«

»

ago
17

Vocação Sacerdotal

Vocação, um ofício de amor

Pensando em vocação, contemplando o rosto de Cristo Sacerdote, louvo ao Senhor pelo chamado feito a mim e a todos os nossos irmãos no sacerdócio. Homens que fazem da vida uma experiência constante de doação, homens que Cristo escolheu para continuar a sua obra no tempo.

Hoje reflito a vocação sacerdotal, pois nestes meus poucos anos de padre já percebo seu valor em minha vida, mas também percebemos que muitos da nossa sociedade não a interpretam com o seu verdadeiro sentido ou a interpretam de forma limitada. Devemos lembrar-lhes sempre que a vocação sacerdotal é um caminho edificante, um dom de Deus, uma expressão do seu amor e cuidado para conosco e toda a sociedade. Como dizia o santo Cura d’Ars: “O sacerdote faz renascer no mundo o pensamento e o desejo das coisas do Céu”.

Compreende-se a vida do sacerdote olhando para a vida de Cristo, Ele é o Eterno e único Sacerdote, somos sacerdotes Nele, nos configuramos a Ele. Nele está nosso chamado e missão, assim Ele disse: “Como o Pai me enviou eu também vos envio” (Jo 20,21). O Senhor fazia como seu alimento cumprir a vontade do Pai e realizar a sua obra, não tinha onde recostar a cabeça, assim é a missão do sacerdote.

A vocação sacerdotal é um verdadeiro “amoris officium”: um oficio de amor. Ele tem a missão, e deve abraçar com coragem e afinco, de fazer o que fez Jesus: “Ele passou a sua vida fazendo o bem” (At 10,38). Somos homens pelo e para os outros, somos chamados a amar, a defender a pessoa humana e sua dignidade, principalmente as mais vulneráveis, as que mais precisam de um braço amigo e solidário. O papa Bento XVI nos recorda: “O sacerdote é aquele que sai dos laços do mundo para Deus, e a partir de Deus, estar disponível para os outros, para todos”. Essa é a missão do sacerdote, para essa realidade é que o Senhor o chamou. Um serviço a Deus, um serviço aos homens.

Foi nessa disponibilidade de servir o povo de Deus que Dom Bosco viveu e nos deixou seu exemplo, assim ele dizia: “Por eles eu rezo, eu estudo, e por eles me santifico”. Os desafios são grandes e as lutas são constantes, o sacerdote deve se ancorar sempre na certeza do consolo de Cristo e se confiar à sua graça que nos renova a cada dia. É em Cristo que o padre encontra a força para o seu caminhar e o sustento necessário para se manter firme neste santo serviço.

Nas minhas recordações, tenho a viva lembrança de Dom Aluísio Lorscheider (in memoriam, 2007), grande mestre na arte teológica, ensinava-nos em suas aulas de Teologia que: “O sacerdote é um grande benfeitor da humanidade, é promotor da justiça e da paz; mensageiro do amor de Cristo a cada um e a todos os homens”.

Pedimos que toda a Igreja reze por nossos padres, pela sua fidelidade e, para que continue a nascer na Igreja novas e santas vocações. Que no amor de Cristo possamos nos espelhar, nos renovar e nos empenhar durante toda a nossa vida.

Link permanente para este artigo: https://blog.cancaonova.com/padregeraldinho/2019/08/17/a-vocancao-sacerdotal/

1 comentário

  1. Joshua Martinez disse:

    Viver do mistério: primeiro ponto e fundamental, o sacerdote vive da Eucaristia e da vivência da Eucaristia no seu cotidiano. As palavras da celebração eucarística definem bem sua existência. A sua vida é uma vida entregue pelas pessoas, isto é o que realiza o plano de Deus sobre ele. Atenção para não confundir a realização dos nossos anseios pessoais e nossos talentos como algo importante para a realização do nosso sacerdócio.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>