação, serviço e comunhão. O dom existe tendo por objetivo uma constante e dinâmica orientação para a o serviço de comunhão. A tradição cristã afirma que a comunhão com Deus e os irmãos é a essência da salvação. Deixar o dom nos converter e santificar, para que seja, serviço para a glória de Deus e santificação dos irmãos (as), constitui uma graça a ser buscada constantemente por todos nós. Pergunte-se hoje e sempre, se seus dons te convertem e santificam, conduzindo as pessoas à santificação e a comunhão com Deus e os irmãos (as). Esse é o dom que glorifica a Deus!
“Nisto reconhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros”. (Jo. 13, 35)

Pe. Eliano Luiz Gonçalves
Vice Reitor do Seminário Diocesano Nossa Senhora Mãe dos Sacerdotes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *