«

»

dez
09

Catequese na vida e missão da paróquia

Alguns aspectos sobre a importância da catequese na vida e missão da paróquia

No Brasil, a Igreja tem valorizado muito a catequese. Através de encontros, cursos, mobilizações, celebrações, publicações e tantas outras coisas, tem despertado interesse maior nas pessoas a participarem desse ministério, que é de fundamental importância para formação do povo de Deus. Nas palavras do papa João Paulo II, Quanto mais a Igreja, a nível local ou universal, se mostrar capaz de dar prioridade à catequese, tanto mais encontrará na catequese o meio para a consolidação da sua vida interna como comunidade de fiéis, bem como da sua atividade externa missionária”[1].

Neste breve espaço, buscaremos evidenciar alguns aspectos da importância da catequese na vida e missão da paróquia. Sabemos que a vida paroquial do cristão pode empobrecer-se, e depressa entrar em  ritualismo vazio, ou simplesmente em sentimentalismo, se não estiver fundada em conhecimento sério do que significam os mistérios cristos. Além disso, sem este conhecimento, o cristão será incapaz de dar razão à sua fé. Baseados na sagrada escritura e nos principais documentos da Igreja sobre a catequese[2], vemos que os mais importantes aspectos da catequese na vida e missão da paróquia são:

1) Catequese: um caminho de iniciação à vida de fé

Após o deslocamento de uma catequese simplesmente doutrinária para um modelo mais experiencial, a Igreja trouxe uma catequese mais viva, que introduz nos mistérios cristãos o catequizando, para que este, tenha uma experiência de fé. Esta integra tanto a dimensão doutrinal como a da experiência com Deus, ao tornar discípulo de Cristo o catequizando, seja criança ou adulto.

Esta metodologia leva à pratica da fé, a uma fé viva e atuante, que se expressa, sobretudo, na vida litúrgica, missionária e orante da Igreja. É uma iniciação no caminho da espiritualidade cristã, abrangendo a sagrada liturgia com todos os seus sacramentos, a leitura orante da Palavra de Deus, a religiosidade popular, a prática da oração pessoal e comunitária.

2) Um lugar de encontro com Jesus Cristo

É catequese cristocêntrica, que nos conduz à essência da vida cristã, que é o nosso Salvador Jesus Cristo, ao Seu evangelho, à opção por Ele, que nos revela o Pai no Espírito Santo. Para nós é muito claro, como nos diz o papa Bento XVI, que “Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas através do encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso uma orientação decisiva”[3].

A catequese deve anunciar a Boa Nova e formar discípulos e missionários; deve favorecer o encontro com Jesus Cristo, Salvador de todos os homens. Os encontros de catequese não são aulas, os catequizandos não são alunos e os catequistas não são professores. Isto não deve  constituir-se apenas de uma mudança de termos, mas de atitudes.

Os encontros de catequese visam a levar os catequizando a uma viva experiência de fé, a um verdadeiro encontro com Cristo Senhor, em um clima comunitário, de amizade, de união. Este encontro é um dom divino, revelando-se assim um inestimável tesouro, como nos diz o Documento de Aparecida: “Conhecer a Jesus Cristo é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria”[4].

O encontro com Cristo é necessário sempre recordá-lo e reavivá-lo. São grandes as possibilidades e muitos os meios culturais que a catequese pode utilizar para ajudar as pessoas a encontrar Jesus Cristo.  Além de vários meios espirituais, podem ser usados todos os recursos que a nossa cultura nos oferece como, por exemplo, os da cultura midiática, desde os tradicionais como jornal, televisão, rádio, até os mais modernos como internet e outros, todos podem estar a serviço da Palavra de Deus, para que Cristo seja amado e conhecido. A catequese tem este único fim: servir ao homem, para que ele possa encontrar Jesus Cristo, a fim de que Ele possa levar todos a percorrer a estrada da vida nova.

3) Um processo de inserimento na vida eclesial

A catequese nos introduz na vida da Igreja, nos leva a ser igreja, a pertencer ao corpo místico de Cristo, à comunhão dos santos. É na Igreja que a vida cristã cresce, comunica-se e se desenvolve. Cristo após instituí-la, ordenou que ela levasse sua mensagem a todos os homens de todos os tempos e lugares, até que Ele volte: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15). Por isto a Igreja é “o sacramento universal da salvação”, é necessária para a salvação.

A catequese deve ensinar o Credo da Igreja, os Sacramentos da Igreja, a Moral da Igreja, a Liturgia e a Oração da Igreja. Deve incentivar os catequizandos à participação nos movimentos, pastorais e outros grupos evangelizadores da Igreja. A catequese deve ser integrada às outras pastorais, tornando-se orgânica e de conjunto, a catequese da comunhão.

4) Processo permanente de formação integral

A catequese de iniciação compreende todo o processo de formação catequética, até à recepção dos três sacramentos da iniciação cristã: Batismo, Eucaristia e Crisma. Terá a orientação da paróquia, mas se dará por acompanhamento também dos pais/responsáveis. Esta fase destina-se a forjar as atitudes básicas do cristão e a tornar conhecidos os pontos fundamentais da doutrina da Igreja. Ela despertará também o catequizando para suas responsabilidades na Igreja e no mundo, levando-o a assumir compromissos concretos na comunidade, em testemunho coerente, como se espera do cristão.

A fase de iniciação é importantíssima, mas, graças, a Deus a formação cristã se prolonga pela vida inteira. Não só as crianças, mas também os adultos começam a merecer maior atenção, e cada vez mais buscam melhorar sua formação. A finalidade específica da catequese, no entanto, não é só de introduzir a pessoa na fé, mas também, de promover o crescimento e de alimentar quotidianamente as suas vidas, em todas as idades, em formação permanente, capacitando o cristão a conhecer, celebrar, viver, anunciar e testemunhar a Boa Nova de Cristo.

A Catequese é um processo de educação gradual e progressivo, adaptando-se e respeitando os ritmos de crescimento de cada um, abrangendo as diversas dimensões que deverão integrar-se harmonicamente ao longo de todo o processo formativo: “Trata-se das dimensões humana, espiritual, intelectual, comunitária e pastoral-missionária”[5].

5) Escola de conhecimento da Palavra de Deus

A Sagrada Escritura é para nós o livro da fé, e, por isso mesmo, é o texto principal da catequese. A alma da catequese é a santa Bíblia, a Palavra de Deus, onde a vida é orientada para novas atitudes, segundo os valores do evangelho. A catequese é considerada anúncio da Palavra de Deus, a serviço da qual se coloca. O princípio da interação fé e vida, aplicado à leitura da Bíblia, gera um tipo de leitura vital e orante da Palavra de Deus. Deve ser incentivada a utilização da Bíblia nos encontros de forma catequética e orante. Assim Paulo orientou Timóteo: “Desde a infância conheces as Sagradas Escrituras e sabes que elas têm o condão de te proporcionar a sabedoria que conduz à salvação, pela fé em Jesus Cristo. Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça” (2Tm 3,15.16).

É também muito importante ensinar os métodos de leitura da Palavra de Deus, e os vários meios de acesso à Bíblia, tanto impresso, como em vídeo e áudio. O verdadeiro catequista tem a convicção (mística) de que é profeta hoje, comunicando a Palavra de Deus com seu dinamismo e eficácia, na força do Espírito Santo.

6) Lugar de iniciação às virtudes e  à moral católica

A Moral da Igreja é a base, é o alicerce do nosso comportamento; por isso é ensinada na catequese, de modo que o cristão, conhecendo os dogmas da fé e a doutrina das sagradas virtudes, viva conforme as leis de Deus, em uma vida virtuosa. Nos ensina o nosso Catecismo: “Importa, na catequese, revelar com toda clareza a alegria e as exigências do caminho de Cristo. A catequese da vida nova” (CIC,1697).

As virtudes humanas (fortaleza, prudência, justiça e temperança) e as virtudes teologais (fé, esperança e caridade), faz que abracemos a beleza e a atração das retas disposições em vista do caminho de Cristo, do bem. “O caminho de Cristo “leva à vida”; um caminho contrário “leva à perdição” (Mt 7, 13). A parábola evangélica dos dois caminhos está sempre presente na catequese da Igreja. E significa a importância das decisões morais para a nossa salvação”[6]. Foram nas virtudes que os santos se inspiraram com prodigalidade para amar e seguir Jesus Cristo. A virtude da caridade nos fez tomar uma opção preferencial pelos pobres. Assim a catequese é transformadora e libertadora: uma mensagem de fé, que iluminando a existência humana, forma uma consciência crítica diante das estruturas injustas, levando a uma ação transformadora das realidades sociais: “a Igreja é chamada, em virtude da sua própria missão evangelizadora, a servir o homem. Tal serviço tem a sua raiz primeiramente no fato prodigioso e empolgante de que, com a encarnação, o Filho de Deus uniu-se de certa forma a todo o homem”[7].

7) Um lugar de interação fé e vida

O conteúdo da catequese compreende dois elementos que se interagem: a experiência da fé e a experiência da vida. A afirmação do princípio de interação fé e vida é a recusa tanto do excesso da teoria desligada da realidade da vida, como de uma fé sem compromisso com as realidades humanas, desvalorizando as necessidades do “aqui e agora”. São dois excessos que nos alienam e nos afastam da verdadeira fé da Igreja. O método tradicionalmente utilizado é o Ver-Julgar-Agir-Celebrar-Avaliar, cabendo a cada catequista fazer as adaptações necessárias. Portanto não é suficiente ter a doutrina e suas verdades fundamentias em mente. O conhecimento é fundamental, mas deve levar sempre à fé e à conversão. O cristianismo é uma experiência de fé, vida e salvação. A catequese deve dar prioridade ao aspecto experiencial e prático da fé, para que o catequizando torne-se verdadeiro discípulo e missionário de Jesus Cristo e possa dar a vida por Ele.

(Palestra no 1º Retiro Pastoral da Paróquia Santa Rita de Cássia, Aureny I-Palmas-TO, 27-11-2011).


NOTAS

[1] JOÃO PAULO II, Catequese Tradendae, 15: “a Igreja é convidada a consagrar à catequese os seus melhores recursos de pessoal e de energias, sem se poupar a esforços, trabalhos e meios materiais”.

[2] Catequesi Tradendae, 1979; Catequese Renovada, 1983; Diretório Geral de catequese, 1997; Diretório Nacional de catequese, 2005.

[3] BENEDETTO XVI, Deus Caritas Est, n.12; Documento de Aparecido, n. 243.

[4] Documento de Aparecido, n. 29.

[5] Documento de Aparecido, n. 280
[6] CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, n. 1696. 1697.

[7]  JOÃO PAULO II, Christifideles Laici, 36.

Link permanente para este artigo: https://blog.cancaonova.com/padregeraldinho/2011/12/09/catequese-na-vida-e-missao-da-paroquia/

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>