Terminou mais um encontro das CEBs, um modo de ser Igreja. Se você quiser saber como foi, veja que notícia interessante, com um link para o site oficial:

Amiga/o,
Acabei de chegar de Porto Velho, onde participei do 12o INTERECLESIAL DAS CEBs – 12o Encontro Nacional das Comunidades Eclesiais de Base. Aconteceu de 21 a 25 de julho de 2009, com o tema: CEBs – ECOLOGIA E MISSÃO; com o lema: Do ventre da mãe terra, o grito da Amazônia.
 
Foi uma beleza espiritual e profética indescritível. Cerca de 3 mil representantes das CEBs do Brasil. 55 bispos, pastores, representantes de 17 países latino-americanos e muitos observadores da Europa, EUA e Japão.
Centenas de voluntários trabalhando com muita alegria em 10 equipes de apoio. Todo mundo hospedado em casas de famílias.
SUGIRO: DEDIQUE UM POUCO DO SEU TEMPO E ENTRE NO SÍTIO NA INTERNET www.cebs12.org.br
 
Lá há muitos textos, fotografias, vídeos, entrevistas etc que lhe fará bem.
Um abraço terno. Frei Gilvander Moreira
e-mail: gilvander@igrejadocarmo.com.br
www.gilvander.org.br

2 Comentários

  1. Pingback: RCC Brasil

  2. Olá Padre Joãozinho!

    Nesse momento (sábado 25-07), assisto à reprise do Programa Direção Espiritual, no qual o senhor participou com o Padre Fábio de Melo. As suas explicações sobre a Eucaristia foram muito importantes para o nosso amadurecimento na fé.

    Deus o abençoe!

    Francisco.

  3. Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009

    Teólogo romano denuncia origem comum do ambientalismo radical, do nazismo e do comunismo

    Para o Pe. Paul Haffner, professor de teologia da celebérrima Universidade Gregoriana de Roma, os ambientalistas radicais professam um credo anti-religioso materialista.

    Esse credo deu à luz no século 20 os grandes regimes totalitários. Esse materialismo radical está na origem do nazismo, do stalinismo, e de filosofias panteístas da Nova Era.

    “O que liga a todos eles é, antes de tudo, a rejeição da revelação divina, de Cristo, e da visão cristã. Portanto, professam conjuntamente uma visão materialista da pessoa humana, segundo a qual o homem é só matéria, e ele igual a um animal, e deve ser tratada como tal”, disse o Pe. Haffner em entrevista a LifeSiteNews.

    O Pe. Haffner é autor de mais de 20 livros e 100 artigos teológicos e agora publicou o livro “Rumo a uma Teologia do Meio Ambiente” pela editora Gracewing, da Inglaterra.

    Muitos cristãos estão sendo confundidos pela virulência com que esses ambientalistas rejeitam a cosmovisão cristã e promovem a agenda anti-humana do controle populacional.

    Ele se referiu às diversas iniciativas contra a vida promovidas pela ONU e ONGs como Planned Parenthood. Nos projetos mais extremos, o ecologismo apocalíptico exige a redução drástica da humanidade em nome de seus supostos e imaginários perigos ecológicos iminentes.

    “É preciso lembrar que basicamente nazismo e comunismo são duas faces da mesma ideologia materialista e ateia”, acrescentou ele.

    “O fato de um parecer de direita e o outro de esquerda é um mero aspecto enganoso. É preciso lembrar que há um elo filosófico muito forte que liga essas ideologias”.

    O ambientalismo, disse ele, tem em comum com o comunismo e o nazismo, “a idéia utópica da raça perfeita (nazismo), e do Estado perfeito (socialismo-comunismo). Eles são, na realidade, irmãos gêmeos”.

    O Pe. Haffner sublinhou que “não é possível defender sinceramente o ambiente sem defender a vida. Porque o ambiente está feito para servir o homem e sua vida, e não o contrário, isto é que o homem está para servir meio ambiente”.

    Este conceito da criação ordenada em função do homem e a ele submetida estabelece uma diferença fundamental entre a concepção cristã do meio ambiente e a do ambientalismo materialista que vê no homem uma forma de “câncer” do planeta.

    Para o professor Haffner, a respeito de demografia, equilíbrio social e equilibro homem-natureza, “se a raça humana vivesse de acordo com o plano de Deus, nenhum desses problemas seriam problemas. As pessoas nasceriam no seio da família, não haveria instabilidade social por causa da estabilidade que dá o casamento ordenado em função dos filhos”.

    Para o Pe Haffner, essas filosofias materialistas anti-humana, foram geradas pelo “Iluminismo” do século 18, e nos filósofos que inspiraram a ímpia Revolução Francesa de 1789. De fato, o socialismo (que é a tintura mãe do nacional-socialismo de Hitler) e o comunismo germinaram à luz sinistra das convulsões e massacres do Terror.

    O Terror tomou conta da França no auge da Revolução Francesa. Ele guilhotinou o rei e a rainha, dizimou os nobres e religiosos e massacrou o povo que se resistia a seus criminosos intentos igualitários. Foi o primeiro grande genocídio igualitário.

    Naquelas jornadas revolucionárias registraram-se as primeiras cerimônias líricas de adoração da Natureza.

    Hoje, estamos pagando as conseqüências daquelas idéias niveladoras e libertárias.

    E o bem da Natureza? “Oh, bem da Natureza, quantos crimes se cometem em teu nome!” poderia se responder parafraseando uma famosa vítima morta na guilhotina erguida em nome da “Liberdade, igualdade e fraternidade”!.

    http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com/2009/02/teologo-romano-denuncia-origem-comum-do.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.