O tema de hoje é a questão econômica. Parece repetir um pouco o que já fizemos na primeira semana. Agora a intenção é aprofundar, projetar, decidir. Após o trabalho de grupos teremos o plenário, seguido de debate. A tarde será um pouco mais livre e teremos a missa de tomada de posse do novo governo geral. Agradeço a oração de todos.

Acabo de receber um interessante comentário sobre meu POST BEATRIX. O questionamento é se esta irreverente banda católica não teria se rendido ao estilo EMO, ou seja, uma certa tristeza depressiva como jeito de ser. O que você acha? O Estilo emo contagiou a música católica?

Pe joãozinho
Peço sua benção
Bom,eu gostaria saber o seu ponto de em relação aos meus questionamentos sobre a banda.A banda BEATRIX,me deixou intrigado,por quase tudo.Tipo,penso eu,Deus é uma verdade,Ele nos ama,salva,liberta e tantas e outras verdades.A banda BEATRIX,assim como outras,me parece dar um passo para frente e outro para tras,por suas musicas,que mesmo levando o nome me Deus,melancolicas e ate mesmo no mode de se vestir.Tipo,vi a varias fotos da banda e quase todas estão parecendo com aquelas bandas emos ou goticas,deprecivas,tristes,sei la…não me parece de fato fazer a diferença.Entende oq eu quero lhe dizer
Obrigado Padre
Que Deus lhe abençoe sempre e Maria Santissima lhe quarde de baixo de seu poderoso manto

—-

AVISO AOS NAVEGANTES:

Interessante como alguns posts ressuscitam depois de dias, semanas e até meses. Este é o poder dos links da Net. Parece que lincaram este meu post e os amigos do Beatrix encheram o BLOG de comentários. Só tenho que agradecer. Estamos aqui para refletir, não é mesmo? Mas para que aquilo que penso do Beatrix seja melhor conhecido torno a postar aqui uma carta de apresentação que fiz para a Banda há meses:

APRESENTAÇÃO BEATRIX

 

Taubaté, 17 de dezembro de 2008.

 

Pax et Lux!

 

Um dos ministérios de que tenho recebido de Deus é de descobrir, orientar e/ou produzir novos talentos. Foi assim com Vida Reluz, P. Fábio de Melo, Ziza Fernandes e muitos outros. Reconheço nisso um carisma especial recebido de Deus. Penso que é uma espécie de “palavra de ciência” que permite auxiliar os irmãos a discernir e viver seu ministério musical. Por uma questão de respeito e responsabilidade somente digo uma palavra em relação a um ministério, compositor, intérprete ou banda, quando realmente sinto interiormente o sinal inequívoco de confirmação.

 

Nunca tinha ouvido falar de BEATRIX. O primeiro contato foi no recente Hallel de Brasília. Quando os vi, imediatamente percebi que estava diante do diferente. Temos muita cópia da cópia hoje na música católica. Já vi dezenas de Fábios de Melo e dúzias de Elianas Ribeiro. Ouvindo a performance do Beatrix no palco senti a confirmação de que eles vieram para ficar. A aparência irreverente e as melodias adolescentes não devem nos enganar. Eles são os primeiros a realizar um desafio que me incomoda a tempos: não conseguimos falar para os adolescentes. Ouve um tempo que a Igreja não conseguia falar para os jovens. Hoje ela não consegue falar para estes meninos e meninas que até participam dos nossos eventos, mas parecem surdos aos nossos sermões e canções. São catequizados pela MTV e por horrendas catequistas tatuadas que invadem o seu imaginário confuso ditando dogmas macabros. Beatrix é uma banda sincera. Eles não estão tentando falar daquele jeito para convencer. Eles cantam sua verdade. Por isso, merecem o palco tanto quanto bandas mais comportadas.

 

Recebi o CD de presente. Fiquei agradavelmente surpreso ao perceber que temos dois catarinenses de Joinville na Banda. Fui àquela cidade e pesquisei a vida pregressa deles. São gente de paróquia. Sua origem é de compromisso. Não sei se os pais deles ouviriam o disco até o fim. Espero que não. O CD Beatrix é feito para agradar os ouvidos adolescentes e isso necessariamente irritará nossos adultos ouvidos. Há ali também uma surpreendente raiz na Canção Nova. Penso que são frutos recentes do juvenil carisma de São João Bosco. O carisma tem a capacidade incrível de se reinventar a cada nova geração. É preciso crer para ver.

 

A capa é clássica. Tem um bom gosto irrepreensível. A gravação está bem feita. Tudo muito apropriado. A música SONORA parece ser o Hit da Banda. Gostei mais da versão acústica que ouvi no YouTube, com participação do Guilherme de Sá (http://www.youtube.com/watch?v=H69cYnAvW7A). Se alguém conseguisse gravar Beatrix com o som acústico do Rosa de Saron, seria o disco do Ano em 2009 pois, na minha opinião, o melhor CD Católico de 2007 foi o acústico do Rosa e o de 2008 foi o CD Beatrix.

 

Infelizmente o Beatrix foi produzido por si mesmo. Isto sempre traz o risco de opções musicais sem referência crítica. Faltou um produtor e por isso o CD tem repetições melódicas em algumas canções. É o limite mais grave deste trabalho.

 

Li cada uma das letras e são verdadeiros salmos da adolescência pós-moderna. Começam com reclamação e terminam em grito de esperança. São textos de poesia nua e crua. Evangelizam a partir dos valores que estão por detrás das letras e não da mensagem explícita que muitas vezes se espera de canções religiosas. Beatrix não é apenas uma banda religiosa. Pela sua linguagem, pode atingir outras “bandas”. Espero que continuem insistindo em gritar, que não fiquem distantes do coração e que não tenham que fugir do que são. É desse jeito que poderão levar a Palavra aos que estão distantes de nossas praças.

 

 

Deus os abençoe

 

Pe. Joãozinho,  scj